História Remember Me - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Deidara, Fugaku Uchiha, Itachi Uchiha, Kiba Inuzuka, Madara Uchiha, Menma Uzumaki, Naruto Uzumaki, Sakura Haruno, Sasori, Sasuke Uchiha
Tags Drama, Drama 2, Drama 3, Drama4, Narusasu, Naruto, Revelaçoes, Romance, Sasunaru
Exibições 66
Palavras 4.907
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Hentai, Lemon, Policial, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Capítulo novo, face a face, o que será que vem por aí?!

Espero que gostem!
Nos vemos nos comentários \0/

BOA LEITURA!

Capítulo 17 - Face To Face!


Fanfic / Fanfiction Remember Me - Capítulo 17 - Face To Face!

Acordei naquela manhã com o corpo pesado e a cabeça latejando, faz quanto tempo que não me sentia assim? Alguns...quatro meses...desde que Sasuke sofrera aquele acidente e tudo começou a desmoronar, e agora eu estava me sentindo pesado, minha cabeça doía intensamente e nem mesmo o abraço e o beijo de Kyouya amenizava essa dor, não o culpava, a culpa não era dele, Kyouya estava fazendo de tudo para poder me ver bem, era eu quem não estava conseguindo cooperar.

Me levantei aos poucos e senti minha mente rodar por alguns segundos, sim, eu havia bebido na noite passada, bebi antes de voltar para casa e Kyouya foi quem teve que cuidar de mim, suspirei cansado, grande responsável eu era, com quase trinta anos nas costas estava dando trabalho há alguém, parabéns Naruto, sua meta de ser responsável acaba de se afundar para sempre.

Olhei para o espelho do banheiro e por sorte não me assusto tanto, eu estava terrível, olheiras fundas e cabelos foscos e bagunçados, lavei meu rosto rapidamente e olhei de volta meu reflexo, não estava melhor, mas também não estava como antes, dou de ombros e após fazer minha higiene matinal, volto para o quarto e vejo que Kyouya não estava deitado, em seguida, ao abrir a porta do quarto, sinto o cheiro que abriria o apetite de qualquer um, sorri e fui até a cozinha, Kyouya estava lá, cozinhando, os cabelos desgrenhados ainda, mas já tinha um sorriso no rosto.

-Bom dia... – Comentei chamando sua atenção, Kyouya me olhou e seus sorriso aumentou, veio até mim e me beijou com gosto, como se fizesse dias que não nos beijávamos com carinho e amor, retribui da melhor forma possível.

-Bom dia....você está melhor? Estou fazendo uma sopa de ressaca que aprendi com minha mãe, é muito boa... – Comentou voltando-se para o fogão, me sentei na mesa e levei as mãos até a cabeça, minha mente girava, e minha garganta estava seca.

-Devo ter dado trabalho ontem, sinto muito – Me desculpei enquanto massageava minha têmpora, ouvi uma risada e Kyouya caminhou até a mesa com a panela, depositou-a sobre o suporte e me encarou.

-Você deu trabalho sim, ficou brigando com as paredes como se estivesse falando com alguém – Ele riu me fazendo corar ao imaginar isso – Mas não achei tão ruim assim, você fica engraçado e todo dengoso quando está bêbado... – Vi suas bochechas corarem levemente e isso foi o suficiente para que sentisse meu rosto entrar em combustão.

-Tudo bem, não quero saber mais o que aconteceu e o que fiz... – Comentei franzindo o cenho totalmente vermelho, Kyouya riu e beijou minha bochecha com carinho.

-Não se preocupe, não foi tão vergonhoso isso, é sério, você fica muito fofo bêbado...acho que eu deveria comprar algumas bebidas mais tarde? – Perguntou para o alto e eu o encarei irritado, o fazendo rir – Brincadeirinha...coma, é bom comer enquanto estiver quente...prometo que não vai se arrepender – Comentou sorrindo encantadoramente para mim, sorri e confirmei, nisso, enquanto colocava a sopa, as palavras de Sasuke pairaram em minha mente, me fazendo estreitar os olhos e sentindo uma nova pontada na cabeça, voltei o prato até a mesa já com a sopa e olhei de soslaio para Kyouya, ele parecia tão contente, tão menos preocupado com os problemas de Madara, era como se tudo o que passamos por causa daquele Uchiha não fosse um sonho ruim.

