História Remetente - Capítulo 27


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Abo, Bts, Jikook, Jikook Abo, Kookmin, Namjin, Romance, Sope, Taegi, Taeseok, Taeyoonseok, Vhope
Visualizações 882
Palavras 3.106
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi amores!
Pra quem estava ansioso para a conversa sobre sexo com o Jimin. Tá ai.

Capítulo 27 - A conversa


A conversa



Pov Park Jimin On:

Jeon Jungkook me encarava com aqueles olhos negros profundos...

Eu sabia que ele estava completamente nu, mas não conseguia desviar meus olhos dos seus. Por algum motivo os olhos dele pareciam me engolir. Senti os cobertores abaixo de mim esquentarem, ou talvez fosse apenas eu quem estivesse esquentando. Não sei.

O moreno acima de mim não disse uma única palavra, apenas sorriu sedutor com aqueles dentes de coelhinho e aproximou-se colando seus lábios nos meus num beijo molhado, estalado e sensual. Tive que fechar os olhos.

Nossas línguas dançavam magicamente e eu só queria poder ficar ali para sempre, preso naquele beijo. Preso nos braços de Jeon Jungkook.

Ele dominava o ósculo de forma deliciosa, sua língua enlaçando a minha e chupando vez ou outra.

Suspirei entre o beijo e me senti corar, ou talvez fosse apenas o calor em minha face.

Senti seus lábios passarem pela minha mandíbula lentamente molhando toda aquela área com pequenos selares. Ele desceu seus beijos para meu pescoço e eu me senti desmoronar. Cada vez que ele passava a língua naquela área eu sentia que seria meu fim.

Jeon Jungkook é um pecado.

Meu pecado.

Uma de suas mãos desceu por meu corpo lentamente e apertou de leve meu membro por cima da calça, não consegui segurar o gemido baixo que escapou de meus lábios.

-Oh kookie... – Minha voz saiu manhosa e aguda, cheia de prazer.

Os beijos em meu pescoço logo começaram a descer para a clavícula e as mãos habilidosas do moreno acariciavam minha intimidade por cima da roupa habilidosamente.

Mordi meu lábio inferior com força, mas ainda assim alguns gemidos baixinhos escapavam por meus lábios já inchados devido as mordidas que deixei ali numa tentativa falha de segurar meus gemidos. Minhas mãos foram para os fios negros brilhantes do alfa puxando-os numa tentativa de descontar o prazer.

-Ah... – Eu gemia e suspirava baixo sentindo seus beijos molhados que desciam por minha clavícula me excitarem cada vez mais.

Jungkook desceu sua cabeça para o meio de minhas pernas num movimento rápido repentino que me pegou de surpresa. O encarei assustado, mas já completamente entregue.

-O-o que v-você vai f-fazer? – Perguntei baixinho com a voz embargada pelo prazer.

Ele sorriu com aqueles dentinhos de coelho adoráveis e puxou a barra da minha calça junto da cueca, usando uma única mão, para baixo liberando minha ereção.

Agora sim corei. Meu rosto esquentou ao ver o moreno sorrindo malicioso para mim com meu pau duro e ereto na frente de seu rosto.

Comecei a sentir minha lubrificação natural escorrer por minhas nádegas, que deslizavam uma na outra toda vez que movia as pernas em êxtase. Meu cheiro tornou-se mais intenso e com certeza estava ainda mais forte naquela área onde Jungkook estava.

Ele aspirou o ar respirando fundo, com o nariz próximo a minha entradinha, de olhos fechados, e soltou a respiração pela boca próximo ao meu pau que contorceu-se ao entrar em contato com o ar quente que saiu de seus lábios.

Suspirei baixinho.

Jungkook colocou sua língua rosada para fora da boca e lambeu toda a minha extensão sem timidez me fazendo arfar pela milésima vez naquele momento.

-Kookie... – Eu não conseguia pensar em nada além do nome dele. Chamar por ele parecia necessário e eu não me incomodava em fazê-lo repetidas vezes.

Seus olhos negros encontravam-se conectados aos meus e eu não conseguia quebrar aquele contato visual quente. Ele sorriu safado uma última vez antes de capturar minha glande com os lábios finos e sugar com vontade.

