História Reinado - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias A Seleção, Reign
Personagens Personagens Originais
Tags Drama, Livros, Novela, Romance, Serie, Suspense
Exibições 13
Palavras 2.119
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Droubble, Famí­lia, Fantasia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Suspense
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


A rainha me avisou. Ela me avisou que o palácio iria tirar a pureza, a inocência e até a dignidade...

Capítulo 4 - O preço do silêncio


Fanfic / Fanfiction Reinado - Capítulo 4 - O preço do silêncio

Serena:

Acabando o chá vou imediatamente para o meu quarto. Lá explico a situação para as minhas servas e elas me garantem que eu posso confiar nelas. Elas disseram que a rainha sabe de nossa amizade porque elas comentaram com outras servas sobre a minha gentileza e simpatia. Eu quero acreditar nelas. Eu quero acreditar que eu possa confiar em alguém nesse castelo.

Logo á batidas na porta. Batidas fortes. Então as servas vão abrir e lá está Allen apavorado. Agora realmente serei obrigada a confiar nelas pois elas estão vendo ele diante de mim vindo me procurar em meus aposentos. Allen se assusta ao perceber que eu não estava sozinha no quarto.

Serena: “-Tudo bem, elas sabem de tudo. Podemos confiar nelas.”

Allen: “-Graças a Deus. Mas Serena preciso falar com você urgente e a sós.”

Lita, Arunes e Saara entendem o recado.

Lita: “Nós vamos esperar lá fora e vigiar para que ninguém veja nada. Mas senhorita Serena lembre-se do que nós te pedimos. É para o seu próprio bem!”

Serena: “-Podem deixar. Eu estou muito agradecida minhas amigas.” –elas saem do quarto.

Lita estava certa. Eu precisava me lembrar do que elas me pediram. Elas me pediram para ficar o mais longe possível do Allen, eu preciso dizer isso a ele. Mas ele parece perturbado.

Serena: “-O que é tão grave assim que está te deixando dessa maneira?”

Allen: “-Serena você sabe que eu sou um homem bom não sabe? Por favor eu preciso ouvir isso de você antes de eu te contar o que eu fiz.”

Serena: “-Do que você está falando? É claro que eu sei que você é um homem bom!” –eu vejo o medo nos olhos dele e percebo que ele fez algo muito grave. “-Allen o que você fez?”

Allen: “-Eu matei um homem Serena. Eu matei um pobre homem com a minha espada. Ele trabalhava na cozinha. Por Deus, por favor, me perdoe porque eu não posso me perdoar!” –ele diz chorando desesperado.

As palavras dele são como uma flecha acertando a minha cabeça. Como isso é possível? Esse homem que está diante de mim é mesmo o Allen? Ele é mesmo aquele garoto moreno com roupas sujas e rasgadas brincando pelas ruas sorrindo? O que o levou a perder a sanidade e acabar com uma vida?

Allen: “-Por favor, diga alguma coisa!” –ele suplica.

Serena: “-Por que você fez isso?” –eu digo chorando e com raiva.

Allen: “-Lembra que mais cedo eu a levei para aquela pequena sala para podermos ficar a sós? Eu peguei a chave daquele lugar com esse rapaz. Ele me questionou querendo saber o que eu faria lá e eu disse que iria me encontrar com uma moça,uma serva. Eu pensei que podia confiar nele, éramos colegas...passávamos a maior parte do tempo conversando. Quando eu voltei ele falou que não nos viu entrando na sala mas  que nos viu juntos então nos acusou. Ele disse que não seria cúmplice nisso porque se alguém descobrisse ele também pagaria. Eu não tive escolha Serena. Eu precisava te proteger!”.

Serena: “-Deus tenha piedade de nós. Allen logo eles irão perceber o desaparecimento do rapaz. O que você fez com o corpo?” –eu digo nervosa.

Allen: “-Eu o enterrei na floresta atrás do castelo. Eu estava até agora enterrando o corpo e me recompondo para voltar ao palácio.”

Serena: “-Você precisa sair daqui. Você precisa ficar o mais longe de mim possível. Diga que a sua mãe está doente e volte para casa.”

Allen: “-Não posso fazer isso Serena! Se eu for embora ai que vão desconfiar de mim e além disso eles irão investigar e ver que minha mãe não está doente.”

Serena: “-Então precisamos arrumar um jeito dela estar.” –ele me olha assustado.

Allen: “-Do que está falando? O que pretende fazer com a minha mãe? Serena você não é assim!”

Serena: “-E nem você é! A rainha me avisou. Ela me avisou que o palácio iria tirar a pureza, a inocência e até a dignidade. Por favor, confie em mim de que a sua mãe vai sair viva dessa. Até lá fique o mais longe possível de mim. Não ouse sequer me olhar. Entendeu?”

