História Reed. - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Alexis Ren, Cameron Dallas, Magcon
Personagens Aaron Carpenter, Alexis Ren, Cameron Dallas, Ethan Dolan, Grayson Dolan, Jack Gilinsky, Jack Johnson, Nash Grier, Personagens Originais
Tags Alexis Ren, Cameron Dallas, Drama, Hot, Romance
Exibições 306
Palavras 1.663
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


VOCÊS ESTÃO ME DEIXANDO MAL ACOSTUMADA!!!!!
Já são três capítulos em dias seguidos :)
Um aviso antes de vocês lerem:
A história não vai ser baseada só no sexo, vai ter partes que vai rolar putaria sim, até porque Reed é muita intensa e adora provocar e vocês vão perceber que Cameron não fica muito atrás, mas eu tenho uma história para contar e ela não se resumi a isso, ok?
Boa leitura!

Capítulo 3 - The one where Cameron tries to resist.


Reed point of view:

 

Vi ele engolir em seco e respirar fundo. Seus olhos nunca deixando o meu. O semblante sério.

- Você se tocou? - perguntou sério. Intenso.

Assenti e mordi os lábios. Cameron gemeu frustrado e a passou a mão pelo o cabelo, o puxando.

- Porra, porra, porra.

Ele estava lutando contra um dilema, dava para ver. Ele queria, mas estava tentando resistir.

- Porque agora, Reed?

- Porque sim. - respondi. Eu não tinha coragem para lhe contar que isso tinha bastante tempo. Talvez depois, mas com certeza não agora.

- Isso não é resposta. - falou irritado. Dei de ombros, era a única que ele receberia.

- Você me quer, eu te desejo. Isso não basta? - perguntei ansiosa.

- Eu não posso. Não posso fazer isso.

- Claro que pode.

- Não. Não quero te machucar.

- Você não vai. Eu sei onde estou me metendo, ao contrário do que você acha, eu não sou nenhuma garotinha indefesa.

- Não posso. - ele repete. Mas os seus olhos diziam coisas diferentes.

- Você pode sim. Caramba!

Dessa vez eu o beijei. Como todo o sentimento que existia dentro de mim, todo desejo e ardor, e Cameron respondeu na hora com igual intensidade. Me puxando para o seu colo, enquanto a sua mão segurava o meu cabelo com delicadeza.

- Por favor. - murmurei contra os seus lábios, interrompendo o beijo. - Quero que você me toque aqui. - levei a sua mão em direção ao meu seio. - Aqui. - continuei a tortura, dessa vez levando a palma da sua mão mais embaixo, na frente do short curto em que estava usando. No lugar onde eu mais necessitava o sentir.

Cameron respirou fundo, com uma expressão de dor e tensão que chegava a beirar a pornografia.

Ele me olhou firme, os olhos escuros me sondando, procurando algo que eu não sabia dizer. O meu coração estava acelerado de ansiedade. Querendo tanto ele que doía.

- Você só tem dezessete anos. - murmurou.

- Isso muda daqui a três semanas.

Dallas balançou a cabeça para a minha resposta. Passei minha mão levemente pelo seu cabelo, uma coisa que eu sempre que fiz fazer, e a oportunidade tinha se mostrado agora. Deixei ele em silêncio durante alguns minutos. Sem saber o que falar mais, porque eu queria que ele percebe-se por si só que aquela atração assombrosa não iria embora facilmente. Sua mão estava na minha coxa fazendo leves carícias com os dedos.

Ele não estava me afastando e eu interpretei isso como um bom sinal. Continuei o carinho que estava fazendo em seu cabelo e Cameron fechou os olhos. Desci a mão até o seu pescoço, arranhando levemente o local. Ganhei uma mordida na palma da mão por causa disso.

- Como você é atentada, garota. - Cameron revirou os olhos. Dei de ombros.

Ele teria que lidar com isso.

