História Revenge - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Candice Swanepoel, Chaz Somers, Christian Beadles, Flavia Pavanelli, Ian Somerhalder, Justin Bieber, Ryan Butler, Zayn Malik
Personagens Candice Swanepoel, Chaz Somers, Christian Beadles, Flavia Pavanelli, Ian Somerhalder, Justin Bieber, Personagens Originais, Ryan Butler, Zayn Malik
Tags Gangster, Justin Bieber, Sexo, Vingança
Visualizações 94
Palavras 4.236
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boa leituraaa <3 <3

Capítulo 19 - You still scare me a lot


Fanfic / Fanfiction Revenge - Capítulo 19 - You still scare me a lot

- Pov. Layla Sharck.  –

“Senti alguém me balançar levemente na cama, me tirando do meu maravilhoso sono.

Pude visualizar a figura de uma pessoa baixa, parada ao lado da minha cama.

- O que é?! – Perguntei irritada, encarando a pequena garota parada em minha frente, era Lizay. – Lizay?! O que faz aqui?! – Perguntei confusa, ela apenas sorriu.

- Eu sentirei sua falta, Lay, sempre.

Me levantei da cama, correndo para abraça-la com força, mas a mesma sumiu em questão de segundos.

- Lizay? Onde você está meu anjo?! – Perguntei desesperada, andando pelo quarto completamente branco, apenas com a minha cama.

- Você sabe Lay, eu tive que ir...

Sua voz ecoava na minha cabeça, me desesperando cada vez mais.

- O que?! Mas por que?! Ir para onde? – Eu andava pelo quarto a sua procura, ficando tonta pela brancura do cômodo, parando para sentar-me no chão.

- Você sabe, você precisou escolher Lay, e....você o escolheu.

Mas que droga estava acontecendo ali?

Não! Eu jamais trocaria Lizay por ninguém nesse mundo! Nunca!

- Eu não entendo Liz, por que diz essas coisas?! Sabe que eu jamais te trocaria! - Eu chorava copiosamente, sem saber o que fazer.

Aquele era o pior pesadelo que eu já tinha tido.

- Você não pode ter tudo Layla, escolha, antes que acabe sem nada”.

 

***

- NÃO! NÃO! LIZAY! POR FAVOR!

Eu berrei, acordando assustada, eu estava no quarto de Justin, sozinha na cama.

- Que merda foi essa?! Meu Deus!  - Passei as mãos pelos cabeços suados, sentindo as lágrimas úmidas no meu rosto.

Respirei fundo algumas vezes, merda! Como eu sentia falta da minha pequena, minha Lizay era absolutamente tudo para mim, ela é meu raio de sol, assim como Liam, eu acho que realmente estou começando a enlouquecer sem eles.

Limpei minhas lágrimas e me dirigi rapidamente ao banheiro, peguei meu celular e vi que já se passava das 11 da manhã! Optei por tomar um banho rápido e descer logo para encontrar Marrie, uma boa conversa com ela sempre me acalma.

“- Você não pode ter tudo Layla, escolha, antes que acabe sem nada”.

Essa frase não saia da minha cabeça, Lizay dizia que eu o havia escolhido, ela estava falando de Bieber?!

 Caralho, eu não sei! Mas eu jamais a trocaria por qualquer outra pessoa nesse mundo, Liz é minha irmã, isso é insuperável.

Deus, que saudades dos meus irmãos...mamãe...

Como ela deve estar agora? Será que ela deve achar que estou morta ou algo do tipo? E....Lionel? Como deve estar com tudo isso?!

Depois de quatro meses sem receber qualquer notícia sobre ele, estou realmente considerando a hipótese que eu não era tão importante para ele assim, ele obviamente se preocupa muito mais com a vingança de Bieber do que propriamente comigo.

Afinal, será que ele me amaria o suficiente para me deixar amar o seu maior inimigo?!

Eu sinceramente acredito que não, e isso me assusta e muito, pois infelizmente ele ainda é meu único pai nesse mundo, não posso simplesmente virar as costas para ele, não desse jeito.

