História Reformatório B.B. - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Ação, Adolescentes, Aventura, Brigas, Colegial, Comedia, Humor, Originais, Original, Reformatório, Romance
Exibições 17
Palavras 2.150
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Linguagem Imprópria
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Meus Deuuuuuses, quanto tempo!! Quase, QUASE, dois meses, hein? Mas agora eu prometo voltar com tudo!! Aproveitem esse capítulo, e lá em baixo eu vou falar mais algumas coisas para vocês!

Capítulo 21 - Capítulo XXI


Ele escolheu um filme que disse que estava na sua lista. Mas era um pouco fraquinho, para mim. Contava sobre um grupo de cientistas que descobrem uma maracutaia para trazer os mortos para a vida de novo. Mas aí eles descobrem que isso traz efeitos colaterais enormes nos "ressuscitados", e a mulher que morreu lá, levando um choque, começa a assombrar os cientistas.

– Gostou? – Ele pergunta.

Não.

– É legal. Um pouco entediante, mas é legal. – respondi.

– Iih, não vai me dizer que você não ficou com medo na parte que o negrinho vai lá ver se a mulher está bem...

– Não é medo. Eu levei um susto. É diferente! – exclamei sorrindo.

– Mas estava muito óbvio! Tanto que eu falei "não vai para lá, você vai se ferrar". Você deveria ter me ouvido. – retrucou.

– Mas eu estava procurando meu chocolate que tinha caído! Dai eu olhei bem na hora que ela quase mata o cara. Eu levei um susto, ué. – falei rindo.

– Pelo menos achou o chocolate? – pergunta.

– Sim. Estava na minha barriga.

Ele dá risada.


Passamos a tarde conversando e assistindo filmes. Tentamos assistir um filme de romance, mas desistimos ainda no começo pois estava muito entediante. Não fomos almoçar para evitar contato com os estudantes da nossa turma. E com o Diretor Adam também. Mas claro, como se eu fosse capaz de almoçar depois de ter comido tantos salgadinhos e doces. Eu poderia ir para a academia, mas não... Eu não podia ir por causa da minha maldita perna engessada! 

Fui acordada de meus pensamentos por uma ligação.

– Quem é? – Tony perguntou, curioso.

– Não sei. – olhei para o meu celular. – Está aparecendo uma imagem minha... – ele não me deixou terminar. Ao em vez disso, ele clicou no símbolo verde, atendendo a "ligação".

– Se chama FaceTime. – ele falou dando uma piscadela, e voltando o olhar para a televisão.

Jadezinha! – Clarisse fa... Clarisse?

Ela estava aparecendo numa câmera, como se fosse um vídeo gravado para mim. Esperei ela continuar.

– Jade? – ela perguntou.

Dei um sorriso.

– Responde. – Tony cochichou no mu ouvido.

– Oi. – falei sem entender nada.

Ela sorriu.

– Como vai a vida? Alguma novidade para me contar? Fiquei sabendo que vai ter um baile, essa sexta! – falou animada.

– É. – respondi apreensiva.

Como isso é possível?! É como se a gente pudesse se falar, mas sem se tocar? Isso é demais! Peguei o jeito.

– Sim. Mas vai ser só sexta. As...

Me virei para Tony e perguntei que horas o baile iria começar. 

– Ás 18:00. – falo para ela.

– Eu queria estar aí. – Falou fazendo bico. – Mas eu não posso porque é aniversário da minha mãe. Mas nada me impede de te mandar uma coisa decente para vestir.

Tony apareceu na minha frente.

– Deus te abençoe! – falou fazendo Clarisse rir. – Não a faça usar uma blusa de lã para ir ao baile comigo.

– Blusa de lã? - Clarisse perguntou em meio as risadas. – Que? – riu mais.

Então ela parou de rir, e nos olhou instantaneamente.

Lá vem...

– Vocês estão namorando?! – nem me deu tempo de interrompe-la. – Jade Elizabeth Watters, por que você não me disse nada? Eu pensei que eu era sua amiga, sua doida! Me conte todos os detalhes! Agora!

