História Repentinamente - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Visualizações 11
Palavras 2.174
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Linguagem Imprópria, Spoilers
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Boa leitura ;)

Capítulo 5 - Meu Noivo Prometido.


Entrei pelo portão da escola como de costume e de repente dou de cara com Uriah, parado em frente ao portão.

–“ Como você sabia que eu viria por aqui?”.

Uriah –“Você sempre saí por aqui”.

Ele realmente é bem perceptivo.

Uriah –“Certo, agora é a minha vez de surpreendê-la  certo?”.

–“ Certo”.

Uriah –“Ótimo agora ponha esta venda”.

Fiz o que ele pediu e o mesmo foi me guiando, passou-se um tempo e a venda foi retirada dando uma visão belíssima do nosso jardim com árvores nos cantos fazendo uma volta e graças as suas copas formava-se um caminho de sombras reconfortantes.

Uriah –“Você disse que havia poucas árvores aqui”.

–“Como você conseguiu plantá-las em tão pouco tempo?”.

Uriah –“Contratei uns caras para plantarem algumas árvores”.

–“O nosso jardim está belo e concluído!”. Sorri para ele.

Uriah –“Nosso?”.

–“Sim meu e seu”.

Uriah –“Por que você gosta tanto assim deste jardim?”.

–“Meus pais também já trabalharam neste jardim”.

 Uriah –“Entendo...”.

Se passaram seis semanas e nestas 6 semanas passei algum tempo com Uriah passeávamos juntos, lanchávamos no jardim,saímos etc.

E hoje nós dois vamos ao parque de diversões para comemorar a minha recuperação, chegando lá Uriah sugeriu em fossemos primeiro nos brinquedos radicais e para não estragar a diversão dele eu simplesmente concordei mesmo sabendo do meu medo neurótico.

O primeiro brinquedo foi o barco viking aquilo quase me enfartou, eu estava parada segurando a todo o custo as barras só que o barco desceu muito rápido e o meu coração não aguentou e aí sem querer agi impulsivamente agarrando com as duas mãos o braço de Uriah.

Uriah –“Se segure firme nas barras mas,se estiver com medo coloque uma das mãos no meu braço e a outra na barra”.

Como eu não aguentava mais fiz o que ele sugeriu e quando o barco parou senti o meu estomago revirar.

Uriah perguntou se eu estava bem e eu fiz que sim,e o próximo brinquedo era semelhante ao barco viking só que a diferença era que virava de cabeça para baixo,a única coisa que pensei ao entrar na  fila com Uriah era essa: EU VOU MORRER (choro mental).

Depois  entramos no brinquedo e por incrível que pareça perdi o medo e cheguei até á levantar as mãos para cima e foi aí que me distraí e perdi o equilíbrio Uriah viu bem á tempo  e me pegou, eu estava com a cabeça apoiada no seu peito e o mesmo me segurava com uma das mãos e ficamos assim até o brinquedo parar.

E o último brinquedo radical foi o pior parecia uma cabine onde tinha cadeiras com cintos de segurança dos pés á cabeça, entramos e era a mesma coisa que o segundo só que um pouco mais devagar para o meu alívio, eu e Uriah sentamos lado á lado e eu segurei não só a mão de dele como também me enganchei em seu braço esquerdo.

Quando ficamos de cabeça para baixo tive a impressão de ver Uriah com um pingente, mas, não pude ver claramente porque o brinquedo estava me deixando tonta e assim que saímos havia fotos nossas do passeio e quem ficou com todas elas fui eu já que Uriah não gostava muito de se ver em fotos.

Logo depois descansamos fomos ao tiro ao alvo, acerte a garrafa e comemos algodão doce e creme, ganhei dois bichos de pelúcia gigantes de prêmio e Uriah se desculpou por me levar aos brinquedos radicais e disse –“Até você aguentou o trampo bem” Riu ele.

Uriah me leva em casa e eu subo para o meu quarto chegando lá coloco as fotos na minha penteadeira e começo á olha-las, em uma das fotos acabo vendo Uriah com um pingente Ahá! Eu sabia que tinha visto algo! Espera um pouco esse pingente...

Eu pego o meu colar com o meu pingente e começo a comparar, aproximo o meu pingente com o pingente da foto e isso foi a prova que eu precisava, Uriah é o meu amigo de infância, o meu primeiro amor: Uri-kun!! Não posso acreditar ele mudou tanto.

Flash Back on:

Antigamente eu não costumava estudar no colégio Rhaustti, quando iniciei o fundamental  entrei na academia Doctrina que era uma escola só para garotas.

