História Rem - Capítulo 55


Escrita por: ~

Postado
Categorias Channing Tatum, Fifth Harmony, Josh Duhamel, Julian Morris, Matthew McConaughey, Michael Fassbender
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Channing Tatum, Dinah Jane Hansen, Josh Duhamel, Julian Morris, Lauren Jauregui, Matthew McConaughey, Michael Fassbender, Normani Hamilton
Tags Camila Cabello, Camila G!p, Camren, Camren G!p, Fifth Harmony, Lauren Jauregui
Visualizações 1.574
Palavras 1.051
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hey pessoinhas!
Qualquer erro...
Boa leitura 🙈

Capítulo 55 - Analisando


POV Lauren

Agora... Observo Camila dormir. Ela tem um semblante tranquilo e uma ereção monstruosa que nem o edredom está escondendo. Tirei o mesmo de cima dela e analisei seu corpo. É um belo corpo, suas curvas são definidas e sua barriga é marcada em um tanquinho perfeito.

Antes de tudo, por mais babaca que eu fosse, eu queria encontrar alguém assim... Fardas, assim como com Keana, me deixavam eufórica. Queria alguém que curtisse comigo, que tivesse folego para acompanhar meu ritmo, que não era fraco. Eu perdi a virgindade muito cedo e fiz do sexo um refúgio, pois a falta de atenção que meus pais tinham para comigo era inaceitável para mim. Eu queria que eles me notassem e acabou que eu descontava minhas frustações na cama. Não que fosse uma coisa maravilhosa, minhas amigas falavam sobre sexo como uma coisa milagrosa e eu nunca senti nada demais.

Até o dia que meu refúgio virou minha prisão, ainda me lembro da minha primeira vez com as algemas. Um velho, ele me chupou e eu o achei meus nojento por isso, ele deve beijar a boca da esposa com a mesma boca que chupou uma mulher que ele nem sabe pelo que passou. O que tem e o que ele pode estar levando para casa. A maioria era assim, velhos e bem vestidos, provavelmente ricos, com uma tara por meninas novas. Eu vi crianças circulando por ali. Eu já tinha uma noção de mundo, mas algumas nem de casa haviam saído, só queriam ser modelos e por conta de um sonho acabaram ali. E eu por culpa de um narguilé. Como eu era infantil.

Agora eu tenho tudo que eu pedi na adolescência como uma bissexual confusa, uma bela latina quente, gostosa, fardada e com um brinde... E não consigo beijá-la direito. Como soa injusto! Porque eu tinha que ser assim? Camila ainda tem os requisitos que eu quero nessa minha fase, é carinhosa, me faz sentir amada e ama meu filho como se fosse dela.

A minha cabeça dá um nó... Eu a desejo e ao mesmo tempo me condeno por desejar.

Ela colocou a mão na barriga por baixo do pijama das tartarugas ninjas... Vocês tem noção do quanto ela é fofa? Eu nunca a tinha visto de pijama, nós dormimos várias noites juntas, mas pegávamos no sono assistindo aos nossos filmes, então eu não fazia ideia que ela tinha esses pijamas fofos.

Eu não acho pênis algo atrativo depois de tudo, mas o dela eu tenho curiosidade de ver. Até porque ela é diferente, será que o pau é diferente também?

Olhei para seu rosto e ela ressonava um pouco, ela teve a sexta de folga e isso a fez descansar, então ela não está roncando como habitualmente faz.

Ela não vai perceber se eu for cuidadosa, levantei um pouco o cós do pijama e ela se mexeu, então parei e esperei um pouquinho. Segurei o cós da cueca.

- Jesus Cristo! Não torce ele, Lo. Eu não toco mais em você. Por favor... – Ela disse com as mãos na cabeça e mesmo que eu ficasse triste por conta da situação, eu achava ela um graça toda atrapalhada.

- Para, Camz. Eu só estava olhando seu corpo.

- Olhando?

- Sim. Perdi o sono e você está tão fofa com esse pijama.

- Você disse que não ia me zoar. – Ela disse emburrada e eu me inclinei, selando nossos lábios. –Espera um pouco. - Ela se afastou. – Você estava querendo ver meu pintinho? – Ela disse colocando as mãos sobre o membro. – Sem casar primeiro?

- Camz! Pare!

- Que coisa feia, Srta Jauregui futura Cabello. Isso não se faz, eu nem estou em devido sentido, meio flácido assim você teria uma visão errada sobre mim.

- Camila!

- Bem errada. Um pouco tortinha também, mas se você esfregar um pouquinho talvez o gênio saia da lâmpada. – Bati no braço dela e ela gargalhou. – Estou brincando. Vem aqui. – Ela me apertou em um abraço e eu beijei seu ombro.

- Você é muito bobona. Fiquei sem graça agora.

- Está tudo bem, amor. Você deve estar curiosa por eu ser intersexual e acha que meu pau é defeituoso, mas ele não é. É normal... Tudo normal. Funciona normalmente, bom... É quase um pincel porque o Doninho é lindo. Faço filhos lindos, fica a dica. – Ela beijou meu rosto e eu só soltava risadinhas das brincadeiras dela, Camila tinha isso, deixava toda e qualquer situação mais leve e é realmente isso que eu preciso em alguém.

- Com quantas mulheres você já transou? – Ela parou de beijar meu rosto e me encarou um pouco.

- Olha... Eu sai bastante depois da minha separação, eu não lembro o número exato, mas não é uma coisa que se diga “Ela é muito safadona ela”.

- É sério, Camzi!

- Não chega a dez. – A encarei com a sobrancelha arqueada e sem acreditar. – Está bem, não chega a quinze.

- Porque não quer me dizer?

- Não foram muitas, você sabe que eu trabalho muito. E quero deixar bem claro que desde o dia que conheci você não me relacionei com mais ninguém. E não foram muitas porque mesmo me separando da Nicole, nós transamos por um bom tempo depois de separadas.

- Sério?

- Sim. Ela começou a namorar aí paramos. – Essa relação é muito esquisita. – Está tudo bem?

- Sim. Só foi uma curiosidade.

A beijei, adentrei sua boca sem pedir permissão, ela deu uma tencionada no corpo, ela sempre faz isso quando a iniciativa é minha. Ela enlaçou as mãos nos meus cabelos e só então percebi que eles estavam soltos. Cada toque dela me deixava tensa, a tocar me deixava mais a vontade, então deslizei a mão até seu abdômen, ela se inclinou, girando seu tronco e isso me deu mais acesso as suas costas, onde deixei minhas unhas passeando e as cravava de leve ali quando ela sugava meu lábio.

Bom, já que minha curiosidade não foi sanada visualmente, palpavelmente vai, deslizei minha mão até seu volume e o apertei de leve, era grosso, apertei um pouco mais forte e ela parou de me beijar, colou a testa na minha e gemeu... O gemido dela, diferente de todos os outros que ouvi, me arrepiou... E eu gostei de ouvi-lo.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...