Tony sorria, enquanto eu estava seria

– Posso te falar uma informaçãozinha bem básica? – perguntei e não deixei ela responder. – Eu não estou namorando ninguém. E o Tony só me chamou para ir no baile... Por mensagem.

Não que eu ficasse "desapontada" por isso.

– Eu tentei. – ele fala. – Mas eu nunca vi garota mais teimosa! Menina chata... – falou me olhando e enfiando balas na boca.

Clarisse riu.

– Pois é. Eu sei... Eu sei... Mas então, "Tony", você pode sair um pouco? Eu e ela vamos ter que bater um papinho. – falou.

Tony me olhou com uma sobrancelha arqueada, e eu só dei de ombros.

– O quarto é meu, pode ir para o seu. – respondeu.

Revirei os olhos e peguei alguns doces, levando para o meu dormitório.


– Pode falar. – disse colocando os doces no meu criado-mudo.

– Então... Ele gosta mesmo de você? – ela perguntou na cara.

– Sim... Sei lá. Eu já te disse que eu não sou boa com essas coisas.

– Argh! Se eu fosse você já tinha pegado ele! Lerda! – exclamou.

Re-posicionei o celular na cabeceira da cama, agora dando para ela me ver direito.

– É complicado. Muito complicado. – respondi, brincando com os meus dedos.

– Como assim "é complicado"?

Suspirei.

– Eu já te contei do George? – perguntei. Antes dela responder, eu já sabia que não. – Ah, não. Desculpe! É que a minha vida ficou mais corrida do que o normal quando o George Ramos apareceu aqui.

Ela arregalou os olhos e bateu a mão na cama, diversas vezes.

– Conta, conta, conta! – me pediu.

– O George é uma amigo meu desde os meus 14 anos. – falei. – A gente se encontrava algumas vezes por mês, mas nada mais que isso. Dai a gente ficou um ano sem se ver. Mas enfim... Agora ele está aqui. 

– E...? – Que curiosa!

– E que o Tony disse que eu era "conquistável", mas o George apareceu bem na hora discordando dele. Falando que eu era "inconquistável", pois ele já tinha tentado "milhões de vezes". – Bufei de raiva. Tudo me da raiva? Éh... Acho que sim.

– Ah, meu Deus! – se exaltou. – Isso é demais, Jade!

– Não acho demais ver dois garotos brigando por mim, sendo que eu não quero nenhum deles. – cruzei os braços.

Ela revirou os olhos. 

– Para de enrolação, e acorda para a vida! – falou estralando o dedo na frente da câmera. – Você nunca, jamais, terá uma oportunidade como essa.

– Que oportunidade?

Ela revirou os olhos de novo.

– Ter dois gatos brigando por você! Eu aceitaria logo ficar com o mais bonito, que, em minha opinião, é o "Tony".

Desta vez, fui eu que revirei os olhos.

– Não. Eu não sei como lidar. E afinal de contas, eu não gosto dele. Nem sei o que é gostar de alguém.

– Ah, ok. Desisto. – levantou as mãos para o alto, em forma de rendimento.

Dei um sorriso pequeno, agradecida.

Dai ela dá um sorriso. E sei que ela não desistiu.

– Mas qual vai ser a sua roupa no baile? Eu já tenho uma ideia em mente.

– De novo, Clarisse? – perguntei.

– Sim! Você precisa estar bonita! Ah, o seu pé já está melhor? – perguntou saindo da cama, e indo para algum lugar que não era possível de ser visto.

– Não. Ainda tenho que ficar usando só um par de tênis, se é isso que você quer saber... – falei me jogando na minha cama.

Me sentei de novo na cama, e pela primeira vez eu vi o seu quarto. Era gigante! Tinha uma cor branca/rosa, e a cama onde ela tinha apoiado o celular era enorme! Eu conseguia ver um sofá na direção oposta da cama, e metade de uma mesa; que era cortada por causa da câmera.

– Que tal, esse vestido aqui? – ela perguntou, me mostrando um vestido azul, com uns brilhos na cintura.

