História Remember Me - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Seraph of the End (Owari no Seraph)
Personagens Guren Ichinose, Krul Tepes, Mikaela Hyakuya, Shinya Hiiragi, Yuuichirou Hyakuya
Tags Drama, Mikayuu, Romance, Yuumika
Visualizações 142
Palavras 1.101
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fluffy, Romance e Novela, Shonen-Ai, Universo Alternativo
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


~fingindo que não está nem um pouquinho atrasada~

Yaa!

Perdão, mas não tenho justificativa pela minha demora além de: sou um ser inútil.
O capítulo foi inspirado na música: Natalia Kills - Wonderland (só que a versão nightcore, porque nightcore é vida). Eu estava ouvindo quando escrevi e achei que seria uma boa por no título. Talvez vocês encontrem alguma referencia, talvez não, mas enfim.

Esse capítulo pode ser meio "chato" para vocês (uma pena porque é um dos que mais gostei de escrever junto com o seis, o oito e o nove), mas ele é necessário por motivos de:
-nenhum romance começa (ou não deveria começar) da noite para o dia.
-precisamos criar certo climinha antes de ter o amorzinho no ar.

Boa leitura

Capítulo 4 - Take Me To Wonderland


Fanfic / Fanfiction Remember Me - Capítulo 4 - Take Me To Wonderland

│Yuuichirou Amane│

Uma das coisas que eu mais gostava na casa de Mika era a atmosfera confortável dela. Talvez fossem as almofadas espalhados de maneira harmônica pela maioria dos cômodos, ou talvez fosse simplesmente o cheiro de incenso que tomava conta da maioria dos mesmos.

Eu estava sentado no chão com as costas apoiadas no sofá, abraçando o loiro que ressonava tranquilamente entre minhas pernas, com as costas em meu peito e a cabeça em meu ombro.

Do lado de fora, uma chuva de verão forte caia sobre a cidade, enquanto eu e Mika assistíamos a um filme que passava na televisão. Ou melhor, eu assistia ao filme enquanto Mikaela dormia. Um relâmpago cortou o céu, fazendo Mika se mexer inconscientemente em meus braços.

Ri baixo, abraçando-o um pouco mais forte e beijando-lhe o topo da cabeça. De algum jeito, eu parecia estar um pouco mais próximo dele. Era estranho explicar, mas, aos poucos, eu sentia minha afeição se tornar um pouco maior a cada dia que passava, consequentemente demonstrando mais afeto por ele.

Suspirei, começando a me sentir sonolento.

A porta da frente se abriu lentamente, e logo Krul atravessou essa, deixando o guarda-chuva que carregava consigo encostado na parede. Ela suspirou de forma audível, direcionando seus olhos vermelhos para mim, finalmente notando-me ali, e sorriu.

“Olá, Yuu.” Ela sentou-se no sofá, bem ao lado de minha cabeça, bagunçando-me os cabelos. “Há quanto tempo está aqui?”

“Faz mais ou menos meia hora.” Respondi em um tom baixo, para não acordar Mika.

Ela pareceu perceber que o loiro estava dormindo e começou a falar mais baixo também. “Hmm, entendo. Bem, Yuu, tem uma coisa que eu gostaria de conversar com você.” Fiz um sinal com a mão para que ela prosseguisse. “Daqui a um mês mais ou menos, eu pretendo repintar as paredes da nossa casa. Você acha que seus pais se importariam se eu e o Mika passássemos um tempo na sua casa?”

“Claro que não!” Sorri amigavelmente. “Você sabe que meus pais adoram vocês. Inclusive, se quiserem ajuda na pintura, eu sempre estou disponível.”

“Obrigada, Yuu.” Ela levantou-se, passando as mãos em minha cabeça uma última vez e caminhando até a escada. Antes mesmo de chegar até o segundo degrau, ela olhou por cima do ombro, sorrindo de maneira maliciosa. “Quando começarem a namorar, quero ser a primeira a saber, entendeu?” E assim ela voltou a subir as escadas, penteando o cabelo rosa com as mãos.

Comentários assim eram comuns, tanto por parte de Krul, tanto por parte de meus pais, mas aquele comentário, naquele momento, me afetou um pouco mais do que o normal.

Ignorando aquele desconforto, voltei a prestar atenção no filme. Ou pelo menos tentando, já que durante aqueles dias eu estava mais disperso.

[...]

“Quer que eu te empurre?” Mika me perguntou de forma gentil, espalmando uma das mãos em minhas costas.

“Não precisa.” Murmurei baixo. Era obvio que eu estava com medo de cair da bicicleta, mas não queria demonstrar isso. Talvez fosse porque meus pais estavam assistindo, ou talvez fosse porque, como toda criança, eu queria dar a impressão de que era um garoto maduro.

