História Red String Of Fate - Capítulo 61


Escrita por: ~

Postado
Categorias Alycia Debnam-Carey, Eliza Taylor-Cotter, The 100
Personagens Clarke Griffin, Eliza Taylor-Cotter, Lexa
Tags Clexa, Elycia
Exibições 440
Palavras 2.873
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Fluffy, Romance e Novela
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 61 - CAPÍTULO 60


POV MARIE

Estava parada olhando para Lin não sei a quantos minutos, eu estava travada desde que ela me fez tal pergunta. Eu deveria estar feliz por ela querer dar um passo a mais em nosso relacionamento? Deveria! Mas o meu medo era maior e tomou conta de mim, tanto que mesmo querendo responde eu não conseguia. Encarei aqueles olhos que me fitavam em expectativa que aos poucos foi tomando um tom triste.

- Não fique com receio de falar não - ela se pronunciou abaixando a cabeça

- NÃO! - gritei fazendo ela pular de susto e me encarar - não é isso! - trato de falar, quando ia terminar de falar meu celular começa a tocar, olho para ele e Lindsey faz o mesmo, vejo o nome da Alycia na tela junto com sua foto e rejeito a ligação. - Não é isso, eu só tenho medo - exponho a verdade e vejo ela me olhar confusa, quando ia me explicar meu celular volta a tocar. Ia novamente rejeitar a ligação quando sinto a mão da morena sobre as minhas, a encaro confusa.

- Deve ser importante, você sabe que Aly não é de ligar a toa - explica e concordo com a cabeça enquanto deslizo o dedo no celular aceitando a chamada.

- Fala Sr Miss Peito - falo assim que coloco o celular no ouvido.

- Marie preciso de você- ela fala atropelando as palavras e chorosa

- Calma - peço - você está chorando? - pergunto e vejo Lin me olhar apreensiva

- A Eliza… ela está no hospital, estamos no hospital - fala chorando me fazendo levantar na mesma hora preocupada.

- O que aconteceu? - pergunto enquanto procurava meu sapato - esquece só me fala que hospital que estou indo prai - comento

- No central - fala

- Okay, fica calma em 15 minutos estarei ai - falo e encerro a ligação

- O que houve? - Lin me pergunta preocupada enquanto me entrega um par de sapatos.

- Obrigada - agradeço enquanto volto a me sentar para colocá-los - eu não sei. Aly estava abalada demais para me explicar. Ela só me disse que estava no hospital com a Miss Peito - explico

- Oh - Lin leva a mão a boca - você acha que é algo com o bebê? - pergunta igualmente preocupada

- Não sei, espero que não. Isso as deixariam devastada - falo pegando a chave da minha moto  os capacetes - vamos? - pergunto e ela sem demora pega o outro capacete.

_____

Entro no hospital correndo com uma Lindsey ofegante atrás, nem me dou ao trabalho de ir a recepção vou direto para a sala de espera me deparando com uma Alycia andando para lá e pra cá desesperadamente. Assim que me vê ela se joga em meus braços me abraçando apertado, envolvo meus braços em seu corpo e tento acalmá-la, olho para Lin que faz sinal de ir buscar uma água.

Me afastou de Aly e a levo até uma cadeira fazendo-a se sentar, me sento ao seu lado e logo Lin aparece com um copo de água, ela se senta do outro lado e entrega o copo a Aly que agradece e logo bebe o conteúdo do copo.

- Desculpa incomodar - Aly pede - eu fiquei desesperada - completa

- Não precisa se preocupar - Lin comenta - estamos aqui para tudo. O que aconteceu que até agora não entendemos - fala e eu concordo.

- Eliza tinha ido tomar banho e saiu do banho sangrando. Não era muito, mas era um quantidade considerável- explica e eu começo a ficar mais preocupada com a situação- coloquei ela no carro e vim para o primeiro hospital que tinha na rota - explica

- E como ela está? - pergunto enquanto me remexo desconfortável na cadeira

- Eu não sei - ela suspira- tem meia hora que entraram com ela, liguei para Dr Paulo e depois para vocês- explica- como vocês já chegaram eu suponho que ele também, mas não o vi ainda - completa enquanto se segura para não chorar

- Hey tá tudo bem - falo enquanto coloco a mão em seu ombro e aperto - não é vai ser nada demais - completo

- Essa falta de notícia está me deixando mais nervosa - fala

- Jaja alguém aparece - Lin fala - você tem que ficar calma, Eliza vai precisar de você calma - comenta enquanto segura a mão da morena que abre um pequeno sorriso.

