História Regina ou Evil Queen? - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Emma Swan, Regina Mills (Rainha Malvada)
Tags Drama, Once Upon A Time, Romance, Suspensa, Swanqueen
Exibições 122
Palavras 5.284
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Shoujo (Romântico), Suspense
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Os personagens não são meus,
A história é minha, originada da série de TV Once Upon a Time.


Mais uma pequena one shot, que dividi em duas parteS!
bjss

Capítulo 1 - Moments for life


 

                               Swan estava sentada na lanchonete como costume, olhava para a xicara em sua frente com o seu típico cappuccino com canela e chantilly, ela perguntava por qual motivo nunca havia tomado outra coisa. Porque algo parecia ainda não se encaixar dentro dela, ainda mais agora com essas visões, que a deixava com medo da presença da Evil Queen. Durante a terapia Archie tocou no ponto de ela não estar feliz, ela respondeu que estava, no entanto, a verdade não era bem essa. O grilo falante percebeu que havia algo a mais e deixou uma pulga atrás da orelha dela “ Emma pensa bem se essa sua felicidade é real, ou apenas algo que você acredita ser. Por que a vida te levou até ela” Isso estava martelando em sua mente fazia já três dias, do nada Henry apareceu em sua frente.

- Mãe, está tudo bem? - Ela olhou para o moleque com um sorriso falso, colocou as mãos na mesa, e deixou sua testa sob as mãos, e disse um “Não” meio abafado, quase que inaudível – Não entendi.

- Não, eu estou não sei – Disse levantando a cabeça – Mas, me diga o que precisa?

- O que você tem? Cadê o Hook?

- Estou cansada – Diz ela tomando um gole daquele cappuccino, e o achando ruim – bebe isso, parece amargo – Ela empurrou a caneca para o menino, que tomou devagar.

- Não, está normal para mim. Mãe está com alguma dor?

- Emma, o que você tem? – Disse Snow se aproximando deles, junto com Regina

- Eu – A loira olhou para Regina e ficou paralisada, seu coração acelerou, sua boca ficou seca e ela gritava para ser medo, mas não, era algo que a puxava desesperadamente para perto da morena, que a olhava com aqueles dois olhos de amêndoas enorme para ela – É... é... Eu preciso ir. Está tudo bem, só preciso ficar sozinha.

- Swan – Falou a morena jogando parte do seu blazer para traz da cintura no mesmo local que posicionou sua mão, naquela sua pose clássica e imponente. A loira não deu ouvido, e saiu da frente deles, quando colocou a mão na maçaneta do restaurante para abri-la, ela desapareceu em uma fumaça vermelha – Mas que diabos foi isso?

                Questionou Regina olhando para Snow. Minutos depois estavam Henry, Regina, Snow, Hook, David e Bella no loft dos charming se perguntando o que havia acontecido com Swan.

- Regina, o que você fez a ela?

                Regina arregalou os olhos, ela nem se quer tinha falado “”Oi” para a loira. E agora o maneta do namorado dela vinha com uma acusação desta, sem fundamento. Mas que ela pudesse falar algo, e virar uma discussão Henry adiantou-se.

- Minha mãe não fez nada, elas mal conversaram, Emma apenas ficou olhando para ela como se estivesse assustada e ao mesmo tempo hipnotizada.

- Regina, só tem uma pessoa, um ser eu nem sei o que ela é, ....

- A Evil Queen – Falou a morena com raiva nos olhos – Se ela fizer alguma coisa com a Emma, eu – A morena fechou os punhos de raiva, deixando todos meio surpresos. Sabiam que a relação dela com a loira havia melhorado muito, mas não ao ponto de verem tanto ódio no olhar da prefeita.

- Não, isso é responsabilidade minha.

- Sua? – Regina soltou uma gargalhada – Por um acaso a Emma virou sua propriedade?

                David e Snow, se entreolharam, mais uma vez existia uma briga de Regina e Hook por causa de Emma. Mais uma vez eles pediam a cabeça quando acontecia algo com ela, Snow entendia porque Killian fazia aquilo, mas ficava surpresa como a ex madrasta protegia sua filha.