“Ou será que pode?! Justin valeria mesmo a pena, Layla?!”

“Pensar em travar uma verdadeira guerra familiar por causa de um homem! No que você se tornou, garota?! ”

A questão é, será que ele estaria disposto a fazer o mesmo por mim?

Tenho muito medo de saber a resposta.

Saí do banho e coloquei um jeans básico com uma regata branca, alpargatas e fiz um simples coque no meu cabelo, meu estômago roncava de fome, precisava comer algo e rápido!

Desci rapidamente as escadas, encontrando Marrie na cozinha, como sempre.

- Bom dia Lay. – Beijei sua bochecha, me sentando em uma banqueta, mordendo o lábio inferior ao ver panquecas com mel e chá de Matte na minha frente, minha combinação perfeita. – O que houve? Você não me parece muito bem...

- Não é nada. – Menti, não iria encher a cabeça de Marrie com bobagens da minha mente. – Acho que só estou cansada da viagem! – Dedilhei os dedos sobre a mesa, me servindo de chá.

- Me conte como foi! Eu quero saber de absolutamente tudo!

Ela se sentou à minha frente, animada, sorri em resposta.

É quando a olho dessa forma que percebo, eu não sei viver mais sem ela!

Marrie é meu porto seguro aqui, e não sei o que fazer sem que ela esteja por perto para me proteger e me ajudar.

E assim se seguiram duas horas, eu contando absolutamente todos os fatos ocorridos na viagem.

- Meu Deus, garota! – Ela bateu em minha coxa, me assustando. – Apesar das babaquices dele de sempre, você está conseguindo conserta-lo aos poucos! Eu sabia que você seria a única pessoa capaz de fazê-lo mudar!

 Ela sorria toda contente, fui obrigada a rir.

- Você está maluca né? Estamos falando de Justin Bieber! Aquele ali não tem conserto, Marrie.

 Revirei os olhos, Marrie sorriu.

- Tem sim, e ele se chama Layla Sharck!

- Não viaja Marrie. – Sorri triste para ela, que me encarava. – Justin não vai mudar, não por mim, e eu apenas vou continuar me afundando e sofrendo por um amor não correspondido até não aguentar mais, aí um dia simplesmente vou me cansar de ser idiota e vou fugir dele, para sempre.

Queria estar dizendo isso só da boca para forma, mas sabia que não no fundo não estava.

Justin é instável demais, tenho medo de não conseguir lidar com isso por muito tempo.

- Não seja ridícula, Layla. – Ela bufou, tomando um gole de chá. – Ele no mínimo se importa muito com você, isto está mais do que claro e você sabe bem disso!

- Como posso acreditar nisso se nunca ouvi um sequer “acho que gosto de você” vindo dele?!

Marrie se calou por alguns segundos, provavelmente pensando em uma boa resposta.

- Justin Bieber é como uma cebola, você tem que arrancar cada pedacinho da barreira fria e insensível que ele construiu ao redor dele mesmo, bem aos poucos. E você já está fazendo isso. – Ela piscou, não tive como não rir dela. – Você é apaixonada por ele Lay, faça com que ele se apaixone por você também! Assim ele desiste logo dessa vingança ridícula!

- É um lindo plano Marrie, na teoria...

Isso não daria certo, Justin não se apaixonaria por mim, nunca.

- Não seja tão negativa, não pode dizer um não sem nem sequer tentar! – Ela rebateu, tirando meu prato de panquecas agora vazio da minha frente.

Essa mulher era realmente dura na queda, meu Deus, como consegue ser tão insistente?!

- E o que você quer que eu faça? Não posso fazer ninguém se apaixonar por mim, Marrie! Não é assim que o mundo funciona e eu não controlo os sentimentos do Justin!

Me levantei também, a ajudando com os pratos e os colocando na lavadora, parando logo em seguida para encara-la.