- Vim assim que soube - Bob fala assim que adentra a sala de espera atraindo nossa atenção, Aly olha para mim

- Mandei uma mensagem para ele quanto vinha - comento e ela assente. Logo ela e Bob estão se abraçando e ela explicando o que havia acontecido.

- Aly? - um homem a chama e a mesma se apressa em ficar de frente para ele

- Paulo - ela pronuncia seu nome com um misto de alívio e nervosismo - como elas estão? - pergunta, nesse momento já estamos todos ao lado da morena passando força.

- Elas estão bem. Mas antes de qualquer coisa preciso que fique calma - ele fala colocando a mão no ombro da Aly, que respira aliviada depois do que ouviu - O que a Eliza teve foi o que chamamos de placenta prévia. A placenta está em um posicionamento não muito certo, ele está  na parte inferior do útero para  mais exato, por isso o sangramento - ele explica

- Mas isso afeta de alguma forma minha filha? E minha mulher? - Aly pergunta preocupada.

- Vamos sentar? Ai eu explico tudo direito- ele pede e assentimos, menos Aly - Fique tranquila, Eliza está dormindo e tenho certeza que vamos terminar essa conversa antes dela acordar - fala como que sabendo o pensamento da morena a sua frente. Aly relaxa um pouco e logo estávamos sentados em uma mesa em um lugar reservado.

- Bom, primeiro quero que saiba que não tem porque se alarmar - Paulo fala - vocês fizeram tudo certo, muitos demoram a procurar um médico - comenta e Aly dá um pequeno sorriso. - Como já havia dito antes a placenta previa se dá devido ao posicionamento baixo da placenta. Quando diagnosticado no início da gravidez é mais tranquilo, pois conforme os meses passam e a criança se desenvolve a placenta volta a  devido lugar, ja no fim da gravidez pode gerar parto prematuro submetendo a uma cesariana - se limita a falar

- estamos no meio da gravidez, como isso se aplica a Eliza? - Aly pergunta concentrada em toda informação que recebeu

- Muito repouso, nada de atividades físicas ou estresse. Como temos alguns meses pela frente a possibilidade da placenta voltar ao normal são grandes - ele fala sorrindo - o que me preocupa é o sangramento, pois se ele voltar a acontecer temos que ficar mais em cima ainda - fala e todos assentimos - Mas por hora é só isso mesmo. Mas por precaução achei melhor mantê-la internada até amanhã - completa

- Tenho uma dúvida- falo chamando a atenção, Paulo me olha esperando minha pergunta - quando você se refere a nada de atividades físicas está incluso sexo? - pergunto e levo uma cotovelada da Alycia bem na costela - eu sei que você queria fazer essa pergunta - falo tentando controlar a  que sentia - só te poupei trabalho - concluo.

- Não tem porque responder - uma Aly vermelha fala olhando para Paulo que segura o riso.

- Por via das dúvidas melhor ressaltar que por hora não é aconselhável atividades físicas, isso inclui relações sexuais. Depois conforme forem os resultados dos exames voltamos a falar sobre - Paulo responde deixando Aly com mais vergonha ainda - Bom.. - fala se levantando e fazemos o mesmo - acho que uma grávida está para acordar, melhor você estar com ela - fala olhando para Aly que sorri e agradece.

POV ALYCIA

Assim que adentro o quarto que Eliza estava a vejo deitada, ainda dormindo, sobre a cama. Me aproximo lentamente e me sento na cadeira que tem ao lado da onde ela estava e seguro sua mão, ouço um barulho vindo da porta e olho para lá me deparando com nossos amigos, nessa confusão toda mal tive tempo de agradecer a força que cada um me passava, mas o faria o mais rápido possível.