- Vocês dois parem, não vai adiantar de nada essa discussão. Minha filha precisa de vocês unidos e não guerreando, isso não é uma batalha para ver quem leva ela de presente.

                David falou bravo com eles, melhor, fingindo estar bravo e a mulher por pouco deixou escapar um sorriso.

- Meu avô tem razão, vamos nos dividir ....

                Nesse momento eles ouvem uma risada grossa, uma risada conhecida e aveludada. A rainha má no meio da sala do soft, poderosa em seu traje azul, com um colar que vinha até seus seios, cabelo preso de apenas um lado.  Deliciosamente malvada, abusadamente sorridente.

- O que fez com a minha filha?

                Perguntou Snow

- Oras, nada que ela não tenha gost – Antes de terminar a frase viu uma bola de fogo vindo em sua direção, ela a desfez no ar – Não, não – Fez sinal com o dedo – Nem tenta, é o seguinte eu libero a Emma se Regina contar a verdade a ela.

- Você é mais louca do que eu imaginei!

                Respondeu a prefeita.

- E você uma idiota que deixa as pessoas – Disse olhando para o Hook e sorrindo – roubar o que é seu...

- Do que ela está falando Regina?

                Perguntou Snow, virando o olhar para a prefeita com os braços cruzados. Mas a morena não respondeu apenas ficou encarando a rainha com ódio, daquela vez ela tinha acertado o ponto fraco de Regina em cheio.

- Olha, a loirinha está muito bem cuidada, por enquanto – Ela se aproximou bem de Regina e segurou na sua mandíbula – eu ainda não mostrei meus dotes – Fez um gesto com os dedos para a morena – para ela.... Mas sabemos que eu não sou muito boa para resistir...

- Me larga – Regina jogou a mão dela com tudo para baixo – Eu vou com você, não faz nada com ela, eu te imploro....

                O desespero da prefeita era visível, deixando todos na sala muito, muito tenso e sem entender absolutamente nada.

- Não, não farei mal a ela você sabe, vou te dar uma chance, se a encontrar até amanhã antes do pôr do sol nosso segredo estará a salvo. E a salvadora bem, intacta... – Ela sumiu no ar, deixando a prefeita em uma situação desagradável, pois todos estavam olhando para a cara dela esperando uma resposta.

- O que foi? Ouviram precisamos achar a Emma...

                A morena foi sair pela porta, e Killian a puxou.

- Não antes de você explicar toda essa cena.

- Eu não tenho que explicar nada para você – Eles pareciam que iam se matar – Agora se me der licença vou salvar sua namoradinha.

- Regina? -  Chamou Mary, enquanto Mills e Hook se encaravam como em um duelo – Regina? – Chamou de novo – Regina Mills?

- Oi! – Ela olhou para Snow, e depois voltou a olhar para Killian – Não terminamos ainda.

- Assim espero!

                Ele respondeu, Mary fez um gesto com a cabeça para David, indicando para tirar Hook de lá.

- Vamos camarada, vamos tentar achar minha filha.

- E ela? – Virou seu olhar para a prefeita

- Eu vou com Regina, você, Henry, e David vão juntos...

                Ela se virou para Bella

- Eu fico com Neal, estaremos na biblioteca.

                Bella pegou o carrinho do menino e saiu, Snow sentou e disse para a morena sentar ao lado dela. Essa olhou desconfiada, estava com mais medo da ex enteada do que da sua eu malvada.

- Sentadas aqui não vamos encontrar ninguém, - Falou enquanto puxava a cadeira – temos pouco tempo, - Snow sorriu – Por que essa calma toda? Ela está com a sua filha...

- Primeiro me explicar que segredo é esse?

- Não, não tem segredo algum. Você conhece ela, adora fazer artimanhas, Snow vamos atrás da Emma se não vou sozinha.

