História Renascer das Cinzas - EricTris - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias Divergente
Personagens Beatrice "Tris" Prior, Christina, Eric, Lynn, Max, Personagens Originais, Tobias "Quatro" Eaton, Uriah, Will
Tags Eric, Eric/tris, Eris, Max, Romance, Tris Prior
Exibições 82
Palavras 1.690
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Ação, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 25 - O choque de Tris Prior.


POV Eric

Não tive como evitar a risada que estava segurando. Ela estava em choque, Tris Prior em choque! Por que ela não via em meus olhos que estava sendo sincero, que minha paixão por ela era de fato era verdade. Por que eu ficava tropeçando em palavras com ela por perto, que ficava nervoso toda vez que ela me olhava com esses olhos profundamente azuis? Eu estava amando pela primeira vez e isso eu não conseguia transformar em palavras bonitas, pois tudo isso é por causa da maldita presença e pressão, que mesmo sem intenção, ela me colocava.

— Por que você está rindo, em Eric? — parece que o choque havia se ido, pois estava batendo em meu peito reivindicando respostas — me diz que também quero rir.

A beijei profundamente, queria passar através do beijo tudo que não conseguia expressar em palavras. Dizer a ela que tudo que queria era ela em meus braços.

— Não consegue sentir o que sinto através dos meus beijos? — perguntei, alisando seu rosto.

Um sorriso malicioso surgiu em seus lábios. Seus braços se enroscaram em meu pescoço e seus lábios suaves passaram aos meus.

— Sinto.. sinto bastante coisa — e riu.

— Tarada! — Acusei.

E lá vai eu apanhar de novo.

— Tarado é você — rebateu se fingindo de ofendida.

— É sim.. Ah, Eric, assim, mais rápido. Oh.. uh — não aguentei e ri, ri muito da cara que ela fez. Seu queixo estava literalmente no chão. — Ninfomaníaca.

— Eric.. seu — Ameaças..

— Só aceita — a puxei, já que estava se afastando — acredita em mim e o principal me dê uma chance.

A única resposta que tive foi a boca de Tris na minha. Não foi nada avassalador, mas o suficiente para transmitir a mensagem.

 — Ok, ok.. entendi — sorri e dei mais um selinho nela — Agora vamos para o refeitório comer algo de verdade. Mesmo que ame o nosso doce, ele não vai sustentar um homem como eu.

Vi ela revirando os olhos antes de se abaixar e pegar sua chave e aparelho que jogou quando se assustou.

— E falando na torta, bem que poderíamos pegar mais uma receita, né. — disse caminhando para a porta de seu apartamento.

Ela cravou aquele mar azul em mim e revirou os olhos.

— Que eu sabia isso é ilícito.. é ilegal, proibido — disse ela imitando a minha voz.

Abri a porta e a empurrei pra fora.

— Para de resmungar, pelo amor de Deus!

[..]

— Você não vai treinar hoje? — a questionei.

— Vou. A gente tem que se atualizar com as novas armas da Erudição. — respondeu ela com a boca cheia de ovos mexidos.

A gente estava quase dois animais comendo tudo que víamos na nossa frente. Afinal, todo aquele exercício da noite passada deu fome.

— Então o porquê da saia?

— Sei lá, deu vontade. Quando chegar à sala de treinamento mudo de roupa. — disse — quis colocar algo diferente, ou apenas coloquei pra te provocar.

— Obteve êxito. — rimos.  

— Aqui — Lily vinha chegando a nossa mesa, junto com outra menina de longos cabelos loiros, que provavelmente seria minha mais nova assistente — Bom dia — sorriu pra gente.

Antes que eu ou Tris pudéssemos responder, Lily já foi falando:

— Líder Eric, essa é Marlene, sua nova assistente. Sua agenda já foi passada pra ela, assim como os seus horários, suas responsabilidades e como gosta das coisas.

A Marlene, minha mais nova assistente, se aproximou.

— Oi, Tris..

— Líder Tris — que logo não demorou em ser repreendida por Lily.

— Lily, não precisa..

Tentou Tris argumentar.

— Shiiii — Minha namorada foi calada por Lily. — entendo que seja amiga da líder Tris, mas aqui você tem que ser profissional e tratá-la como líder, não como sua amiga íntima.

Marlene balançou a cabeça assentido. Olhou para Tris e a mesma movimentou a boca num pedido de desculpas. Lily com toda a educação, diferente de um minuto atrás, disse que Marlene podia ir tomar o seu café.

— Sinto muito por ter falando com ela dessa maneira — ela se sentou a mesa e se serviu de um pouco de café — Mas ela precisa seguir os protocolos.

 POV Tobias (Quatro)

Ontem na hora do almoço tentei uma aproximação sutil com a Tris; Não tão sutil assim. Mas tentei, e é isso que importa! Pelo menos agora ela sabe que estou arrependido e que quero me reaproximar, e quem sabe até voltamos. É só nisso que penso nesse tempo que ficamos separados. Ela me surpreendeu quando escolheu a eles ao invés de mim, e me machucou quando falou que a escolha de terminar comigo foi o certo.

Mal posso pensar nela beijando Eric, ou vice e versa. Só de construir a imagem deles juntos, me dá urticária.

Hoje mais cedo vi quando eles entraram juntos, ela estava linda com aquela saia, muito diferente em como vem se vestido nos últimos tempos. Foram direto para a mesa do lideres, o que é de estranhar esse apego com o refeitório. Lideres não perdem muito tempo se sentado com os seus subordinados, principalmente Eric.