Gemi arrastado ao sentir a pressão apertar aquela área sensível. Aquilo era bom.

-Kookie... Mais... – Implorei. Eu já não fazia a menor ideia do que estava falando. Só me deixava levar pelo prazer de ter Jeon Jungkook, com seus lábios, me possuindo como ninguém.

Logo veio outra sucção deliciosa naquele pequeno ponto, e mais outra, e mais outra, e eu apenas suspirava de prazer.

Seus lábios macios desceram pelo meu falo, apertando-me gostosamente, colocando-o inteiro dentro da boca. Senti minha glande socar sua garganta deliciosamente e quando Jungkook começou a mover-se num vai e vem malditamente prazeroso eu não pude conter meus gemidos.

Arfei ao sentir meu membro sair e entrar em sua boca quentinha.

-Ah Kookie... Awn... – Minhas mãos puxaram e bagunçaram seus cabelos negros descontando o prazer enquanto Jungkook me chupava com gosto.

Sua língua passeava por todo meu comprimento acariciando-me continuamente e as sucções logo fizeram-se presente de novo.

Ele me abrigava inteiro com uma vontade que me levava a loucura e seus olhos negros, ainda presos aos meus castanhos, carregavam sensualidade e luxuria.

Jeon Jungkook é um Deus do sexo...

Uma de suas mãos apertou levemente minhas bolas e eu suspirei extasiado.

-K-Kookie...




Abri os olhos e estava na cama, mais especificamente na cama do quarto do Jungkook, deitado e embrulhado em varias cobertas quentinhas. Não me lembrava de ter ido deitar.

Olhei para o lado, virando minha cabeça acomodada no travesseiro macio, e encontrei Jungkook deitado ao meu lado.

Ele me encarava sério e seus olhos negros, de novo, me davam a sensação de estar sendo engolido por um buraco negro assustador, mas eu não tinha medo dele. Seus olhos me excitavam.

-Você acordou. – Ele disse calmo. – Esta bem?

Eu não estava bem.

Eu odiava sair dos meus sonhos impuros com o homem mais gostoso da face da Terra para voltar para a realidade.

Uma realidade onde Jeon Jungkook não podia me tocar... Não devia me tocar...

Sonhar com sexo é uma coisa. Nos meus sonhos eu estou seguro, eu sei que vai ficar tudo bem, mas na vida real as coisas são bem diferentes...

Mesmo em meus sonhos eu nunca passava de um boquete. Sempre era o mesmo acontecimento: Jungkook me chupando deliciosamente enquanto me encarava com seus olhos de buraco negro.

Mesmo na vida real seus olhos eram extremamente sedutores. Eles pareciam ler minha alma e era como se ele quisesse me devorar.

E provavelmente queria.

“Tão sexy...”

-No que esta pensando?

A voz dele me arrancou de meus devaneios repentinamente.

-Am?

Ele levantou a mão direita e acariciou meus cabelos ruivos com cuidado, alisando os fios com seus dedos longos.

-Você estava parado olhando pra mim. No que estava pensando? – Me perguntou.

- Em você. – Respondi rápido.

Ele sorriu e se aproximou depositando um beijinho em uma das minhas bochechas.

-Coisas boas?

Corei ao lembrar de meus pensamentos.

Jeon Jungkook me chupando enquanto me encara com seus olhos de predador pode ser considerado com uma coisa boa, não?

-Você esta corando. – Ele disse e logo em seguida sorriu. Um sorriso largo e malicioso, como se fosse me devorar a qualquer instante. – Por acaso estava pensando besteiras a meu respeito, Park Jimin?

Corei mais ainda. Era assim tão obvio?

-N-Não... – Menti.

Ele sorriu mais largo ainda. Claramente não acreditava em minha palavra.

-Sei. - Jungkook parou de alisar meus cabelos e sentou-se na cama acomodando suas costas no travesseiro macio. -Precisamos conversar sobre isso. – Disse ele.

Franzi as sobrancelhas e deitei minha cabeça em seu colo. Queria ter algum contato com ele.

-Sobre o que? -Perguntei.

-Sexo.

