História Retour Vers le Passé - Capítulo 6


Escrita por: ~

Exibições 302
Palavras 1.414
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Ecchi, Escolar, Famí­lia, Ficção, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oi pessoinhas ✌
Desculpem por sumir, estava enrolada com o emprego novo, nova rotina, cuidar de casa e criança é tenso. Mas voltei rsrsrsrs.
Espero que gostem. Para compensar postarei dois capítulos hoje.😁
Leiam as notas finais pergunta importante
Nos vemos lá em baixo. 👇

Capítulo 6 - Paixão? Amor?


Fanfic / Fanfiction Retour Vers le Passé - Capítulo 6 - Paixão? Amor?

POV. Marinette

 

Senti meu corpo quente, um calor que vinha do meu peito e incendiava todo meu corpo.

 

- Chat eu... - Disse quando nossos lábios se separaram.

- Shhhhhhh. - Ele colocou o dedo indicador suavemente em meus lábios. - Não diga nada, apenas me deixe curtir essa sensação.

 

Antes que mais uma palavra fosse dita ele me puxou para outro beijo. Esse beijo foi diferente do primeiro, havia desejo, paixão, era um beijo que continha um turbilhão de sentimentos. Sentimentos que eu nem sabia que existiam até então. O silêncio e a calmaria da noite, me permitiu escutar nossos batimentos, nossa respiração estava ritmada, nossas línguas faziam uma dança sensual dentro de nossas bocas. As mãos de Chat apertavam minha cintura ao mesmo tempo que me puxavam para mais perto de si, ele desceu as mãos até meu bumbum, repousando-as ali. O toque de seus dedos me apertando junto ao seu corpo, me fez tremer. Eu poderia jurar que meu corpo estava em chamas, queimando de dentro para fora. Minhas mãos acariciavam sua nuca, deixando ali alguns arranhões, que com certeza deixariam marca. O ar se fez necessário e interrompemos o beijo. Chat desceu sua boca até meu pescoço, começou a beija-lo e mordisca-lo, foram aparecendo, quase que instantaneamente, pequenas marquinhas vermelhas por onde sua boca passava. Afastamos nossos rostos e fitamos um ao outro por alguns instantes. Ambos estávamos corados.

 

- Eu te amo. - Ele disse.

- Eu também te amo gatinho. - Dei-lhe um selinho. - Obrigado por abrir meus olhos. Agora posso ver claramente como você é importante para mim.

- Eu não sei se é cedo de mais... É só que eu sonhei com isso desde sempre... Então eu estava pensando... O que eu quero dizer é... My Lady, me deixa ser seu gatinho?

- Hã?!?

- Quer ser minha namorada?

- Sim! Eu aceito ser sua joaninha, gatinho.

 

Os olhos dele brilhavam mais que todas as estrelas no céu. Pareciam com os de uma criança que acabara de ganhar um brinquedo novo. Iniciamos outro beijo, porém, fomos interrompidos pelos som de nossos miraculous, nos avisando que voltaríamos ao normal em breve.

 

- Melhor irmos. - Eu disse me virando. Mas Chat me puxou de volta pelo braço.

- Por que temos que ir? Fique! Quero que saiba quem eu sou. Assim como quero saber quem você é.

- Hoje não Chat. - Dei-lhe um selinho e saí.

- Boa noite My Lady.

 

Cheguei em casa já passavam de uma da manhã. " Droga, tenho aula amanhã" Pensei. Me destransformei e fui para a cama.

 

- Tikki eu não acredito no que aconteceu! O que eu fiz?

- Você o beijou. O que tem de mais? Ele sempre gostou de você, e agora você esta começando a gostar dele também. O que tem de errado nisso? - Perguntou Tikki.

 

Eu simplesmente ignorei a pergunta, virei para o lado e apaguei. Sophia e Ookami dormiam profundamente. Tikki se deitou ao meu lado e adormeceu.

 

POV. Adrien

 

- Ah Plagg! Eu nem acredito que finalmente estou namorando com My Lady. - Eu disse suspirando.

- É... Conquistando corações. - Comentou Plagg enquanto comia seu queijo.

- Corações não! Coração! Apenas um me interessa. - Me deitei ainda suspirando.

 

POV. Sophia

 

- Acorda! Acorda! Acorda! - Eu pulei em cima da mamãe.

- Sophia você é pesada, sai de cima! - Disse ela com voz de sono. Obedeci e me sentei ao seu lado na cama.

- E aí? Me conta tudo! O que aconteceu?

- Bom... Cheguei lá e ele tinha preparado um piquenique a luz de velas para mim. - Ela parou pensativa e começou a rir.

- O que foi? Por que está rindo? - Perguntei.

- É de me lembrei de uma coisa.

- O que?

- Não comemos nada no "piquenique". - Disse ela caindo na gargalhada. Logo em seguida comecei a rir também.

- Só você mesmo, dona Marinette. - Fiz uma pausa me recompondo dos risos. - Mas o que houve que vocês não comeram? Algum akuma?

- Não! Nós conversamos, e nos entendemos.

- Como assim "entendemos"? - Perguntei dando ênfase na palavra e fazendo aspas com as mãos.