Allen: “-Você está me assustando.”

Serena: “-Você matou um homem e eu estou te assustando? Por favor, saia dos meus aposentos antes que algo pior aconteça.” –ele apenas me olha ainda incrédulo e vai embora. Logo minhas servas entram.

Saara: “-Senhorita está tudo bem? Você está pálida e é visível que estava chorando.”

Como contar isso a elas? O garoto assassinado também era um servo, talvez fosse amigo delas. Talvez fosse até algo a mais. Preciso manter em segredo.

Serena: “-Não é nada demais. É que eu disse para o Allen ficar bem longe de mim, eu disse para ele ir embora do castelo mas ele disse que não tem motivo para deixarem ele sair. Preciso da ajuda de vocês. Se quiserem mostrar lealdade a mim, agora é a hora.”

Arunes: “-Faremos o que a senhorita pedir.”

Serena: “-Eu preciso arrumar um jeito de deixar uma pessoa muito doente mas não ao ponto de matá-la.” –elas me olham assustadas.

Lita: “-O que? Por que?”

Serena: “-Preciso deixar a mãe dele doente para ele ter motivos de ir embora. Mas preciso de garantias que ela não morrerá.”

Elas se olham e parecem estar pensando se irão me ajudar ou talvez esteja pensando se devem me contar algo que sabem.

Serena: “-O que foi?” –eu digo curiosa.

Lita: “-A um tempo atrás a rainha recorreu a um bruxo que tem aqui no reino.A rainha o acoberta porque precisa do trabalho dele para diversas coisas, principalmente para prejudicar inimigos dela. Se descobrissem que ele trabalha com magia seria queimado vivo. Dizem que ele tem acesso a ervas e outras coisas que podem curar uma pessoa,ou matá-la ou deixá-la muito doente.”

Serena: “-Acha que podemos confiar nele?”

Arunes: “-Nós temos acesso para sair do castelo, podemos ir lá vestidas com roupas normais de plebeias e ver o que ele pode fazer.”

Serena: “-Ótimo! Mas não o deixem desconfiar que é para alguém do palácio. Inventem uma história, não sei. Por favor, me ajudem!”

Saara: “-Uma de nós irá partir amanhã bem cedo senhorita. E o resto ficará aqui para continuar te ajudando.”

Lita: “-Agora tente descansar um pouco. Foi um dia muito cansativo.”

Serena: “-Impossível conseguir descansar mas obrigada, eu vou tentar.”

Depois que elas saem eu deito em minha cama e tento repousar meus pensamentos mas é inútil. Um turbilhão de pensamentos cruéis vem sobre mim e eu desabo a chorar. Eu chorava tanto que chegava a soluçar. E assim fiquei chorando até cair no sono.

~

Acordo e parecia ser tarde da noite. Limpo o rosto que ainda se encontrava molhado de minhas lágrimas e então saio do quarto para respirar um pouco. Vou até a sacada que havia no salão perto da porta de entrada e saída.

Raonny: “-Olha irmão, uma das senhoritas ainda está acordada e veja se não é a nossa favorita.”

Eu olho para trás e vejo os príncipes atrás de mim.

Serena: “-Favorita? Não trocamos nem meia conversa. E além disso,eu achei que a sua favorita fosse a Anne, príncipe Raonny.”

Raonny: “-Então os boatos sobre nós dois já circula? Ela é apenas uma diversão. É por isso que se mantém tão afastada de mim?”

Hian: “-Acho que você deveria ir ver a sua “diversão” então irmão. Vá procurar alguém que esteja interessada em sua companhia.”

Raonny: “-Está com ciúmes irmão? Na conquista você apenas ganha porque será rei.” –ele então olha para mim. “-Seu nome é Serena não é? Prometo ir embora agora se me prometer ir praticar arco e flecha comigo amanhã de manhã.”

Serena: “-Arco e flecha? Não é comum se ver mulheres praticando arco e flecha pela manhã. Principalmente dentro do castelo.”

Raonny: “-Mas você não é comum, não é?” –eu apenas sorrio com o seu comentário. “-Vou entender como um sim. Boa noite senhorita.” –ele diz e vai embora.

Hian: “-Perdoe o meu irmão, é que quando ele coloca algo na cabeça não para até conseguir. Mas me diga,o que está fazendo aqui tão tarde da noite?”

Serena: “-Eu queria apenas respirar um pouco de ar fresco. E você? O que faz perambulando pelo castelo a essa hora majestade?”