- Regina, justamente porque conheço vocês que sei que ela não mentiu. E se esse segredo pode salvar minha filha da morte você tem que contar, nada que você me dizer eu vou achar absurdo – Regina franziu a testa, perguntando a ela mesmo se a Branca de Neve tinha certeza do que estava dizendo.

- Sua filha não corre risco de vida, essa possibilidade não existe – Ela respirou fundo, e deixou descer lagrimas de seus olhos, que estavam fechados. A prefeita já estava fraca com seu outro eu andando por aí ameaçando a todos, mas parecia que ela estar perto de Swan era algo mais grave ainda – Snow, eu peço deixa isso para lá, apenas vamos afastar ela dessa desgraçada.

                Mary olhava fixo para ela, já havia visto Regina chorar daquele jeito. Arregalou os olhos, abaixou a cabeça, e riu, ela ficou vermelha de vergonha do que estava passando pela sua cabeça.

- Como eu nunca havia percebido antes, - Regina ficou dura na frente, engoliu seco, Snow bateu a mão na mesa sorrindo - Vai me conta o que você sente.

- Não sei do que você está falando, sinceramente não sei.

Enquanto isso...

                Evil Queen havia levado Emma para uma parte remota da floresta da cidade, Só que para a loira ela era na verdade Regina, e as duas estavam perdidas devido a um feitiço da própria Evil Queen.

- Regina, onde você estava?

                Emma quando a viu vindo com algumas madeiras nos braços.

- Bem senhorita Swan, já que temos que passar a noite aqui fui achar madeira para fazermos uma fogueira.

                A loira revirou os olhos logo que foi chamada de Swan, aquilo fervia o sangue dela. E quando ouviu sobre passar a noite ali ficou desesperada.

- Como assim temos que passar a noite aqui? Ainda é cedo, vamos caminhar, deve ter uma saída – Olhou para todos os lados, e tudo parecia igual – Se bem que tudo parece igual por aqui, mas juntas podemos chegar em algum lugar.

- Swan – Colocou as madeiras no chão – Eu não vou ficar andando por ai com esse salto, aqui temos agua – estavam ao lado de um lago bem cristalino – E bem, se nossa magia não é forte para sairmos daqui podemos tentar ela para comermos algo.

- E a madame prefeita vai criar uma lasanha mágica?

- Não! Pensei em algo, na realidade não pensei sobre isso.

                Evil Queen estava se deliciando fingindo ser Regina, ela percebia o quanto aquela situação deixava Emma desconcertada. As duas raramente se olhavam, o que estava deixando o outro eu de Mills entediada, e resolveu provocar a loira que sentou-se olhando fixo para o rio, e em determinado momento a rainha má, parou ao lado dela dizendo que estava com calor.

- É, hoje está bem quente, espero que fique assim durante a noite.

                Falou Swan, ainda com o olhar fixo para a agua de pernas cruzadas.

- Quer saber eu vou tomar um banho nesse lago.

- Oi? – Disse Emma espantada – Ficou maluca, suas roupas vão ficar molhadas.

- Swan, eu não estou maluca, e quem lhe disse que vou entrar na agua de roupa – Começou a desabotoar sua camisa, Emma piscou algumas vezes, e depois voltou os olhos para a agua, mas virava e mexia espiava as peças de roupas caindo no chão, ao seu lado. Quando notou a morena estava completamente nua, e por mais que tentasse não resistiu, acabou admirando as curvas proporcionais daquela mulher que tanto mexia com o seus desejos mais íntimos- Você deveria parar de me olhar com essa cara de surpresa e me acompanhar, pelo menos fazemos algo de útil.

- Fazemos?

- É nadar -  A rainha má deu um mergulho no lago, a agua era tão cristalina que Emma podia babar em suas curvas, ela ficou vermelha, roxa, amarela e de todas as cores possíveis. Coçou a cabeça, e começou a sentir mais calor do que já estava pelo tempo, acabou retirando sua blusa, e ficando apenas com a camiseta cavada branca – Emma, vem, tira logo essa roupa, vamos aproveitar esse momento de paz um pouco.

- Nossos momentos de paz sempre são abalados por alguma coisa.