Estávamos cada um perdido em seus próprios pensamentos quando sinto a loira a minha frente se remexer na cama e apertar minha mão, me ajeito na cadeira chamando a atenção dos demais, e encaro minha garota abrir os olhos lentamente. Assim que ela o faz vejo que embora ela tenho dormido seus olhos demonstravam o quão cansada estava e o quanto havia chorado, pois eles ainda estavam avermelhados e um pouco inchado.

- Hey - eu praticamente sussurro a ela que me encara e sorri fraco

- Oi amor - me responde lentamente e vejo ela levar a outra mão desocupada a sua barriga acariciando-a

- Como está se sentindo? - pergunto realmente preocupada com seu estado, não só físico como mental. Pois se eu estava desesperada ela estava mil vezes mais. E desde que chegamos ao hospital não havíamos nos visto até agora.

- Bem - responde cansada - e você? - me pergunta enquanto aperta minha mão

- Agora estou realmente bem - respondo sincera

- Acredito que ja tenha falado com Paulo - ela comenta e me limito a acenar positivamente- eu estava com tanto medo - ela fala - na verdade ainda estou - confessa e vejo uma lágrima solitária descer pelo seu rosto e eu suspiro enquanto aproximo meu rosto do seu colando nossas testas

- shhhh, está tudo bem - falo e logo sinto as lágrimas descerem por meu rosto, mas lágrimas de alívio por minhas garotas estarem bem - vocês estão bem agora - falo e selo nossos lábios.

- Desculpa interromper o momento - ouço a voz da Marie, mas sigo na mesma posição- mas é que o médico falou que nada de sexo - comenta me fazendo rir, me afasto da loira e olho para Marie e mostro o dedo do meio para ela.

- Oi M - Eliza fala sorrindo e logo olha para Lin e Bob que estão um pouco atrás da morena - Oi Bob.. Lin - sorri para eles.

- Você nos deu um susto, garota - Bob fala e vejo os demais concordarem

- Estão aqui a muito tempo? - ela os questiona.

- Você sabe que ficariamos aqui o tempo que fosse preciso, não sabe? - Lin a questiona e Eliza concorda - que bom! - fala sorrindo e caminha ate a cama - como está essa garotinha aqui? - pergunta enquanto leva a mão na barriga da minha loira

- Bem - Eliza fala sorrindo

- Espero que ela não nos de mais susto - M fala - quando nascer essa garota vai dar trabalho, ja estou visualizando “Maya desce desse sofá, garota”, “Maya eu não vou repetir outra vez, coloca essa roupa” - comenta noa fazendo rir. Olho para Eliza que também está rindo

- Fala pra ela que isso não vai acontecer - peço para minha esposa

- Claro que vai, se ela puxar a Miss Peito vai sim - M comenta após ouvir o que falei

- Ela não estava se referindo a isso, mas ao nome - Eliza comenta fazendo Bob e Lin rirem sem parar

- Olha… não vou discutir isso agora - M fala bicuda

- Bom.. Nós só estávamos esperando você acordar para saber se estava bem - Bob fala chamando a atenção para ele - agora que temos a certeza que sim vamos deixá-la descansar - fala e Lin assente concordando com sua fala

- Okay, mas me prometam ir em casa quando eu sair daqui - Eliza pede - sinto saudades de todos reunidos - fala

- Iremos! - Lin fala

- Só não prometo Bob em tempo integral -M fala e Bob a encara sem entender - ele vive cheio de compromissos misteriosos - fala ganhando um empurrão de Morley em troca. Logo eles começam a se despedir, ficando por último uma Marie ainda bicuda, quando todos foram embora Eliza se ajeitou na pequena cama deixando um espaço para mim que de início não queria ficar ali, pois tinha medo de machucá-la ou até mesmo o bebê, pois a cama era realmente estreita. Mas depois de muita insistência eu acabei me deitando ao seu lado enquanto ela apoiava a cabeça em meu peito e eu a envolvia em meus braços parando as mãos sobre sua barriga. Sinto ela pensativa demais, totalmente perdida em meio a pensamentos o que me deixa bem curiosa.

