História Resistindo a ela - Camren (Camila G!P) - Capítulo 33


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui
Tags Camila Cabello, Camila G!p, Camren, Camreng!p, Fifth Harmony, Lauren Jauregui
Visualizações 614
Palavras 1.736
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 33 - Não posso


Lauren voltou de seu primeiro dia de trabalho para encontrar Camila em casa mais cedo que de costume e localizada na cozinha, com uma panela fazendo espaguete.

— Olá. — Sorriu, limpando as mãos em um pano de cozinha antes de vir saudá-la — Como foi? —perguntou inclinando seu rosto, escrutinando sua expressão.

Jogou os braços ao redor de sua cintura, enterrando o rosto em seu pescoço.

— Foi incrível. Estava muito nervosa a princípio, inclusive com um pequeno bate-papo com as outras garotas que trabalham lá, mas estar com as crianças todo o dia, trocar fraldas, balançando-os, lhes dando mamadeiras, brincar... foi tão divertido!

Camila lhe sorriu.

— Que bom — disse e colocou-lhe uma mecha de cabelo detrás da orelha — Estou orgulhosa de ti, Lauren.

Suas palavras fizeram mais para acalmar sua alma do que ela podia saber.

Nunca ninguém lhe havia dito isso antes. Ficou imóvel, olhando aos olhos escuros, absorvendo a atenção. Depois de vários segundos, entretanto, Camila não tinha afastado o olhar e ficou nervosa sob o intenso olhar. Umedeceu os lábios e deu um passo atrás, com os olhos como dardos cravados na cozinha, porque precisavam estar em qualquer parte, menos nela.

— Você sabe, hum, cozinhar? — perguntou ela, completamente confusa.

Pôs-se a rir, fácil e sem preocupações.

— Sim, tentei. É seu primeiro dia de trabalho, assim, uh, queria te fazer uma surpresa.

— Oh.

Guiou o caminho à cozinha e Lauren a seguiu obedientemente.

— É só massa e molho de tomate, não se emocione muito.

— Cheira muito bem. Acredito que temos pão de alho no congelador. E poderia preparar uma salada — disse, dirigindo-se à geladeira.

Suas mãos em sua cintura a detiveram.

— Não. Este é meu plano. Fora. — Deu-lhe um empurrão brincalhão para a sala de jantar — Eu me encarrego.

Lauren riu, mas obedeceu.

— Está bem. — Levantou as mãos— Irei me trocar, se te parecer bem. Tenho vomito de pelo menos três bebês diferentes em minha camisa.

Camila riu, enquanto ela se dirigia ao quarto de hóspedes.

Uma vez dentro, tirou a calça jeans e uma camiseta de manga longa que pôs para trabalhar, depois de uma olhada a seu armário, decidiu-se por uma ducha rápida. A massa ainda fervia, assim tinha uns poucos minutos pelo menos. Fez um coque desordenado no cabelo e sentiu a temperatura da água. Era cálida e acolhedora. Lauren entrou no totalmente no box, agarrou a esponja, e jogou em todo seu corpo um sabão corporal com aroma de jasmim. Esfregou seu corpo duas vezes, desfrutando da água.

Sorriu ante a lembrança de ser a única capaz de acalmar a inquieta Bela e a saída de seus dentinhos, hoje no trabalho. Sempre teve um dom especial com as crianças. Sentia-se tão cômoda enquanto estava com eles.  Lavou o rosto, afastando esse dia, antes de voltar a sentir o ritmo da água entre suas omoplatas. Mmm. Isso era bom.

Resultou que, sustentar e cuidar de bebês durante todo o dia foi um trabalho duro, mas satisfatório. Lauren fechou a água, secou-se com uma das toalhas de banho de grande tamanho que Camila utilizava como toalhas e se vestiu com seu pijama favorito, uma calça e uma das camisetas de Camila. Voltou para a cozinha depois de soltar seu cabelo e penteá-lo.