                Rebateu a loira

- Mas desta vez não vai ser, bem, não vou insistir mais.

                A morena ficou de costas, olhando para o céu e fingindo não se importar. Até que ouviu:

- Ok! Eu vou entrar...

                Regina que estava de costas, sorriu satisfeita com a resposta, mas fingiu não ter entendido “O que disse? “ Ela falou enquanto vira-se para a loira, que estava começando a retirar sua roupa.  

- Eu vou entrar, mas não conta isso para ninguém - A morena sorriu maliciosamente para ela, o que a fez ficar tímida – E vira – Fez um gesto com girando a mão para ela – Por favor! – Pediu manhosa, o que de uma forma muito estranha amoleceu o coração da rainha má, que fechou a cara (afinal ninguém nunca havia abalado aquele coração, que nem se quer existia mais) e se virou, aquela sensação para ela era completamente nova. Afinal costumava a ter piedade quando ainda Regina e ela era apenas uma pessoa – Pronto, pode se virar – Swan já estava dentro da agua, com o cabelo completamente molhado, todo para traz, dando um destaque incrível aos seus olhos que deslumbraram a rainha – Porque você está me olhando assim? Parece que nunca me viu majestade.

- Assim como?

                O tom autoritário, tão diferente do tom de que Regina falaria com ela.

- Abobalhada!

- Bem – A rainha apertou os olhos notando somente naquele momento que Emma a chamou de majestade – Porque me chamou de majestade?

- Prefere que seja Rainha Má?

                A rainha sorriu impressionada com a destreza da loira, que estava girando em volta dela no meio do lago.

- Como percebeu?

- Regina olha de maneira diferente da sua, sente de maneira diferente da sua. Ela jamais entraria em um lago no meio do nada, ela seduz naturalmente já você gosta de provocar. O que pretende?

- Sinceramente estou impressionada salvadora não esperava que soubesse diferenciar no olhar eu daquela...- Ela pensou no que falar – Fraca ou covarde? Qual colocação seria mais adequada?

- Se eu fosse você não me referia assim dela, não na minha frente – Emma não fazia ideia da onde estava tirando forças para enfrentar aquela mulher – Pode ser muito arriscado.

- Vamos entrar em uma batalha no meio da agua, e nuas? Acredito que não!

- O que quer comigo?

                Emma perguntou por traz dela bem perto do ouvido.

- Hum... Que voz gostosa, digamos que quero você. O que diria?

- Sem chances, vai me matar agora?

                A rainha má foi bem próxima, quase que sentindo a respiração da loira. Olhou seus lábios, abusada como ela só os tocou com o dedão da sua mão esquerda.

- Você não tem medo, de que eu possa matar você?

                Disse fazendo um carinho no rosto de Emma, que não demonstrava nenhuma reação além de desprezo.

- O que você acha?

                Swan olhava para ela como um desafio, e por mais que estivesse consumida de raiva de tudo e todos, alguma coisa naqueles olhos verdes enormes que fascinavam tanto a rainha ao ponto de deixar ela paralisada. Ela gostava da petulância que a loira sempre teve de desafiar Regina, de jamais baixar a cabeça.

- Está mais que claro que não, mas se não sente medo, eu adoraria ouvir o que sente senhorita Swan.

- Nada, referente a você nada.

                A morena sentiu aquilo como uma apunhalada, sentiu vontade de matar Regina naquele momento, nem se quer lembrou de Hook. Ele não era problema além de um refúgio da verdade, mas a rainha esperta sorriu de forma graciosa, deu um mergulho por alguns minutos e logo ressurgiu a superfície atrás da loira, e passou sua língua no pescoço dela, que levou um susto.

No apartamento de Snow e David

- Não sei do que você está falando, sinceramente não sei – Regina ficou irritada com as palavras da mulher em sua frente – Você está me acusando do que?

- De nada, estou te dando a liberdade para falar a respeito de sentimentos que estão escondidos dentro de você. E se você não quisesse falar sobre eles não estaria aqui ainda, sabe o quanto precisa colocar eles para fora.