- Me escute bem Layla Sharck, você vai mudar Justin Bieber, na verdade já está mudando, e é a única que não percebe isso! Abra seus olhos garota!

- Eu não vou aguentar servir de capacho dele por muito mais tempo, minha paixão por ele não é tão forte assim. – Dei de ombros, fingindo ser forte.

- Paixão é algo passageiro, não acha? Para mim, isso já é um pouco maior que paixão... – Ela insinuou, piscando para mim, ri baixo.

Amor? Não, isso não.

Jamais conseguiria amar alguém como ele, eu não seria capaz de me sabotar assim.

Assim espero.

 

***

Depois de minha conversa com Marrie, decidi ir até a parte de fora da mansão para respirar um pouco de ar fresco, talvez eu precisasse disso depois da encheção de saco dela sobre eu possivelmente estar amando Bieber.

Não, nem fodendo! Amor é algo muito forte, forte demais para ser dado dessa forma para ele.

Peguei alguns papeis e alguns lápis e tintas, coisas que eu acabei encontrando no porão da mansão enquanto fazia minha vasculhada de rotina e realmente não quero saber como foram parar ali, montei um mini estúdio no jardim e pensei em fazer alguns desenhos, para distrair a cabeça.

Desenhei o grande lago na mansão de Justin, desenhei prédios e esboços de casas, desenhei Marrie sentada à beira do balanço da parte de trás da casa, desenhei Lizay..., Liam, mamãe e papai, Zayn e....Justin.

Era apenas um monte de riscos e sombreados!

Não queria dizer que eu realmente o amasse, não é?

Eram apenas sentimentos confusos sobre alguém que me sequestrou e me usa quando quer, não é possível que eu não tenha um pingo de amor próprio a ponto de me apaixonar tanto por alguém assim!

Mas bem, prefiro simplesmente evitar isso e evitar o máximo possível de confirmar isso para ele.

Justin só vai me machucar ainda mais sabendo disso com tanta clareza.

- Eu...não sabia que desenhava.

Aquela voz rouca penetrou meus ouvidos me fazendo dar um pulo do banco, levantando assustada.

Ele usava jeans claros, boné branco para trás e Adidas, estava lindo, como sempre.

- Ah...não é nada, são só... – Me levantei atrapalhada, tentando ao máximo guardar minhas coisas, mas Bieber foi mais rápido.

Ele roubou as folhas de minha mão, as avaliando.

- Você desenha muito bem, tem talento.

- Meu Deus? Isso foi um elogio? – Não pude perder a oportunidade. – Vindo de você? Até me emociono!

- Não aja como se eu fosse um monstro o tempo todo, porra. – Ele revirou os olhos, parando no desenho dos meus pais, apenas revirou os olhos e passou para o próximo desenho, o dele. – Esse sou eu?

Seus olhos penetraram os meus assim como aconteceu na noite anterior, me arrepiei por inteiro.

- Não, é madre Tereza.

Respondi estressada e peguei rapidamente de suas mãos, o vendo revirar os olhos de novo, sua mania típica.

Deus, como ele me irrita!

Não sei porque, mas depois de minha conversa com Marrie eu só queria ficar distante dele, acho que por precaução, não queria confirmar suas afirmações idiotas e provar que para variar ela estava certa, sobre tudo.

Não posso fazer isso.

- Hey, espera! – Ele pegou um dos desenhos, o de Zayn. – Eu...conheço esse cara...

AH MERDA, PORRA, CARALHO, SÓ O QUE ME FALTAVA!!

Parabéns Layla Sharck!

Ótima ideia fazer um desenho do seu ex enquanto estava se envolvendo sexualmente com a merda do seu sequestrador em seu cativeiro!

- Que?! Claro que não... – Revirei os olhos, pegando o desenho de volta, Bieber me encarou irritado.

- Layla, eu vou perguntar só uma vez, quem é esse cara?!

Merda! O que eu faço?!

- Ele...Zayn...é um amigo de colégio, éramos muito amigos... – Não sei porque estava mentindo sobre isso, mas era como se eu estivesse com medo de falar a verdade, não sei porque.

