História Reminiscence - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Anjo Caído, Jikook, Jimin, Jungkook
Exibições 402
Palavras 3.162
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Fluffy, Lemon, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


OLÁ, MEUS ANJINHOS <3 Como vai indo a madruga? Então, eu queria ter postado esse capítulo no dia do aniversário do Chimchim, mas não foi feliz. Então, estou meio atrasada, mas cheguei :v MUITO OBRIGADA PELOS COMENTÁRIOS DO CAPÍTULO PASSADO - logo irei respondê-los, prometo - e espero ver muito mais nesse, gente <3 Como eu sempre digo, isso é um puta de um incentivo pra qualquer autor. Então bora fazer a tia Bia aqui felizzzz SZ Mas enfim, deixarei uma música nas notas finais, okay? Pra quem quiser escutar e tals ^*^ Então, bora ler?


Boa leitura <3

Capítulo 8 - Forget what has passed


Fanfic / Fanfiction Reminiscence - Capítulo 8 - Forget what has passed

"Se você se apega muito ao passado,

está destinado a revivê-lo todos os dias."

 

A biblioteca estava calma e silenciosa ao ponto de Jungkook conseguir ouvir seus próprios passos ecoando pelos corredores, que mesclavam à sua respiração, igualmente serena. Muitos achavam o ambiente tedioso, mas para o garoto, não poderia existir um lugar melhor para passar o tempo.

Mesmo quando não trabalhava no local, costumava visitá-lo com frequência desde muito novo, com seu amigo de infância, que havia se mudado para outra cidade há anos. Ambos passavam a tarde inteira imersa nos universos que cada história proporcionava, e nunca saiam de mãos vazias, chegavam ao ponto de levarem sacolas para poderem abrigar todos os livros que gostariam de levar para a própria casa.

Sua vasta imaginação sempre fora um porto seguro, um lugar onde Jungkook sabia que poderia correr e se esconder quando o mundo parecesse cinza demais, mal demais. Mas à medida que os anos foram se passando, ele acabou esquecendo-se do caminho que levava até seu antigo esconderijo, então foi obrigado a aprender como lidar com as situações difíceis, aprender a conviver com elas.

Jungkook estava tão compenetrado em seus pensamentos que assustou-se quando quase esbarrou em Jimin, ao dobrar na última fileira.  

– Jimin! Você me assustou. – Sua voz soou esganiçada, devido ao sobressalto. – O que faz aqui?

– Desculpe, eu pensei que havia percebido que eu estava por aqui. – O anjo repuxou os lábios, sorrindo de forma meiga. – Estou cuidando de você.

– Ah, eu realmente não percebi, estava com a cabeça longe. – O moreno suspirou, desviando de Jimin e continuando seu caminho. – Então você falou sério quando disse que ia me seguir? – Perguntou, lançando um rápido olhar para trás, vendo que o outro lhe acompanhava. – Eu não estou nem um pouco acostumado com isso. Digamos que ainda não sei lidar com minha possível loucura. – Solta uma risada enquanto guarda alguns papéis que tinha em mãos numa repartição embaixo do balcão de recepção.

Jungkook não recebeu resposta, não que quisesse alguma, mas também optou por permanecer quieto. Engoliu em seco ao sentir o olhar de Jimin sobre si, observando cada movimento.

– Aonde você vai? – O anjo pergunta ao ver Jungkook com uma chave em mãos e saindo da biblioteca.

– Estou indo almoçar. – Responde direto, fechando a porta rapidamente. Admitia que tinha esperanças que Jimin acabasse ficando preso lá dentro, mas não surpreendeu-se ao ver o anjo ao seu lado num piscar de olhos.

– Pensei que você almoçava com aquela sua amiga. 

– Como? – Jungkook ergue as sobrancelhas enquanto guarda a chave no bolso da sua jaqueta. – Como você sabe sobre ela?

– Eu já disse, estou sempre por perto. – O anjo dá de ombros, rindo baixo.

