História Red String Of Fate - Capítulo 69


Escrita por: ~

Postado
Categorias Alycia Debnam-Carey, Eliza Taylor-Cotter, The 100
Personagens Clarke Griffin, Eliza Taylor-Cotter, Lexa
Tags Clexa, Elycia
Exibições 327
Palavras 2.733
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Fluffy, Romance e Novela
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 69 - CAPÍTULO 68


Fanfic / Fanfiction Red String Of Fate - Capítulo 69 - CAPÍTULO 68

POV ALYCIA

Sai do hospital super feliz e boba com Louisa em meus braços ao mesmo tempo em que saia com tristeza da minha garota não estar comigo compartilhando da alegria de levar nossa filha para casa. Entre tantos sentimentos resolvi focar nos bons e assim segui até o carro com meus pais ao meu lado me dando mil e um conselhos.

Coloquei a pequena na cadeirinha que eu havia posto no banco de trás do carro hoje de manhã e me sentei ao seu lado. Prontamente meu pai entendeu que ele quem iria dirigir agora, e logo foi se acomodando no banco da frente assim como minha mãe.

- Preciso que passe em uma farmácia e compre algumas coisas para Louisa - falo para meu pai enquanto entrego a lista que Paulo havia me passado para minha mãe. Ele assente com a cabeça e segue para a farmácia mais próxima.

Olho para Louisa que dormia tranquilamente enquanto levava sua pequena mãozinha até seu rosto, sorrio com a cena e levo minha mão até seu cabelo fazendo um leve carinho. Olho rapidamente para minha mãe que sai do carro rumo a farmácia e logo volto a atenção para minha filha.

- Ela é uma mistura sua e da Eliza - ouço meu pai falar, concordo com a cabeça

- Só espero que não puxe Eliza no quesito: mandona - falo sem desgrudar os olhos de Louisa e ouço meu pai rir

- Você vai ficar de cabelos brancos antes da hora caso isso aconteça - ele fala e agora eu quem rio ao imaginar as duas com o mesmo temperamento.

- E você e mamãe? - pergunto mudando totalmente de assunto - Que milagre não estão em pé de guerra? - pergunto, pois desde que se separaram eles viviam se implicando

- Resolvemos dar um trégua enquanto estamos com vocês - fala e eu o encaro incrédula, pois eu sempre pedia isso. Mas meus pedidos sempre eram ignorados, logo abro um sorriso em concordância

- Fico feliz! - falo sincera e ele assente, logo avisto minha mãe vindo toda sorridente e com algumas sacolas nas mãos.

- Pronto - fala sorrindo enquanto entra no veículo - comprei tudo da lista e umas coisinhas a mais - explica o porquê de tantas sacolas - Acho que já podemos ir, ou tem mais algum lugar que deseja passar? - pergunta me olhando e nego.

Assim que abri a porta do apartamento Loanda veio em minha direção com um sorriso enorme, desde o acidente ela tem ficado em casa quase que período integral. Falou que queria estar presente para ajudar no que fosse preciso e que já havia conversado com sua família em relação a isso e todos estavam de acordo.

Depois de babar em cima de Louisa e me abraçar algumas vezes Loanda voltou para o preparo da janta enquanto meus pais foram para seus quartos tomar um banho, olho para a pequena em meu colo que estava começando a despertar e a ensaiar um chorinho.

- Hey gatinha, nada de choro. Mamãe ta aqui - falo enquanto a ajeito em meu colo - o que acha de conhecer seu quarto? - pergunto já andando pelo corredor, logo ela começa a chorar - Shhh - falo enquanto a balanço, o que a faz chorar mais - por favor amorzinho - peço e vou até a porta que está com a plaquinha “Louisa”, abro-a e dou de cara com seu berço e alguns ursos que havia ganhado das meninas.

