História Revenge - Imagine Min Yoongi - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Got7
Personagens BamBam, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Mark, Rap Monster, Suga, V, Yugyeom
Tags Ação, Assassinato, Bts, Imagine, Min Yoongi, Revenge, Vingança
Visualizações 30
Palavras 1.337
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Mistério, Policial, Romance e Novela, Visual Novel
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Então, o tão esperado próximo capítulo chegou! Hee~
Só tenho uma coisa a falar: Tá tenso
Espero que adorem <3

Capítulo 7 - Tentativa de homicídio


POV's Min Yoongi

Eu continuo olhando para a S/N. Como ela chegou aqui sem eu nem perceber? Há quanto tempo ela está aqui?

Perdido em meus pensamentos, eu me desconcentro, e é o tempo que aquele cara consegue mudar a posição, me derrubando no chão de vez e ficando encima de mim, segurando meus braços atrás de minhas costas. Se eu me mover um pouco eu quebro meu braço

– Ai, ai, ai, ai – Espremo os olhos por estar machucando.

– O que você quer comigo? Huh? – Ele pergunta com sua voz grossa na qual me deixa aflito. Eu não sabia que iria me sentir assim, mas sim com muita raiva.

– A-aish, eu quem pergunto. Por que você matou meus pais?! – Passa um pequeno flash em minha mente, mas eu espremo novamente os olhos, tentando me livrar daqueles pensamentos.

– Yoongi, Yoongi... tão ingênuo que você era, e ainda é. – Ele ri, e isso me faz arrepiar pela tensão no momento.

– Como você sabe meu nome?! – Eu tento o encarar, mas ele me prensa mais no chão – A-arg

– Muitas perguntas, pequeno Yoongi. – Ele responde

– Certo, certo. Já chega, pai – A S/N intervêm, se aproximando – Eu sei que você é mais forte, mas eu não quero que mate meu colega do colégio

– Me mate... – Falo fraco.  

– Min Yoongi! – A S/N intervêm novamente, e eu sinto o Gong Yoo sair de cima de minhas costas e liberar meu braço, chutando minha costela fortemente duas vezes e meu rosto uma vez quando ele se levanta. – Pai! – Ele iria continuar se a S/N não tivesse interferido novamente.

Eu me levanto um pouco desnorteado, pegando minha arma e a guardando novamente em minhas calças. Você é um fraco, Yoongi. Você acaba de se render na frente dele, depois de todos esses anos. 

Eu saio de sua casa, batendo a porta da casa dele e sentindo uma grande raiva por isso tudo. Raiva por ter sido fraco. Raiva por ter abaixado a guarda quando eu ouvi a voz da S/N. Fraco por ter desistido de continuar naquela hora, mas eu não acharia certo de a garota me defender e matar seu pai quando ele abaixa a guarda... não que eu me importasse, mas de qualquer forma isso me deixaria mais fraco ainda.

Eu vou até a casa do Hobi, tocando a campainha três vezes e não obtendo resposta. Estranho... o ajeosshi mal sai de casa. Acho que ele foi comprar alguma coisa para cozinhar na janta. Só de pensar na comida dele eu fico com fome.

Eu abro a porta normalmente, já que é rotina de eu aparecer lá, e quando eu faço isso eu não acredito... não, não pode ser.

– AJEOSSHI! EI! – Eu o avisto caído no chão com sangue debaixo de seu corpo, e ele com seus olhos fechados. Eu me sento ao seu lado e continuo o chamando alto e tentando abrir seus olhos forçadamente.

Me vêm alguns flashs curtos. Aquele cara de preto perto desta casa à noite. O Ajeosshi entrando em casa e me abraçando. A ligação do mal pressentimento. O Gong Yoo com sua camisa manchada de gotículas de sangue na manga e um pouco no centro de sua camisa. “Tão ingênuo que você era, e ainda é”

– AAAAAAAARG – Eu grito desesperado com isso tudo, sentindo minha vista embaçada pelas lágrimas. Eu pego meu celular do bolso, e teclo o número da ambulância com meus dedos trêmulos, segurando sua mão com minha outra mão. Quando eles atendem a ligação eu falo para alguém vir logo com uma ambulância por ser uma emergência.

(...)

Quando a ambulância chega, eu entro na mesma junto do ajeosshi, indo até o hospital, onde ele precisa entrar na ala de emergência. Eu me sento em um banco qualquer da sala de espera, abraçando minhas pernas, e enterrando meu rosto em meus joelhos, sentindo, segundos depois, uma mão em meu ombro. Eu crio esperanças, e rapidamente olho, mas ao invés do Ajeosshi, eu vejo o Yugyeom, me fazendo enterrar novamente o rosto em minhas pernas, as abraçando mais firmemente.

