História Reencontro | Shortfic Jimin - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin
Tags Fluffy, Jimin, Reencontro, Romance
Visualizações 54
Palavras 3.599
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Famí­lia, Festa, Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Como prometido um capítulo bem maior que o prólogo.
Boa leitura ♥️♥️

Capítulo 2 - Reencontro


Fanfic / Fanfiction Reencontro | Shortfic Jimin - Capítulo 2 - Reencontro

    “Sim vai ser difícil, mas o tempo passa rápido. Vamos nos reencontrar. Eu sei. Eu sinto.” — Querido John

Os raios de luz e o vento gélido de Arendell me despertaram, a manhã estava fria do jeito que sempre gostei.Assim que abri meus olhos já avistei vasos de flores e cartões por todo o quarto, já era de se esperar, todos os reinos e até às aldeias costumam me presentear no meu aniversário, é algo até mais importante quando a princesa completa 18 anos.

Meus dezoito anos chegaram mais rápido do que eu imaginei, papai é o único que não vê o quanto eu cresci, ainda acha que sou sua princesa de 12 anos, não me importo até porque me sinto bem com isso, além dos servos do castelo papai é minha única família.

Levantei e me direcionei ao banheiro, assim enchendo a banheira e mergulhando na água quente. Hoje o dia seria cheio, papai com certeza faria o grande jantar como os outros, todo aniversário ele faz questão de preparar uma surpresa. No ano passado ganhei um lindo cavalo, acabei descobrindo minha paixão em cavalgar, e papai comprou o mais bonitos e mais forte e me presenteou.

Saí da banheira e vesti o lindo vestido que Ninhá fez,um dos presentes que sempre recebo nessas datas, são os maravilhosos vestidos que ninhá faz, arrumei minhas madeixas e as deixei soltas, meu longos e negros cabelos contornam meu rosto,meus ombros e terminam antes da cintura

Deixei meus aposentos e me direcionei a grande cozinha, Ninhá estava a todo vapor com os preparativos do jantar.

- NINHÁ! - A assustei ao entrar na cozinha.

- Minha menina! Que susto - disse pondo a mão no coração - qualquer dia você me mata menina.

- Desculpa - disse gargalhando

- Como vai minha menina que está se tornando mulher - disse me abraçando e acariciando minha cabeça.

- Estou bem, papai disse que tem uma surpresa para mim hoje.

- Seu pai nos surpreende todo ano.

- Sim, mas ele disse que essa surpresa vai ser diferente.

- Então basta esperar menina - Ninhá acariciou minhas bochechas e me deu um bolinho de arroz - prove, e me fale de está bom.

- Está ótimo ninhá - me lembrei de jimin - me lembrei de jimin,seu bolinho de arroz era o favorito dele

- Oh menina, é mesmo, estamos a tanto tempo longe dele que acabei me esquecendo da paixão dele por esses bolinhos - sorriu fraco

- Tudo bem ninhá. Eu ainda sinto muito saudades dele mas… talvez ele volte um dia, ele prometeu - senti um fio de lágrima descer

- Não fique assim minha menina, vamos mudar de assunto - disse secando a lágrima que caiu - hoje é seu aniversário e você tem que estar feliz,está bem? - assenti.

- Agora deixe eu ver como ficou esse vestido em você - me levantou e me fez rodar,assim fazendo a saia rodar no ar - ficou lindo!

- Ficou mesmo - acariciei o corpete e beijei sua bochecha - ficou lindo ninhá, obrigada.

- De nada minha menina, tudo o que precisar eu estarei aqui ao seu lado,feliz aniversário - assenti e a abracei agradecendo por tudo novamente.

Sai da cozinha e fui em direção ao estábulo, havia alguns dias que eu não cavalgada por falta de vontade.

Nos últimos dias eu não estava contente, várias coisas me faziam lembrar de jimin. Lembro me de todos os meus aniversários que passamos juntos, ele sempre me dava presentes, não era nada caro mas para mim tinha um enorme valor, apenas por vir dele. E as lembranças sempre vinham de vez no meu aniversários, era o dia em que a gente mais se divertia.

Cavalguei por alguns minutos até avistar as grandes cascatas na qual não via a anos, última vez que estive neste lugar foi com jimin, dias antes dele partir.