Na época a minha mãe ainda não administrava o colégio Rhaustti quem tomava conta era a sua irmã mais nova e a minha mãe não queria que eu tivesse qualquer contado com a sua família.

E certo dia o colégio Rhaustti veio para uma palestra em Doctrina e neste dia eu peguei um resfriado mesmo assim resolvi ir á escola, acontece que sem querer acabou saindo ranho do meu nariz do nada e as minhas colegas de classe começaram a debochar de mim eu as ignorei só que uma delas me irritou que acabei entrando em uma briga.

Elas diziam –“Mar,Mar...Marrenta é muito nojenta!”

Elas não paravam de cantar isso, aquilo era muito irritante.

Foi aí que fugi para a pracinha da escola,nesta pracinha havia um garotinho ele era um dos alunos do Rhaustti e estava sendo amolado tanto quanto eu,estávamos no mesmo barco.

Uma das crianças empurra o garoto e começa á chatea-lo, meu sangue sobe a cabeça e acerto um dos garotos com um soco e o bando foge com o rabo entre as pernas.

Estendo uma de minhas mãos para ajudar o menino á se levantar, uma das crianças o chama de Uri e foi aí que começamos uma amizade e marcávamos de nos encontrar no parque da cidade para brincar e o meu irmão sempre me acompanhava até lá.

Se passaram três anos e certo dia Uri-kun disse que não nos veríamos mais e me deu um colar com um pingente dizendo que os dois se completam e formam um trevo de três folhas, no dia seguinte era o dia do meu aniversário de dez anos e a partir dali não encontrei mais Uri-kun,ele havia sumido.

Muitos anos se passaram e eu tive uma paixonite por ele isso explica os sentimentos estranhos que senti no primeiro dia de aula na Rhaustti quando o vi ,acontece que voltei a gostar novamente dele e não entendo completamente isso de certa forma parece que uma parte minha do passado retornou.

Eu estou comprometida e deveria estar atordoada por gostar de um rapaz que não é o meu noivo, mas,de alguma forma me sinto tranquila com isso,por que!?

 

Amanheceu e é domingo,viva!

Eu desço as escadas e encontro o meu avô na sala de estar, ele me puxa pelo braço e diz –“ Marjorie você não pode descer neste estado!”.

Vovô –“Oh..Tarde demais”.

E do nada vejo homens na nossa sala e percebo que temos visitas e eu estava de pijama e mal arrumada, fiquei com muita vergonha e volto correndo como um foguete para o meu quarto mudar de roupa e aparência,assim que me visto desço novamente as escadas.

–“Sinto muitíssimo por agora á pouco”.

Eles riem.

Vovô –“Esses são os Gaudiums e eles vieram apresentar o herdeiro da família deles”.

Eu observo o rapaz de terno e vejo...O URIAH?! Como raios isso é possível? Agora eu entendo do motivo daquela sensação de tranquilidade, só que o mais estranho não é o Uriah ser o meu noivo o estranho é eu essas sentir sensações quando praticamente tudo é relacionado á ele,que merda.

??? –“ O meu nome é Johnson Senhorita Marjorie,creio que vocês dois queiram ficar á sós”.

Vovô –“Isso não vai ser problema eles podem passar um tempo juntos no quarto de Marjorie enquanto conversamos”.

Johnson concorda e o meu avô faz um sinal com a mão para irmos de uma vez para o meu quarto e aí nós fomos e ficamos sentados nas cadeiras em volta da mesinha com.... Chá? Só pode ter sido obra do meu avô, não sei como não notei aquilo antes.

 E então cansada de tudo aquilo quebrei o silêncio que nos rodeava.

–“Você sabia não é?”.

Uriah –“Do que?”.

–“Que eu sou a sua noiva prometida”.

Uriah –“Inicialmente eu não sabia de nada, mas, aí quando o seu avô veio te buscar naquela vez eu soube”.

–“Como?”.

Uriah –“O seu avô é chefe das empresas da família Nawlon e a família Gaudium é uma corporação que faz parceria com vocês e em uma das reuniões entre as empresas o meu pai me levou e naquele dia acabei conhecendo o seu avô, no dia que o Senhor Alberto veio foi lhe buscar ele me pediu para que eu guardasse segredo, desculpe”.

–“Beleza não precisa de se desculpar”.

Eu estava muito feliz de Uriah ser o meu noivo prometido, sendo assim eu preciso dizer á ele que sou sua amiga de infância e o que sinto por ele,com toda a certeza Deus foi generoso comigo.

–“Você reconhece esse colocar com o pingente?”.

Uriah –“Hã...Não, por que? Eu deveria??”.