- Cameron, eu quero almoçar ainda hoje. - a voz abafada veio do lado de fora do quarto, seguido de uma batida forte na porta. Pulei de susto ao ouvir a voz de Aaron, ele queria morrer. Só pode.

- Estou indo. - Cameron respondeu calmo. Escutei o meu amigo se distanciando da porta.

Desci do seu colo um pouco contrariada. E ele me deu um beijo rápido na boca. Achei o gesto esperançoso. Quando continuei o encarando, Dallas finalmente falou.

- Vamos conversar depois, com mais calma.

Eu concordei. Se depois da conversa, tudo se resolve-se e ele finalmente parasse de palhaçada. eu estava ok. Dallas arqueou a sobrancelha quando eu continuei sentada na cama, rebati o gesto, e ele suspirou.

- Preciso que você saía para que eu possa me vestir.

Levantei e murmurei:

- Puritano.

Assim que terminei de falar, Cameron me beijou. Intensamente. A sua língua acariciando a minha, e os dentes mordiscando de leve os meus lábios. Me deixando arrepiada. Quando ele finalizou, eu estava ofegante e um pouco quente.

- Odeio essa palavra. - ele falou malicioso - Pode ir agora.

Pisquei atônita, o desgraçado tinha feito isso para provar um ponto. E ele tinha feito isso muito bem. Saí do seu quarto com a certeza que não demoraria muito para acabarmos em cima de uma cama, muito excitados e morrendo de prazer.

Cameron tinha descido dez minutos depois, o seu cabelo estava molhado e eu tente não ficar o encarando. Ele era muito sexy para a minha sanidade.

Enquanto eu queria estar trancada dentro de um quarto com ele, tinha que ficar sentada o observando de longe. Aaron estava do meu lado, o almoço estava sendo servido e o meu amigo parecia inquieto do meu lado.

Deveria estar se correndo para perguntar o que tinha acontecido ontem de madrugada, mas eu não disse nada. Queria que ele ficasse curioso mesmo, quem mandou ele atrapalhar chamando Cameron? Aaron poderia ficar uns minutos a mais sem comer, caramba.

- Reed, já sabe o que você vai querer de presente? - Johnson me perguntou interessado.

- Oh, sim. - respondi e olhei de relance para Cameron. Ele deu um sorriso de canto percebendo a minha indireta.

- Vai me dizer? - JJ insistiu.

- Não, você só precisa se preocupar com os preparativos da minha festa e providenciar o meu carro.

- Você não sabe dirigir. - meu irmão disse sendo óbvio.

- Eu aprendo quando você me der um carro. - dei de ombros.

- Espertinha. - resmungou.

- Papai lhe deu um quando você fez dezoito anos. - joguei na sua cara. Talvez culpa o fizesse ceder mais rápido, eu não me importei em jogar baixo. Eu tinha aprendido com  ele esse tipo de chantagem.

- É tão legal ver Johnson ficar sem resposta. - Gilinsky gargalhou.

Meu irmão revirou os olhos e fez uma careta. Eu tinha ganhado o primeiro round.

 

(...)

 

Cameron tinha ido embora sem nós conversamos. Não tivemos oportunidade de ficar sozinhos, parecia que tinha sempre alguém ao redor. E o tipo de conversa que teríamos teria que ser a sós. Sem chance de alguém nos atrapalhar.

Segunda eu teria que entregar somente um trabalho e estaria livre pelo resto do dia. Cameron mandou uma mensagem se poderíamos nos ver na hora do almoço, que era o único tempo livre que teria. Respondi que sim, e combinamos de nos encontrar em seu apartamento.

Eu fui dormir ansiosa e acordei em pior estado. Levantei uma pilha de nervos, tomei um café rápido porque Johnson estava reclamando que estava atrasado e eu usei essa oportunidade para falar dos benefícios de eu ganhar um carro. Meu irmão fingiu que não estava me escutando, mas as vezes dos motivos que eu estava listando.

