História Redwave - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Direction
Personagens Liam Payne, Personagens Originais
Tags Holland Roden, Liam Payne
Exibições 7
Palavras 1.830
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


QUEM OUVIU SHOUT OUT TO MY EX? eu estou louca, e super orgulhosa delas.
little mix é o poder!
*voltando*
deve fazer mais de um século desde que eu escrevi esse capítulo, e eu realmente espero que tenha ficado bom, ou que pelo menos agrade vocês.
eu to achando muito enrolado, muito parado, todo esse começo, mas daqui a pouco fica legalzona.
até lá em baixo
<3

Capítulo 2 - Maldita festa


Fanfic / Fanfiction Redwave - Capítulo 2 - Maldita festa

“Claro, eu fico sozinha, algumas noites
Quando os anjos no meu ombro
Desmoronam minha cabeça
Eu estou presa aqui com os urubus”
All My Friends (feat. Tinashe & Chance The Rapper) – Snakehips



                                                                Londres, 2016

 

– E o prêmio de música mais viciante vai para... Liam Payne, com Don't Forget Me! – os apresentadores do evento anunciavam o ganhador do prêmio da música mais importante da Europa.

Aplausos eram ouvidos dentro do grande teatro. Os  cantores com elegantes trajes levantavam-se para aplaudir o colega de profissão, o qual descia as escadas de veludo vermelho, caminhando para o grande palco.

Com um terno cinza, e sapatos preto, Liam Payne subiu para perto dos apresentadores. Marie Christina Anchaelor – atriz a qual estava ao ápice de sua carreira – entregava o prêmio à Payne, junto a um breve abraço e um “que venham muitos outros”. O organizador do evento parabenizava Liam por sua conquista com um aperto de mão e um “vai pegar muitas gatinhas agora”.
 

Vários flashes eram disparados contra Payne, as fotos certamente renderiam uma bela capa em jornais e revistas ao redor do mundo. Os telejornais com certeza dariam destaque para o mais novo vencedor do prêmio.

Vários gritos eram ouvidos, vindos do lado externo do teatro. Certamente, eram fãs aclamando pela atenção de seus ídolos, ou comemorando a vitória de Liam.

Os organizadores do evento agradeceram o comparecimento dos convidados, encerrando o evento mais cedo do que o esperado, afinal era domingo anoite, últimas horas de descanso antes da volta da segunda-feira, dia de retornar ao trabalho.

Aos poucos, os assentos foram esvaziados. Todos iriam à festa que Payne daria em sua mansão, provavelmente, a farra iria até o amanhecer. Os carros saiam pela entrada dos fundos, tentando não chamar a atenção dos paparazzi, ato o qual falhou, pois parecia haver mais deles na entrada dos fundos do que na principal.  A imprensa não havia sido noticiada sobre  a festa de comemoração, mas obviamente alguns já sabiam, e estavam prontos para seguir os carros dos convidados.

– Hey, Payne! Espere. – a voz de Marie ecoou no estacionamento vazio.

– Anchaelor? –  Liam interrompeu seu passo.
   Com os saltos em suas mãos, Marie correu até Payne.

– Eu mesma. – disse ofegante. – Queria saber se você poderia dar-me uma carona. Sabe, não queria pedir-te o favor, mas é que todos já se foram, então eu vi você, e...

– Eu te levo. – Payne a interrompeu, sorrindo em seguida.

– Obrigada!

O carro foi destrancado,  Liam abriu a porta do carona para Anchaelor entrar. Marie agradeceu o ato com um sinal de aprovação.

– Vai pra aonde? – Payne ligou o carro, dirigindo para fora do estacionamento.

– Estava pensando em ficar no ponto de táxi mais próximo. Se não for incômodo demais para ti. – Marie abaixou-se, tentando fugir dos flashes e rumores de que ela estaria tendo um caso com Payne.

– Já está meio tarde, não acho que exista algum táxi rodando essas horas. –  Liam apontou para o relógio digital do veículo.

– Bom, então deixe-me em qualquer lugar, eu me viro. – Anchaelor sentou-se corretamente no banco, prendendo-se no cinto de segurança.

– Deixar a estrela de Hollywood, Marie Christina Anchaelor em qualquer lugar, nestas ruas desertas? Oh, não, não seria louco à tal ato. Que tal participar da festa que estou dando?

– Oh, obrigada pelo “estrela”. Mas não sei se devo. Tenho falas para decorar, não sei se é uma boa ideia.