– Não sei por que ainda questiono ou me surpreendo. – O garoto passa as mãos pelo cabelo, em seguida começando a caminhar tranquilamente. – Hoje ela foi visitar um parente, por isso não veio trabalhar.

Jungkook viu de soslaio Jimin assentir com um movimento de cabeça e permanecer em silêncio, caminhando ao seu lado. O moreno não sentia incômodo ao estar na presença do anjo, na verdade, ele sentia-se num misto de fascinação, medo e curiosidade. Algumas perguntas lhe rondavam a mente, mas Jungkook afastou-as e pôs as mãos no bolso, tentando concentrar-se no quão bom era a sensação do algodão aquecendo seus dedos naquele dia ensolarado, porém de brisa gélida.

A cafeteria que Jungkook costumava ir não era longe do seu serviço, por isso, rapidamente já se encontrava adentrando no recinto, acompanhado de Jimin. O local não estava tão tumultuado, mas mesmo assim, o garoto decidiu sentar-se numa mesa que ficava mais afastada das outras.

– Aqui é muito bonito. – Jimin sorriu maravilhado, sentando-se à frente de Jungkook, enquanto olhava pelas enormes janelas, admirando a paisagem agitada de uma Seoul na hora do almoço.

Jungkook não responde, somente limita-se a também observar a cena com um pequeno sorriso nos lábios. O dia realmente estava bonito, conseguiria tirar boas fotos se tivesse trazido sua câmera.

– Jungkook, meu menino! – A voz grossa do homem desperta Jungkook, fazendo-o lhe encarar rapidamente.

– Ah! Olá, Jinsun! – Ele se levanta, primeiramente fazendo uma reverência para em seguida dar um curto e simples abraço. Mesmo que se vissem com frequência, havia dias que não era o homem que atendia a Jungkook. – Onde estava hoje de manhã? – Questionou enquanto voltava a sentar-se.

– Fui visitar um outro bairro, parece que finalmente conseguirei uma filial para a cafeteria. – Responde alegre. – Mas então, meu garoto. O que vai querer hoje?  O mesmo de sempre?

– Primeiro, me deixei dizer que estou realmente muito feliz por você, hyung. – Jungkook segura a mão do homem, a apertando carinhosamente enquanto sorria. Tinha uma enorme consideração por Jinsun, ele era quase que um pai para si. – E sim, panquecas com morango e uma xícara de café. – Acrescenta rindo.

– Você deveria comer algo mais saudável no almoço. – Jinsun comenta enquanto anota o pedido no seu bloco de notas colorido.

– Eu sei, mas hoje eu acordei com muita vontade, hyung. – O garoto responde com um bico nos lábios, o que faz o mais velho soltar uma gargalhada.

– Já não tens mais idade para isso, Jungkook. – Jinsun bagunça os cabelos do outro. – Mas tudo bem, quer mais algo?

– Você vai querer alguma coisa? – Jungkook automaticamente pergunta para Jimin, que permanecia somente observando a cena.

– O que disse? – Jinsun levanta as sobrancelhas, confuso pelo comportamento de Jungkook.

– Ah, o meu... – O moreno trava por alguns instantes, afinal, que adjetivo deveria dar a Jimin? – Meu amigo aqui. – Jungkook aponta para o anjo, este que arregala os olhos, espantado. – Deixe-me apresentá-los. Jimin, esse é Jinsun e Jinsun, esse é Jimin.

Jungkook não precisou olhar para Jinsun, assim que sua boca fechou-se, sentia que o homem lhe encarava pasmo.

– Que tipo de brincadeira é essa, Jungkook? Devo rir? – O semblante alegra de Jinsun havia se fechado, ele agora encarava o rapaz com uma expressão incompreensível.

– B-brincadeira? Não estou brincando. – O garoto engole em seco, seu olhar cai sobre Jimin, que somente faz um aceno negativo com a cabeça. Velozmente, Jungkook entendeu o recado. – Hm, esqueça. Estou sim, desculpe. Sou péssimo com piadas, você sabe. – Dá de ombros, enquanto coça a nuca envergonhado. Tentara rir para disfarçar, mas sua face assemelhou-se a uma careta na tentativa.