Ah, eu sei sim, porque ele é um maníaco psicopata que acha que eu sou uma porra de propriedade dele.

- Não mente para mim pirralha, vocês têm algo?!- Ele agarrou meu braço, me puxando para ele.

- Não! Claro que não! – O afastei, Bieber bufou.

- Eu sei quando você mente caralho, não me faz de idiota sua pirralha! – Ele me apertava com força, me fazendo grunhir de dor. – EU SEI QUEM É ESSE FILHO DA PUTA, É O SEU EX-NAMORADINHO, NÃO É?! ACHA QUE EU NÃO PESQUISEI O SUFICIENTE ANTES DE TE SEQUESTRAR PARA SABER DA SUA VIDINHA NOTURNA COM ELE?! – Ele riu de um jeito irônico, me irritando profundamente. – Pensei que tivesse superado depois do pé na bunda que ele te deu, mas acho que estou meio enganado, né?!

Babaca de merda.

- Ah, é mesmo, esqueci que você é o senhor superação de relacionamentos para falar de qualquer outra pessoa! – Rebati cheia de ódio, Justin ficou vermelho, extremamente irritado como sempre.

- Me responde uma coisa. – Ele se aproximou de mim, respirando fundo. – Você ainda sente alguma merda por ele?!

Maravilhoso, agora Justin quer se intrometer nos meus sentimentos pessoais também.

De qualquer forma, ele já fodeu com tudo mesmo.

- Por que quer saber?! Qual é a diferença? – Retruquei indignada com o barraco sem motivo dele, era incrível como ele conseguia ser tão ridículo com tudo.

- Porque você é minha, porra, MINHA. E se eu souber que você ainda gosta dele eu...

- Você o que Justin?! Vai matar ele?! Como sempre me ameaça? É a única coisa que você sabe dizer, mas entenda que isso não vai mais colar comigo! Eu me recuso a dormir com alguém que no outro dia está me ameaçando com uma arma ou qualquer coisa do tipo, me recuso! Entendeu?! Não é só porque a idiota aqui sente algo por você que eu vou ser obrigada a te aturar sendo um verdadeiro neandertal com tudo sempre!

- Olha a merda do jeito que você fala comigo, sua filha da puta. – Ele me puxou com ainda mais força pelo braço, colando nossos corpos com agressividade. – Você sabe que eu odeio quando você me retruca, e se você continuar bancando a afiadinha desse jeito comigo já pode comprar um lindo vestido preto para o funeral desse arrombado, porque se acha que eu vou ter fama de corno por aí, você está extremamente enganada sua puta...

Ele agora me machucava, seu tom assustador estava ali, me mostrando sua falta de controle.

Esse Justin me assustava, me causava arrepios nada bons.

- Eu realmente acho que um dia você vai perder a cabeça por bobeira e vai me dar uma surra, sabia?! – Deixei que as lágrimas caíssem, para que ele visse como me machucava. – Você é um descontrolado Justin, e tudo isso por causa de uma merda de desenho! Enfia ele no seu cú se quiser, eu não ligo, só quero ficar o mais longe que eu conseguir de você!

Por que ele sempre estraga tudo? Sempre que estamos bem ele fode tudo?

Por que ele sempre me destrói assim?!

Sai andando rapidamente em direção a casa, esbarrando com os garotos que já estavam saindo.

E para variar, virei o centro das atenções.

- O que aconteceu gatinha? – Chaz me pegou pelo braço, me afastei dele. – Layla, o que ele fez?

- É tão fácil assim saber que foi ele? – Fingi rir, os garotos sorriram, concordando. – Eu já estou cansada disso gente, dessa babaquice dele! – Dei de ombros, limpando as lágrimas.

- O que ele fez? – Nolan beijou minha testa, me confortando.

- É só que, eu ainda acho que ele vai acabar me batendo mesmo e me matando algum dia.