- Bom... Nós... É que... Ele...

- Desembucha!

- Arghh! Eu beijei o Chat. Feliz? - Ela perguntou sarcástica.

- Sim! Muito! - Respondi sinceramente. - E o que mais?

- Mais nada! Só isso. - Ela respondeu corada. Mas antes que eu pudesse rebater, Tikki me calou.

- Ele pediu ela em namoro! - Disse a kwami.

- Tikki! - Repreendeu Mari.

- Kyaaaaaa! Que bom! Finalmente. - Gritei vitoriosa.

- Fala baixo. Quer acordar toda Paris? - Disse Ookami. Simplesmente o ignorei e continuei.

- Detalhes! Eu quero detalhes! - Ela sussurrou alguma coisa inaudível. - Fala alto Marinette.

- Ele me pediu em namoro! - Ela praticamente gritou.

- Não precisa gritar. Eu não sou surda! - Tampei os ouvidos com as mãos. - Isso eu já sei. E o que você disse a ele?

- Que sim. Resolvi dar uma chance ao meu gatinho. - Ela disse corada.

- Já chama ele de seu? Que avanço...

- Marinette! Sophia! Ainda estão na cama? Vocês vão se atrasar para a aula. - Gritou vovó.

- Sim senhora. - Mamãe e eu respondemos em coro.

- Ah! Já ia me esquecendo, Mestre Fu encontrou em contato comigo. Pediu para irmos vê-lo hoje. - Eu disse.

- Tudo bem.

 

Fomos para a escola. Como de paraste, acordamos atrasadas. Pegamos nossas coisas e saímos.

A aula passou rápida e monotonamente.

 

- Boa tarde. - Dissemos em coro ao abrirmos a porta.

- Boa tarde. - Respondeu Mestre Fu.

- O senhor queria falar com a gente? - Perguntei.

- Sim! Sentem-se minhas caras. - Obedecemos. Ele respirou fundo e disse. - Irei direto ao ponto. Sophia, encontrei uma maneira de você voltar para o seu tempo.

 

Era a melhor notícia que eu poderia receber. Um grande sorriso se abriu em meu rosto.

 

- Sério? - Perguntei incrédula. - O que devo fazer?

- Você nada! Você precisará da Ladybug - Ele olhou para mamãe. - E do Chat Noir.

- O que devemos fazer? - Perguntou mamãe.

- Uma convergência! - Respondeu o ancião.

- Hãm?!? - Nós duas dissemos em coro.

- Há um motivo para Hawk Moth querer tanto os Miraculous da Ladybug e do Chat Noir. Separados eles já são poderosíssimos, juntos são indestrutíveis. Podem realizar coisas que estão além de nossa imaginação.

- Tudo mesmo? - Perguntou mamãe.

- Sim! Tudo! Mas há algumas regras. Por exemplo, não se pode trazer um morto de volta à vida. Se uma vida é "salva" outra assume seu lugar.

- Então se ressuscitarmos uma pessoa, alguém morre para tomar seu lugar? - Perguntei.

- Exatamente! Quem estiver portando os miraculous sempre pagará o preço, caso haja um. Mas não se preocupem viajem no tempo não há preço a ser pago.

- Não vejo a hora de voltar para casa. Meus pais devem estar muito preocupados. - Eu disse.

- Com certeza eu estarei! - Disse mamãe ironicamente. Não pude conter o riso.

- Na verdade... - Mestre Fu interrompeu-nos. - Será como se você nunca tivesse partido. Você voltará exatamente para quando e onde estava antes de vir.

- Ah sim... Compreendo. - Eu disse.

- Agora vão! Façam os preparativos para a convergência. Tikki saberá o que fazer. Ela te ajudará Marinette. Assim como o kwami de Chat o ajudará.

- Obrigado Mestre. - Eu e mamãe dissemos em coro, novamente, e saímos dali.

- Como avisaremos Chat? - Perguntou mamãe.

- Deixe comigo! Combinarei com ele amanhã depois do crepúsculo, na Torre Eiffel, tudo bem?

- Claro!

- Vá na frente! irei avisá-lo. - Eu disse. Mari foi para casa enquanto eu procurava um lugar para me transformar. - Ookami, uivar.

 

Cheguei na mansão Agreste, avistei Adrien em seu quarto sozinho. Pulei até sua janela que estava semiaberta, e entrei. Ao me ver, de início, Adrien ficou assustado, mas depois relaxou.

 

- O que faz aqui? - Perguntou ele.

- Preciso falar com você. - Depois de explicar o que o mestre havia dito, ele apenas assentiu com a cabeça. - Então é isso! - Me virei rumo a janela. - Boa noite papai! - Eu disse.

- Boa noite, minha filha! - Ele sussurrou em resposta antes que eu saísse pela janela e desaparecesse do seu campo de visão.


Notas Finais


E então o que acharam? Comentem.
Quero que me respondam uma coisa.
O que acham do tema incesto (irmãos)?
Li algumas histórias recentemente com esse tema e achei interessante. Estou pensando em colocar algo na minha fic o que acham desse amor proibido?
Comentem


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...