– Realmente. – O homem também ri, nem notando o constrangimento de Jungkook ou sua tentativa de mudar de assunto, o que faz este soltar um suspiro aliviado. – Logo trago seu pedido, criança.

Assim que Jinsun se afasta, Jungkook deixa um longo supiro escapar enquanto seu corpo escorrega no banco de couraça vermelha.

– Isso está passando dos limites. – Sussurra enquanto massageia suas têmporas.  

– Desculpe por agora, nem sempre eu fico visível para todos, Jungkook.

– Podia ter burlado essa regra, ao menos essa vez. Me pouparia de ter passado vergonha na frente de Jinsun. – Jungkook rebate irritado.

– Não é bem uma regra, mas be-

– Esqueça, já passou. – Jungkook corta o anjo, enquanto ajeita-se na cadeira.

Apesar do clima agradável fora das janelas, a mesa onde Jimin estava com seu protegido semelhava-se a um dia de inverno rigoroso: frio e melancólico. Ambos não trocaram mais nenhuma palavra, nem mesmo um olhar. Jungkook ainda parecia estar aborrecido e Jimin não queria causar mais incômodo, por isso decidira permanecer calado.

Quando o pedido do humano é posto na mesa e o mesmo começa a se deliciar, Jimin se levanta e calmamente senta ao seu lado – sem que o outro percebesse – e continua o observando. Aquela comida parecia ser deliciosa, pela forma que o seu protegido a comia. Principalmente aquelas frutas avermelhadas, que Jungkook pegava com a delicadeza que folhava um livro, inalando o cheiro com os olhos fechados e em seguida, mordendo lentamente.

– Como é? – Jimin questiona num sussurro. Jungkook abre os olhos e lhe encara, um pequeno sorriso desenhava seus lábios por estar comendo sua fruta preferida.

– O que?

– O gosto. Tente descrever. – Jimin aponta para os morangos.

– Bom... – Jungkook, momentaneamente esquecendo-se de sua raiva, adquire uma expressão pensativa, até soltando uma curta risada. – Tem gosto de... Um morango. Você não sabe qual o gosto de um morango?

– Não sei qual é o gosto de um morango pra você. – Jimin rebate, também com um sorriso no rosto.

– Ácido, porém suculento. Macio quando se come, é como uma nuvem que se dissolve na boca. – Responde após um breve silêncio.

– Deve ser perfeito. – O anjo continua a sussurrar.

– É sim. – Responde no mesmo tom sem perceber. Jungkook encara-o durante alguns longos segundos, tentando entender porque Jimin agia de uma forma tão peculiar, desde cada palavra proferida até suas atitudes. Não admitiria tão cedo, ou muito menos em voz alta, mas estava acreditando cada vez mais que o outro realmente era um anjo.

Ao perceber que estava a tempo demais encarando Jimin, o garoto desvia o olhar e volta a comer, dando a desculpa que logo seu horário de almoço terminaria.

Jimin não respondera, mas permaneceu com um sorriso tolo nos lábios enquanto continuava a observar seu protegido se alimentar de forma um tanto rápida e atrapalhada. Estava tão absorto que somente desvia seu olhar ao ver Jungkook levantando-se para, provavelmente, ir pagar a conta.

Enquanto aguarda o outro, os olhos de Jimin se perdem na calçada, onde um possível casal jovem parecia discutir, até que a menina – que somente lacrimejava – começa a chorar e então o rapaz, após passar as mãos pelo próprio cabelo, completamente frustrado, a puxa para um abraço apertado seguido de um beijo. A garota parece se acalmar à medida que corresponde, acariciando a nuca do maior.

Jimin sorri com a cena. Como sempre, sentia que tudo ficaria bem no final.

