História Redenção. - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Tags Gaaino, Hinanaru, Hinata, Luta, Naruhina, Naruto, Romance, Sakura, Sasuke, Sasusaku
Exibições 331
Palavras 2.408
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 17 - Se cairmos


 

Hinata acordou com o barulho vindo pelos corredores da caverna, o eco que ali se formava fazia com que as palavras corressem como o vento, a barriga já saliente despontava pelo tecido fino do vestido que a Coria e a morena sorria sempre que Naruto a olhava com os olhos cheios de admiração. As coisas naquela caverna iam bem, mas Suna continuava a mercê de Orochimaru que havia ficado muito mais perverso após Kabuto ter sido morto. Havia uma recompensa pela cabeça de Sasuke e Naruto, já que os dois eram tidos como os líderes da rebelião de escravos que mesmo não sendo sabido pela dupla, tomava a cidade se estendendo por todo o país do fogo acendendo uma chama de esperança nas pessoas que antes não tinham pelo quê lutar.

- Você não pode escolher por nós todos. – Sakura falou brava e Hinata respirou fundo antes de entrar no salão onde a discussão corria, Sasuke estava de pé apoiado em uma parede enquanto Naruto mantinha o semblante fechado e Hinata se lembrou a primeira vez que o viu, caminhou até o loiro que, ciente de sua presença a puxou fazendo-a sentar-se em seu colo mesmo com a morena vermelha.

- Ele está certo. – Gaara se pronunciou e Temari se mexeu inquieta – Na última quinzena evitamos duas invasões com o sistema de alarme que Shikamaru arquitetou, mas estão chegando perto e isso nos deixa vulnerável.

- Se formos seguir o que Naruto quer. – Shikamaru falou antes de tragar o cigarro que passara a fumar com maior frequência. – Precisamos de um plano.

- O que você quer? – Hinata perguntou baixo e o loiro a olhou sem sorrir, a mão grande e firme pousou sobre o ventre da morena e ela sentiu o corpo tremer levemente.

- Vamos atacar Suna. – A voz rouca saiu baixa e Hinata sentiu o medo dominar seu corpo antes de perder o próprio equilíbrio.

 

Hinata não caiu no chão pois os braços de Naruto a seguravam firmemente contra o próprio corpo.

- Olha só o que eu falo. – Sakura bradou colocando-se ao lado da morena e tomando o pulso da mesma com atenção.

- É pensando neles que quero fazer isso. – Naruto falou ajeitando o corpo pequeno em seus braços. – Faça nosso plano Shikamaru e garanto que o farei dar certo.

Assim levantou-se carregando a mulher em direção aos corredores da caverna.

 

 

Gaara passou os dedos entre os cabelos que agora caiam por seus olhos e bufou, queria muito seu povo livre, se houvesse uma maneira lutaria sozinho por todos eles, mas não havia como.

- Vou cortar seu cabelo. – Temari falou ao seu lado e ele a olhou, ela o entendia, havia o criado desde pequeno e  acima de tudo o ruivo a respeitava e admirava a mulher que a irmã era.

- Vai ficar parecendo um oráculo. – Shikamaru falou antes de colocar as mãos nos bolsos e sair fazendo com que a loira o seguisse proferindo alguns xingamentos, Gaara olhou novamente para o mapa por cima da mesa e as marcações da localização das guarnições de Orochimaru, estavam praticamente cercados, rosnou com raiva e socou a mesa.

- Você realmente precisa cortar esse cabelo. – Gaara ergueu os olhos deparando-se com Ino parada na entrada da ala da caverna, olhou ao redor percebendo que todos haviam saído. – Naruto levou Hinata a nascente e Sakura vai importuná-lo então Sasuke saiu para contê-la, já sua doce irmã sempre cai nas provocações do Shika e eu acho que isso é bom pros dois.

- E você? – O ruivo perguntou instintivamente, podia sentir a ironia na voz da mulher e a mesma não lhe dirigia a palavra mais que o necessário desde o incidente nas águas da caverna.

- Coube a mim a tarefa de lhe deixar mais parecido com um homem do que com um bicho. – Ela falou erguendo uma tesoura de metal com um pequeno sorriso nos lábios, Gaara franziu o cenho. – Vamos majestade, com essa cara parece mesmo um monstro.

O ruivo se sentou enquanto Ino fazia o trabalho em sua cabeça, a destreza com a qual a loira movimentava as mãos fazia o ruivo ficar aliviado, ela realmente sabia o que estava fazendo e de certo tinha que concordar, estava mesmo parecendo um bicho com o cabelo daquele jeito, Ino por outro lado cantarolava e após um tempo avisou sorrindo que havia terminado e voltaria com o espelho, quando o fez Gaara se encarou sem se reconhecer. Virou-se para a loira que tinha um grande sorriso nos lábios.

- Seu cabelo é bem espetado né? – Ino riu da careta dele e logo o encarou chegando próximo ao rosto do ruivo que prendeu a respiração com a proximidade da loira. – Seus olhos são mais verdes que o da Temari. – Ino o encarava e Gaara percebeu que os olhos dela eram de um azul claro e vívido. – O quê é isso na sua testa?