Estava caminhando até a poltrona quando sinto um cheiro ruim, faço uma careta ao notar da onde vinha

- Argh Louisa - falo enquanto ela chora - já vou te limpar - falo enquanto vou até o trocador, por sorte minha mãe havia deixado as coisas que comprou aqui. Coloquei a pequena chorona no trocador e vou até a sacola pegar o lenço umedecido, me volto para minha filha que chorava sem parar.

- Calma, já vou te trocar. Entendo que esse cheiro não está te agradando, a mim também não - falo enquanto começo a tirar sua roupinha e em seguida abrir sua fralda

- Problemas aqui? - ouço a voz da minha mãe, olho para porta e lá estava ela parada nos olhando

- Oh não, só essa pequena que resolveu se irritar pedindo para trocá-la logo - falo e volto minha atenção a minha tarefa, logo minha mãe se junta a nós e começa a conversar com Louisa que vai se acalmando. Demorei alguns bons minutos limpando minha pequena, não queria deixar nenhuma parte sem limpar, peguei a pomada da mão de minha mãe e a olhei culpada, pois já ia me esquecendo de passar. Depois de aplicar a pomada de assadura pego a fralda e a encaro com a testa franzida

- Hmmmmm mãe? - chamo-a - eu juro que treinei a colocar a fralda, mas eu sempre confundo. Sei que é algo teoricamente fácil, mas… - falo quando ganho sua atenção e ela começa a rir

- Deixa que eu faço isso - fala e dou espaço para ela - Mas é a primeira e ultima vez, você preste bastante atenção porque as próximas vezes você quem o fará - fala e assinto freneticamente para logo manter minha atenção a cada ação dela.

__________________________________________________

- Irei dormir, qualquer coisa não exite em nos chamar - Minha mãe fala e meu pai concorda, ela se levanta da um beijo em minha testa e vai para seu quarto, meu pai segue o mesmo exemplo dela e logo me pego sozinha na sala.

Depois de trocar Louisa eu dei seu leite e a fiz dormir, fui para o banho e quando saí do banheiro Loanda já tinha terminado a janta. Jantamos todos juntos e depois pedi para meu pai levar Loanda para sua casa, pois já estava tarde. A mesma protestou sobre ir pra casa, mas não acho justo ela se dedicar totalmente em casa enquanto sua família precisava dela. Lhe dei o dia seguinte livre, mas como ela não iria ceder tão fácil entramos em um acordo de meio período.

Olho para uma fotografia minha e da Eliza que tinha na sala e suspiro ao lembrar da sua situação, pego meu celular e mando mensagens a minha sogra perguntando se tinha alguma novidade e infelizmente nada acontecerá. Depois de mais algumas mensagens sobre como Louisa estava e se eu estava bem ela me mandou descansar e como pedido me levantei peguei a babá eletrônica e me dirigi para meu quarto. Mas não antes de passar no quarto da pequena e verificar se estava tudo okay.

Assim que deitei na minha cama notei o quão cansada estava, relaxei meus músculos e soltei o ar lentamente e logo fui sentindo parte da tensão se dissipando. Me acomodei mais no colchão e fechei meus olhos em busca do sono que sei que estava ali, mas os problemas não o deixava tomar conta de mim.

Estava cerca de vinte minutos tentando frustradamente dormir quando ouço um chorinho sair da babá e ecoar por todo o quarto. Até me senti feliz ao ouvi-lá e desejei fortemente que me sentisse feliz com isso sempre. Me levantei e rapidamente fui para seu quarto e a vi com a manta em sua cabeça.

- Menina como você fez isso? - pergunto assim que tiro a manta e pego-a no colo, na mesma hora ela para de chorar - Okay.. nada de mantas ou qualquer coisa que possa levar a cabeça pra você - falo saindo do quarto - Nem sabia que podia fazer isso tão pequena - falo enquanto caminho até a cozinha em busca do seu leite que graças a Deus minha mãe já tinha deixado pronto.

Já de volta ao quarto me sento na cama com ela no quarto e fico olhando-a, seus olhos azuis olhando para todos os lados e vez ou outra parando seus olhinhos sobre mim, como era o caso agora.