- Snow isso é – Ela ficou com os olhos vermelhos – tão, tão complicado...Eu não sei exatamente o que você quer ouvir, mesmo porque eu não sei o que falar.

- Regina – Mary percebi o desespero sincero no olhar da ex madrasta – eu apenas quero a verdade, fale o que você sente sem medo. Não vou julgar você, mesmo porque acredito que seja correspondida.

- Você realmente está maluca, Emma ama aquele pirata maneta...

- Não sei ao certo, Emma tem uma gratidão, um carinho enorme por ele, e talvez o ame realmente. Mas você e ela tem algo, digamos que uma faísca no olhar que não vejo nos dois, vocês se conectam de forma diferente.

- Ela foi no inferno por ele...

- Ela desde o primeiro momento sempre protegeu você, primeiro achei que fosse pelo Henry, mas quanto mais o tempo passava notava que era por ela, a ideia de perder você é inaceitável para Emma. Ela preferiu “dar” seu final feliz, do que pensar nela, ela não pensou nele exatamente, mas sim em você, Regina ela confia em você, ela não sabe mentir para você, e você para ela. Quando ela pensou em entregar a adaga a alguém foi para você...

- Por que ela achou que fosse a única que podia parar ela...

- Sim, pois você a colocaria na frente dos seus sentimentos quaisquer que fosse. Você pensa na Emma, não em você... E ela pensa em você, não nela, sempre achei isso estranho demais. Não é de agora que passa certas coisas pela minha cabeça, mas eu não queria ver...

- Eu... Tenho ódio de pensar na Evil Queen tocando nela, porque eu sei que – Ela começou a fazer uns gestos com as mãos que Snow não entendeu bem – Ai, que vergonha!

- Não tenha, já entendi. Mas porque ela faria isso?

- Porque, porque – Regina deitou a cabeça na mesa – Porque eu tenho desejo, - Saiu meio abafado...

- Você oque?

- Porque eu tenho desejo pela Emma, era isso que você queria ouvir, pois bem. Eu tenho muito tesão na sua filha, pronto falei – A branca de neve estava com os olhos bem arregalados – Ainda quer ouvir?

- A parte do tesão você pode pular, porque não é só ele que exite certo?

- Não, eu sinto ciúmes dela com o Gancho, claro que nunca entendi direito – Mary olhou para ela como quem diz “Sério” – Ou nunca quis entender, aí veio Robin, aquele pó mágico... Bagunçou tudo, e se eu tentasse algo iria parecer que era uma vingança contra você. Consegue compreender?

- Perfeitamente, mas sendo que sabemos que não é isso, você não pretende ficar parada mais certo?

- Você está apoiando eu dar em cima da sua filha, ela está com o gancho.

- Não dar em cima, mas conversa com ela, pois como eu disse tenho certeza que ela sente a mesma coisa que você. Vamos – Snow se levantou e abriu os braços, Regina levantou direto para aquele abraço – Só tenta ser feliz, se vocês duas forem felizes isso que importa.

- Então – Elas saíram daquele abraço – caso isso aconteça tudo bem para você?

- Sim! Se for o que vocês querem aceito ser sua sogra...- Elas caíram na gargalhada, e nesse momento Hook, David e Henry entraram na sala.

- O que está acontecendo aqui?

                Questionou David.

- Nada – Respondeu Snow - acharam algo?

- Sim, - Disse Henry – Mãe, achamos esse pergaminho caído na floresta. Mas não conseguimos ler nada. Você entende? – Mostrou o pergaminho para Regina que analisou minuciosamente.

- Onde encontraram isso?

                Questionou Regina.

- Perto daquele poço em que resgatamos Emma e a vovó, lembra?

- Sim, fiquem aqui eu volto com ela.

- Claro que não, eu vou com você.

- Hook, isso é entre eu, ela e a Evil Queen. Então por favor...

- Ele vai ficar – Disse Mary – certo? – Olhou para ele.

- Pelo visto não tenho escolha alguma.

                A morena sumiu na fumaça roxa, e David puxou a mulher até perto da cama deles.

