História Reencontro no momento certo. - Capítulo 31


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor à Vida
Visualizações 339
Palavras 1.028
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hey, espero que gostem!

Capítulo 31 - Saudade de me sentir mais sua do que já sou.


Fanfic / Fanfiction Reencontro no momento certo. - Capítulo 31 - Saudade de me sentir mais sua do que já sou.


Continuação. - Paolla pov's on:


- Vocês namoraram? - Marco perguntou baixinho no meu ouvido, ihhhhh. 
- Sim, há muitos anos atrás. - Eu respondi baixinho.
- E você, como anda o trabalho? A vida? - Guilherme perguntou.
- Tudo maravilhoso, nada para reclamar! - Eu disse feliz. - Esse ano em especial tá sendo melhor ainda. - Olhei para o Marco, sorrimos. 
- Fico feliz por ver que tá dando tudo certo, hora ou outra via na internet as pessoas te encherem de elogios, uma pena não está conseguindo acompanhar essa novela, todas as outras eu acompanhei. - Sorri.
- Sério? Bom saber. Perdemos contato, né? Fazia muito tempo em que não tinha ouvido se quer uma notícia sua. 
- Pois é, a gente terminou tudo tão bem e não correu atrás de manter contato. Dois malucos. - Dei uma risadinha. 
- Filha, vamos? - Meu pai me chamou. - Estou bem cansado. - Ele bocejou, sorri.
- Vamos pai! - Eu disse e Marco foi destravando o carro para o meu pai entrar. - Fiquei muito feliz em te ver Gui, muito mesmo. - Eu disse abraçando-o forte, ele fez carinho nas minhas costas.
- Você não tem noção da felicidade que eu estou por dentro em te ver, sério. - Sorrimos. - Quero te ver novamente. 
- Me dá seu número a gente pode se encontrar ainda esse fim de semana por aí, vou está por aqui. - Dei meu celular em suas mãos e ele colocou o número, salvei. 
- Bom saber. Então a gente se fala. - Nos abraçamos de novo e eu fui para o carro, antes de entrar sorri pela última vez e acenei para o Gui. 
- Tchau Guilherme, espero te ver novamente. - Minha mãe acenou com metade do corpo para forma, eu ri. Gui acenou de volta rindo, vi o Marco mandar um aceno também quando Guilherme mandou um "salve" para ele, sorri ao ver eles se cumprimentando. Seguimos o caminho em silêncio, meus pais cochilaram em segundos, eu ri vendo os dois cansados a ponto de não conseguirem controlar o sono. Vi o Marco sério e fiquei meio triste, o que será que tinha acontecido?


Marco pov's on:


Lucas, Guilherme... Mais algum para perturbar minha cabeça? Tinha esquecido por um momento que namoro uma mulher incrível e é claro que teria ex-namorados, primos, amigos que gostam dela. Uma mulher linda, cheia de luz e que transmite só coisa boa para quem está com ela não consegue fazer as pessoas irem embora da vida dela, sem querer ela prende todos. 
Fiquei pensativo no caminho e senti uns olhares preocupados da Paolla, mas eu não estava bravo, não estava com nada na verdade, só pensativo mesmo. Senti um carinho bom no cabelo enquanto dirigia e olhei rápido para ela.
- Tá tudo bem meu amor? - Ela perguntou nitidamente preocupada.
- Claro que tá, não se preocupa. - Sorri, ela também.
Chegamos em casa e acordamos com delicadeza seus pais ajudando eles a não tombarem enquanto entravam na casa já que eles estavam com muito sono.
- Praia cansa muito o corpo, a gente passou o dia inteirinho na praia, por isso estamos assim. - Daniele disse, eu e Paolla rimos. Depois de ajudá-los a ir para o quarto fomos para a parte da piscina da casa que tinha uma vista linda para praia, ela me puxou para sentarmos juntinhos. 
- Nosso momento. - Paolla sentou entre minha pernas e eu abracei-a esquentando seu corpo já que o vento estava forte. Ela se aconchegou e ficamos olhando para o céu, a lua estava linda. - Sabe, nesses momentos aqui só nós, olhando para o céu... o que mais gostamos de fazer juntos... Eu sinto que isso vai se repetir sempre, eu consigo me sentir tão segura com você, segura em relação a esse amor que sinto, e consigo ser ainda mais segura quanto aos seus sentimentos, eu acredito em nós. Acredito na nossa reciprocidade, sou a mulher mais feliz do mundo em te ter. - Eu sorri bobo, meus olhos se encheram de lágrimas.
- Eu te amo, eu te amo demais! - Eu disse enchendo-a de beijos no rosto, ela sorria. - Eu sou o homem mais abençoado do mundo por te ter, por te amar e ser amado por você. Nunca duvide do que eu sinto por você, ok? Nunca tive tanta certeza na minha vida de tudo que eu sinto. Nós dois para sempre. - Ela sorriu tão lindamente que deu um acelerada ainda maior no meu coração, vi seus olhos brilharem de forma que eu conseguia me enxergar ali.
- Eu te amo tanto! - Foi a vez dela de me encher de beijos no rosto, eu sorria sentindo cada beijo. Nos abraçamos, nossos corações estavam em sintonia, batiam rapidamente juntos. Nos beijamos, um beijo calmo, cheio de carinho. Paolla fazia carinho em minha nuca e eu fazia carinho em sua cintura. Ficamos tanto tempo namorando, perdemos muito a noção do tempo.
- Ei, vão dormir! Vai dar 01h da madrugada! - A tia da Paolla disse e entrou na casa novamente. Nos assustamos com a hora. Levantamos, fechamos toda a casa e fomos para o nosso quarto. Paolla tirou a blusa logo quando entrou no quarto, fechei rapidamente a porta do nosso quarto e ela se virou sorrindo para mim.
- Já estou com saudade de te sentir ainda mais perto, saudade de me sentir mais sua do que já sou. - Ela disse sorrindo, sorri junto. Fui até ela beijando-a de primeiro calmamente e depois foi se intensificando. Peguei-a no colo e deitei ela com calma na cama, beijando seu colo e deslizando a mão por sua cintura e coxa ainda coberta pela calça. Paolla tirou a minha camisa e jogou longe, naquele mesmo instante facilitamos a vida um do outro tirando as roupas rapidamente, ficando apenas com roupa íntima. Voltamos a nos beijar, tão bom sentir o seu gosto daquela forma, Paolla respirava pesadamente e eu também, ela me apertava mais contra si e percebi ela sentir meu membro já muito excitado e soltou um gemido quase inaudível, me excitando ainda mais.


Notas Finais


Gostando babys? Não deixem de comentar.
Beijos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...