Sai da frente deles o mais rápido que pude, correndo pelas escadas, pude ouvir os gritos dos garotos para eu voltasse mas ignorei todos, apenas fugindo para meu antigo/atual quarto, já que sempre que acontece alguma coisa, eu corro para lá e me tranco.

***

- Justin Bieber. Pov. –

Porra, merda, caralho, por que essa puta sempre fode com tudo?!

Tudo bem, talvez eu esteja até exagerando, mas porra, ELA ESTAVA DESENHANDO O FILHO DA PUTA, É ÓBVIO QUE ELA AINDA SENTE ALGO POR ELE!

Ou pelo menos é isso que eu entendi, foda-se.

- Drew, porra. – Nolan veio andando a passos largos em minha direção pelo jardim, enquanto eu bufava. – Você bateu nela?!

- E que merda você tem a ver com isso?! – Rebati irritado. – Sabe que eu odeio que se intrometa na minha vida, caralho.

- Não sei como ela te aguenta cara, puta que pariu. – Ryan veio atrás, enquanto colocava seu celular no bolso de trás da calça. – Se não se importam, tenho fodas, bebidas e drogas me esperando na boate, e vê se você se controla Drew, ela é só uma menina, não a porra do Lionel Sharck. – Ele piscou, virando de costas e saindo dali.

- Pau no cú. – Gritei para ele, que me mandou um beijo. – Vocês dois façam como o Ryan e não se metam no que não é da conta de vocês, mete o pé todo mundo, anda.

Saí da frente deles, mas Nolan me puxou pelo braço.

- Cara, você assusta ela com essa bipolaridade toda, ontem estava fazendo ela gemer de prazer e hoje está quase partindo para cima da garota, ela nos disse que ainda acha que você vai ser capaz de bater nela para valer, acha que isso é bom? – Ele estava me dando uma lição de moral, o Nolette?! Sério?

- Vai ser bom sim, as vezes ela finalmente aprenda a me respeitar. – Dei de ombros, já indo para dentro. – Vão na frente que eu já estou indo, vou encher a cara e foder todas as putas que aparecerem na minha frente.

- Não, você não vai. – Nolan me segurou como se eu fosse uma criança. – Vai ficar aqui e resolver as coisas com a sua garota, você tem que parar de agir desse jeito cara, fodendo o psicológico da mina que você gosta, depois não vai poder fazer mimimi se ela te meter o pé na bunda. – Ele bufou, essa cena seria cômica se eu não estivesse tão irritado.

- E você Charles, não vai me dar lição de moral também?

Perguntei rindo, Charles deu de ombros.

- Você já é adulto Drew, faz o que quer, e não sou eu que vou dizer que você é um puta otário de fazer a Layla chorar enquanto podia fazer o que qualquer outro cara queria estar fazendo agora, fodendo com ela.

Nolan concordou com a cabeça, mas a resposta da porra do Charles me deixou tão sem reação que acabei nem me importando.

- O que é isso? – Nolan pegou o desenho das minhas mãos.  – Ah não, não vai me dizer que essa putaria toda é por causa de um desenho do tal Zaun, Zyn, sei lá como fala, o ex dela?

Nolan havia feito as pesquisas sobre Layla e tinha uma perfeita memória fotográfica, por isso o reconheceu tão rápido.

- Está com ciúmes Justin? – Chaz me cutucou, rindo. – Sério?

- Cala a boca porra. – Revirei os olhos de novo, saindo dali o mais rápido possível.

Puta que pariu, eu estava mesmo com ciúmes de uma merda de desenho?!

Que porra está acontecendo comigo?

Eu nunca machucaria ela assim, preferiria morrer do que bater em Layla, mas não a culpo por desconfiar que em algum dia eu faça mesmo isso.

Eu sou muito impulsivo porra, ela já devia ter se acostumado com isso!

Por que ela faz isso? Consegue me fazer sentir um culpado idiota toda vez que a gente briga?!

“ Porque todas as vezes que vocês brigam a culpa é sempre sua. ”

Merda, eu parei para reparar melhor, e isso na maioria das vezes é verdade.