- O que está me escondendo?

-Digamos que nossa filha se meteu em algo mais complicado do que sonhamos.

- Snow, para de fazer charadas e conta logo.

 

De volta a floresta....

- O que pensa que está fazendo?

 Falou Emma virando-se com tudo.

- Não gostou?

- Óbvio que não...

- Seu corpo está dizendo outra coisa, todo arrepiado. Sabe o que dizem, arrepio na sua idade não é arrepio.

- Você se acha irresistível, mas vai uma novidade, você não é tudo isso.

- Não? – A rainha encostou Swan em uma rocha que tinha no lago, prendeu as duas mãos dela, encostou seu corpo no dela – Fazemos assim, ficamos nos duas aqui nessa posição, eu te faço alguns carinhos, e depois se você resistir desisto.

- Emma? – A cena de quem enxergasse de fora era bem envolvente – O que vocês...- Ao ver as roupas caídas no chão Regina sentiu seu estomago embrulhar – Que nojo, desculpem atrapalhar o romance de vocês.

                A morena saiu andando sem dar chance de resposta, Swan ficou desesperada, correu para a borda do lago berrando por Regina, que não deu ouvidos. A loira colocou de forma urgente sua roupa enquanto a Evil Queen a observava séria, porque ela não a impedia? Porque raios Swan provocava aquela sensação?

- Você não precisa correr até ela.

                A loira nem se quer respondeu, e saiu correndo em direção a. prefeita, que estava chorando e meio desnorteada. Emma conseguiu alcançá-la porque a morena parou em frente ao poço, estava sentada no chão e encostada em no poço.

- Nossa... – Swan estava ofegante – Você....- Regina estava com os olhos vermelhos, e a loira sentou ao lado dela – Não, não chora.

- Não rela em mim, e volta para...

- Regina, - Swan estava sem jeito, coçou a cabeça – Eu não quero voltar lá, eu estava apenas...

- Flertando com ela Emma, era isso que você estava fazendo.

- Você esta errada, eu apenas estava....

- Estava, o que? Não ouse mentir para mim.

                Swan a olhou e pensou bem no que ia falar, e resolveu ser sincera.

- Na verdade eu realmente flertava com ela, sabia que ela queria tirar algo meu...

- A sua roupa, e conseguiu!

                Regina com os olhos fuzilando Emma.

- Escuta – A loira revirou os olhos – eu nunca teria nada com ela, mas senti vontade sim de entrar naquele jogo, sabe por qual motivo?

- Não quero saber...

- Por tua causa – A prefeita olhou para ela surpresa quando ouviu – Exatamente, por sua causa porque eu nunca terei essa abertura com você, porque – Emma respirou fundo – Deus, ela é você, mas não você e por um momento eu quis sim saber como seria. Mas estar com ela não, isso jamais...

- Miss Swan, seja clara!

- Clara? – Emma olhou profundamente para aqueles dois pares de olhos de avelã em sua frente, e pensou no que poderia dizer para ser “clara”, então aproximou seu rosto do de Regina e tocou seus lábios com os lábios dela, sem pressa, sem euforia, apenas a sentiu, deixou ser recepcionada, saiu do beijo e a olhou novamente. Como se seus corpos fossem imãs, e elas duas meninas. O beijou ficou intenso, mas calmo, suas línguas desenhavam caminhos inteiros com uma maestria perfeita, uma força descomunal atingiu elas e toda a cidade. Não havia maldição para quebrar, mas amor para se doar. A rainha má observava de longe, mesmo sem ter coração algo dentro dela parecia estar doendo, teve ódio de Regina, ódio por ser má e gostar disso – Fui bastante clara?

                Regina olhou desacreditada para a pessoa na sua frente, e abriu um largo sorriso que logo se desfez.

- Foi Swan, cruelmente clara.

                Era Hook, que havia seguido Regina e viu praticamente toda a cena, Emma levantou-se seguida por Regina.