— Mmm. Cheira muito bem aqui.

Camila servia a massa e grosas fatias de pão de alho, quando se aproximou da mesa do jantar. Não seguiu a sugestão de uma salada, mas estava bem, isto era mais que suficiente.

— Sente-se. — Fez um gesto, puxando seu assento. Lauren obedeceu, facilitando o acesso a seu assento.

— Obrigada por cozinhar — murmurou, examinando a comida diante dela. via-se deliciosa e cheirava inclusive melhor.

— Espera. Uma mais coisa. — Camila retornou com uma garrafa de vinho tinto no oco de seu cotovelo e duas taças. Lauren a olhou com curiosidade, mas ela só deu de ombros — O que? É uma ocasião especial. — Sua boca se torceu em um sorriso enquanto servia a cada uma na taça de vinho de cor rubi. — À você — disse enquanto pôs o copo em frente dela.

— Obrigada. — sentia-se sofisticada e elegante, ter Camila esperando-a e riu de prazer neste momento.

Seus olhos brilharam para ela.

— O que?

— Nada — respondeu, fazendo uma cara séria.

Camila estava tentada a responder, seus olhos escuros se cravaram nos seus, por um momento muito longo, antes de que finalmente tirasse sua cadeira e se sentasse a seu lado.

— Assim, você gostou da creche? — perguntou, enquanto pegava um pedaço de pão de alho.

— Eu adorei. É tão divertido vê-los aprender e brincar a essa idade. E logo quando ficam maiores, vê-los crescer e descobrir coisas novas. Acredito que este é o trabalho perfeito para mim. É basicamente o que fiz no complexo, mas nunca me pagaram por isso.

Ela assentiu com a cabeça, tomando um pouco de vinho.

— Então me alegro por ti.

Por que soava tão fria? E por que o sorriso não chegou a seus olhos? Tinha sido a única em animá-la a conseguir um trabalho, e agora que tinha um que gostava, ficava estranha.

Colocou um bocado de massa na boca, dando-se conta de que tinha fome e não tão preocupada por agir como dama a seu redor. Um gole de saudável vinho tinto seguiu. Mmm. Mais doce do que esperava. Assim tinha cozinhado e aberto uma garrafa de vinho? Uma grande coisa. Mas isso não era o que a fazia agir estranho.

Ignorou seu estranho estado de ânimo e lhe deu os detalhes de seu dia, o horário regulamentado na creche: 9h. Café da manhã, logo uma mudança de fralda, seguido de uma sesta pela manhã, logo tempo de brincar até o almoço e então o programa se repetiu até a comida, as fraldas, sesta, brincar, antes de que os pais os recolhessem. Pôs-se a rir só pensá-lo. Tinha sido um dia completo e ocupado. Mas divertido.

— Quer filhos? — perguntou ela, colocando seu garfo junto a seu prato limpo.

Seus olhos brilharam com alarme.

— Nunca tinha pensado nisso, por que?

Franziu o cenho e se mordeu o lábio.

— Tem vinte e sete, como que alguma vez não pensaste nisso?

— Sonhas como Sofia — murmurou em voz baixa enquanto levava os pratos à pia.

Lauren ficou sentada na mesa, com a cara ardendo como se alguém a tivesse esbofeteado. O que lhe acontecia esta noite? Terminou o vinho, tratando de recuperar a compostura antes de unir-se a ela na cozinha. Jogou uma olhada a seu copo vazio e voltou a enchê-lo.

— Vá descansar. — Agia doce, mas suas palavras... as palavras se sentiam frias e abrasivas.

— Está bem. Prefiro ajudar — respondeu ela, com a voz suave e segura.

Detiveram-se na pia uma ao lado da outra, Lauren passava a Camila cada prato para pôr na lava-louça. Era super consciente dela. Depois de terminar os pratos em silêncio, retiraram-se para o sofá e Camila voltou com um filme.