Mas é ela que sempre me provoca, aquela puta.

Subi para meu quarto e tomei um banho rápido, peguei um jeans preto qualquer, Hocks pretos, blusa branca de manga comprida branca e uma jaqueta preta por cima, algumas correntes e um boné, passei perfume e me preparei para encarar a fera.

- Layla? – Bati na porta, ela obviamente me ignorou. – Abra a porta.

- Vai para o inferno. – Ela disse embrulhado, me fazendo perceber que ela chorava.

Eu já disse o quanto ideio fazer ela chorar?

Mas eu só faço ela chorar o tempo todo, porra.

- Por favor, abre. – Sussurrei manso, eu não costumava ser tão gentil assim. – Precisamos conversar.

- Não, não precisamos. – Ela retrucou, revirei os olhos.

- Te dou três segundos para abrir ou eu vou arrombar a porra da porta.

Escutei ela grunhir de raiva e escutei a tranca ser destrancada em seguida, revelando uma garota de olhos vermelhos, nariz irritado e muito irritada.

E mesmo assim ela ainda estava linda.

Porra, cala a boca Justin Bieber, na moral mesmo, que viadagem.

- O que você quer?! – Ela perguntou cruzando seus braços, encarando minhas roupas. – Vai sair é? Acho que na verdade a vizinhança toda ouviu seu plano de encher a cara e foder vadias por aí, então vai, não quero te atrapalhar. – Ela riu irônica tentando fechar a porta, mas eu fui mais rápido e abri, me colocando no cômodo.

- Desculpe. – Ela me encarou sem reação, logo mudando para uma expressão de ódio.

- Isso não muda o fato de você ser um idiota, não pense que um pedido de desculpas seu resolve tudo.

Pow, essa havia me pegado de surpresa.

Mas eu já devia ter me acostumado com o fato de ela ser dura na queda quando queria.

- Desculpe se te assustei. – Peguei o desenho do bolso e lhe entreguei. – Pode ficar, eu não ligo.

- O QUÊ?! VOCÊ É MALUCO MESMO NÉ?! – Ela gritou, me empurrando.

- Sou. – Ri nasalado, voltando a encara-la. – Não ligo de você ficar desenhando ele por aí, contanto que você deixe os desenhos na frente da nossa cama para ele ver a gente transando toda noite. – Dei de ombros, Layla continuou séria.

- Porra, você me assustou mesmo Justin, pensei que fosse me bater, isso não algo que eu vou esquecer fácil, não estou acostumada a lidar com tanta bipolaridade.

Ela cruzou os braços, enchendo seus olhos de água, andei rapidamente até ela.

A puxei para mim, morrendo de medo que ela desmanchasse em meus braços.

- Você só precisa entender que eu não te machucaria assim, nunca. – A puxei com força, afagando seus cabelos com calma.

Layla foi parando de chorar aos poucos, enquanto eu já estava quase começando a me descabelar de culpa.

Merda, eu realmente sou idiota.

- De qualquer forma, você vai sair e me largar aqui como uma prisioneira de merda, então não faz diferença o que você fale ou deixe de falar para mim, Bieber.

Ela saiu do abraço, indo para a sacada, fui atrás dela, parando ao seu lado.

Esperei que Layla se acalmasse um pouco em silêncio e então a puxei com força, não suportando a falta de sua boca contra a minha, a beijei com intensidade, me sentindo aliviado por poder sentir seus lábios contra os meus, ela cedeu passagem para a minha língua, aprofundando o beijo.

- É aí que você se engana. – Disse entre o beijo. – Porque você vai comigo.

A pirralha não respondeu nada, apenas continuou o beijo, me puxando pelos cabelos com força para ela, eu senti meu lábio inferior ser puxado e me senti levemente excitado com isso.

- Eu me odeio muito, eu sou tão idiota... – Ela sussurrou quando o beijo acabou. – Mas eu ainda estou muito magoada Justin, de verdade, você agiu feito um neandertal insensível lá fora e....