– Yoongi, não seria a coisa mais absurda do mundo de saber que você tem uma, mas por acaso você sabe que existe uma lei que proíbe as pessoas de terem arma sem porte legal delas? – Yugyeom fala.

Então quer dizer que realmente a Bohee ligou para a polícia...

– Como você me achou? – Falo baixo e um pouco choroso, já que estou realmente muito preocupado com o estado do Ajeosshi

– Bem... quando sua mãe ligou meio que desesperada dizendo que você estava armado e tinha saído de casa, eu fui correndo com a viatura para a casa daquele seu amigo, te vendo entrar na ambulância desse hospital.

– Ela não é minha... aish

– Por que você está aqui? – Ele fala isso e sinto minha voz travar ao lembrar do estado do ajeosshi caído no chão daquele jeito

– P-por nada – Falo sentindo minha voz trêmula, me fazendo calar a boca para não chamar atenção e gerar mais perguntas.

– Fugindo em um hospital, Yoongi? É sério isso? – Eu estalo a língua, o ignorando e sentindo meus joelhos cada vez mais molhados pelas lágrimas – Vamos, me entregue sua arma se não quiser ser preso – Eu nego com a cabeça. Sei que não foi nada fácil de roubar essa arma. – Vamos, Yoongi. Me entrega logo isso. – Quando ele coloca sua mão em meu bolso, aparece uma enfermeira na sala de espera

– Senhor Min Yoongi? – Ela me chama e eu levanto a cabeça rapidamente, olhando para ela com meus olhos arregalados

– Yoongi, você está chorando...? – O Yugyeom pergunta baixo e parecendo um pouco preocupado, desistindo de tentar pegar minha arma

– O Senhor Jung já pode receber visitas. – Ela fala e na mesma hora eu me levanto rapidamente, enxugando meu rosto com a camisa. – Siga-me – Eu assinto, a seguindo e sem dar explicações para o Yugyeom. Quando chegamos na frente da porta, a enfermeira a abre e eu entro, vendo ele dormindo e com alguns aparelhos em si. – Ele teve que fazer uma sutura, a profundidade do corte em suas costas foi grande

Corte? Como assim corte? Por que logo com ele? Ele nunca fez mal a ninguém. Ninguém. Todos que o conhecem gostam dele, ninguém o odeia.

Sem falar nada eu me sento em uma poltrona e a arrasto até mais perto dele, segurando sua mão com as minhas duas e olhando para a enfermeira com olhar de pidão.

– Vou os deixar à sós – A enfermeira fala – Qualquer coisa é só apertar o botão ao lado da cama do Senhor Jung – Ela sai da sala.

Eu olho para ele

– Me desculpa... ajeosshi... me perdoa – Encosto a testa em minhas mãos que seguram a sua. – É culpa minha, tudo culpa minha – Soluço – Eu deveria ter te escutado, eu deveria. – Eu volto a olhar para seus olhos fechados – Ei... acorda. Acorda, por favor. Eu nunca te pedi nada, por favor, acorda! – Chacoalho sua mão preocupado e no mesmo segundo eu ouço a porta se abrir rapidamente. Eu olho para lá e avisto a Jiwoo com o Hoseok. Os dois com feições muito preocupadas

– O-o que aconteceu? – O Hoseok pergunta se aproximando e eu enxugo meu rosto rapidamente, soltando a mão de seu pai

– Ele... ele levou uma... uma facada – Falo com certa dificuldade

– Appa... – A Jiwoo se aproxima dele, o vendo desacordado. Ela olha para mim com seus olhos marejados e se aproxima – Min Yoongi! Isso tudo é culpa sua – Ela dá uma tapa forte em minha bochecha onde já estava dolorida pelo soco do Gong – Se... se você não tivesse aparecido o appa não estaria assim – Ela morde o lábio inferior, segurando o choro – E ainda aparece aqui com hematomas de briga. Você não tem o mínimo respeito pelo que o appa te oferece

– Ei... Jiwoo. Não fala assim – Hoseok encosta sua mão no ombro dela

– Você também, Hoseok. Você fica fazendo coisas erradas junto a eles

– É culpa minha... é sim – Eu falo cabisbaixo, apertando meus punhos e meus olhos.

– Yoongi! Como assim?! – O Hoseok pergunta com os olhos arregalados, igualmente a sua irmã


Notas Finais


Poushan... tadinho do Yoongi ;-;
Comentem o que acharam ^^ <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...