-Kyouya... – Chamei e ele, levando um pouco da sopa aos lábios, me olhou – Você me parece tão despreocupado...aconteceu alguma coisa que o deixou assim? – Perguntei tomando um pouco da sopa e me surpreendendo com a maravilha que era.

-Não, na verdade só acordei bem... – Disse dando de ombros, em seguida me olhou – Hoje meus irmãos virão até aqui para estalar algumas câmeras de segurança em casa...tudo bem por você? – Perguntou e eu confirmei.

-Tudo bem sim, já disse...enquanto tiver esses problemas com Madara, seja o que for que ajudará a pará-lo eu não me importo de andar com a casa e o telefone grampeado – Falei tomando mais um pouco da sopa – Isso está mesmo muito bom... – Comentei e Kyouya sorriu segurando minha mão com carinho, olhei para ele e ele me olhava com um sentimento intenso queimando seus olhos, senti meu coração se aquecer enquanto o encarava.

-Eu te amo, Naruto... – Falou sem desviar seus olhos, senti minhas bochechas corarem, ele era tão perfeito, não maravilhoso, senti meus olhos arderem, como posso deixa-lo? Como posso pensar em me separar dele? Eu amo Kyouya, amo como se nunca tivesse amado na vida. Me levantei da mesa e o beijei com todo o amor que tinha por ele, Kyouya me retribuiu com intensidade dobrada, meu coração saltava dentro de mim, não queria deixá-lo nunca.

[...]

Abri as portas da minha sala e entrei vendo logo Sasuke sentado por lá, o ignorei seguindo para minha mesa, senti seus olhos em mim, mas preferi não dizer nada, minha mente fervilhava com suas palavras e eu só queria me manter ocupado pelo resto do dia sem correr o risco de voltar a ter outra conversa como aquela que tivemos no estacionamento.

-Bom dia... – Ele resmungou com o cenho franzido, olhei de soslaio para ele e suspirei.

-Bom dia, Sasuke... – Me sentei na minha mesa e abri as primeiras pastas que tinha para revisar, ouvi uma bufada vinda dele.

-Só isso?! – Perguntou um tanto irritado, o encarei com o cenho franzido, vi ele estreitar os olhos.

-Deveria ter outra coisa? – Perguntei sem entender, ele me encarou como se dissesse com os olhos um “É sério, Naruto?! ” Bastante incrédulo.

-Não sei...depois que você me ligou ontem completamente bêbado, achei que tivesse algo para dizer hoje... – Falou, engoli em seco, eu liguei para ele ontem?! Quando?! Porque?! O que eu havia dito?!

-L-Liguei? – Perguntei temeroso, Sasuke bufou e segurou o telefone em mãos, em seguida clicou em um botão e logo ouvi minha voz embargada do outro lado, fiquei completamente vermelho.

-“Escuta aqui Uchiha!! Eu não quero saber de ficar ouvindo coisas daquele tipo ouviu?! Você é idiota? Acha que é o rei do mundo?! Acha que pode me ter a hora que quiser?! HÃ?!! Pois fique o senhor sabendo...que não...não pode...eu estou com Kyouya e ele me dá muito mais prazer do que você já me deu na vida inteira!! Pois é, Sasuke...existe pessoas melhores que você nisso...está surpreso?! Eu também fiquei na primeira vez...HAHAHAHA..., mas o que quero dizer é que...eu não posso fazer isso com Kyouya...ele me ama demais para simplesmente deixá-lo Sasuke...não posso jogar ele fora dessa forma...ele é tão bom para mim, me faz tão feliz...simplesmente não posso, eu o amo ainda...amo muito, amo tanto que também é difícil ficar longe de você tendo você todos os dias tão perto, mas acontece que...o que sinto por Kyouya vai além do que sinto por você! Eu aprendi a amá-lo Sasuke, eu deixei que ele me amasse e estou lutando para amar ele tanto quanto amei você...e você é um idiota! Sempre fazendo meeerda...você nunca vai aprendeeer...tchau Sasu...eu acho você um otário. Teme! ” – Olhei para Sasuke, ele tinha uma veia saltando de sua testa, engoli em seco e baixei os olhos para meu colo, meu rosto estava pegando fogo, não podia acreditar que tinha ligado e dito tudo isso a ele, droga Naruto, você só faz merda.