 — Bom dia, pessoal — cumprimentou Marlene se sentando a mesa. Pela cara que fez, seu inicio de dia não estava dos melhores.

— Bom dia, Mar. O que houve?  — perguntou Uriah a namorada — mal começou o dia e você já está com essa cara.

Ela soltou um longo suspiro.

— Na verdade já estou cansada. Lily me encheu de trabalho logo no primeiro dia, nem esperou que me acostumasse e foi logo me passando a agenda de Eric.. quer dizer.. Líder Eric — bufou rolando os olhos. Estreite os olhos.

— Desde quando o chama dessa maneira? — perguntei.

— Desde agorinha. — disse — ela brigou comigo na frente dele e da Tris, só por que chamei a minha amiga pelo nome, pode isso?

Estava na cara que ela não estava se sentindo bem com aquilo. Ela e Tris são amigas e tratar a amiga assim deve ser estranho.

— Aposto que Tris não falou nada. — disse Cristina maldosa.

Na boa, as coisas foram comigo e ela age como se o problema fosse todo com ela.

Marlene, que é defensora de Tris, notou o veneno sob as palavras dela.

— Não, Cris, muito pelo contrário. Tris pediu desculpas. — rebateu — são protocolos.

— E quem é Lily? — indaguei interessado.

Marlene me olhou.

— Lily é a assistente de Tris e Max. Ela é seriíssima quanto ao trabalho e principalmente aos chefes. Ela cuida de tudo que Tris e Max fazem e tem carta branca para se envolver na agenda dos outros lideres. — Informou — todas as agendas dos lideres tem que passar pra ela aprovar e só depois que é passada para os lideres. Resumindo tudo, ela é minha chefa.

Isso pode me ajudar a me aproximar da Tris. Com Marlene trabalhando pra eles, tudo fica mais fácil.

— E você tem acesso a agenda da Tris? — perguntei.

— Não. — ela negou com a cabeça — as agendas de Tris e Max são restrita, que apenas Lily tem acesso. Nenhuma assistente pode se quer chegar perto, isso ela deixou claro de primeira.

POV Tris

Quando chegamos ao complexo dos lideres, Drew veio até nós com uma cara que poucas vezes víamos, ele estava sério. E logo soube que alguma coisa estava errada.

 — Vem, Max quer todos na área de treinamento.

 Eu e Eric trocamos olhares e seguimos Drew até Max.

Se antes eu só estava no achismo, agora tenho certeza. Toda a extensão da área de treinamento estava um caos. Soldados praticando com as novas armas, sendo orientados por Emily. Outros correndo para tudo que é lado com uniformes mal vestidos de combate. Parecia que estávamos nos preparando para uma guerra.

Max estava no núcleo de tudo, com papeis em mãos, parecia nervoso. Lily estava com ele, passando e o ajudando. Quando chegamos, e ele nos olhou, sua expressão que antes era pesada e contida, agora havia se transformou em alivio.

— Nunca havia ficado tão feliz em ver vocês — ele jogou os papeis que estavam em sua mão para cima e se aproximou — a merda do ano aconteceu.

— Que seria? — motivou Eric para que ele continuasse — e por que não nos chamou antes? Parece que vocês fizeram uma festa e não nos chamaram.

— Antes fosse! — suspirou — Três crianças foram sequestradas nessa noite. — meus olhos se esbugalharam — Abnegação, Erudição e Audácia.

— Líderes Tris e Eric, aqui estão as denuncias — entregou Lily.

Puxei da sua mão e li cada uma. Abnegação era um menino de treze anos, que saiu para jogar o lixo fora e sumiu; Erudição, uma menina de quatorze anos que  estava trabalhando com um projeto no laboratório e não voltou pra casa; Audácia, uma menina de treze anos que foi brincar com os amigos no antigo parque e não foi mais vista.

— Isso parece surreal — falei — desde quando uma mãe permite que os filhos saiam de noite na Abnegação? Não faz sentido!

— E é por isso mesmo que você vai para Abnegação investigar isso de perto. — ordenou Max — você veio de lá, ninguém melhor que você pra saber como as coisas são.

Assenti. Já ia saindo quando Eric me segurou.

— O que você vai fazer?

— Trocar de roupa, não posso andar pela abnegação com esse salto. — ele fez cara de quem não gosto. Me aproximei dele e sussurrei no seu ouvido — eu ponho de volta depois.

— Assim que eu gosto. — nos viramos para o Max que tinha um sorriso que dizia “Eu entendi tudo agora.” — até que fim que vocês se acertaram. Mas eu odeio mesmo separar essa linha sexual que vocês estão emanando. — disse ele negando com a cabeça. O pior que ele estava falando serio — mas vou precisar do Eric na erudição. Agora vão.

Concordamos atônitos e nos viramos para sair, cada um para um lado.

— Ei — gritou Max. Nós paramos e o fitamos. — o beijinho. Cadê o beijo? — fiquei sem entender o que ele quis dizer. Ele revirou os olhos — se beijem, eu quero ver o beijo. Isso é uma ordem.

Foi nossa vez de reviramos os olhos e caminhar na direção um do outro. Eric pegou o meu rosto com as mãos e selou nossos lábios em um simples beijo. Nos afastamos e olhamos na direção de Max.

Ele tinha cara de quem comeu e não gostou.

— É.. foi mixuruca, mas valeu. Vão logo — e nos dispensou com a mão.


Notas Finais


Eu sei que demorei.. mas tenho uma desculpa. Passei os dias bem ruim, na verdade ainda estou.. mas vou melhorar. me digam o que acharam desse cap. ah.. vou responder todos os comentários agora. beijos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...