Ele me deixou na porta do colégio e me deu um beijo rápido na bochecha antes de eu sair do carro. Procurei os meus amigos e não demorei muito para achá-los. Scar estava abraçada ao seu namorado, uma pessoa que eu não era muito fã. Por isso primeiro fui em direção ao meu amigo Ethan, ganhando um abraço apertado de cumprimento. O seu irmão não estava em nenhum lugar próximo, e se eu conheço Grayson bem, ele estava ficando com alguma garota desavisada. Não me entenda mal, Grayson era um ótimo amigo. Mas ele era muito galinha. Se existia uma palavra que pudesse defini-lo bem era essa, galinha. E gostoso. Porém, isso não vem ao caso.

Quando o sinal tocou, nos separamos, pois não fazíamos essa classe juntos. Scar me encontrou no meio do caminho da nossa sala, e começamos a fofocar no mesmo instante. Mesmo estando um pouco distantes por causa do seu recente namoro, éramos muito amigas e contávamos tudo um para a outra.

Contudo, eu hesitei em lhe falar sobre Dallas. Talvez eu não quisesse compartilhar o meu segredinho ainda, era tudo muito incerto e eu realmente não estava querendo falar ou pensar nisso agora.

Scar conseguiu me distrair durante a aula, falando sobre o que tinha feito durante o final de semana. Quando a aula terminou e eu entreguei o bendito trabalho, fiquei em dúvida entre ficar por ali mesmo e resolver algumas coisas do meu aniversário, ou ir para casa. Faltava algumas horas ainda para eu me encontrar com Cameron.

Acabei indo a algumas lojas de festas, Scar foi comigo, o que foi de grande ajuda. Comprei algumas coisas que estavam faltando para decoração. Johnson iria surtar comigo, porque eu já tinha dito que tinha comprado tudo.

O meu irmão não era muito de regular o dinheiro que eu gastava, mas eu tinha que admitir que às vezes eu passava dos limites. Eu queria que tudo fosse perfeito.

Quando terminei de comprar tudo, e matar o tempo em uma sorveteria com Scar, já era hora de me dirigir ao apartamento de Cameron.

Peguei um táxi até lá, e o porteiro me deixou subir sem anunciar a minha chegada. Eu já tinha vindo aqui milhares de vezes, e tinha passe livre.

Bati algumas vezes na porta do Cameron, e ele não demorou a abrir. Ele estava com uma blusa social branca, as mangas estavam enroladas até o cotovelo e os primeiros botões da blusa abertos. Ele estava muito, muito, muito sexy.

Dei um sorriso pequeno e o que ele retribuiu me deixou quente. Sem uma palavra ele me levou até o sofá da sala, me sentando no mesmo. E eu estava achando estranho todo esse silêncio.

Dallas continuou de pé, me olhando sério, sua mão subiu até o meu rosto, acariciando o meu rosto carinhosamente. Não me contive e beijei de leve o seu dedo que roçou o meu lábio.

Cameron inclinou a cabeça e finalmente falou:

- Vamos tentar, ok.

Por dentro estava pulando de felicidade, tão exultante que eu estava me imaginando fazendo umas daquelas danças esquisitas na minha mente. Por fora, me mantive calma e acenei de leve. Cameron me puxou para um beijo leve, e eu fui de bom grado.

Feliz por finalmente conseguir o que eu queria a muito tempo.


Notas Finais


um gifzinho de como eu imagino essa última parte do capítulo: http://68.media.tumblr.com/0b65dce4c40ed818fd22a669d136a6f5/tumblr_inline_nslhp0OWuk1tzyd64_500.gif
ESPERO QUE VOCÊS TENHAM GOSTADO!!!!
NÃO DEIXEM DE COMENTAR, OK? FICO MUITO ANIMADA LENDO O QUE VOCÊS ESCREVEM <3
indiquem a fic para as amizades se quiserem ahahaha
beijos e fui


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...