Amarrei a corda do cavalo a uma árvore e me sentei em uma grande pedra perto do lago, e ali me pus a pensar em toda a minha vida, todos a minha volta. Quem visse como realmente é minha vida saberia que vivo praticamente de aparência,não que minha vida seja ruim, pois não é, mas não sou totalmente feliz, tenho uma ótima família, os servos do castelo são minha família e o próprio castelo é um lugar bom de morar, nunca passamos necessidades e sempre tive do bom e do melhor, amor,carinho e não poderia reclamar. Mas em todos esses momentos bons se esvazia após me lembra da falta que jimin faz. Sim ele faz falta, muita falta, éramos inseparáveis, fazíamos tudo juntos, sendo ficar de castigo a irritar ninhá, sempre juntos. Papai sempre achou linda nossa amizade, lembro-me que ele dizia que quando estivéssemos mais velhos seríamos mais que amigos, sempre q ele dizia isso eu e jimin nos olhávamos e começávamos a rir, certas coisas ainda não entendíamos, mas agora depois de anos passei a entender o que papai sempre quis dizer, e depois de um tempo passei a acreditar,pois percebi que o sentimento que tenho por jimin vai além de amizade, talvez ser meu único amigo ou por realmente ser um sentimento a mais.

Sai de meus pensamentos com o relinchar do cavalo, parecia cansado e com fome, o dia já estava indo embora, resolvi me levantar e voltei cavalgando para o castelo. Ainda não saí totalmente dos meus pensamentos, tentei mudar o assunto mas minha cabeça sempre voltava a ele, não sabia se ia aguentar por mundo tempo,sem nenhuma notícia nem nada.

Se muito tempo passar, ainda iremos nos reencontrar?

E com essa pergunta em mente chego em casa em poucos minutos, por todo o caminho pensei nele. Assim que cheguei ao estábulo e coloquei o cavalo em seu lugar, percebi que realmente passei meu dia pensando nele, sim eu pensava bastante mas, hoje foi a todo momento.

Adentrei pelos fundo do castelo, passei por Ninhá e lhe dei um beijo.

- Minha menina, seu vestido está em cima da cama, seu pai que escolheu então tome um banho e o vista que o jantar está quase pronto.

- Sim omma - brinquei - já vou subindo.

Comecei a subir a grande escada, os degraus não acabavam, o cansaço da cavalgada me consumiu, chegando ao topo escutei vozes longe vindo do enorme corredor.

Identifiquei a voz de papai mesmo de longe mas a outra ainda não tinha conseguido. Mais alguns passos e meu coração palpitou, a voz era familiar, era ele, não esqueceria essa voz nunca,estava diferente mas eu o reconheci mesmo assim.

No momento em que senti meu coração palpitar, meu olhos marejaram de imediato, parei no topo da escada olhando pro começo do corredor esperando as chegada deles, abracei meu próprio corpo buscando ajuda para controlar as lágrimas mas foi impossível, e lá estava ele, seus cabelos que eram negros agora estavam acinzentados, seu corpo que era magro,agora estava com curvas, seus músculos maiores, um corpo totalmente esculpido. Papai estava a sua frente e me viu aos prantos, seu olhar voltou a jimin e fez uma referência logo se retirando e voltando ao corredor, deixando apenas eu e jimin ali, ele ainda não tinha percebido minha presença mas assim que virou e me viu naquele estado, seu semblante ficou sério e seus olhos totalmente marejados, me fitou por segundos e seu sorriso se fez presente em seu rosto, dei o primeiro passo em sua direção, mas num piscar de olhos jimin estava na minha frente e não fez questão de segurar suas lágrimas.

Eu não pensava em nada, não acreditava que ele estava bem ali na minha frente, só queria abraçá-lo e foi o que fiz, abracei sua cintura com força e afundei meu rosto em seu peitoral, abafando meu choro nem um pouco baixo, imediatamente jimin enlaçou seus braços em minha volta, senti suas lágrimas nos meus ombros e ali, naquele abraço lembrei de sua promessa que pedi pra ele voltar e que dessa vez não a quebrasse, e ele cumpriu.

Quando a pessoa volta, é um misto de alegria e tristeza, dá vontade de chorar e ao mesmo tempo de sorrir.

Jimin me apertava mais a cada soluço meu, desisti de controlar assim que percebi que seria falho. Um apertava mais o outro a cada minuto que passava. Não queria solta-lo e ele muito menos, queria matar a saudade de 4 anos.