– Qual é?  Apenas hoje, é domingo, daqui a pouco será segunda-feira. Você tem uma vida além do trabalho.

– Como sabe que não saio para festas porque estou concentrada demais no  trabalho?

– Bom, nunca li em um dos seus fã-clubes uma atualização dizendo “Marie saindo de uma festa, boate etc.”

– É, eu realmente não costumo sair.

– Você tem que curtir a vida, Marie. Você deve estar me achando um chato, e pensando: “por que este otário está se metendo na minha vida?”. Mas é que você é nova demais para ficar em casa, você precisa se divertir, e a partir de hoje, eu serei encarregado disso. – Liam tirou uma de suas mãos do volante, conduzindo o carro pela estrada com uma só mão.

– Isso é exatamente o que eu estou pensando! E desde quando eu lhe dei permissão para tal ato? – Marie sorriu.

– Desde quando você entrou no meu carro e nós começamos a conversar como se nos conhecêssemos a anos. – Liam olhou rapidamente para Marie, sorrindo de lado.

Anchaelor apenas sorriu, deixando que Payne a conduzisse à sua festa.

– Você pode ligar o rádio, se quiser... – Liam ofereceu.

– Isso foi um “ligue o rádio, estou dirigindo, não posso fazê-lo”?

– Acho que... é, foi. – Payne pressionou os lábios um ao outro. – Vou ser legal deixando você escolher a estação.

– Grata. – agradeceu. Marie ligou o rádio, mudando a estação para uma a qual tocava músicas de alguns anos atrás. – Isso é Blur? – perguntou ao ouvir algumas notas de Coffee & TV.

– O que? – ele não havia entendido.

– Blur, uma banda. Bom, realmente, acha que não é muito conhecida, não agora.

– Então, como a conhece?

– Foi há muito tempo, numa aula extracurricular. Até montamos um papertoy do “leitinho e da leitinha”, acho que ainda os tenho…

– Que diabos é um leitinho e uma leitinha? – riu Payne.

– É complicado explicar… o que acha de ver por si próprio? – Marie desbloqueou a tela de seu celular.

– Está me convidando para ir à sua casa para ver seus papertoys? – disse sarcasticamente.

– Na verdade, não. Estava pensando em mostrar-te o clipe mesmo. – Marie logou sua conta no antigo site de vídeos.

– Oh, desculpe-me. – Payne respondeu, tentando esconder o constrangimento presente em sua face.

– Deixe-me procurar o vídeo...

– Terá de fazê-lo mais tarde, Marie. Chegamos à minha casa. – Payne diminuiu a velocidade do carro, por conta dos fotógrafos, os quais estavam em frente à sua morada.

– Oh, bela casa – elogiou Marie, abaixando-se no banco, o qual havia sido empurrado para trás momentos  antes.

– Se eu te disser que pensei a mesma coisa ao vê-la, você acredita? –  um pequeno sorriso havia surgido na face de Payne. – Vamos entrar – Liam mexeu em seu bolso, pegando um controle,  do qual apertou um botão  vermelho. Rapidamente apareceram alguns seguranças para escoltar o carro para dentro da casa. O grande portão branco foi aberto aos poucos, mostrando um belo e grande jardim.

– Já disse que sua casa é linda? – Marie sentou-se novamente no banco, trazendo-o à sua posição inicial.

A música já estava alta o suficiente para que quem estivesse ao lado de fora da casa conseguisse ouvi-lo claramente.

Liam e Marie desceram do carro caminhando sobre a pequena trilha de pedras, a qual os levava direto do jardim para a porta da casa. Liam colocou sua mão esquerda na maçaneta, puxando-a para baixo, logo em seguida empurrando a porta.

O som fez-se mais alto, Marie, que estava logo atrás de Payne encolheu seus ombros minimamente, por conta das altas ondas sonoras. Liam entrou em sua casa, fazendo um sinal com a cabeça para que Marie entrasse também.

Havia um tapete de “boas-vindas” em frente ao pequeno degrau em frente à porta. Marie limpou a sola de seus saltos, certificando-se de que não sujaria o belo piso da sala de visitas.

– Qual é? – riu Payne – Sério mesmo? Este piso já está bastante sujo, não acho que você poderá piorá-lo tanto assim, Marie. – seu tom de voz já era bastante elevado por conta do som.