- Hook? É... é... Posso explicar – Ela olhou para a morena, e repensou o que disse – e ao mesmo tempo não tenho como. Eu estava dividida, não queria trair você, ou qualquer coisa do gênero. Mas não...Como isso é confuso.

- Não tem nada de confuso – Ele se aproximou dela – É ela que você quer? Me diga, se for eu vou embora.

                Emma olhou para os dois, ela sentia-se tão perdida, então em um ato de insanidade, pensou ela com ela mesma, a Rainha Má de longe fez Emma desmaiar, assim a loira teria tempo para responder. No mesmo momento Regina e Hook chamaram por ela, mas nada, então decidiram que teriam que levar ela de lá para o hospital, a morena sugeriu leva-la na fumaça roxa e ele as encontraria lá. O pirata não curtiu a ideia, mas aceitou, e minutos depois ele chegou no hospital.

- Onde ela está?

                Perguntou para Regina que estava na sala de espera.

- Fazendo exames, temos que esperar.

                Quando eles menos esperam a Rainha Má aparece e senta ao lado de Regina na cadeira, Hook e a prefeita não conseguia crer no que viam.

- Mas que diabos é isso?

                Expressou a prefeita.

- Não vamos querer começar uma guerra na sala de espera do hospital, certo minha cara? Apenas quero ter notícias de Emma.

- Isso é um show de horrores...

- Fiquei ´sabendo – Snow apareceu também junto com David, e Henry os três ficaram paralisados – Mas...

- Ela só quer saber da Emma – Regina revirou os olhos, e olhou de novo para a rainha má – Jura? Quero dizer porque saber dela? – A morena virou na cadeira e começou a conversa com a sua outra parte.

- Não lhe devo satisfação, você não vai querer me provocar vai? – A rainha arqueou a sobrancelha, Regina respirou fundo e saiu da cadeira indo comprar um café na máquina – Foi o que pensei, filho senta aqui ao lado da mamãe.

                Henry achou melhor não contrariar, e sentou ao lado dela. Cerca de vinte minutos depois o doutor Whale apareceu na recepção e levou um susto.

- Alguém já disse que vocês formam uma família bizarra?

- Fala o cara que transformou o irmão em um morto vivo.

                Atacou Hook.

- Vocês por favor, quero saber da minha filha.

- Hum – respondeu o médico – Ela está ótima, deve ter sido stress, mas vou manter ela aqui por hoje. Hook, ela disse que precisa falar com você – Regina e a rainha se olharam, e Hook deu um leve sorriso – Depois vocês podem entrar.

                Snow percebeu a cara de decepção de Regina, mas tentou não se meter na situação, David estava olhando fixo para a rainha, achando aquilo meio que fora do comum. Uns dez minutos depois Hook voltou, e disse que eles podiam entrar para vê-la, ele passou pela rainha e disse no ouvido dela “Você, não tem chances e isso me deixa muito feliz”, ela foi fazer algo contra ele, mas Henry segurou a mão dela. Regina disse que esperaria Snow, David e o filho ver ela, mas a Branca de Neve não deixou dizendo que ela era da família, e tinha que ir junto, a rainha ma ficou olhando, e por algum motivo estranho Snow disse para ela ir com eles também. Quando entraram todos no quarto Swan levou um susto.

- O que ela faz aqui?

- Ela queria saber como você estava – Falou Snow – Como você está?

- Bem, acho que foi stress, só isso.

- Na verdade – A rainha se pronunciou – fui eu, eu fiz você desmaiar.

- Por que fez isso? Definitivamente você é louca.

                Questionou Regina.

- Ela não sabia o que responder, eu apenas dei tempo para ela.

- Responder o que?

                Henry perguntou, Emma, Regina e a Rainha se olharam.

- Nada, estou bem, muito bem.

- Sendo assim, eu vou me retirar que essa bondade toda pega. Adeus!

                A rainha desapareceu no ar.

- Alguém vai me explicar o que realmente está acontecendo aqui?

                Henry questionou novamente.