O Sabaku afastou o corpo do da Yamanaka e respirou fundo.

- Um kanji. – Respondeu e ela ergueu uma sobrancelha.

- Isso eu sei. – Ino ralhou. – Mas não sei o significado, essa escrita é bem antiga.

- Como sabe que é antiga? – Perguntou vendo-a enrolar a ponta da franja antes de o encarar.

- Meu pai sempre gostou muito de aprender sobre outras culturas, mas era fascinado por aprender mais do país do fogo. – Ino sorriu. – Sei que essa escrita deve ser original de Suna, pelo traço mais arredondado as de Konoha são mais alongadas e essas devem ser de alguma família tradicional porquê te esses pequenos traços na lateral.

Gaara arregalou os olhos ao sentir o toque feminino em sua testa, Ino o encarava com curiosidade, parecia uma criança descobrindo um tesouro.

- O que aconteceu com seu pai? – O ruivo perguntou a olhando, de baixo para cima e Ino deu de ombros.

- O mesmo que aconteceu com o seu. – A loira falou, passando o dedo sobre a escrita, o tom da tatuagem era escuro e ela deixava um leve relevo na pele.

- Amor. – Gaara falou se levantando e olhando-a dessa vez de cima para baixo. – Significa amor.

Ino revirou os olhos.

- Por que escreveu amor na testa? – Perguntou sorrindo e Gaara passou a mão pelo rosto fino fascinado pela naturalidade da menina.

- Porque eu não sou capaz de amar. – Respondeu e ela semicerrou os olhos o encarando.

- Não seja idiota. – Falou baixo antes de esticar o corpo pressionando os os lábios contra os do ruivo, que prontamente retribuiu o beijo enlaçando a cintura da loira.

 

 

- Você precisa entender que isso é por vocês. – Naruto falou baixo encarando Hinata, a morena mantinha o corpo coberto pela água enquanto encarava o loiro em igual situação a sua frente.

- Isso só vai derramar mais sangue inocente Naruto-kun. – Hinata falou baixo.

- E quanto ao sangue que já está sendo derramado nas arenas? As crianças que nascem tendo que servir a um senhor? – Naruto tinha a mão fechada em punho. – Não quero que meu filho seja nenhum escravo.

Hinata se aproximou fazendo com que pequenas ondas se formassem ao redor dos dois.

- Não quero perder você Naruto. – A morena falou baixo, os lábios encostando nos do loiro que fechou os olhos. – Não posso perder você.

- E não vai. – Ele respondeu com um pequeno sorriso nos lábios. – Sou Kurama.

Hinata sorriu.

 

 

Suna fedia.

 

Essa foi a primeira constatação de Naruto e mesmo que não tenha crescido ali ou mesmo frequentado, se lembrava de que ela não tinha aquele odor antes. Algo parecia estar podre e Naruto jurava que o bando de abutres que voavam em círculo no ar sentia o mesmo cheiro de putrefação que ele.

- Onde estão as pessoas? – Shikamaru falou chamando a atenção dos homens que andavam com túnicas pendendo pelas cabeças.

- O mercado possui poucos escravos. – Sasuke falou enquanto examinava um tomate em uma banca na rua.

- Se os senhores querem comprar escravos estão no lugar errado. – O comerciante falou com um sorriso amarelado onde vários dentes faltavam. – Orochimaru decretou que os escravos são vendidos nas casas dos senhores agora.

- De onde vêm esse cheiro? – Naruto perguntou encarando as aves que sobrevoavam ao norte da cidade.

- Da arena. – O comerciante falou antes de gargalhar de maneira gutural.

 

Naruto caminhava apressado, as ruas com poucas pessoas não demonstravam notar sua presença, o grupo caminhava um pouco mais adiante enquanto Gaara ia por entre as ruelas mais afastadas na mesma direção que o loiro, as pessoas alheias a movimentação não se importavam com os homens que caminhavam semi cobertos pelas vestes escuras. Quando Rasa, pai de Gaara, governava Suna os escravos tinham alguns poucos direitos garantidos e isso era um dos motivos de os principais comerciantes da cidade apoiares Orochimaru, já que ele abdicou totalmente do direito dos escravos, apenas os senhores das casas estavam certos diante a lei atual.

- Não aconselho a procurar escravos por lá. – O comerciante falou com um sorriso amarelado pelo tempo e pela imundice carregada no corpo – Não darão bons empregados.

A risada que o homem dera ecoou pela rua e lembrou a Naruto um homem doido que morava em sua rua quando criança e que as pessoas costumavam evitar. Gaara acompanhara o loiro com o olhar, não sabia dizer o que se passava na cabeça de nenhum dos novos companheiros, a realidade de cada um era muito diferente das demais e muito pessoal, eram pessoas marcadas por uma realidade cruel e possuíam marcas que nunca seria capaz de entender.

- Naruto. – Shikamaru chamou baixo, porém o Uzumaki o encarou enquanto o moreno com o rabo de cavalo acenava para o lado onde um grupo de soldados conversava animadamente com algumas prostitutas. O loiro acenou e diminuiu o passo de modo a esperar os companheiros.