-Acho que você gosta de dizer as coisas quando está bêbado, não é? – Perguntou ele me encarando irritado, forcei uma tosse e me virei para a minha mesa.

-Bem...não mandei você sair dizendo aquilo para mim...a culpa é sua – Comentei e senti ele me fuzilar com os olhos.

-Ah! É minha?! Minha?! – Perguntou ele apontando para si mesmo, franzi o cenho me irritando.

-É, sua! Porque você não deveria ter dito aquilo para mim! – Exclamei agora olhando para ele, Sasuke riu incrédulo.

-Eu disse a verdade, não fui lá e joguei bebida em sua cara! Você bebeu por que quis! A culpa não é minha se você ficou mexido com o que falei! – Ele exclamou e eu o fuzilei.

-Escuta aqui, Sasuke...como você não quer que eu tivesse ficado mexido com o que você disse?! Você sabe o que aconteceu comigo enquanto você não se lembrava de mim?! Eu cheguei ao fundo do poço...e você chegar do nada e dizer aquilo logo depois de ouvirmos uma história triste de seu tio! E eu achando que você estava mexido com a história e na verdade estava pensando nessas coisas! – Meu rosto esquentou ainda mais enquanto encarava Sasuke, ele bufou.

-Por favor, Naruto...você não é mais um adolescente sabia? Me ligar bêbado quase de madrugada para me dizer que Kyouya é melhor que eu na cama!! Sério isso?! – Perguntou furioso, o encarei e sorri.

-Você está irritado porque eu disse isso? Por acaso atingiu seu ego de Uchiha, Sasuke? – Perguntei irônico, ele me lançou um olhar furioso.

-Não me teste Uzumaki, não estou com cabeça para ficar aguentando ironia logo de você! – Exclamou e eu ir alto.

-Olha só, Sasuke está com o ego ferido, não passou na sua cabeça que existem pessoas melhores que você em algo, Sasu? – Perguntei gostando de vê-lo irritado, Sasuke bufou alto e se remexeu na cadeira bastante incomodado.

-Para de me chamar de Sasu...meu nome é Sasuke!! SA-SU-KE!!! – Exclamou e eu apenas sorri – Continue sorrindo desse jeito e eu irei desfazer esse sorriso logo, logo! – Exclamou e nós dois nos levantamos, cruzeis os braços.

-Oh! Está me ameaçando Sasu? Vejo que foi de fato atingido em cheio com o que disse...quem diria que logo isso fosse seu ponto fraco, huh? – Comentei continuando a sorrir do mesmo jeito irônico.

-Naruto, estou avisando, não me desafie desse jeito ou eu vou fazer uma loucura... – Comentou dando alguns passos ameaçadores em minha direção, não fiquei para trás dele e dou alguns passos também em sua direção.

-E você fará o que? Não se precipite Uchiha, sabemos muito bem que sou mais forte que você...posso derruba-lo sem maiores problemas... – Comentei e seus olhos crisparam em irritação.

-Como é? Ficou gagá precoce, Usuratonkachi? Sabe muito bem que eu sempre fui mais forte que você...desde a infância – Comentou e eu estreitei meus olhos com aquele maldito apelido.

-Quer que eu liste todas as vezes que venci você, Teme? Teremos que chamar a Lia, pois só os meus dedos e os seus não serão o suficiente para listar as vezes que venci você...Sasu – Ditei lentamente, Sasuke grunhiu e nos aproximamos mais um do outro.