Depois de minutos na mesma posição, jimin me soltou lentamente me fazendo o fitar

- Olha só como a princesa yu está grande - brincou secando minhas lágrimas.

- Parece q o senhor park jimin cresceu também - abracei o novamente, e senti as lágrimas caindo novamente, e com a voz falha o pedi - p-por favor não vá de novo, não me abandone.

Eu estava feliz porém desesperada pela possibilidade dele ir embora de novo.

- Uh, não vou, não vou ir embora.Nao vou te abandonar- acariciou meus cabelos e me abraçou mais forte - me desculpe por quebrar nossa promessa

- Tudo bem, você voltou. Prometeu e cumpriu - o apertei e não queria solta-lo tão cedo.

- Queria ter voltado antes porém só consegui agora. Não perderia o aniversário de 18 anos da princesa yu - brincou - descobri que meu lugar é aqui - disse, porém sério.

- Seu lugar é aqui comigo - o fitei, e sequei suas lágrimas - dona Ninhá está morrendo de saudades - mudei o assunto assim que percebi o silêncio e o tempo em que com ficamos fitando um ao outro.

- Não vejo a hora de vê-la, estou morrendo de saudades dos bolinhos de arroz - sorriu fraco, me desvencilhei devagar de seu abraço e fomos até a cozinha.

Dona ninhá não fazia a mínima ideia de que jimin havia voltado, resolvemos fazer uma surpresa. Em todo o caminho percorrido até chegar a cozinha jimin não me soltou um segundo, como se eu fosse fugir. Chegamos a cozinha e antes de entrar jimin ficou do lado de fora e eu adentrei encontrando ninhá correndo de um lado para o outro com os últimos preparativos.

- Ninhá - a chamei,tendo sua total atenção

- Sim menina, não me assuste de novo, dona Ninhá já não tem um coração muito bom - sorriu fraco

- Tenho um.. - fui interrompida

- Já está quase na hora do jantar e a senhorita ainda não foi se arrumar, anda menina seu pai já chegou, ande suba! - disse nervosa, acabei escutando a risada de park do lado de fora da cozinha.

- Ninhá, eu já vou. Mas antes tenho uma surpresa pra ti - disse com o meu sorriso mais largo e feliz que pude colocar em meu rosto, logo vejo ninhá totalmente confusa.

- O que tem menina? Me fale, sabe que não…- a interrompi

- Faça mais bolinhos de arroz, por que temos um convidado, dessa vez ele veio para ficar.

Ninhá continuava confusa mas sua expressão mudou totalmente assim que jimin adentrou a cozinha, recebendo o olhar surpreso e marejado da mesma. Ninhá logo entendeu o meu pedido, e em um piscar de olhos eles já estavam aos prantos abraçados. Ela era como uma mãe para mim e jimin, que como eu perdeu a mãe quando pequeno. E nós éramos os filhos que Ninhá tanto queria e não pode ter por questões de saúde.

A cena era realmente de se emocionar, jimin não tentava segurar suas lágrimas,muito menos ninhá, que chorava feito criança, igual eu.

Jimin logo estendeu o braço em minha direção me chamando pra me juntar com eles no abraço, logo fiz e lá estávamos nós, matando a saudade e compartilhando desse momento que nenhuma de nós esperava. Minutos se passaram e ninhá quebrou o silêncio e nos separamos ainda relutantes.

- Meu menino está tão grande - disse alisando os braços de jimin e lutando contra as lágrimas que se deram por vencidas e escorreram por todo o rosto de ninhá.

- Dona ninhá, a senhora não sabe o quanto senti sua falta - disse jimin com um lindo e grande sorriso no rosto.

- Oh meu menino, ainda não acredito que estás aqui, aposto que está pensando nos bolinhos - disse brincando e enxugando suas lágrimas.

- É, nos bolinhos também - disse rindo,e seu olhar se encontrou ao meu. Meu rosto corou levemente. O silêncio se instalou na cozinha, mas jimin logo tratou de quebrá-lo - mas agora vim pra ficar, vou cumprir uma promessa de anos.

Senti meu rosto corar violentamente, senti o olhar de ninhá sobre mim. Eu não era mais capaz de controlar meu olhar, fitei jimin descaradamente com um sorriso enorme no rosto. Não, eu não tinha mais controle de nada, tudo era por impulso, havia apenas jimin ali,tudo em volta era borrão não enxergava nada além dele. A ficha caia aos pouco, passei o dia inteiro pensando nele e agora ele está aqui, na minha frente, ele realmente está aqui comigo. De todos os reencontros que imaginei esse foi o mais surpreendente de todos, foi melhor que todos que eu imaginei. Logo voltei a realidade com ninhá apressando a minha e a jimin, de nos arrumarmos para o jantar.