A resposta dele foi tão repentina que eu quase engasguei. Tossi umas duas vezes logo me recompondo e sentindo minha face esquentar.

“Ele realmente quer abordar esse assunto assim? Do nada?”

Eu havia acabado de passar por uma experiência de quase abuso... Não sabia se era a melhor hora para falar daquilo. As memorias ainda estavam muito frescas na minha cabeça e lembrar desse tipo de coisa é horrível.

-Q-Que? – Eu realmente não tinha nada melhor para dizer. Não estava esperando aquilo. Não sabia o que dizer.

-Eu quero fazer sexo com você. – Ele disse simples e só essa frase já foi o bastante para eu me encolher. – Mas entendo que você tem medo e que pode não estar pronto pra isso. Nós precisamos conversar. Quero que me conte suas experiências passadas e aqueles sonhos que você disse que tem comigo. Quero saber suas fantasias pra poder te dar prazer.

Ele falava aquilo de forma tão natural que chegava a ser estranho. Eu só queria dar uma de avestruz enterrar minha cara num buraco.

Virei meu rosto e enterrei-o nas pernas dele para tentar me esconder.

Como ele podia falar daquele tipo de coisa tão naturalmente?

-J-Jungkookie... – Eu disse baixinho. – N-Não quero f-falar disso.

-Não tenha vergonha de mim. Meu corpo é seu e você pode fazer o que quiser com ele.

Corei mais ainda.

Aquele homem não é um pecado, ele é o próprio inferno.

-Vamos começar devagar. – Disse ele. – Porque não me conta sua primeira vez?

Respirei fundo.

Uma hora ou outra teríamos que falar sobre o assunto e Jungkook merecia saber afinal, o povo com certeza não queria um ômega como eu perto do rei, mas ainda assim ele estava investindo em mim, confiar nele era o mínimo que eu podia fazer.

-Esta bem... – Eu disse antes de respirar fundo mais uma vez. Ainda com a cabeça enterrada nas pernas dele comecei a contar minhas histórias, desde a primeira vez...

E foram muitas.

Minha primeira vez foi pouco tempo depois de meu pai falecer. Eu fui até o cemitério sozinho porque ainda estava muito abalado e foi nesse dia que um alfa no cio me agarrou e o primeiro abuso aconteceu. Ele meteu em mim com força e eu só consegui gritar por ajuda, mas o cemitério já estava vazio naquele horário.

Desde aquele dia as coisas apenas pioraram.

A segunda vez foi cerca de uma semana, talvez duas semanas, depois. Não me lembro da aparência do homem, mas me lembro de ser obrigado a chupa-lo e engolir seu gozo azedo. Eu só consegui sentir um nojo profundo e vomitar logo após o ato.

A terceira vez foi com uma mulher, amiga de minha mãe.

Mamãe saiu de casa, não me lembro o porque, e me deixou com Taehyung, Yoongi e essa amiga.

Me lembro de ser ameaçado com uma faca e até de receber alguns cortes superficiais nas costas.

Yoongi e Taehyung já dormiam quando isso aconteceu e quanto a minha mãe... Como eu poderia contar para ela que seu filho ômega já não era mais puro? Ela ficaria acabada.

Nunca contei nada.

Nunca nem planejei contar.

Já estava falando sobre o quinto abuso quando meus olhos, que já ardiam desde o primeiro episódio, deixaram algumas lágrimas escaparem e molharem as calças de Jungkook.

Falar sobre aquilo com qualquer um era dolorido, mas eu preferia que fosse com Jungkook do que com qualquer outro.

O alfa, quando sentiu minhas lágrimas, enterrou uma de suas mãos em meus fios ruivos e acariciou ali, mas não ousou me interromper nem tirar minha cabeça de suas pernas. Ele sabia que eu precisava falar.

Eu precisava colocar aquilo para fora em algum momento e Jungkook era a melhor opção para me ouvir.

Ele se manteve quieto até eu acabar, o que era bom porque assim eu não perdia a coragem de contar tudo.

Quando terminei todas as historias, ou todas as que me lembrava, me permiti chorar por mais alguns minutos.