Marie pisou no belo piso claro. Um calafrio percorreu seu corpo ao colocar-se para dentro da sala. Liam caminhava entre as várias pessoas no local, Anchaelor apenas o seguia, esbarrando em muitas pessoas, na maioria, pessoas conhecidas pela mídia. Marie olhou para cima, observando o grande e belo lustre acima de sua cabeça. Três passos foram dados, e Marie ainda observava o lustre, pensando o quão caro o belo objeto custou. Mas além disso, algo dentro de si fazia o lustre parecer-lhe familiar. Mas talvez fosse apenas um déjà vu.

Um empurro foi dado no ombro esquerdo da garota, fazendo-a olhar novamente para frente. Onde estava Liam? Ele havia sumido em meio de tanta gente. Segundos de distração fizeram-na perder-se do rapaz desconhecido por ela. Marie olhou ao seu redor à procura de Payne. Nada. Talvez algum conhecido? Nada. Um cheiro nada agradável – provavelmente de algum tipo de droga ilícita – tomava conta da sala. Risadas eram ouvidas pelos cantos. A música alta fazia com que Anchaelor sentisse seus tímpanos vibrarem.

Talvez estivesse se repetindo, a terrível cena de anos atrás. Apenas em pensar, os belos olhos de Marie ficaram marejados. As terríveis lembranças estariam voltando? Assim como o terror, o medo, o ódio e a mágoa? E em segundos uma lágrima escorreu daqueles belos olhos verdes.

– Marie? Acho que nos perdemos, e... o que aconteceu? – Liam perguntou ao perceber a lágrima no rosto da garota.

– Apenas pó que entrou em meu olho, nada demais. – sorriu – Onde estava mesmo?

– Ia te levar para a cozinha. Vamos? – seu tom de voz era elevado por conta do som alto.

Marie apenas assente, seguindo-o por onde ele vai.

(...)

– Pessoal, chegou a hora! – alguém gritou após a música ser diminuída.

– Hora de que? – Marie perguntou, seguindo as pessoas que estavam indo para uma espécie de roda no centro da sala.

– Marie, vem. – Liam agarrou seu pulso, puxando-a para sentar-se ao seu lado. Ele sentou-se sobre uma almofada branca, a qual estava no chão. Brutalmente, Marie foi puxada para baixo por Payne, quase caindo sobre ele. Sentando-se ao seu lado em seguida.

Várias garrafas de bebidas alcoólicas foram colocadas sobre a mesa de centro. Junto à elas pequenos copos de vidro. Liam encheu dois copos.

– Quem será o primeiro? – gritou.

Duas pessoas aproximaram-se da mesa. Cada uma pegou um dos copos. Beberam o líquido rapidamente. Repetindo o ato diversas vezes, até um afastar-se da mesa.  comemoraram a vitória do outro rapaz.

Mais duas pessoas repetiram a mesma coisa, e mais outras e mais outras. Várias garrafas já encontravam-se vazias no chão da sala.

– Chegou a vez do Payne! – Alguém gritou, fazendo todos os presentes aclamarem pelo nome de Liam.

– Você vai comigo, Marie.

– Oh não, Liam. Eu não bebo.

– Mas é claro que bebe! Quem não bebe hoje em dia?

– Eu. E por acaso, eu preciso ir embora. Já está tarde e amanhã eu preciso acordar cedo para as gravações, desculpe. – Marie havia se levantado da almofada macia.

– Qual é, Marie.

– Desculpe, mas eu realmente preciso ir.

– Qual é, apenas um shot. – Liam colocou sua mão esquerda no pulso de Marie. Impedindo-a de sair.

– Liam, poderia me soltar? Preciso ir para a minha casa. – Puxou seu braço. Ele não soltou.

Liam não pronunciou uma palavra sequer. Apenas apertou ainda mais o pulso de Marie.

– Liam, solte-me. Agora.

Um sorriso diferente surgiu no rosto de Payne. E junto a ele veio um aperto mais forte no pulso da garota. Anchaelor puxou seu braço, sentindo uma ardência no local após estar livre dos apertos de Liam. Rapidamente, Marie foi até a porta de entrada, saindo pela mesma.

(...)

Marie estava em seu apartamento agora. Nada de festas, ou problemas.



 


Notas Finais


então, ficou bom?
GENTE, OUÇAM SHOUT OUT TO MY EX
eu realmente me sinto um alienígena usando caps desse jeito oO
até qualquer dia.
e comentem o que acharam.
<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...