- Um beijo por seus pensamento - falo chamando sua atenção

- Só um? - pergunta sorrindo enquanto morde o lábio inferior

- Todos os beijos do mundo - falo fazendo-a rir, e eu não demoro a acompanhá-la - o que tanto pensa? - pergunto

- Que vamos ter que cortar Marie com isso de Maya. Quero dizer, acredito que ela esteja de graça, mas mesmo assim - comenta

- Ja pensou em algum nome? - pergunto e ela nega com a cabeça

- Na verdade pensei em vários e em nenhum ao mesmo tempo - fala rindo - e você? - pergunta me olhando

- A única coisa que pensei é que definitivamente Maya não. Não darei esse gostinho a Marie - comenta e Eliza prende o riso

- Maya é um lindo nome - ela comenta

- Eu sei! Mas é escolher esse e teremos uma M se achando para o resto da vida - falo

- Melhor não - a loira fala brincalhona e logo ficamos em silêncio, mas não um chato. Diferente disso, era um silêncio gostoso. Comecei a acariciar uma barriga enquanto ela se ajeitou melhor na cama.

- Louisa- eu falo e ela me encara

- O que? - me pergunta sem entender

- O que acha de Louisa? - a questiono - eu sempre achei esse nome lindo - explico

- É… Eu gosto de como ele soa - fala analisando a sonoridade do nome - Louisa - ela repete me fazendo sorrir

- Então? - a questiono

- O que acha de Louisa, meu amor? - ela pergunta olhando para sua barriga enquanto a acaricia

- Ela não vai chutar, ela é preguiçosa - comento fazendo Eliza rir

- Estamos de acordo com esse nome. Ela adorou, sinto isso - a loira fala me fazendo sorrir grande.

POV ELIZA

Fazia exatamente três horas desde que havia deixado aquele hospital. Nunca havia sentido tanto medo como senti quando vi aquele sangue, o medo de perder minha filha era algo palpável que só foi diminuindo após uma longa conversa com Paulo. Não irei negar e falar que agora estou tranquila, pois não estou! Acredito que sempre fica aquele medinho de algo voltar a acontecer, me resta saber lidar com isso.

O que me deixa mais tranquila é saber que estou fazendo tudo certo e tendo apoio das pessoas que amo. Quando digo tudo certo, estou falando em repouso absoluto. Pois assim que Paulo passou suas recomendações Aly ligou para meu assessor e explicou o acontecido e pediu para ele cancelar tudo o que havíamos programado quando decidimos ter um bebê, não estava feliz com isso, mas era algo necessário. Ela queria cancelar seus projetos também para poder ficar comigo, algo que eu discordei na mesma hora. Óbvio que ela não gostou muito e ainda está chateada, mas depois ela irá entender. Pelo menos é isso que eu espero.

Depois de chegar do hospital, tomar um delicioso banho e me alimentar voltei para cama e fiquei assistindo Alycia se arrumar para mais um dia de gravação, depois de me recomendar mil coisas e fazer as mesmas recomendações a Loanda, minha garota saiu pela porta me fazendo prometer que a qualquer incomodo eu iria chamá-la.

- Acredito que alguém irá surtar nas gravações hoje - Loanda fala assim que adentra meu quarto com uma xícara de chá em mãos

- Nem me fale - suspiro e logo me sento na cama e pego a xícara que ele me ofereceu - ela está super preocupada - comento

- Normal, menina - Loanda fala - só temos que esperar ela saber lidar com isso. Acredito que ela consiga, não hoje. Mas amanhã quem sabe…

- Espero. Porque já basta uma preocupada, duas não vai dar certo! Vou tentar me tranquilizar mais... - comento enquanto beberico o chá, quando ia falar algo mais ouço meu celular tocar, pego-o e vejo se tratar de uma ligação da Julie. Com toda essa confusão havia me esquecido de ligar para ela e saber da minha pequena.

Loanda pede licença e se retira então eu atendo Julie rapidamente e logo vou me informando do quadro de saúde de Zaila, que graças a Deus deu uma melhora. Nossa conversa foi em torno na minha baixinha, como estavam as coisas por lá e minha gravidez, antes de encerrar a ligação pedi para ela fazer uma videochamada com Zaila assim que possível.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...