– Não. Eu estava pensando em ir de calça de moletom. – falei.

Ela me olhou pasma, então eu gargalhei.

– Calma, calma... Eu estou só brincando. – falei.

– Ah bom. – falou indo de volta para um lugar, que eu julgava ser seu closet.

– Ei... – Chamei. – Porque você está me mostrando esses vestidos, se eu não vou poder vestir eles?

– Ah... – ela apareceu. – Vou mandar por correio.

Fiz bico.

– Mas não vai ficar muito grande? – perguntei.

– É por isso que eu estou escolhendo vestidos que ficam pequenos para mim. – ela falou com a voz longe, gritando.

– Ah... – murmurei.

– Que tal esse? – perguntou me mostrando um vestido preto colado.

– Não... Definitivamente, não. – falei fazendo careta.

– E esse? – mostrou um vestido vinho.

Fiquei o examinando por uns segundos. Era até que bonitinho. Ia até os joelhos, e tinham uns detalhes com o tecido mesmo, no peito. E com alça.

– É uma opção. – falei. – Agora me mostre os outros! – falei animada.

Nenhum dos que ela me mostrou me agradou tanto quanto o vestido vinho.

– Não. – falei recusando um vestido amarelo com detalhes laranjas. – Me mostra aquele vestido, lá.

Ela pegou de novo e eu dei um sorrisinho.

– É. Manda esse.

Ela sorriu.

– Eu usei esse na minha festa de 16. Acabei sendo jogada na piscina, e quase fui levada para um hospital. – ela falou.

Eu ri.

– Foi horrível. Espero que não traga má sorte. – falou

– Você não sabe nadar? – pergunto.

Ela balança a cabeça negativamente.

– Eu nunca entrei numa piscina. – falei. – Não sei o que fazer, e nem sei como que é a sensação. – disse.

Ela suspirou.

– Aqui em casa a gente tem uma piscina; foi onde eu quase morri. Mas eu nunca tive paciência ou curiosidade de aprender. 

Sorrio entediada.

– Onde você mora? – puxo assunto. 

– Aqui em Colorado, mesmo. Em Burlington, para ser mais exata. 12 horas longe de Denver. –  fala.

– Ah... – murmuro. – Eu ficava em Los Angeles. Mas disso vocês sabem. 

Ela assentiu.


Passamos a tarde inteira conversando. Mas tive que desligar para ir tomar banho. Ela disse que já estava providenciando uma caixa de correio, já que ela morava longe, e não iria vir até mim somente para entregar um caixa.  

Saio do meu banho relaxante, secando meu cabelo. Olho para o relógio e vejo que faltam 15 minutos para o jantar. Vou, não vou, vou, não vou? Não sei. Quer saber? Não vou ir. Não estou afim de ver a cara do velhote, nem a do George, nem  a do chato do O'brian.
Me joguei na minha cama, pensando na vida. Um baile? Sério isso? A antiga Jade rejeitaria isso num piscar de olhos...

O que esse reformatório fez comigo?


Acabei dormindo com o cabelo molhado, e sei que ficaria cheio de ondas rebeldes na parte de trás, mas que, liga? Para falar a verdade, eu ligo. Porque disso estraga todo o meu cabelo... Mas estou nem aí.

O despertador tocou, e eu revirei os olhos batendo com toda a minha força na coisa inventado pelo Satanás. Quem gosta de despertadores? Boa pergunta para a aula de história: Quem foi o retardado mental que inventou o despertador?

Enrolei 15 minutos na cama, mas sabia que eu não podia faltar mais um dia. Tomei um banho, sem pressa nenhuma, e fiz minha higiene pessoal

Pus meu uniforme, e chequei a hora: 9:55. Mas que dorga! Terminei de colocar o meu único sapato, e sai correndo sem nem mesmo pentear meu cabelo. Então lembrei que eu devia estar parecendo um monstro, então voltei rapidinho e penteei meu cabelo.