-Eu que deveria dizer isso, Usuratonkachi, se esqueceu que eu salvei você muitas vezes? Lembra da vez que você ficou com medo de descer no escorregador e eu tive que te segurar para você não se quebrar no final? Lembra quando te salvei daquela moto em frente a cafeteria do Kakashi? Lembra quando você foi “inteligente” demais e acabou chutando uma latinha na cabeça de um brutamonte? Quem foi que te ajudou mesmo? – Perguntou colocando a mão no ouvido e se aproximando de mim, grunhi e o empurrei.

-Não importa! Eu ainda sou mais forte que você! Você pode ter me ajudado muito, mas sempre que brigávamos com alguém eu sempre precisava salvar você no final, pensa que não me lembro?! Mesmo após eu ficar na cadeira de rodas, eu nem tinha me curado por completo e tive que ajudar você contra um dos alunos na universidade porque você foi idiota e quis cantar de galo contra um cara maior que você, quem teve que derrubar ele para ajudá-lo?!! – Exclamei irritado e Sasuke riu alto.

-Está dizendo que eu precisei de ajuda naquele dia? Você que atrapalhou tudo, eu estava muito bem cuidando daquele cara, não é porque eu havia levado um soco que eu iria deixar aquilo barato...você está se equivocando Naruto, não tinha pedido sua ajuda – Sasuke disse me olhando como sempre olhava, daquele jeito superior e que me tirava do sério, grunhi e o segurei pela gola de seu terno.

-Se eu não tivesse feito aquilo seu imbecil! Você poderia ter perdido a bolça que ganhou com muita sorte, acha que sairia ganhando se saísse daquele jeito?! Você já tem quase trinta anos nas costas e ainda não sabe pensar?! – Perguntei irritando e encarando aqueles ônix brilhantes e intensos – Além de que... – Comecei o soltando – Quando era para você nos salvar naquele pedaço de fim de mundo onde Karin me levara, quem teve que livrar você daqueles idiotas foi eu...e olha que eu já tinha levado uma surra deles – Comentei sorrindo, Sasuke me encarou por alguns segundos e em seguida suspirou e se recostou na mesa, o encarei e vi que ele ficou preso nas memórias.

-Eu achei que fosse perder você naquele dia.…quando meu pai disse para Karin atirar em você eu achei que meu mundo tinha acabado ali... – Sasuke cerrou suas mãos na mesa e eu baixei os olhos.

-Mas eu ainda estou aqui... – Sussurrei e o vi me olhar, ele sorriu.

-Sim, está..., mas eu ainda perdi você... – Comentou me olhando, o encarei de volta e sorri junto dele – Bem, vamos voltar para o trabalho...ainda temos que resolver esse furo de cooperados que nos deixaram, aqueles idiotas... – Comentou se levantando e caminhando para sua mesa, suspirei e me voltei para a minha, assim que me sentei na minha cadeira a porta se abriu e Lia entrou vindo até minha mesa.

-Lia...algum problema? – Perguntei, ela negou e suspirou jogando em minha mesa quatro cartas, franzi o cenho e a encarei – O que é isso? – Perguntei e Lia bufou.

-Recebi hoje de manhã...estava esperando o senhor chegar para lhe entregar..., mais quatro cooperados retiraram suas cooperativas... – Ditou e eu encarei Sasuke que olhava pasmo para a garota, em seguida socou a mesa.

-Desgraçados!! – Exclamou.

-Mantenha a calma Sasuke! Não é culpa deles, Madara deve estar os coagindo de alguma forma... – Suspirei e peguei as cartas em mãos – Obrigado Lia – Comentei e ela confirmou saindo em seguida, cerrei os dentes vendo que eram grandes empresas que tinham nos deixado, uma delas era responsável pela fabricação dos uniformes dos meus garotos, outra empresa era uma grande patrocinadora, tão grande quanto a própria NBA. Suspirei tentando engolir a raiva que eu estava sentindo de Madara.