Aquele idiota insensível, a raiva só faltava subir pela minha cabeça.

–“Não é nada deixa pra lá”. Falei sarcástica.

Uriah –“Por que você esta tão irritada?”.

–“Não estou irritada é só cansaço”. Falei tentando amenizar a minha raiva.

Uriah pós as suas mãos na minha cabeça e começou a esfregar em círculos.

–“O que você ta fazendo?”.

Uriah –“Dizem que isso tira o cansaço”.

Eu ri e disse –“ Isso não é para aliviar o cansaço é para aliviar dor de cabeça”.

Uriah –“Pode até ser mas,fez efeito”.

–“Quem é Jhonson?”

Uriah –“Meu irmão mais velho”

–“Sendo assim,não era ele que era para ser o herdeiro da sua família  e...”.

Uriah –“Sim,seu noivo” Completou ele.

–“Então por que?”.

Uriah –“ Ele não quis e abdicou”

Que milagre!  Se eu fosse me casar com esse tal Jhonson que é muito mais velho que eu, com certeza teria um enfarte.

 –“Fico feliz então que seja você e não ele”.

Uriah –“Por que? Jhonson-onii-chan é muito amável apesar de ser um conquistador barato”.

–“ É que com você eu já estou mais habituada e me deixa tranquila já que você não é um completo estranho pra mim”.

Uriah –“Você diz isso, mas, não nos conhecemos á muito tempo”.

–“Diz o cara que se faz de amigo para uma garota que mal conhece”.

Droga! Estou odiando á mim mesma por ter dito isso.

Uriah –“Você ganhou e é verdade,acontece que eu senti que poderíamos ser amigos apesar de não nos conhecermos direito”.

–“Mas depois que você descobriu fez a pose de bom amigo”.

Uriah –“Verdade,foi mal”.

O que? Ele não está com raiva? Até agora quem tem pedido desculpas foi somente ele, talvez eu devesse pegar um pouco mais leve não estou sendo justa.

–“Desculpas rejeitadas não é você quem tem que se desculpar sou eu, afinal fui mal educada desde que você entrou no quarto, desculpa”.

Ele não disse nada só sorriu foi aí que lembrei da primeira vez que ele sorriu assim para mim, foi quando fomos ao fliperama e ele ganhou um ursinho na garra para mim,talvez se ele vir aquele ursinho a memória dele retorne.

Levantei da cadeira peguei o braço dele e fui puxando-o até a porta, ele ergueu a sobrancelha e fez uma cara do tipo: O que você está fazendo? Como eu não disse nada foi à vez dele falar.  

Uriah –“Para onde você está me levando?”.

–“Para ver algo”.

Uriah –“Ver o que?”.

 –“Você vai saber quando ver”.

Fomos até o sótão revirei algumas caixas e finalmente achei o ursinho e dei para ele ver o ursinho.

Uriah –“É só isso?”.

–“ Como assim só isso?”.

Uriah –“Você me levou até aqui só para ver esse urso?”.

Bom, Apesar de estar irritada por ele não se lembrar de nada não vou dizer a verdade para ele, Uriah tem que descobrir por conta própria é cansativo tentar fazê-lo recobrar a memória.

Ok...Se ele vai bancar o idiota comigo pelo menos vou atuar com perfeição.

–“Vim compartilhar o meu segredo, já que somos comprometidos eu não posso esconder nada de você então vou te contar”.

Uriah –“Então ta bom vá em frente”.

 –“Acontece que eu ganhei esse ursinho e o colar do meu amigo de infância, foi uma paixonite passageira pelo menos foi o que eu pensava...”.

Uriah –“Ah,então é isso que você quis dizer antes devia ter dito logo”.

Aquele baka retardado.

 –“P-Pois é...”. 

Peguei algumas caixas e fui em direção á porta do sótão.

Uriah –“O que você está fazendo?”.

 –“Vou levar algumas coisas para o meu quarto”.

Uriah –“Sendo assim eu vou te ajudar”.

Ele pegou várias caixas e em segundos todas elas já estavam no meu quarto depois disso empilhei as caixas em um cantinho afastado.

–“Tenho planos para essas caixas hoje”.   

Uriah –“Posso te ajudar com esses planos?”.

–“É estranho você tentar ser atencioso comigo o tempo todo”.

Uriah –“É normal já que você é minha noiva”.

–“Então é esse o motivo...”.

Uriah –“Na verdade um dos motivos; o outro é porque eu gosto da sua companhia e de certa forma é reconfortante que chega a ser quase impossível me manter afastado”.

Só com esse comentário ele já ganhou dez pontos ou talvez até mais...

Continua...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...