História Reencontro no momento certo. - Capítulo 29


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor à Vida
Visualizações 162
Palavras 1.025
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hey, espero que gostem.

Capítulo 29 - Agora sim tenho o que temer.


Fanfic / Fanfiction Reencontro no momento certo. - Capítulo 29 - Agora sim tenho o que temer.



Marco pov's on:


Passamos muito tempo na piscina e quando começou a escurecer nós saímos, foi decidido que vamos jantar um restaurante aqui perto. Me arrumei e deitei na cama esperando a Paolla terminar de se arrumar, soaria muito bobo apaixonado dizer que ela tá linda demais mesmo simples? Ela está normal, calça jeans e tal mas para mim ela tá incrivelmente linda. 
- Vamos? - Ela saiu do banheiro colocando perfume, me levantei. 
- U-a-u! - Dei uma rodadinha nela e a mesma riu.
- Para, tô normal! - Ela disse e entrelaçou seus braços no meu pescoço e eu abracei-a pela cintura. 
- Para mim você tá sempre maravilhosa não importa se tá simples ou não. - Ela sorriu e me beijou.
- Mereço você mesmo? - Sorrimos. - Vamos, eles só devem está nos esperando, eu demorei. - Ela fez cara de criança sapeca. 
Realmente estavam apenas nos esperando, ao chegarmos na sala todos levantaram e deram gritinhos de comemoração com nossa chegada, eu e Paolla rimos.
- A culpa foi minha. - Paolla disse e colocou as mãos para o alto se rendendo.
No nosso carro foi nós dois e seus pais e no outro os irmãos da Paolla, a tia e o primo-mais-chato-que-já-vi. Eu ri muito com os pais dela, foi um caminho para o restaurante um tanto divertido. 
- Feliz em te conhecer meu camarada, nunca vi minha filha tão feliz assim. - O pai da Paolla disse e eu sorri.
- Fico feliz em ouvir isso, é o que eu mais quero: vê-la feliz. - Vi Paolla e sorrir e ela fez carinho na minha nuca enquanto eu dirigia. 
- Ele é incrível pai, ainda não conhecem esse ser humano lindo. - Paolla disse, sorri. 
Nós conversamos sobre a novela e principalmente sobre o trabalho incrível da Paolla sendo mil em uma, não tá fácil para ela mas o resultado está impecável. Chegamos enfim no restaurante, é lindo e bem praieiro. A decoração era meio rústica, aquele lugar confortável e que você se sente bem. Sentamos na mesa e vi uma cadeira do lado da Paolla sobrar, quando pensei em quem poderia sentar vi o Lucas sentando rapidamente como se fosse a dança da cadeira e ninguém pudesse sentar na única cadeira que sobra. 
Fiquei meio intrigado quando o vi sentado ali do lado dela, mas ao olhar para Paolla fiquei feliz em ver que ela não se importava muito com a presença dele ao seu lado. Passei meus braços pelos ombros dela e fazia carinho nos seus braços subindo e descendo os dedos, por um momento a vi fechar os olhos sentindo o carinho bom. Ela colocou as mãos na minha coxa e fazia carinho, aproximei minha cadeira da dela e ficamos juntinhos, olhei de relance e Lucas me olhava com fúria, se tivesse  como ele me matar com olhos pode ter certeza que eu já era um pó. 
Pedimos o jantar  e tudo saiu bem, eu tinha medo do que esse primo pode fazer para ter algo (nem que seja um beijo) da Paolla. Estava apertado e quando decidimos ir embora eu disse que iria no banheiro rapidinho, Juliano também veio junto.
- É... - Juliano coçou a cabeça meio confuso. - Percebeu que o Lucas é maluco pela minha irmã né? Mas maluco literalmente, porque esse sentimento dele para mim não é amor, ele idealiza até hoje esse amor que tiveram como se tivesse sido anos e anos, mas durou 3 meses e ainda foi muito. 
- Percebi cara, logo quando cheguei ele me tratou super mal e eu sabia que tinha algo errado ali. - Vi Juliano fazer uma careta. 
- Liga não, mas presta atenção que eu ouvi ele falando a mãe que vai tentar pelo menos beijá-la para ver se assim desperta um amor nela. Ele é muito doido. - Eu fiquei meio assustado com aquilo. Saímos do banheiro e percebi a Paolla encostada no carro dela e o Lucas de lado, prestei atenção e diminui os passos para observá-lo. Ele se ajeitou ficando na frente dela e eu a vi se ajeitar e tentar se afastar, Juliano estava acelerando o passo e eu o impedi:
- Ei, calma! Espera. - Puxei ele e ficamos com calma observando, meu sangue fervia e eu queria esganar aquele cara. Ele a segurou com as duas mãos no rosto dela e quando estava quase beijando-a eu gritei. - TÁ MALUCO? - Eu gritei e vi nos olhos da Paolla o medo, afastei ele empurrando-o. Os pais da Paolla, Leonardo, Douglas e tia dela estavam comprando sorvete em uma barraca um pouco afastada.
- Que foi? Sabe aquele ditado "namorou perdeu o lugar?" nesse caso é "vacilou perdeu a namorada". - Ele cruzou os braços me olhando sério.
- Quem perdeu algo aqui foi você, sua sanidade! MALUCO! - Paolla disse alto e eu me aproximei dela abraçando-a. 
- Calma amor. A gente resolve isso em outro lugar. - Eu disse abraçando-a forte.
- Toca na minha irmã novamente e você é um cara ferrado. - Juliano disse irritado. - Se toca, isso que você sente aí não é amor! Tá doentio já. Já passou o tempo em que a família acreditava no seu lindo amor pela Paolla, agora não faz mais sentindo com certas atitudes. 
Todos que foram comprar sorvete voltaram e resolvemos só falar o que aconteceu quando chegasse na casa. 
- Filha, olha quem eu acabei de encontrar! - Daniele chegou animada com um homem ao lado dela, devo admitir que é bonito, moreno e olhos azuis, olhei para Paolla e ela abriu um sorriso lindo, uma pontinha de ciúmes surgiu. 
- Guilherme? Meu Deus, tá diferente... e gato! - Paolla disse e riu, o tal de Guilherme abraçou-a sorrindo, dentes extremamente brancos. Esse sim eu tinha que ter medo, esse Lucas é um doente, esse Guilherme é ameaça. 
- Sempre linda, o tempo só deixou você ainda mais. - Paolla deu um tapinha no braço dele tímida com o que ele disse, tossi para chamar sua atenção e ela me olhou ainda sorrindo. Eu tinha um olhar de "Vai me apresentar não?". 


Notas Finais


Curtindo? Amanhã|hoje (sexta-feira) eu posto vários capítulos. Dias de quinta eu passo o dia inteiro no curso e chego muito cansada e sem criatividade, amanhã terei muito tempo para escrever. Ou seja, AMANHÃ RECOMPENSO COM VÁRIOS CAPÍTULOS!
Não deixem de comentar, beijos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...