-Precisamos agir Naruto, se não fizermos nada, ele vai acabar com nossa empresa...além de que, podemos não conseguir mais recuperar nossa empresa futuramente... – Sasuke comentou se aproximando e vendo as cartas, ele estalou a língua – Até nossa maior patrocinadora... – Ele suspirou e me encarou – Temos que fazer alguma coisa para pará-lo, antes que ele consiga nos parar... – Me levantei com o celular em mãos.

-Nós vamos fazer Sasuke, eu já não aguento mais ficar apenas na defensiva...ele acabou de comprar guerra comigo! – Ninguém tira o patrocínio dos meus garotos e fica por isso mesmo, Dattebayo!

-Onde vai?! – Perguntou Sasuke enquanto eu saia porta a fora, não respondi, apenas disquei os números e esperei que ele atendesse.

-Alô?! Me encontre no endereço que eu lhe passar, precisamos conversar, de homem para homem, sem truques nem nada...vamos acabar com isso hoje mesmo, seu desgraçado, filho da puta! – Exclamei furioso enquanto entrava no elevador, desliguei mandando o endereço para aquele maldito e esperei o elevador descer até o estacionamento interno da empresa, abri o carro de Sasuke, logo que o meu tinha explodido, literalmente, eu pegara a chave de Sasuke sem ele ver em cima da mesa e iria com ele até Madara, abri o porta luvas do carro e segurei a pistola que Sasuke levava com ele para segurança, vi que tinha bala o suficiente para me defender caso ele também tivesse uma, joguei ela sobre o banco do carona, liguei o carro e parti para fora da empresa, estava cansado de apenas esperar o próximo ataque dele, já chega de preliminares Uchiha maldito, vamos acabar com isso como você fez com meu avô, rápido e sem desculpas.

Segui rápido pelas ruas pouco movimentadas dos Estados Unidos, cortava sobre os carros em alta velocidade, minha cabeça fervia de raiva e a discussão com Sasuke apenas deu gás para isso. Ouvi meu celular tocar e nem precisei olhar para a tela para saber que era Sasuke que me ligava, pluguei o celular no suporte e usei o fone que Sasuke deixava no carro para quando recebia alguma ligação enquanto dirigia.

-Naruto! O que pensa que irá fazer?! – Sua voz parecia desesperada, não respondi, o que o deixou um pouco irritado – Não ouse fazer idiotices Naruto! Não pensei em ir até Madara sozinho!! Pense em Sophie e em Kyouya! Você não pode fazer essas idiotices quando se tem pessoas esperando por você!! – Ele gritava do outro lado e parecia correr, sorri de lado.

-Não se preocupe Sasuke, não estou indo para morrer, pelo contrário, estou indo para acabar com isso de uma vez...não se preocupe, não é como se eu pretendesse desistir assim tão fácil... – Falei olhando para o retrovisor e vendo um carro preto me seguindo, sorri – Preciso desligar...tenho alguns urubus para despistar... – Comentei.

-Não desligue Naruto, me diga para onde você está indo!! – Mas eu já tinha desligado, olhei para o espelho novamente e vi que eram os homens que Hana e Cris colocaram para minha segurança, afundei o pé no acelerador e fui cortando entre os carros mais rápido do que o carro deles conseguiam me acompanhar, agradecia Sasuke por gostar de carros de corrida, eles eram rápido o suficiente para despistar aqueles caras facilmente, virei de surpresa em uma rua o que fez eles passarem reto, ri alto quando vi eles voltarem com o carro e entrarem na rua que virei, mas eu já virava na outra rua e acelerava para voltar na rua principal, ouvindo buzinas logo atrás de mim conforme eu cortava sobre os carros eu já podia ver a rua que viraria para chegar ao meu destino.

Cerrei os punhos no volante e virei para uma estrada de chão saindo do perímetro urbano, de um lado uma mata pouco densa e do outro uma vasta plantação de girassóis, uma das minhas flores preferidas, mas naquele momento não estava com cabeça para apreciar plantações de nada, desviando de alguns buracos no chão bruto avistei uma casa no fundo da plantação e com isso me aproximei da casa pisando no freio e fazendo uma cortina de poeira subir conforme parei o carro.