Era tudo para o que tinha ânimo, descansava no sofá, já que a combinação de trabalhar o dia todo e o vinho tinha a sensação de vazio, mas no bom sentido. Camila sentou a seu lado, mantendo sua distância, mas continuamente enchendo os copos de vinho. Pelo final do filme estava um pouco bêbada. E querido Deus a ajudasse, também esquentou.

Deixou o copo vazio sobre a mesa e apoiou a cabeça no colo de Camila. Suas mãos encontraram seu caminho sob o cabelo, massageando seu pescoço.

— Está tensa — sussurrou.

Sentou-se de repente, cara a cara com ela.

— Está agindo estranho essa noite. — encolheu-se, não tinha tido intenção de deixá-lo escapar dessa maneira.

— Sinto muito. Não merece isso. — Queria lhe perguntar por que, o que lhe passava, mas levou a mão a sua bochecha e seus olhos se fecharam ante o toque. Seu polegar lhe acariciou brandamente o rosto, a mão macia lhe acariciava a pele da maneira mais terna imaginável. E tudo foi perdoado. — Para que conste, estou feliz por você — sussurrou, sua boca a escassos centímetros da dela.

Lauren se moveu, com uma desesperada necessidade de aproximar-se, se moveu até ficar em seu colo. Sentada com pernas em cada lado de seu quadril, pôs suas mãos no respaldo do sofá, agarrando o couro de jeito para evitar passar as mãos por seu cabelo.  Lauren  lambeu o lábio inferior, em silêncio pedindo que a beijasse.

Os olhos de Camila seguiram o movimento e o olhar se centrou em sua boca. Exatamente onde a queria. Suas mãos subiram ao redor de sua cintura, sem atrai-la, mas tampouco apartando-a, só mantendo-a perto dela. Seu polegar deslizou em um lado, brandamente sobre sua camiseta, tão perto de seu peito, mas ainda muito longe.

Seus olhos se encontraram e Lauren pensou que poderia dissolver-se em lava se seguia olhando-a assim. Seus olhos se obscureceram pelo desejo, que só alimentava sua desesperada necessidade dela. Se não a beijava logo, iria queimar. Disso estava segura.

— Camila... — Seu nome em seus lábios era uma súplica silenciosa, um desespero pedindo algo que só podia ser respondido de uma maneira.

Camila agarrou sua nuca com uma mão, a outra seguia plantada em sua cintura e bejou-a. Esse beijo não era nada como a última vez, sua boca encontrou a dela em uma carreira desesperada, sem perder tempo separando seus lábios, sua língua deslizando-se ao longo da dela, e a inclinação da mandíbula para tomar o que necessitava. Foi necessitado e sem piedade, mordendo seu lábio inferior e ajustando seus quadris com os dela. Seus olhos se fecharam de pura felicidade e voltou para sua mente um só pensamento, Camila.

Ela retirou as mãos de seus ombros a contra gosto, com os lábios ainda úmidos e o formigamento da paixão detrás de seus beijos. Ela lutou para recuperar o fôlego e entender por que se deteve.

— Sinto muito, Lauren. Não posso — sussurrou com a voz cheia de tensão.

Suas palavras não eram necessárias, o olhar longínquo em seus olhos confirmaram o que tinha passado. Afastava-se. Uma vez mais. Com o coração encolhido, moveu-se levantando do seu colo e se dirigiu ao quarto de hóspedes. Se encolheu no centro da cama, colocando Léo contra seu corpo e lançou um profundo suspiro. Lutou para entender sua complicada relação, dividindo seus sentimentos em diferentes compartimentos para poder examinar cada um, assim como o doutor White tinha lhe ensinado.

Primeiro foi a admiração, continuando, a atração, logo decepção. O que somaram, não tinha nem ideia. Mas cada vez que Camila mostrava um pouco de interesse, só  era para afastar-se e finalmente arruinar. Disso estava segura.

 


Notas Finais


Haja c* amargo!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...