 

--- ❇ ---

 

– É impressão minha, ou você brilha? – Jungkook perguntou, enquanto encarava o anjo, que caminhava ao seu lado. Estava voltando para casa e, como havia ficado sozinho na biblioteca, demorou mais do que o normal para organizar tudo antes de poder realmente finalizar o expediente. Como estava anoitecendo, Jungkook pode ver a estranha iluminação que parecia irradiar de Jimin.

– Um pouco. – O anjo ri. – Mas isso é a minha forma mais simplificada. Posso gerar luz suficiente para cegar alguém.

– N-nossa. – Jungkook ergue as sobrancelhas, seus lábios se abriram em espanto. – E já fez isso alguma vez?

– Não. Geralmente os anjos usam isso em batalhas perigosas, mas como sou um anjo da guarda, não enfrento esse tipo de guerra.

Jungkook acena positivamente com a cabeça, numa concordância muda. Ambos continuam caminhando em silêncio, logo chegando à casa do humano.

– Bem, eu vou tomar uma ducha. – Jungkook fala enquanto ruma para seu quarto, com Jimin lhe seguindo, como sempre. – Você, fique por aqui. – Acrescenta ao perceber que, provavelmente, o anjo lhe acompanharia até mesmo durante o banho.

Jimin assente com um sorriso, e assim que ouve o estalo da fechadura após Jungkook entrar no banheiro, se afasta do cômodo, pretendendo voltar em seguida. Porém, nesse meio tempo, o humano voltara para o quarto, já que havia esquecido-se de pegar sua toalha e uma muda de roupas.

Jungkook olha ao redor, procurando pelo anjo, mas ao perceber que o mesmo não se encontrava mais no recinto, ele dá de ombros e volta para o banheiro, contudo, deixando a porta aberta dessa vez. Era um costume seu, já que ficava sozinho com frequência.

Ao ouvir o chuveiro sendo ligado, Jimin sente-se atraído pelo som suave que o decair da água produzia, e então volta para o quarto. Suas sobrancelhas erguem-se ao ver a porta do banheiro aberta, e inocentemente, o anjo se aproxima, espiando pela fresta.

Jimin engole em seco ao ver a silhueta do corpo do seu protegido, em seguida, desvia o olhar. Encontrava-se em meio ao uma turbulenta confusão, entre ficar ou não agradecido por a iluminação do local ser pouca e o vidro do box ser fume. Decidiu agradecer, afinal, o que estava sentindo no momento, lhe atormentava em demasiado.

Mas toda discussão mental do anjo dissipou-se ao voltar sua atenção para Jungkook e vê-lo se banhando. Durante aqueles instantes, Jimin imaginou como deveria ser a sensação de poder tocar e sentir a pele do outro sobre seus dígitos, o cabelo em meio aos seus dedos...

Como deveria ser?

Talvez ele nunca soubesse a resposta, mas Jimin afastou os pensamentos assim como seu próprio corpo ao ouvir a interrupção sendo desligada. Sentou-se na cama, de costas para a porta, até onde há pouco tempo atrás, espreitava. Ele não havia percebido, mas devido ao momento, suas asas haviam surgido, numa forma inconsciente de esconder a face envergonhada do próprio e inocente Jimin.

– Ah, você está aqui. – Jimin mordeu os lábios ao ouvir a voz do humano. – Pensei que havia ido embora.

“Nunca irei embora.” Deveria ter respondido, mas sua voz parecia ter deixado-o na mão.

– Está tudo bem? – O moreno pergunta, ergue as sobrancelhas ao não obter nenhuma resposta do anjo a não ser um simples movimento de cabeça. – Bem, minha mãe e minha irmã virão me fazer uma visita. Será que você podia me ajudar a arrumar a casa?

Jimin olha de soslaio para trás, de forma a garantir que seu protegido estava devidamente vestido.

– Claro. – Responde simplório. Jungkook suspira, jogando a toalha que secava seus cabelos de volta para o banheiro. Queria perguntar por que as asas do anjo estavam abertas, mas ficara tão abismado que queria admirar por mais alguns instantes. Era a segunda vez que as via, mas não prestara tanta atenção na primeira. 