Peguei a arma em mãos e a coloquei logo em minhas costas a cobrindo com meu paletó, abri a porta do carro e saí, olhei em volta e vi um carro preto conversível parado em baixo da sombra mais próximo a casa, estreitei os olhos para dentro do imóvel escuro e fui até lá, vi ele sentado em uma cadeira de madeira enquanto se equilibrava sobre dois pés da mesma, assim que entrei na casa, ele sorriu com as mãos cruzadas sobre seu colo e pernas cruzadas.

-Você demorou... – Comentou enquanto o encarava da porta – Vamos, sente-se.…acho que veio aqui para conversarmos, não é? – Disse ele não aparentando ter medo nenhum, olhei em volta e ri pelo nariz.

-Não vou entrar Madara, acha que sou idiota? Sei que há capangas seu na casa... – Comentei e ele sorriu de lado.

-Oh...como pode ter tanta certeza assim? – Perguntou e eu revirei os olhos.

-Porque é óbvio... – Apontei para a sombra do capanga de Madara no outro cômodo, Madara suspirou sorrindo e negando.

-Incompetentes... – Sussurrou, em seguida se levantou – Tudo bem, vamos lá para fora então...aqui está bastante empoeirado também... – Comentou passando a mão sobre a mesa e me mostrando um de seus dedos todo sujo, fui para fora e ele também – Pois diga Uzumaki-san...o que quer tanto acabar que precisou me xingar daquela forma tão baixa no telefone...? – Cerrei os punhos e me virei socando seu rosto e o fazendo dar alguns passos para trás com a mão no rosto, ele levantou uma das mãos quando seus capangas saíram apontando armas para mim, em seguida começou a rir e me olhar – Nem mesmo um cafezinho? – Brincou se ajeitando e tocando no nariz que sangrava levemente – Você é forte...

-Você não viu nada do que sou capaz de fazer, seu desgraçado!! O que você quer afinal?!! Ficar brincando com todos nós é divertido para você?! Você é mesmo um otário! Acho que todos os Uchihas são assim, isso por acaso é algum tipo de linhagem sanguínea, a linhagem dos otários?! – Exclamei o fazendo estreitar os olhos.

-Olha como fala Uzumaki-san, não é algo muito inteligente de se dizer para um Uchiha que está carregado de armas – Comentou apontando para seus capangas, ri com escárnio.

-Se esqueceu que já fiquei na mira de uma arma? Seu irmãozinho não contou que ele também tentou me matar uma vez, mas foi otário como é de lei e foi nocauteado pela esposa antes de conseguir apertar o gatinho?! Acho que não, pois seria ainda mais vergonhoso para ele ter que contar isso a você, certo? – Comentei e vi que ele cerrou os punhos levemente.

-Nada disso teria acontecido se você tivesse ficado em seu canto, e não tivesse se envolvido com meu sobrinho, aquele outro tolo... – Falou deixando de lado a ironia, sorri de lado.

-Não posso fazer nada se o ponto fraco dos Uchihas são os Uzumakis... – Falei dando de ombro, Madara estreitou os olhos.

-Como é? – Perguntou ficando um pouco irritado.

-Ué...achei que soubesse de tudo, Uchiha...acho que estava enganado, me encontrei com seu melhor amigo...Hashirama certo? Pois é, ele me disse muitas coisas sobre você... – Madara avançou sobre mim e segurou em minha gola me fazendo sorrir de lado.

-Você o que?! – Perguntou entre dentes, ri com escárnio.

-Olha só...parece que achamos um ponto fraco do grande Madara...pois é.…ele veio até mim e contou toda sua história... – Madara apertou ainda mais minha gola.

-É mentira... – Murmurou com mais raiva.

-É verdade...ele me disse sobre seu pai, sua mãe alcoólatra, sobre a amante de seu pai que eu descobri ser uma Uzumaki, não é? – Sorri ainda mais quando um lampejo de ódio atravessou seus olhos – Eu sei, é por isso que vocês nos odeiam, não é? Você e Fugaku, porque a nova mamãe era uma Uzumaki... – Senti o soco de Madara acertar em cheio meu estômago duas vezes seguidas, e na terceira eu consegui me afastar e rir dolorido, ele também era bem forte.