Levou um tempo para que as lágrimas parassem de correr por meu rosto e no final de tudo, surpreendentemente, eu me sentia bem. Não tinha superado o trauma porque não é assim que as coisas funcionam, mas eu me sentia livre.

Levantei meu rosto desencaixando-o das pernas de Jungkook quando minhas lágrimas pararam de correr e encarei o alfa dos olhos negros. Ele me fitava fixamente, sem expressão alguma, e sua mão ainda acariciava meus cabelos.

-Se sente melhor? – Perguntou.

-Sim. – Respondi enquanto limpava meu rosto molhado e inchado com as costas das mãos.

-Quer um abraço?

Sorri pequeno sem mostrar os dentes. Jungkook parecia ser perfeito sempre. Ele sempre falava as coisas certas.

-Quero. – Levantei meu corpo e sentei em seu colo com uma perna de cada lado de sua cintura, passei meus braços por seu pescoço e encaixei minha cabeça em seu ombro. Naquela área o cheiro cítrico dele era mais forte e invadia minhas narinas de forma deliciosa. Aspirei aquele aroma delicioso sentindo-me acalmar um pouco.

Jungkook passou seus braços fortes pela minha cintura e me apertou num abraço acolhedor.

-Fico feliz que tenha falado essa coisas pra mim. – Ele disse. – Eu entendo que sexo ainda te assuste e eu posso esperar para te dar prazer.

Me senti entristecer.

Eu não queria que ele esperasse. Não queria que ele ficasse com vontade. Não queria que passasse o cio sozinho.

Porém, ao mesmo tempo, não podia fazer nada com ele sem ficar completamente apavorado. Eu não queria nem pensar em uma coisa entrando no meu buraquinho... Assustador. Só de lembrar das dores que senti em todos aqueles abusos terríveis já tenho vontade de me encolher. A dor de ser rasgado ao meio ainda estava bem presente em minha memória, assim como o som dos meus próprios gritos e o pavor que correu pelas minhas veias em todas as ocasiões.

Isso não era justo com Jungkook.

Ele não fez nada para merecer um ômega defeituoso como eu. Um ômega que não serve nem para dar prazer ao seu alfa – Se é que podia chama-lo de “meu”. Eu queria vê-lo feliz.

-Você não precisa esperar por mim. – Eu disse.

Jungkook franziu as sobrancelhas confuso e me encarou nos olhos castanhos.

-Oi?

Respirei fundo antes de dizer aquilo. Já sentia lágrimas ardendo em meus olhos, mas precisava me controlar.

“Jungkook não quer um ômega chorão Jimin!” – Me repreendi.

-Eu quero dizer que... – Respirei fundo no meio da frase para tomar coragem. – Se você quiser pode sair... Tranzar com outros ômegas. – As lagrimas ainda ardiam em meus olhos e tive que respirar fundo uma terceira vez para controla-las. Olhei para baixo tentando esconder meu rosto dos olhos negros que me encaravam confusos e prossegui. – E-eu... Eu não ligo.

Um silencio desconfortável tomou conta do quarto. Se uma mosca passasse voando ali eu provavelmente poderia ouvir o seu bater de asas irritante. Contive minhas lágrimas fortemente, precisava ser forte. Jungkook não merecia ficar sem sexo ou passar o cio sozinho por causa do meu trauma. Isso era um problema apenas meu. Eu precisava resolver sozinho.

O silêncio permaneceu por mais algum tempo. Ele não falava nada e eu me sentia cada vez mais próximo da loucura. Se ele não dissesse nada nos próximos trinta segundos eu iria pirar!

Senti sua palma quente segurar e levantar meu rosto para encarar seus olhos negros de predador.

- Esses olhos cheios de lágrimas é porque você não liga? – Perguntou serio, mas logo um sorriso nasceu em seu belo rosto. Aquele sorriso de coelhinho que eu tanto amo.

-É s-sério. Tá t-tudo bem. – Tentei soar o mais firme possível, mas acabei gaguejando um pouco.

-Sei. – Seu sorriso aumentou e ele se aproximou de mim. Nossos narizes se tocaram e eu senti minha respiração falhar. Ele selou nossos lábios num selinho simples e estalado que me fez fechar os olhos e aproveitar aquele momento com ele.