- Mamãe também não está conseguindo dormir - enquanto brinco com sua mão - o que acha da gente fazer um trato? Você bebe seu leite e depois nós duas tentamos dormir o que acha? - pergunto e ela resmunga - Isso foi um sim? Vou tomar como se fosse - completo e pego a mamadeira levando a mesma em sua boca.

Ela vira a cabeça me fazendo derrubar um pouco de leite em sua bochecha e pescoço - Não quer? - pergunto enquanto pego uma toalha de boca e limpo-a, tento novamente colocar a mamadeira em sua boca e depois de recusar um pouco ela pegou - Isso beba tudo - falo olhando-a - sei que isso deve ser ruim. Mas jaja a sua mãe está de volta e as coisas vão melhorar - comento - não que leite puro seja bom… - faço uma careta ao lembrar de quando tomei leite puro. Logo lembro da bronca que levaria da Eliza ao falar a nossa filha que determinado alimento não é bom - quer saber? Esquece, leite é ótimo! - completo.

Depois de tomar todo o conteúdo da mamadeira a coloquei pra arrotar e logo a deitei na cama e me deitei ao seu lado ficando de frente para ela.

- Hoje vamos dormir juntas, chega de coisas em seu rosto - falo para ela que me olhava fixamente - agora chegou aquela parte do trato em que a gente dorme, ou tenta… - comento enquanto seguro sua mãozinha. Nem vi a hora que dormir, apenas sei que a última coisa que vi foi Louisa quietinha entregue a seu sono.

Me espreguiço um pouco na cama antes de abrir meu olhos lentamente, olho para minha filha que já estava com seus lindos olhos azuis aberto.

- Madrugou mesmo ein filha - comento

- Diferente da mãe - ouço uma voz falar olho para o lado e me deparo com Bri sentada na cama nos observando, dou um pulo da cama caindo no chão e ouço ela rir loucamente.

- Ta doida? - pergunto enquanto me recomponho do susto, prendo meu cabelo em um coque e me sento na beira da cama - O que faz aqui? - pergunto

- Vim ver essa princesa, trouxe até uma presentinho - fala olhando para Louisa e levanta um coelhinho de pelúcia e sorrio ao ver o quão fofo aquele ursinho era - e ver como você está, se precisava de alguma coisa - dá de ombros - Loanda me deixou entrar, vim até seu quarto e você estava com uma aparência tão cansada que te deixei dormir. Na verdade ainda está - fala sobre minha aparência.

- Obrigada por me deixar descansar - falo debochada e ela ri - olha ela para mim? Vou ali jogar uma água no rosto, escovar os dentes e todas essas coisas - falo e ela concorda.

- Alyciiiiiiiiiiiiiiiiiiiia acho que a Louisa ta te chamando - ouço Bri gritar e franzo o cenho

- Que? - grito de volta

- É isso, ela tá chamando a mãe dela. Anda logo! - ela fala - Essa menina precisa de um banho - completa e eu saio do banheiro me deparando para Bri olhando para Louisa fazendo careta - acho que ela fez o número dois - explica e rio. Me aproximo delas e pego minha filha no colo que como sempre começa a me encarar

- É tia Bri.. acho que alguém tá precisando de uma banho mesmo - comento - vamos lá conhecer o quarto dela, estou precisando de uma ajudando para o banho dela e veja só… ela está aqui na minha frente - falo olhando para Bri que nega com a cabeça

- Corta essa… eu mal sei pegar um bebê - ela fala enquanto saímos do quarto e vamos para o da pequena.

- Veja só… vai aprender agora - falo e me viro colocando a Louisa em seu colo, ela me encara de boca aberta e eu rio - é rápido, só o tempo de preparar as coisas dela - comento e ela assente olhando minha filha em seu colo. Minha vontade era de rir, pois ela estava toda desajeitada com a criança, mas não faria isso. Até porque se não fosse as horas que gastei treinando com bonecas estaria na mesma situação.