Após engolir em seco, comecei a pedalar, em pouco tempo ganhando velocidade. Sorri largo, esquecendo-me por um momento que estava em uma bicicleta e erguendo os braços em comemoração.

Irrefutavelmente aquilo deu errado.

Eu perdi o equilíbrio, caindo de lado no asfalto e arranhando grande parte do meu rosto enquanto a bicicleta ia parar do outro lado da rua.

“Yuu-chan!” Chamou-me Mika, ajoelhando-se ao meu lado e me ajudando a ficar sentado no asfalto. “Você está bem?”

“Eu estou com o rosto todo dolorido, como raios eu poderia estar bem!?” Exclamei um tanto irritado, mas ainda sim de maneira chorosa.

Ele riu, um riso calmo, abraçando-me em seguida, tomando cuidado para não provocar mais dor em meus ferimentos. “Veja o lado bom, você andou de bicicleta pela primeira vez!”

“Você viu?” Me separei dele, sorrindo sem me importar com a leve dor que isso causava ao meu rosto. “Eu fui incrível! Aposto que nem você foi tão incrível na sua primeira vez!”

Ele levou a mão até o topo de minha cabeça, bagunçando meu cabelo. “É claro que não.”

[...]

Por um momento, questionei-me o motivo de tal memória ter vindo tão repentinamente à cabeça, mas logo deixei isso de lado. Primeiro porque não era necessário um motivo considerável para uma lembrança vir à mente de ninguém, e segundo porque era um esforço supérfluo tentar saber a razão.

Mika começou a se remexer entre minhas pernas, e aos poucos foi abrindo os olhos, finalmente despertando.

“Bom dia, Bela Adormecida.” Disse baixo, assistindo-o bocejar enquanto esfregava seus olhos com as mãos, lembrando-me na mesma hora um pequeno gatinho.

“Eu dormi por muito tempo?” Ele perguntou com a voz rouca.

“Um dia inteiro, praticamente.”

“É sério?” Ele perguntou, arregalando os olhos azuis.

“Não.” Ri. “Apenas queria ver sua reação.”

Ele suspirou, ajeitando-se de maneira mais confortável contra meu tronco, parecendo pensativo. “Já teve a sensação de que, apesar de tudo estar ruim, vai tudo ficar bem?”

“Tipo a situação da Cinderela?”

Ele riu, claramente achando minha resposta infantil. “Não sabia que ainda acreditava em contos de fadas, Yuu-chan.”

“Todo mundo deveria acreditar em fadas.” Disse a ele, fazendo cafuné em seus cabelos loiros. “Porque quando alguém diz que não acredita nelas, uma delas morre.”

“Ah, claro.” Murmurou com sarcasmo.

“Se não acredita em contos de fadas, então em que você acredita?” Eu não espera receber uma resposta, até porque nenhum de nós dois estava levando aquela conversa para o lado sério, mas ela veio.

“Em você e eu, eu acho.” Ele pendeu a cabeça para trás, olhando-me no fundo dos olhos com um sorriso de canto desenhado nos lábios. “Acha que é uma boa coisa acreditar em nós dois?”

Por um momento, eu perdi a linha de raciocínio. Os olhos brilhantes dele, o sorriso dele, os lábios dele... Tudo nele, absolutamente tudo nele estava fazendo minha cabeça parar de funcionar, ao mesmo tempo em que ela parecia estar trabalhando mais do que nunca. Era quase como se a razão estivesse usando todos os seus esforços para me fazer acordar, enquanto a emoção só parecia precisar sussurrar duas palavras para ganhar da minha parte lógica.

“Beije ele.”

“Yuu-chan?” A voz de Mikaela me fez despertar de minha batalha interna, a qual eu nem me lembrava de ter entrado. Ele me olhava com confusão, estranhando meu silêncio mais do que repentino.

Sorri, ignorando minha emoção momentaneamente. “Claro. É uma ótima coisa para se acreditar.”

Ele sorriu de volta, satisfeito com a resposta.


Notas Finais


Adivinha quem é a retardada que já fez esse negócio com a bicicleta? \O/ \O/ \O/ \O/

Espero que tenham gostado! ~e espero que não tenham desistido de mim~

O link para a música:
https://www.youtube.com/watch?v=YervYaMYK_4

Talvez isso ajude vocês a entenderem o porquê de eu ser tão... "atrasada", digamos assim:
https://spiritfanfics.com/perfil/onigiri_vampira/jornal/motivos-pelos-meus-atrasos-meio-que-frequentes-6278728

Kissus


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...