E então fomos em direção ao enorme corredor onde ficava o quarto de todos que moravam ali, e alguns para visitas. Durante todo o caminho desde a cozinha até o corredor, fiquei com o braço entrelaçado com jimin, ele parecia pensativo, não pronunciou nenhuma palavra, parecia nervoso e procurando as palavras certas para se pronunciar. E o silêncio foi quebrado por ele assim que paramos em frente a porta do meu quarto.

- yu, hmm… - desviou o olhar e pensou mais um pouco - Seu pai me contou. Ele me disse que você ficou muito mal com minha partida, também fiquei mal, muito mal, papai tentava de todo jeito um pouco mais de dinheiro para voltarmos mas não conseguiu. E queria me desculpar por causar seu sofrimento, eu prometi que ficaria e não te abandonaria mas nao cumpri - Seus olhos se encheram de lagrimas - Eu devia ter pedido para ficar, não devia ter quebrado nossa promessa. Esses últimos 4 anos foram os piores da minha vida, não saber como você estava era uma tortura, eu chorava todas as noites e pensava em incontáveis jeitos de conseguir voltar mas… - o interrompi com um abraço

- Não, não se desculpe. Depois papai me contou o porquê de vocês partirem, eu entendia, você teve que ir mesmo não querendo - me desvencilhei do abraço mas jimin continuou com seu braços envolta da minha cintura, limpei suas lágrimas e segurei seu rosto, fazendo o me fitar - tudo bem, agora você está aqui, e é isso que importa, então por favor não chore. Quero que saiba que em todos esses anos nunca fiquei com raiva ou decepcionada com você, tive esperança de que um dia você voltaria, e você voltou. Então isso já basta. - Sorri

- Senti tanta falta de você - Sorri - mas agora temos muita coisa pela frente e quero fazer amanhã, tudo que fazíamos quando crianças - disse animado.

- relembrar os velhos tempos - disse na mesma animação, jimin logo assentiu.

E de repente o silêncio se fez presente, e ali estávamos nos fitando um ao outro com um leve sorriso no rosto, até que esse sorriso deu lugar a um semblante sério e apaixonado.

- h-hmm.. melhor eu ir me arrumar, daqui a pouco dona Ninhá aparece aqui me apressando - disse com dificuldade e um pouco sem graça.

Nos soltamos do abraço e antes de entrar jimin se aproxima e beija o canto da minha boca, me deixando mais corada ainda, me surpreendi com o ato inesperado, e parece que jimin se surpreendeu também, logo me mostrou seu melhor sorriso.

- Até mais tarde princesa yu - brincou e foi em direção ao seu quarto.

Adentrei meu quarto sentindo coisas que nunca havia sentido antes, como se fosse borboletas no meu estômago, uma imensa vontade de sorrir. A felicidade finalmente havia me encontrado e eu não deixaria escapar. Liguei a torneira da banheira e me pus a pensar, quando acordei de manhã era apenas um dia normal, desde muito tempo meus dias eram assim, sem nenhuma emoção, mas assim que reencontrei jimin, parece que todas as alegrias que não tive nesses anos,vieram todas juntas em poucas horas.Após muito pensar e sorrir, entrei na banheira e relaxei, comecei a pensar e percebi que Jimin estava com olhar diferente sobre mim, e indiretas mais diretas, e aquele quase beijo me deixou sem ar apenas por sua aproximação.

Terminei meu banho e me enrolei na toalha, fui até meu quarto e comecei a me arrumar, a algum tempo disse para papai que eu não precisava mais de servas para me ajudar na vestimenta e que eu já estava grande o suficiente para me arrumar sozinha, e assim ele fez. Terminei de me vestir E apenas penteei meus longos cabelos negros e coloquei minha coroa, estava pronta olhei pela última vez no espelho e me agradei com a imagem.

Desci e fui até o grande salão de jantar e lá estavam todos, servos, ninhá, papai e jimin. Agora minha família e minha felicidade estavam completas. Assim que entrei todos os olhares se direcionaram a mim e ao meu lindo e um pouco volumoso vestido verde, e com um largo sorriso todos começaram a cantar aquela famosa música de parabéns, na qual a anos não me deixava tão alegre quanto hoje.

