História República - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Shingeki no Kyojin (Attack on Titan)
Personagens Angel Aaltonen, Anka Rheinberger, Annie Leonhardt, Armin Arlert, Bean, Beast Titan, Beaure, Bertolt Hoover, Boris Feulner, Carlo Pikale, Connie Springer, Dario Inocencio, Darius Baer-Varbrun, Darius Zackly, Daz, Dennis Eibringer, Dieter, Dimo Reeves, Dita Ness, Djel Sanes, Dot Pixis, Eld Jinn, Elena Munsell, Ellie, Eren Jaeger, Erwin Smith, Farlan Church, Flegel Reeves, Franz Kefka, Frieda Reiss, Grisha Yeager, Gunther Schultz, Gustav, Hange Zoë, Hannah Diamant, Hannes, Henning, Historia Reiss, Hitch Dreyse, Hugo, Ian Dietrich, Ilse Langnar, Isabel Magnolia, Jean Kirschtein, Jurgen, Kalura Yeager, Keiji, Keith Shadis, Kenny Ackerman, King Fritz, Kuklo, Lauda, Levi Ackerman "Rivaille", Lord Balto, Luke Siss, Lynne, Marcel, Marco Bott, Marlo Freudenberg, Mikasa Ackerman, Mike Zacharius, Mina Carolina, Mitabi Jarnach, Moblit Berner, Moses, Mylius Zeramuski, Nac Tius, Nanaba, Nifa, Nile Dok, Oluo Bozado, Pastor Nick, Pere, Personagens Originais, Petra Ral, Ralph, Reiner Braun, Rico Brzenska, Rod Reiss, Roy, Samuel Linke-Jackson, Sasha Braus, Sharle Inocencio, Smiling Titan, Sonny, Sorum Humé, Thomas, Thomas Wagner, Tom, Xavi Inocencio, Ymir
Tags Ackerman, Attack On Titan, Comedia, Drogas, Faculdade, Levi, Romance, Sexo, Shingeki
Exibições 24
Palavras 1.356
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Famí­lia, Festa, Harem, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


QueenEviilSays:Pessoinhas, então essa fanfic só foi postada pois uma das que posto está prestes acabar, na real duas estão.

Enfim, logo República vai ter seu horário certo para facilitar .qq

Capítulo 1 - Um dia normal ou quase isso


Fanfic / Fanfiction República - Capítulo 1 - Um dia normal ou quase isso

                    "Cada vez mais eu me sinto louco"

    Levi 

 Já era a quarta vez naquela semana que eu ia na farmácia, não era para comprar remédios e muito menos coisas de casa afinal de contas não se compra isso em farmácia, tinha ido lá simplesmente para buscar absorvente, e bem eu não uso mas as pessoas que moram comigo usam e abusam disso por serem a maioria naquela casa. 

Pegava uns dez pacotes da mesma marca apenas diferenciando entre: noturno, para usar no dia, com e sem abas, isso passou a ser parte da minha rotina coisa que chegava até a incomodar.

 Aproveitei que nenhuma das meninas estava por perto para comprar algumas coisas de uso pessoal para mim, como: barbeador, desodorante, alguns remédios para o meu estoque de emergência. 

 A mulher no caixa era uma baixinha, cabelos ruivos com uma pele clara seus olhos eram escuros tendo pequenas sardas em ambas as bochechas. 

Quanto ao corpo era gordinha, vestindo um vestido florido gritante o que chegou a me dar arrepios, não sabia nada sobre moda até passar a morar com garotas, então mesmo não querendo acabei aprendendo que se você veste um vestido feito aquele está pedido, socorro ou você é um caso de misericórdia, provavelmente o dela deveria ser o segundo. 

Perto de um dos ombros tinha seu crachá de identificação, nele dizia "Nelly" e mais algumas coisas que não consegui ler muito bem. - São 45,70 R$, Senhor - falou enquanto me olhava diretamente nos olhos como se fizesse isso iria ler algum segredo meu, ou apenas queria ler minha mente? Que pensamentos mais absurdos são esses Ackerman? É o que da ficar em uma casa cheia de mulheres que não param de falar de coisas fora do normal.

 Pisquei algumas vezes antes de voltar ao mundo real, passei os dedos pelo bolso da jaqueta de couro para então pegar minha carteira, agarrei a quantia necessária estendi a mão até a dela. 

 Foi questão de segundos para que o caso de misericórdia colocasse todos os absorventes na sacola, me abriu um sorriso largo dizendo, - Obrigada pela preferência, volte sempre.-

  Eu não respondi aquilo, apenas peguei as duas sacolas com as coisas e sai dali. Escutei ela falar em voz baixa " mal educado" , apenas segui meu caminho não dando a mínima para o pensamento daquela garota pois caso fizesse o oposto disso seria uma coisa perturbadora.

 Busquei pelas chaves do carro no bolso, destravando-o não demorei nada para jogar as sacolas de qualquer jeito no banco do passageiro, adentrava o veículo logo em seguida, travei a porta colocando o cinto ao redor do meu corpo. 