Só de pensar em outro ômega beijando-o como eu beijo já sentia meu coração doer, mas precisava ser forte. Eu não choraria.

-Quando vai perceber que eu não quero outro que não seja você?

Sua pergunta me fez abrir os olhos surpreso.

-Eu só quero você Jimin. Não há outro ou outra. Só você. – Ele disse acariciando meu rosto com sua palma. – Eu posso esperar o tempo que for por você amor. Espero quanto tempo você quiser pra te ouvir gemendo meu nome.

Corei com aquilo, mas não deixava de ser lindo.

Tudo o que ele falava era lindo.

Ele é lindo.

-Mas agora vamos falar de coisas boas. – Ele disse mudando de assunto. Devia ter percebido que eu estava desconfortável. – Vamos falar sobre seus sonhos. – E resolveu me deixar mais desconfortável ainda.

Corei violentamente e meu coração acelerou. Eu não queria ter que contar aquilo pra ele.

-Eu... Prefiro não... Am...

Eu olhava para todos os cantos do quarto menos para o rosto do alfa e ele me encarava seriamente.

-Não tenha vergonha de mim. Temos que falar sobre seu cio também. Esta perto, não é? Vai querer passar comigo?

Falar disso era muito constrangedor! Muito mesmo!

-Eu... Não sei. Am... Estou com medo. – Admiti.

Provavelmente no meu cio eu esqueceria todas as minhas experiências ruins relacionadas a sexo devido as dores insuportáveis e este seria um bom momento para Jungkook me tomar e me ajudar a superar todo esse medo, mas eu estava realmente assustado.

A maioria dos ômega esquecia de quase tudo no período do cio, mas todas as minhas experiências com pintos foram horríveis e só de pensar no cio já me sinto tremer.

“Porque as coisas tem que ser tão difíceis?”.

-Eu entendo. – Ele disse. – Vou te dar um tempo pra pensar, sei que é difícil pra você. Só quero que saiba que vou respeitar sua escolha e te ajudar a superar esse trauma e que, se você escolher passar seu cio comigo, eu vou ser delicado e vou cuidar de você. Esta bem?

Aquilo foi inesperado. Jeon Jungkook estava me garantindo que seria o alfa perfeito, mas perfeito do que já era?

Não pude evitar sorrir.

Meu eye smile fez-se presente e eu abracei o alfa com carinho, enterrando minha cabeça em seu ombro confortavelmente, sentindo aquele cheiro cítrico delicioso.

-Obrigado Kookie.

-Só estou fazendo a minha obrigação. – Ele disse simples. Jungkook realmente não tinha nem um pingo de dificuldade em falar sempre as coisas certas. Era um tipo de dom. – Mas ainda quero saber seus sonhos. Me conte como eles são.

Flashbacks de todos os meus sonhos eróticos invadiram minha mente repentinamente e senti-me corar... De novo...

Jeon Jungkook também era muito bom em me fazer parecer um pimentão. Esse homem é cheio de talentos.

-N-não... – Foi tudo o que conseguir dizer antes de tentar esconder minha face com ambas as mãos tapando o rosto.

-Fala pra mim amor. – Ele pediu carinhosamente.

Ele estava apelando. Sabia que eu não resistiria aos seus carinhos afinal, eu ainda era ômega.

Seus lábios depositaram um beijinho no topo de minha cabeça e uma de suas mãos acariciou meus fios ruivos.

“Filho da puta...” – Pensei comigo mesmo.

-Conta pro seu alfa, amor. – Ele pediu de novo com aquela voz gostosa.

“Muito filho da puta!”

-H-hoje eu ... Sonhei que v-você e-estava me c-chu... – Respirei fundo tentando me acalmar para falar aquela palavra, minhas mãos ainda tapando a face corada. – Chupando.

De novo aquele silencio desconfortável tomou conta do quarto, mas desta vez não durou muito tempo, pois logo os lábios finos e rosados de Jungkook se direcionaram para a minha orelha e sussurraram ali.

-Você quer que eu te chupe?


Notas Finais


EU QUERO QUE VOCÊ CHUPE ELE JUNGKOOK! TODOS QUEREMOS!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...