Ao fim da cantoria, todos se sentaram e o jantar logo começou, aos poucos os filhos pequenos dos servos vinham até eu e me presenteavam com desenhos que faziam de mim, achava lindo todos e agradecia com um abraço carinhoso, eram muito educados e carinhosos comigo,mas em todo momento sinto o olhar de jimin sobre mim, fitei papai e ele não estava diferente porém fitava jimin. E essa troca de olhares durou alguns minutos, papai fitava jimin, jimin me fitava e eu não tirava meu olhar de papai a fim de ver ele desviar o olhar, o que aconteceu depois de longos minutos.

Após muita conversa, risadas e presentes papai se levantou, ali eu já sabia que começaria a choradeira e o brinde.

- Hoje quero brindar aos 18 anos de muita saúde da minha princesinha yu - brincou e todos riram. - meu presente este ano foi um tanto diferente, queria que fosse surpresa mas quando você chegou eu não poderia empurrar jimin a fim de escondê-lo - assim todos caíram na gargalhada - enfim.. um brinde a filha maravilhosa, carinhosa e de grande coração, feliz aniversário bebê - papai sabia que eu tinha vergonha desses apelidinho mas mesmo assim os usou a frente de todos, e as risadas não demoraram a aparecer. Corei violentamente

- Agora é minha vez de discursar - levantou ninhá, com os olhos já marejados - bom..essa menina, minha menina que tanto amo. Agora já não é mais uma menininha e sim uma mulher. Uma bela mulher que me orgulha a cada novo dia. Continua com suas travessuras de me assustar - todos riram - mas eu a amo tanto que perdoo no mesmo instante. Só Deus sabe o quanto sou agradecida por te ter como uma filha que nunca pude ter - ninhá já chorando e senti meus olhos marejando aos poucos - não importa o quanto você cresça, sempre vai ser minha menina.- terminou após o brinde de todo a mesa.

Após todos se sentaram e voltarem a comer a sobremesa que foi servida logo após o brinde, jimin se levantou. Assustei um pouco apesar de jimin ser tímido lá estava ele pronto pra fazer seu discurso. Papai apoiou os cotovelos na mesa e suas mãos deram apoio ao seu queixo, ele estava fitando jimin com os olhos semicerrados a fim de pôr medo nele, mas jimin fez questão de não olhá-lo nos olhos. Nesse momento todos pararam para prestar a atenção nas palavras de jimin, Ninhá fitava eu e ele com um sorriso no rosto.

- Bom.. sou péssimo com palavras mas, vale o esforço. Princesa yu - brincou - minha única e melhor amiga, sempre teve um coração maior que ela, sempre pronta a ajudar quem precisava, e foi o mesmo que ela fez comigo, eu não tinha nada nem ninguém pra compartilhar minhas alegrias e tristezas, apenas papai, mas quando te conheci percebi que com você eu poderia compartilhar tudo, e você comigo. Lembro me de quando brigávamos eu sempre pedia desculpas primeiro, mesmo estando certo - as gargalhadas se fizeram presentes - eu só não conseguia ficar longe de você,nós crescemos e ainda não consigo, não quero. - As lágrimas escorreram sem que eu percebesse - bom.. é isso, feliz aniversário jahgi - jimin abriu o sorriso mais largo que eu já vi.

    Todos ali estavam surpresos com o lindo discurso de jimin, eu não estava diferente, alguns estavam surpresos pelo fato de jimin ter uma certa ‘’intimidade’’ ao me chamar de jaghi mas quando éramos pequenos esse era meu apelido, apenas jimin me chamava assim, e quando o pronunciou, um sentimento de nostalgia se fez presente. e então o jantar chegou ao fim, e todos fomos para a sala,as filhas das servas fizeram uma mini apresentação de ballet. 

Em tempo vago eu ensinava ballet pra elas, e hoje elas se apresentaram em forma de presente. Mas uma coisa me chamou mais a atenção, e foi quando papaI e jimin saíram juntos da sala e foram em direção a porta de entrada do castelo.


Notas Finais


Espero que tenham gostado, sei que as coisas estão acontecendo rápido demais mas, é muita coisa para acontecer em uma shortfic de mais ou menos sete capítulo.. garanto que os próximos são mais ou menos nesse tamanho.
Obrigado e até quarta 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...