 Respirava fundo agora, fechando os olhos no processo, permiti que meu o tronco superior do meu corpo descansasse naquele banco durante alguns segundos, ainda com os olhos fechados apenas ouvindo o batuque que meus dedos faziam ao tocar o volante. Em minha mente, pensava como a minha vida era calma antes quando vivia com meus familiares e depois como virou essa bagunça toda, minha mãe já me dizia desde cedo que mulher não é um bicho bom de se viver, imagine viver com muitas? De fato, é algo desafiador principalmente na época de tpm, não quero nem me lembrar quando todos os ciclos menstruais chegaram na mesma semana, isso ainda me causa calcários.

 Por mais que gostasse de ficar daquela maneira, em pura paz comigo mesmo , não adiantava ficar ali, afinal elas iriam me caçar pelo cheiro se caso não chegasse com os absorventes e realmente isso aconteceu uma vez só que nessa vez tinha ido atrás de chocolate, porém eu demorei mais do que o previsto quando vi estavam todas me encarando na janela da loja,tendo olhares sinistros em seus rostos enquanto esperavam pelos doces.

 Respirava fundo mais uma vez antes de ligar o carro e dar a partida, esperando uma boa desculpa cair do céu e que colasse para que aquelas garotas me deixassem ter uma noite de paz. 

 No fim nada veio, já tinha desistido de esperar por algum milagre começando a dirigir. 

 Meu celular vibrava feito louco, só tinha pequenas chances de olhar entre um farol e outro, não pegava nele apenas via as mensagens chegando uma atrás da outra. 

 Se caso não fosse elas que estavam mandando aquele turbilhões de mensagens sem ao menos uma pausa para descansar os dedos, apostava também que a operadora do meu celular resolveu me amar um pouquinho demais da conta. 

 Depois de alguns minutos dirigindo cheguei até a coisa que eu chamo de casa ou algo parecido.

 Estacionei o carro na garagem, desligue o motor tirando a chave da ignição, fiquei meio relutante em sair dali, iria começar tudo de novo quando entrasse por aquela porta. 

 Bati os dedos no volante mais uma vez, peguei a sacola hospedada no banco ao meu lado, tirando o cinto de segurança, abrir a porta do carro em um movimento brusco e a fechei do mesmo jeito, enquanto andava para dentro de casa um mantra em minha mente se repetia "Elas não vão te chatear, vão apenas pular de alegria já que você comprou tudo que estava na lista" .

Passei a chave pela tranca, ouvindo um "click", arrastei a porta deixando minha visão livre para ver o cômodo da sala vazia. 

 Estranhei aquilo, mesmo assim não achei nada ruim quem sabe aquelas loucas enfim não tinham me dado um tempo? Mas claro, a sorte adora brincar comigo, então porque o destino quis, Hanji descia as escadas com certa pressa carregando um monte de papéis enquanto gritava "Eureka". A única coisa que me permeti falar era um baixo murmúrio,- Louca -. 

Por sorte ela nem ouviu, passou direto pela sala indo até a cozinha, aparentemente minha presença ali tinha sido ignorada? Maravilha. 

 Joguei a sacola de qualquer jeito na mesa da sala, apenas tirei de lá a sacola menor contendo as minhas coisas, subi a escada com passos pesados. 

Esperava sinceramente que todas já estivessem dormindo, então eu poderia dormir em paz.

 Assim que coloquei a mão da maçaneta da porta, uma loira de órbitas azuis saia de seu quarto com cara de poucos amigos. - Annie - murmurei baixo, de todas as garotas ali com certeza ela era a que mais fazia o meu rosto mudar de humor.

 Ela me encarou pelos cantos dos olhos, seus cabelos levemente bagunçados e o pijama habitando seu corpo, - Que horas são? - perguntou.

 Se bem conheço a peça, assim que chegou da universidade ela se trancou no quarto trocando as roupas normais para o pijama e bem provável que em cima da cama dela continha uma pilha de livros do curso de Educação Física.

 Ela era a que menos me dava problema e ainda sim conseguia me tirar completamente do sério. 

Rangi um pouco os dentes antes de responder, pressionei com força a maçaneta deixando que meus olhos fossem a única coisa que a fitava, - Sei lá - disse da maneira mais vaga possível, - Deve ser tarde, realmente Annie deve ser tarde já - falava não dando espaço para que a loira respondesse pois já tratava de adentrar o quarto. 

 Ignorei matéria acumulada por enquanto, jogando o corpo de maneira desleixada sobre o colchão de solteiro. 

Meus dedos foram de imediato ao rosto, afim de bagunçar os fios negros do cabelo, livrando-me do tecido, vulgo minha camiseta.

 Infelizmenteminha paz não durou muito e a incrível burrice de não ter fechado a porta. 

Uma louca adentrava em meio aos gritos, isso que só conseguia ouvir o meu nome, ela não se incomodou pelo fato da porta está fechada e muito menos por estar sem camiseta.

 Foi logo adentrando o local, se jogando sobre mim, agarrou o tecido negro da minha camisa, obrigando-me a olha-la de maneira direta, - Levi Levi Levi - disse Hanji de maneira eufórica. 

 Com certa fúria o quera até raro para mim, a obriguei soltar dos meus ombros com tapas desferidos em suas mãos calejadas - Quatro olhos, sai sai daqui - falava enquanto a expulsava deixando uma Hanji desolada no canto de fora. Era assim meus dias, todos eles, essas loucas ainda iriam me matar.


Notas Finais


Kisos babies ~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...