- Shh – Colei nossos lábios de novo, já sentindo um sinal logo abaixo. – A cada ofensa que eu for obrigado a ouvir vai ser um beijo que você vai ter que me dar para fazermos as pazes, então me xingue para caralho, por favor.

Ela tentou esboçar um sorriso, mas aí tentou fazer cara de séria de novo, me fazendo rir.

- Angel, por favor, te dou meia hora para ficar pronta.

Layla então me enxotou do quarto e me mandou para a sala enquanto a escutava ir para o nosso quarto de verdade parar se arrumar, me sentei no sofá sala enquanto a esperava.

-“ Não esqueça que eu ainda te amo muito, amor

Ela nunca vai ser boa o suficiente e você sabe disso, pare de tentar me substituir!

De qualquer forma, você vai me ver logo e tudo vai voltar a ser o que era antes.

Eu juro que vou compensar todo o tempo perdido, e da forma que você quiser...haha

 Xoxo. ”

 

Que porra era essa?!

E não era de nenhum número conhecido, que merda de mensagem era essa?!

E bom, a única pessoa que escreve esse “haha” no final de qualquer mensagem é....FODA-SE, eu estou completamente maluco, é claro que isso jamais aconteceria.

Eu estou achando que a cocaína está fazendo efeito e eu estou vendo coisas onde não tem! Puta que pariu! Isso é impossível Bieber.

 Impossível.

Mandei o número para um dos rastreadores do casarão me dar alguma resposta, estava realmente desconfiado com aquilo, e estava tão distraído que nem percebi Layla bem na minha frente, me encarando.

- Vamos? – Ela disse, me levantei e prontamente bati meus olhos nela.

- Você não vai assim porra, não Layla!

Ela estava extremamente gostosa, um vestidinho preto agarrado que me dava vontade de rasgar, cabelo soltos, lábios vermelhos que me faziam querer mandar ela ajoelhar e....porra! Aqueles saltos descavam as coxas dela, ela estava...espetacular.

- Não comece Justin! Foi você quem inventou isso! – Ela rebateu, bufei irritado.

Odiava que outros homens olhassem para ela, meu sangue fervia só de imaginar ela com outro cara, principalmente aquele pirralho do ex-namoradinho dela.

Que a propósito, eu me lembro de parecer ter visto aquele arrombadinho em algum outro lugar...

Foda-se, se cruzar o caminho da minha mulher de novo, eu apago ele bem rápido.

- Tudo bem, vamos de uma vez vai. – A puxei pelo braço e entrelacei nossos dedos sem pensar, a vendo sorrir minimamente com isso.

- Adoro quando você simplesmente age como um ser humano normal e não enche o saco, chega a ser lindo de se ver.... – Ela debochou, me fazendo suspirar para não ficar puto com ela de novo.

Não nos falamos até chegarmos na Ferrari e sairmos em alta velocidade, Layla para variar ligou a porra do rádio no Pop só para me irritar, tocando uma tal música chamada Sorry, de sei lá quem, apenas revirei os olhos.

- Musiquinha de veado hein? Puta merda pirralha.

Eu fui obrigado a dizer e ela apenas riu, aumentando ainda mais o volume.


Notas Finais


KSKSKSKSKSKSDKD, Espero mesmo que estejam curtindo! COMENTEM GATINHASS!

*SPOILER ENABLED FOR NEXT CAP*

Narração do nosso amado Lionel, então lá vem merdaaa!
Mensagens misteriosas prometem ser cumpridas...
Um possÍvel racha onde nossa gafanhota Layla vai encontrar um certo alguém...
O belíssimo casal que se ama e se odeia finalmente começa a conversar melhor e algumas duvidas começam a aparecer...
Justino está mais desconfiado do que nunca, e quando ele enfia algo na cabeça, não existe ser humano que mundo que as tire!

E CHEGA DE SPOILER, NÉ?

Beijinhos e até o proximo capituloooo! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...