– Então vamos começar pelo sótão. – Disse por fim.

Como um bom “anfitrião”, Jungkook guia o anjo até o recinto. Sorri satisfeito pela reação meiga e maravilhada de Jimin.

– Aqui é simplesmente lindo! – O menor sorri, enquanto gira seu corpo para poder observar cada cantinho. O sótão era, na verdade, um pequeno quarto, feito inteiramente de madeira. Ao fundo, havia uma cortina num tom azul pastel, que cobria a também pequena janela. No lado direito da mesma, havia uma escrivaninha com alguns itens e ao esquerdo uma antiga televisão. Mais a frente, estava uma cama de casal.

Com certeza o conjunto do cômodo em si era maravilhoso, mas nada se comparava com o telhado completamente feito de vidro que dominava uma parte inteira do teto triangular. Jimin era amante das belezas simplórias, e nunca havia visto algo tão lindo quanto esse sótão.

– Gostou? – Jungkook perguntou enquanto ria da expressão abobada do anjo.

– É lindo. – Balbuciou, incapaz de transformar em palavras o quão belo achava tudo aquilo.

– Era o quarto do meu bisavô, e ele deu para mim quando eu ainda era uma criança. – Jungkook começou a explicar, enquanto se aproximava da cama, sentando na beirada desta. – Ele pensou que eu mudaria cada detalhe, mas mantenho tudo organizado, praticamente igual à forma que me foi dada. Da mesma forma o resto da casa, que também era dele. 

– Qual sua parte preferida? – Jimin perguntou, já desconfiando da resposta.

– Com certeza é o teto de vidro. – O humano olha para cima, sendo imitado por Jimin. – Ele colocou antes de me presentear. Disse que o quarto era escuro demais, e que isso não combinava com uma criança tão vívida e alegre como eu. Então colocou o vidro para que o quarto sempre ficasse iluminado, para que eu sempre visse uma luz quando me sentisse na escuridão, ou passando por dias cinzentos... – Sua voz foi morrendo aos poucos, com as lembranças nítidas, mas ao mesmo tempo tão dolorosas.

– Quanto tempo faz que não vem aqui?

– Meses... – O moreno soltou um suspiro, voltando a ficar de pé. – Desde que ele foi internado. Digamos que esse quarto não tem mais o mesmo efeito que antes, sabe...

– Talvez o problema não seja com o quarto, mas com você mesmo. – Jimin se pronuncia, dando alguns passos para se aproximar de Jungkook.

– Como? – Os olhos do humano se fixam nos do anjo.

– Você precisa parar de se esconder atrás desses sentimentos ruins, romper seus conceitos e continuar a viver. Entender que a ida do seu bisavô não foi culpa sua. – A cada pausa, Jimin se aproximava mais. – Destrave suas janelas, lixe essas paredes que tu acabaste pintando de preto e abra as cortinas. – O anjo movimentava as mãos, sinalizando para cada lugar citado e fazendo que Jungkook decaísse seu olhar sobre o local. – Olhe para fora, para frente. Você precisa seguir seu rumo.  Para que quando você olhe para trás, veja que traçou um caminho feliz, apesar de tudo. Pense em como Timotheo ficaria ao te ver nesse estado... – O anjo suspirou, esticou seu braço, deixando que os dígitos pousassem sobre o peito do maior, onde ele iniciou uma carícia que subiu até a bochecha do humano, que lacrimejava. – Vivendo na escuridão mesmo quando era privilegiado com a luz... – Concluiu num sussurro enquanto continuava a acariciar a pele do outro.

– Não é como se eu quisesse. – Jungkook rebate, sua voz falhando. Seu corpo estava estático, permitindo assim que o anjo continuasse a lhe tocar.

– É sim. Você optou por isso. – Jimin contrapôs com a voz meiga e serena, mas mesmo assim, fazendo com que Jungkook se afastasse brutalmente.