-Você fala demais, Uzumaki!! Precisa aprender a ficar quieto caso contrário... – Ele retirou uma arma de suas costas e apontou para mim a engatilhando.

-Sua esposa... – Comecei o encarando, Madara parou de falar na mesma hora – Seu filho...foi uma dor realmente terrível, não é? Deve ter sido de fato difícil para você ter passado por aquilo... – Me reergui e encarei Madara, ele parecia estar se lembrando de algo, sua mão tremeu e ele estreitou os olhos em minha direção.

-Você realmente fala demais..., mas se pensa que vou cair nesse seu joguinho de palavras, você está muito enganado, Uzumaki Naruto – Madara baixou sua arma e sorriu para mim quase que forçadamente – Você quer que eu diga que me arrependo de tudo? Que eu não farei mais isso porque minha esposa e meu filho foram mortos?! Hahaha...não seja ridículo...parar agora não os traria de volta e estou muito bem assim...o que mais precioso é ver essa expressão de desespero em seu rosto? Não há mais nada melhor do que isso...

-Não quero que você diga que se arrependeu nem nada do tipo e isso não é um jogo de palavras, estou dizendo que sei o quão difícil foi para você...eu não quero que você desista, porque eu mesmo quero parar você, quero acabar com você com minhas próprias mãos, por isso não vou usar esses joguinhos ridículos de palavras contra você..., mas há algo que quero que saiba...Hashirama-san e Mito-san, ainda estão esperando por você, ainda estão esperando você cumprir sua promessa de infância...você se lembra dela? – Perguntei e Madara franziu o cenho suavemente, eu sorri – Você prometeu que voltaria para brincar com eles no rio... – A expressão de Madara a seguir me pegou desprevenido, uma corrente de tristeza abateu o rosto de Madara e tive certeza que ele por algum tempo se esquecera daquela promessa, e por segundos, senti um pesar enorme por Madara, mas segundos depois ouvi o som do disparo de sua arma e meu corpo ser jogado para o chão com um abraço apertado, assustado olhei para cima e vi o semblante desesperado de Sasuke logo em cima de mim.

-VOCÊ É LOUCO?!! – Gritou me trazendo a realidade, Sasuke saiu de cima de mim e olhou para mim por todos os lados – Você foi atingido?! Está ferido?! – Perguntava ele me apalpando, segurei suas mãos e sorri.

-Estou bem, não fui atingido...o que está fazendo aqui? – Perguntei e olhei ao redor, homens de Madara ficavam a sua frente apontando suas armas pesadas e ótimas em uma batalha entre balas, do outro lado, Cris e Hana com mais outros homens bem armados apontavam suas armas para os homens de Madara, esse me encarava furioso tanto que sua respiração estava levemente descompassada.

-Você conseguiu Uzumaki!! – Gritou ele logo atrás de seus homens, olhei para ele enquanto me levantava junto de Sasuke – Você conseguiu me deixar furioso!! De agora em diante, esteja preparado...VOU ACABAR COM TUDO QUE VOCÊ TEM, VOU TIRAR TODOS DE VOCÊ E VOU ACABAR COM VOCÊ!! – Ele explodiu e deu as costas, seus homens o seguiram ainda mantendo as armas carregadas apontadas para os agentes de Cris e Hana, suspirei e segundos depois outro carro parou derrapando próximo aos outros, Madara com isso saiu junto com vários outros carros que estavam escondidos até então atrás da casa, vi Kyouya descer do carro e correr até mim quase caindo.

-Naruto! – Exclamou me abraçando com força, o abracei de volta ouvindo seu coração pular desesperado dentro do peito, sorri fechando os olhos.

-Está tudo bem, eu estou bem... – Murmurei acariciando suas costas, ele saiu do abraço e me encarou furioso, fiquei até mesmo surpreso com aquela expressão em seu rosto.