Hian: “-Eu estava resolvendo um problema com o meu irmão. Mas não conte a ninguém que nos viu a essa hora tudo bem?”

Serena: “-Claro que não. Mas por que está preocupado?”

Hian: “-Você gostaria de ir ao jardim comigo para conversar?”

Penso em recusar e voltar para o meu quarto e me afogar em lágrimas novamente mas quando o príncipe te convida você não pode recusar e aqui ao lado dele, falando com ele eu confesso que havia até me esquecido dos meus problemas e minhas culpas. Talvez ter um tempo com ele seja tudo o que eu preciso.

Serena: “-Está bem, desde que ninguém saiba.”

Andamos e o príncipe pede para os dois guardas que ficavam na porta a abrirem então vamos para o jardim e sentamos. Logo um servo vem ao nosso encontro e pergunta se queremos algo. Educadamente respondemos que não e ele vai embora.

Hian: “-Você parece ser uma das poucas pessoas dessa casa verdadeira e eu sinto como se eu já te conhecesse Serena. É estranho mas quando eu te vi e você desviou o olhar de mim algo mexeu comigo. Me responda, por que você desviou o olhar naquele momento? Todas sorriram para mim e ficaram felizes por eu olhar para elas.”

Serena: “-Talvez eu tenha me sentido intimidada pelo futuro rei da Escócia estar me olhando.” –ele sorri.

Hian: “-Você intimidade? E ainda por um olhar meu? Isso é novidade para mim!” –nós dois rimos. “-Me diga Serena, o meu coração está certo em me dizer que posso confiar em você?”

Eu olho para ele e vejo o seu olhar ansiando por uma resposta sincera. E algo em mim me dizia que eu jamais conseguiria não ser sincera com ele. Isso que ele disse sobre sentir que já nos conhecíamos, eu também estou sentindo isso agora. Eu sinto como se sempre o tivesse conhecido. É algo tão estranho.

Serena: “-Príncipe Hian, você pode confiar em mim. Eu prometo.”

Hian: “-Que bom. Eu preciso falar sobre isso com alguém e todos os meus amigos não se encontram na corte. Eu sai com o meu irmão para conseguirmos tirar uma jovem em segurança daqui do reino. O Raonny a engravidou e precisávamos tirá-la daqui porque se o rei descobrisse...ele iria matá-la.”

Eu levo um choque ao ouvir isso. A palavra “matar” estava muito presente no meu dia hoje e eu não suportaria mais ouvir essa palavra. Com tão pouco tempo no palácio e já soube de coisas horríveis.

Hian: “-Por favor, não se assuste. Nós conseguimos salvá-la. Por isso te pedi sigilo sobre ver eu e meu irmão a essa hora, fizemos de tudo para o rei não descobrir.”

Serena: “-O rei a mataria apenas pelo príncipe Raonny ter a engravidado?”

Hian: “-O rei acha que a última coisa que essa corte precisa é de filhos bastardos. A moça era apenas uma plebeia, jamais poderia se casar com o meu irmão e o rei jamais permitiria essa criança.”

Serena: “-E mesmo o seu irmão tendo errado você o ajudou. Admiro isso em você príncipe.”

Hian: “-Eu e minha mãe já cansamos de alertar e dar conselhos ao Raonny mas ele não quer nos ouvir. Não sei o que tem de errado com ele. Eu acho que ele não tem salvação.”

Serena: “-Talvez depois de se casar ele melhore.”

Hian: “-Eu e minha mãe tentamos acreditar nisso. Sinto muito por você ser obrigada a ter que passar tempo com ele também mas se não for incômodo posso pedi-la para se juntar a mim no jardim amanhã a tarde? Quero te mostrar algo que eu faço.”

Serena: “-Amanhã de tarde com todos nos vendo? Eu vou ficar constrangida de vergonha. Você não sabe o quanto essas garotas são ferozes. Menos Lauree, ela é um amor. Talvez você deva passar um tempo com ela Alteza. Tenho certeza que ela irá te agradar.”

Hian: “-Eu vou passar um tempo com ela, sou obrigado a passar um tempo com todas as moças presentes aqui. Mas por hora, quero passar um tempo com você. A menos que você não queira.”

Serena: “-Eu quero.” –eu digo tão rápido que me assusto pelo meu entusiasmo. Como posso estar me sentindo bem depois da tragédia que aconteceu?

Ele me acompanha até o meu quarto e me deseja boa noite.

Hian: “-Boa noite senhorita Serena.”

Serena: “-Boa noite príncipe Hian.” –eu digo sorrindo enquanto fecho a porta.

                                                                     ~continua ~

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


Espero que estejam gostando e até o próximo capítulo <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...