– MAS ISSO É MAIS COMPLICADO DO QUE APARENTA! – O garoto gritou, explodindo em lágrimas. Sabia que era verdade, mas era difícil aceitar. Nesse instante, o anjo lembra-se da cena vista mais cedo. O quanto aquele simples selar dos lábios pareceu aliviar toda a tensão entre os dois jovens.

E fora por esse motivo que ele poupou as palavras e, num movimento rápido, se aproximou novamente de Jungkook, segurando o rosto do humano delicadamente e lhe roubando um beijo.

O selar é calmo por parte do anjo, mas isso não impediu que o coração de Jungkook se acelerasse de uma forma descomunal. O humano ficara assustado inicialmente, porém logo seus olhos – até então arregalados – se fecham e ele se deixar levar, correspondendo o beijo calmo e inocente.

Jungkook estende os braços, deixando que suas mãos segurem na cintura do anjo à medida que seus lábios acariciam o do menor com tranquilidade.

Todavia, num momento de sanidade, Jungkook volta a dar voz para sua razão e se afasta, tentando entender porque não sentira os lábios de Jimin como pensou que poderia.

 – O que pensa que está fazendo? – Questiona, tentando de alguma forma parecer irritado. Porém falhando miseravelmente, já que sua respiração estava acelerada tanto pelo seu intenso nervosismo quanto pelo ocorrido.

– Te ajudando, é por isso que estou aqui. – Jimin responde, com um sorriso inocente, mas também satisfeito. Afinal, Jungkook parecia mais calmo do que segundos atrás. – Você só precisa me aceitar.

Completamente envergonhado, Jungkook vira de costas, tentando esconder de alguma forma o rubor das suas bochechas. O humano morde o lábio e em seguida respira fundo, ficando em silêncio por alguns longos segundos, de forma a se acalmar. Assim que sua respiração volta ao normal, ele engole em seco para então responder da forma mais zombeteira que conseguia:

– Quer me ajudar? Então pode começar varrendo o sótão. Ele está com muita poeira e eu tenho rinite.

Jimin queria soltar uma risada, mas limitou-se a apenas sorrir largo. Sabia que aquilo era um "sim" torto de Jungkook.

Finalmente o humano havia lhe aceitado em sua vida. 


Notas Finais


Música: https://youtu.be/7C_yCosO1_w
Imagem a qual me baseei pra *tentar* descrever o quartinho: https://goo.gl/sVHvel







AEEEEEEEEW, BIA. FINALMENTE ACONTECEU ALGUMA PORRA NESSA HISTÓRIA! SKLANSKLANSLKNASLKANS Gente, espero que vocês não pensem que estou enrolando, okay? Eu sou romancista ~ao estilo dorama, brncadeira :v ~ e estou dando o meu melhor para que vocês vejam um lindo e fofo sentimento surgindo aos poucos entre os personagens, e não aquela coisa de PÁPUM, TE OLHEI ME APAIXONEI, AGORA VAMOS TRANSAR LOUCAMENTE até porque eu não acredito em amor à primeira vista HEUHEUHEUHEUEHUE pra mim tá mais pra atração a primeira vista, por isso a vontade louca de dar, mas okay T_T VOLTANDO KKKKKKKK Eu tinha algumas coisas a mais pra falar, mas como sempre, eu esqueci metade ç-ç Mas o que eu lembro é que eu gostaria de saber o que vocês acham das musiquinhas que eu recomendo <3 Afinal, eu fico um tempão escolhendo alguma que combine com cada capítulo, então queria saber se vocês escutam e gostam <3 E AH, o que me dizem sobre um outro trailer? Estava pensando em fazer mais dois pra história, na verdade. Um para o "meio da fic", que conteria algumas cenas que já ocorreram e que vão ocorrer, ( é claro, se eu achar algum video que contenha as imagens que preciso), e um último sobre o momento final da fic! Apoiam a causa? KSALNSLAKNSLKANSLNLAN Quero saber a opinião de vocês <3 ENFIM

Mil perdões pelos possíveis erros, até logo <3


Se alguém quiser socializar: https://twitter.com/aspandicorn

XOXO


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...