História Reencontro - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Kuroko no Basuke
Personagens Akashi Seijuro, Aomine Daiki, Himuro Tatsuya, Kagami Taiga, Kise Ryouta, Kuroko Tetsuya, Midorima Shintarou, Momoi Satsuki, Murasakibara Atsushi, Takao Kazunari, Yukio Kasamatsu
Tags Ação, Akashi, Aokaga, Aomine, Bombeiro, Drama, Kagami, Kasamatsu, Kisamatsu, Kise, Kuroko, Midorima, Midotaka, Murakashi, Murasakibara, Policial, Takao, Tetsuya, Triste, Yaoi
Visualizações 82
Palavras 1.029
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Fluffy, Lemon, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo-Ai, Slash, Suspense, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Eeei pessoas! To locaaaaao caraai!

Capítulo 1 - One


Fanfic / Fanfiction Reencontro - Capítulo 1 - One

9 July, 2012

— Hm... - Resmungava um certo ruivo, que estava concentrado no que fazia.

Ele terminava de passar cobertura pelo bolo que fazia, estava quase acabando. Só falta algumas coisas aqui e ali, para tudo ficar pronto! --- Taiga sorriu vitorioso ao acabar com os enfeites daquela bela guloseima, o que faltava era as velas esculpidas com número de oito anos. Ao botar a vela ele pegou a bandeja onde carregava o bolo e saiu da cozinha, logo passando pelo balcão e indo até uma das mesas, pondo o bolo em frente ao aniversariante.

— Parabéns pra você! - Os pais da criança cantavam. Kagami iria se afastar, mas o pai do menininho o puxou para comemorar junto. O ruivo sorriu e cantou junto, batendo palmas. — Nesta data querida! - A meio-irmã de Taiga cantava, dando em cima do irmão mais velho do aniversariante. Kagami a olhou feio. — Muitas felicidades! - Os pais do menininho de pele morena e cabelos azulados quase choravam de emoção. — Muitos anos.. De vida! - O azulado mais velho ignorou a ruiva e se aproximou do irmão, pondo o chapeuzinho de aniversário nele.

— Faça seu pedido! - Aomine sorria. O pequeno fez o que ele disse, fechando os olhos e soprando a vela. Todos comemoraram e aplaudiram, os pais do menino já choravam, deixando o ruivo confuso. — O que você pediu? - O azulado mais velho perguntou.

— Não posso dizer... da azar, sabia? - O menininho riu quando seu irmão apertou suas bochechas.

"Eu desejo que meu câncer tenha cura"... Foi o seu desejo.

— Então tá, nanico. - Ria bagunçando seu cabelo. O menor fez bico, mas logo sorriu.

— O primeiro pedaço de bolo! Pra quem irei daaar... - O menor encarava o bolo a sua frente, enquanto o ruivo ajudava-o a cortar. — Antes! Quero agradecer todos que estão aqui, e me apoiam com meu câncer. - Disse encarando a fatia de bolo — E agradeço também à Okaasan, Otousaan, e o Nii-san por me fazerem este belo aniversário! - Dizia agora os olhando. Aomine segurava o choro. — Agradeço também ao Tio ruivo que fez o bolo pra mim, e fechou o restaurante pra isso, mesmo que soubesse que, o que meus pais pagam não chega nem perto do que ele ganha com o restaurante funcionando normalmente. - Sorriu para ele. Kagami iria responde-lo, porém foi interrompido.— Obrigado, a todos vocês. - Ele sorriu — Obrigado por fazerem do que me resta vida, algo especial. - Sussurrou, agradecido.

Taiga nem percebeu que chorava, só fora perceber quando sua "irmã" caçoou dele. O ruivo a ignorou por completo, e foi servir as pessoas.

•••••

Nojo.

Era essa palavra que descrevia o ruivo. E por que? Porque sua irmã gemia a prantos para o celular, ela estava conversando por chamada de vídeo com alguém, e estava se tocando. Taiga, não aguentando aquilo ele saiu de casa e foi até a residência a sua frente, onde morava seu amigo Loiro.

— Você está brincando, né?! - Estava surpreso, Ryouta. — Ela só tem quatorze anos e já faz isso?! - Ele estava incrédulo, e se remexia desacreditado no colo do namorado, que respirava fundo pra se controlar. — E seus pais?!

— Não, não estou brincando. - O ruivo se jogou no sofá vazio, resmungando — Sim, ela faz isso.—  E Minha mãe, - Corrigiu  — no caso esta viajando com aquele cara. — Disse, com desprezo ao se referir ao seu padrasto. Não ia com a cara dele; Kagami poderia botar sua mão no fogo confirmando que aquele cara só esta casado com sua mãe por interesse. Mas especificamente, na herança.

— Você age como se não soubesse que ela é uma mini-protituta. - Dizia Kasamatsu para o namorado confuso; Kise o fitou e riu baixinho.— Desculpe, Taiga. - O olhou, sem expressão.

— Naah, de boa. - Balançou os ombros — Que a verdade seja dita! - Sacudiu as mãos, fazendo os outros dois rirem.

•••••

Cinco anos depois..

 

Kagami estava frustado, havia acabado de entregar o pequeno azulado as pessoas do orfanato. E por que? Porque ele não havia conseguido salvar a única familia do menino, a única coisa que lhe era importante, sua "mãe". Taiga só faltava chorar, não sabia como iria encarar o menino novamente, não sabia. 

O cheiro de fumaça adrentou suas narinas. Estava escuro, o céu só havia uma estrela; Ao encara-la ele se lembrou do que sua mãe dizia: "Sempre que houver uma única estrela, em meio ao céu limpo, provavelmente será alguém que deu seu último suspiro, e está lá para cuidar de seu maior bem." -- O ruivo fechou os olhos, apertando a mão em seu uniforme de bombeiro.

"Com certeza seu maior bem, é o Kuroko.." pensava, lembrando-se da reluzente estrela.

— Oe! Você é o carinha do restaurante! - Alguém o tirou de seus pensamentos. O policial de pele morena se aproximava do bombeiro ruivo. — Você é quem meu irmão sempre falava! - Exclamava, meio alegre. O bombeiro elevou seu olhar para encara-lo. Deu um mínimo sorriso e assentiu.

— É.. - Disse meio cabisbaixo.

— O que houve? - O policial o que encarava. Kagami o fitou longos minutos.

— Nada, eu vou embora. - Falou ríspido, se virando e indo embora. Deixando um certo azulado confuso.

— O que aconteceu? - O azulado o seguiu e tocou seu o ombro, o parando.

— O que aconteceu?! - Ria sem humor. — Eu não consegui salvar a vida de uma mãe! Só a de seu filho. Agora estão querendo leva-lo ao orfanato por não ter parente próximo, e por ser de menor. - Segurava as lágrimas de frustração. — Eu.. Eu terei que adota-lo.. Mas.. Não sei se seria certo.

Aomine o fitou longos minutos e suspirou; Não era de dar concelhos, muito menos de alegrar alguem sem suas brincadeiras maliciosas, mas, vendo o homem que fizera seu irmão sorrir com o "melhor bolo do mundo", - como dizia o pequeno - triste, o deixava, de certa forma, perturbado. O azulado o olhou e sorriu do jeito mais alegre que podia.

— É claro que seria! Por que não?

— Eu não sei...

— Oras, ele é de sua responsabilidade agora, não? - Cutucou o ombro alheio. O ruivo sorriu e assentiu, talvez fosse uma boa ideia.


Notas Finais


E ai? O que acharam? Gostaram? Dêem sugestões!

Desculpe pela mãe do Tetsu ;-;


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...