 - Filho – Emma chamou – eu vou, mas preciso de um minuto sozinha com a sua outra mãe. Vocês se importam? – Eles saíram do quarto, David quase que arrastado – Senta aqui na cama, ao meu lado – Regina fez o que a loira pediu – me diz fui clara para você?

- Emma, não quero atrapalhar sua vida, você tem aquele pirata. Na realidade não sabemos o que é isso que existe entre nós, você realmente me beijou Miss Swan?

- E vou fazer de novo – Emma levantou, e impulsionou seu corpo para o da morena, e arrancou suspiros – Terminei com o Killan...

- Por que?

- Meus sentimentos estão confusos, pedi para o doutor Whale me deixar essa noite aqui para tenta colocar a cabeça no lugar, melhor meu coração. Regina nunca imaginei que sentia algo por mim, nem nos meus melhores sonhos.... Por que nunca tentou me dizer?

- Swan, por favor! Você fala como se não me conhecesse. Por que quis falar comigo a sós?

- Você vai nos dar uma chance?

- Achei que fosse pensar esta noite, não foi por isso que pediu para ficar aqui?

- Foi!

- Então pense, amanhã conversamos com mais calma – Regina foi até ela e lhe deu um beijo leve nos lábios – Até amanhã!

                Quando Regina saiu, a família Charming voltou, e ficaram lá por um bom tempo. Henry disse que iria com a mãe, mas ela pediu para ficar sozinha, que ele deveria ficar com os avós. Durante a noite, que foi chuvosa, nem Emma e nem Regina dormiram, passaram tantas coisas pela cabeça das duas, foi um caminho tão grande. Hook, estava no seu navio com Bella, e disse que já imaginava que isso fosse acontecer um dia, ele não sabia explicar mas sentia que perderia Swan algum dia por causa de Mills, mas aquilo o abalou. Por volta das seis da manhã Regina foi acordada com batidas fortes em sua porta, e a campainha sendo tocada desesperadamente. Ela pegou seu roupão, e abriu a porta irritada e quando viu Swan ficou travada.

- Emma, aconteceu alguma coisa?

- Posso entrar?

- Pode claro – A morena deu passagem para a loira e ao virar-se depois de fechar a porta, e sentiu as mãos de Emma abocanhar sua cintura, e sem tempo de falar qualquer coisa foi arrematada em um beijo quente, cheio de desejo que só acabou quando precisaram de ar – O que foi isso?

- Meu bom dia!

                Swan não pensou outra vez, novamente começou a beija-la e elas foram caminhando até a mesa central de jantar, a loira colocou Regina sentada em cima dela levantando seu vestido a deixando com a bunda em contato com a mesa. A morena arrancou a jaqueta da loira e jogo no chão, e logo depois caiu a camiseta, a calça, o vestido, e logo elas estavam deitadas em cima da mesa apenas de lingerie, no meio das pernas de Regina estava a perna direita da loira roçando em seu sexo, enquanto uma das mãos, da xerife, se preocupavam em prestigiar os seios da prefeita, enquanto a outra a mantinha segurando seu corpo em cima do da mulher. Regina retirou o sutiã de Emma, e tocou sua língua quente no bico do seio esquerdo dela, que sentiu seu sexo pulsa ainda mais forte, o seu corpo sentiu uma corrente de energia pelo corpo a fazendo arrepiar. Quando sentiu que a morena parou de sugar seus mamilos ela beijou o pescoço de Regina, foi descendo seus lábios sem estar afoita, certa do que fazia, sem desespero. Ela mordia e beijava o corpo da morena, até que seus lábios sem pedir licença tocaram o seu sexo que já estava totalmente encharcado do liquido fervente que Swan bebeu como se apreciasse um belo vinho e sua língua passeava pelo seu clitóris fazendo a prefeita gemer alto, retorcendo-se na mesa, quando por fim Emma a chupou, chupou deliciosamente, e não parou até que sentiu as terminações nervosas da morena estarem pulsando na sua boca, junto com o gemido abafado e exausto. Puxou Swan para o seu corpo, pedindo para ela deitar sobre ela.


Notas Finais


Comentem por favor!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...