- Meus pais onde estão? - pergunto estranhando eles não terem aparecido aqui ainda

- Quando cheguei eles estavam saindo para ir ao mercado - comenta me entregando Louisa, vou até o trocador fazendo o mesmo processo de ontem, limpando sua bunda. Rapidamente pego-a no colo novamente e vou até a banheira, coloco minha mão na água para me certificar que não havia testado a temperatura da mesma errado e logo coloco a pequena na água, e ela começa a chorar - Shhh gatinha, jaja acaba. É só água - falo jogando um pouco de água em sua barriga tentando acalmá-la

- Onde foi que você aprendeu essas coisas tão rápido? - Bri pergunta prestando atenção no que eu fazia

- Eu não aprendi. Quero dizer.. li alguns livros - falo enquanto passo sabonete no corpinho de Louisa - Está tudo gravado na minha memória, mas nunca o fiz. Na verdade estou morrendo de medo de derrubá-la ou de jogar coisas no olho dela - confesso, pois era algo real que estava sentindo.

- Você está agindo como se fizesse isso a anos, então não acho que vá fazer essas coisas - comenta sorrindo.

- Obrigada - falo - E Jessica? E o resto do pessoal? - pergunto enquanto lavo a cabeça da minha filha

- Todos estão com a agenda cheia agora de manhã, sou a única desocupada da turma mesmo - dá de ombros - Mas eles vão passar aqui a tarde - explica

- A tarde estarei no hospital, mas Louisa ficará com meus sogros - comento. Pois passaria a tarde com Eliza.

- E quem disse que eles estariam aqui por sua presença? - ela questiona com uma sobrancelha arqueada e eu jogo água em sua cara

- Isso é para aprender a não ser abusada! - comento e ela ri baixo

O banho ocorreu tudo bem, graças a Deus, pois eu realmente estava com medo de fazer alguma coisa errada.

- Mamãe Aly trocando a babe Lou pela primeira vez - ouço Bri falar, coloco a pequena no trocador, ainda enrolada na toalha, e olho para o lado vendo a loira apontar a câmera do celular no meu rosto - Ansiosa? Esses registro irei mostrar para Lou quando crescer. Então espero de coração que você faça tudo certo - ela fala e mostro a língua para ela.

- Filha se você estiver vendo isso, e com toda certeza está, quero que me dê um desconto, nunca fiz isso antes. Mas veja bem… passamos pelo banho com nota 10/10! - comento e Bri ri alto

- Isso é verdade Lou - ela fala colocando o rosto na frente da câmera - sua mãe fez tudo certinho no banho, vamos ver agora na segunda etapa - comenta enquanto eu me dirijo as coisas da pequena e pego a pomada de assadura

- Vamos nos vestir e nos comportar bem para quando sua mãe voltar ver que somos boas garotas - falo enquanto passo a pomada na pequena, depois de passada a pomada pego a fralda e fico olhando-a com atenção

- Ihh acho que alguém aqui não sabe por fralda - Bri debocha e mostro dedo do meio pra ela - acho que alguém merece ficar de castigo por fazer gestos feios - completa, olho para a câmera rindo

- Confesso que me dou melhor dando banho do que colocando fralda! Tenho medo de apertar demais e machucar. Isso vale como desconto, estou pensando no bem estar da criança - argumento e Bri balança a cabeça negativamente - Okay vamos lá… - falo e volto minha atenção para Louisa que me olhava. Tiro parte da toalha, o suficiente para por a fralda. Começo a colocá-la em baixo da Louisa quando sinto um liquido em minha mão

- Oh não, não! - falo ao ver que Louisa está fazendo xixi em mim, ouço Bri rir alto e descontroladamente.

- Esse vídeo vai ficar demais! - comenta rindo enquanto eu tento fechar a fralda e esperar ela terminar para dar outro banho

- Assim você não ajuda a mamãe - comento olhando para Louisa



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...