-Nunca mais!! Nunca mais faça essa loucura novamente!! Ouviu bem?!! NUNCA MAIS!! – Ele segurou meus ombros com força e vi seus olhos se encherem de lágrimas, ele me abraçou novamente – Não me deixe achando que você vá morrer seu idiota! Sabe o quão desesperado eu fiquei?! Estava pronto para fazer uma besteira por sua causa...não faça mais isso, Naruto... – Ele dizia enquanto me apertava em seus braços, confirmei sorrindo e olhei para Sasuke que conversava com Hana e Cris ao longe, ele olhou para Kyouya e eu e desviou os olhos segundos depois, suspirei e saí do abraço olhando para Kyouya.

-Desculpe Kyouya, eu fui imprudente, eu sei..., mas não vou prometer não fazer isso nunca mais...porque eu me conheço o suficiente para não fazer uma promessa que eu sei não ser capaz de cumprir... – Sequei suas lágrimas com meus polegares e o puxei dando-lhe um beijo.

-Naruto... – Resmunga ele com uma careta, ri suavemente e beijei sua bochecha em seguida.

-Aí, Uzumaki! – Ouvi Cris me chamar quando o encarei, ele parecia bastante irritado – Se quer se matar faça isso sem que precisemos vir até você! Onde já se viu ir confrontar o inimigo sozinho?! Você em uma guerra seria o primeiro a morrer, sabia?!! – Gritou ele empurrando minha cabeça com o indicador, irritado com aquilo, segurei seu braço e entortei seu braço para trás e o derrubando no chão, sem que ele pudesse ter muito o que fazer.

-Aí, Sata! Você pode ser um agente do FBI camarada, mas ainda sou mais velho que você e deve me respeitar...no exército te ensinam a empurrar a cabeça de alguém com o indicador? Em uma guerra você seria o primeiro a morrer por ser imprudente, sabia?! – Ditei de volta e o soltei, fazendo Hana e Kyouya rirem do irmão que ficara de fato furioso, mas não disse nada.

-Não se preocupe, Naruto...vamos ficar de olho nos passos de Madara, não vamos deixar que ele faça algo de ruim com vocês... – Hana assegura com um doce sorriso nos lábios, confirmei um pouco sem jeito.

-Certo, vamos para casa...já tivemos diversão demais por hoje, certo? – Comentou Kyouya passando seu braço por meu pescoço e eu confirmei suspirando.

-Vamos...vamos para casa... – Falei e olhei para Sasuke, sorri suavemente para ele que me olhou – Obrigado por me salvar... – Murmurei e o mesmo deixou o ar sair de seus pulmões e me puxou de Kyouya me abraçando com força, não pude deixar de ficar surpreso com aquilo, ainda mais tendo tantas pessoas por ali.

-Dizer para você hoje sobre achar que meu mundo havia se perdido naquele dia não adiantou de nada?! – Perguntou me apertando em seus braços, me lembrei de suas palavras em nossa sala e suspirei baixando os olhos – Você gosta mesmo de nos dar trabalho, não é? – A voz de Sasuke saiu falhada e ele fungou, sorri suavemente e me deixei abraça-lo de leve.

-A culpa não é minha se os problemas me amam... – Murmurei e Sasuke soluçou uma risada.

-Seu idiota...você me deixou preocupado...de novo... – Falou rindo, funguei confirmando.

-Eu sempre deixo.... Teme – Soquei de leve seu braço e ele saiu do abraço secando seus olhos marejados.

-Vai logo para casa...e procure não fazer mais besteiras...Usuratonkachi – Resmungou e dessa vez não fiquei irritado com o apelido, eu sorri e com Kyouya me afastei de Sasuke, segurei na mão de Kyouya que sorriu para mim e beijou o topo de minha cabeça, dessa vez não vou ficar irritado Sasuke, dessa vez não vou arrumar uma briga com você, dessa vez eu vou apenas ir para casa, sem dar mais problemas a alguém, prometo.


Notas Finais


Abraço Da Uzuu Neko-chan :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...