Conforme se aproximavam da antiga arena o fedor se tornava mais forte, poucas pessoas caminhavam ali, e as que estavam por lá usavam o tecido das túnicas para cobrir o nariz e evitar o cheiro assim, Sasuke parou logo na entrada da arena e observou um grupo de cachorros brigarem por um pedaço de carne, o moreno sentiu uma fisgada no estômago ao constatar que o pedaço de carne era na verdade uma mão humana, olhou para frente encontrando Naruto atônito na porta na arena, as mãos fechadas com tal força que tremiam rente ao corpo.

 

A primeiro momento não fora capaz de entender o que era aquele amontoado de coisas, mas bastou olhar melhor e reconhecer os membros, cabeças e roupas, uma grande pilha de corpos estava no centro da arena de Suna, homens, mulheres e crianças tinham o corpo em decomposição enquanto algumas placas cercavam o local.

“ O exército de Kurama”

“ Escravos rebeldes”

“Orochimaru governa”

 

- O quê é isso? – Gaara parou ao lado do loiro encarando a cena. O ruivo fora criado aprendendo a temer os Deuses e ter fé nos mesmos, mas diante aquela cena, era impossível acreditar que existia algum ser no céu ou no inferno que permitisse que aquilo acontecesse.

- Ei! Vocês! – O Grito fez com que Shikamaru desviasse o olhar para um grupo de seis pessoas que se aproximavam com lançar e espadas. Guardas. – É melhor saírem daqui, outro carregamento está chegando e dizem que o próprio Naruto está nele.

O grupo riu de maneira exagerada e Naruto apertou mais os punhos.

- Claro! – Shikamaru respondeu em um tom mais baixo. – De onde vêm esse tanto de gente?

Os guardas riram novamente, um de cabelos castanhos chegou a se dobrar tamanha foi a gargalhada que dera.

- Que gente? – O mesmo guarda de antes respondeu. – Isso não é gente, são um bando de animais que não sabem obedecer os donos. O que você faz com um cachorro ingrato que lhe morde a mão? É o que os donos das casas estão fazendo. Olha só como esses malditos fedem. Conheço uns que vivos fedem mais.

A gargalhada novamente eclodiu entre os guardas.

- Você falou que Naruto está vindo? – A voz era carregada e os homens olharam para o loiro que só tinha os olhos azuis a mostra.

 - Aquele verme foi morto pelas próprias mãos de General Toneri. – Um menor falou e o grupo comemorou animado. – Ei! O quê...?

Naruto estava no meio do grupo enquanto todos os guardas estavam assustados se entreolhando.

- Merda! – Sasuke bufou e pela primeira vez Gaara olhou para os olhos de Naruto que pareciam avermelhados de ódio.

- Eu não morri. – O loiro falou finalmente e grunhiu de ódio antes de agarrar o primeiro guarda e jogá-lo contra a pilastra a sua direita, o grupo de guardas ainda pareceu atônito em relação ao homem que os atacava.

- Kurama! – O guarda de cabelos castanhos falou alto despertando os outros.

Naruto sabia lutar. Não aprendera com postes de madeira como os guardas da cidade, ele aprendera na arena, correndo para salvar a própria vida e por isso ele não era apenas bom no que fazia, o Uzumaki era especialista em lutar, era disciplinado e inteligente quanto aos golpes que desferia.

- Não. – Sasuke parou Gaara que corria em direção ao local onde a luta acontecia, viu Naruto se dobrar ao levar um soco no estômago e logo socar um outro homem que pareceu ser desligado enquanto caia no chão. – Essa luta é dele.

Naruto ainda socava um dos guardas quando Shikamaru o puxou.

- Vamos. – O moreno falou enquanto Naruto resmungou algo inaudível.

 

- Ei!. – Um garotinho maltrapilho corria até o grupo de homens. – Você é o Kurama? É o Naruto?

O Uzumaki o encarou em silêncio.

- Onde estão seus pais garoto? – O loiro perguntou e engoliu seco ao ver o menino apontar para a pilha de corpos que apodrecia no centro de Suna.

- É você mesmo? – O menino perguntou novamente com os olhos marejados. – Pelos deuses seja você. Nós podemos lutar. Nós somos gente. Não somos?

O Uzumaki se abaixou ficando a altura da criança e retirando o tecido que cobria seu rosto, os olhos do menino pareciam brilhar em meio as lágrimas.

- Sou Uzumaki Naruto. – Falou firme com a mão no ombro do menino maltrapilho. – Espalhe que estou vivo e que não desistiremos. Te dou a minha palavra e eu não volto atrás com minha palavra tebayo!

- Nós vamos vencer? – O menino perguntou novamente vendo Gaara sorrir de lado enquanto se dava conta da magnitude do que faziam ali.

- Se cairmos. – Naruto respondeu firme. – Vamos cair batendo.

 


Notas Finais


Pessoas, peço desculpas pela demora.
Esse mês foi meu aniversário e foi muito bom, mas logo após sofri uma perda imensa na família e isso me desestruturou.
Espero que gostem do capítulo e tentarei escrever mais e postar outras fics.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...