Passei no meu armário, peguei meus cadernos e minhas canetas, e entrei na sala 4 minutos depois do sinal.

– Atrasada! – A substituta apontou sua régua enorme para mim.

Eita! Parece que vai me matar com a pontinha da régua. 

– Por favor... Não pense que isso é uma varinha do Harry Potter. – murmurei me sentando no meu lugar.

Eu odeio terças-feiras. Existe dia mais chato? Não.

Ela continuou a explicar coisas sobre como achar o Y e o X fazendo uma conta maravilhosamente grande, enquanto nós tínhamos que fazer anotações e resolver no caderno.

Maya levantou a mão.

– Quando o professor Mário vai voltar? – perguntou na cara dura.

Tivemos que nos segurar para não rir da cara de desprezo da substituta.

– Oras, eu não sei. – falou fazendo bico. – Estou aqui só para ensinar e substituir, não para ficar sabendo da vida dos outros. – voltou seu olhar para a lousa, e continuou fazendo as contas enormes, para resultados pequenos.

[...] 

Ah, não! O professor Carlos faltou?!

– Boa tarde, turma. – o substituto falou sério. – A mãe do professor Carlos faleceu, e ele teve de ir à Atlanta para o seu finureal. Portanto, hoje até sexta-feira, eu irei substituí-lo. – faz uma pausa olhando nos olhos de cada um. – Por favor, eu não vou pedir fila pois sei que vocês já são grandes o suficiente para andarem sozinhos e sem fazer bagunça. Vão para o ginásio.

Fomos andando normalmente e George puxou assunto comigo.

– Acho que você não é tão "grande" assim. – falou e eu o olho seria.

Ele continua:

– Tanto de tamanho, quanto de idade, né?

– Cala a boca, George. E você acha que eu tenho culpa? – perguntei.

– Tem. Mas mudando de assunto... Você se lembra quando é o meu aniversário? – ele pergunta.

Fico pensando por uns segundos até me lembrar.

– Claro... dia 27 de Setembro. – falo. – Faltam... 3 meses.

Tony chega atrás de mim, e me empurra.

– Quando? – ele pergunta para George.

– O que? – ele pergunta pondo a mão nos bolso.

– O seu aniversário, besta.

– Ih, agora deu para ouvir nossa conversa? – perguntou.

Ele revirou os olhos, e olhou para mim.

– 27 de Setembro. – Falei, sem entender.

Ele abriu a boca, e olhou ele com raiva, depois voltou o olhar para mim.

Comecei a entender. Mordi o lábio.

– Você faz aniversário no mesmo dia que ele, certo? – perguntei para ter certeza.

Ele encarou George, murmurou um "sim" com raiva, e entrou no ginásio batendo a porta com força.

Que droga! Porque as coisas nunca são fáceis para mim?!


Notas Finais


Então gentezinha (Jadezinha 😂😂😂. Tá não teve graça) Enfiiim, eu vou postar mais 2 capítulos, só tenho que editar algumas coisas nos próximos capítulos para postar aqui direto, e postar lá no Wattpad também (NÃO SE ESQUEÇAM: SE VOCÊ TEM UMA CONTA NO WATTPAD POR FAVOR, POR FAVORZINHO, ADICIONA LÁ NA SUA BIBLIOTECA, DA UNS VOTOS, ETC, PORQUE EU GOSTO DE FICAR FELIZ ;) hahaha. Enfim, a partir deste capítulo, para mim, enfatizando: PARA MIM, é a melhor parte da história. A parte que a vidinha da Jade fica mais confusa do que nunca, mais coisas "interessantes" acinteceu, etc. amo mais que à mim mesma essa parte da história, e que algumas pessoas aqui sabem que eu tenho um amor enorme por mim mesma 😂 Gente, é isso, e desculpa mesmo a demora. A minha vida estava muito corrida, mas agora aqui nos Estados Unidos é feriado, e eu vou FINALMENTE ter um tempinho extra, porque sair com os amigos, festas, sono, lição de casa, escola, etc, isso toma muito do meu tempo.

Então é isso gente, beijão!! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...