História Revenge - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 3
Palavras 1.811
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Tenha uma boa leitura!

Capítulo 10 - Capítulo Dez - Time Datherine


— Capítulo Dez —

Time Datherine


— Eu disse para chegar dentro de vinte minutos. — Joseph cantarolou antes de levar o seu copo de whisky para a boca, tomando um pequeno gole da bebida.


David bufou ao ouvir aquilo, desviando o seu olhar do mais velho. Miller observou atenciosamente o local rústico em que se encontrava e se questionava o porquê do estabelecimento estar aberto naquela hora mesmo não tendo muito movimento. Ele mordeu o lábio inferior e cruzou os seus braços, recusava-se a se sentar na mesma mesa que o seu pai.


— Eu precisei abastecer o carro. — o loiro disse, desenhando um sorriso falso nos lábios. — Ah, ia quase me esquecendo. Eu tenho trinta anos, não lhe devo mais explicações.

Joseph elevou o seu olhar para David, arqueando a sobrancelha. Miller retribuiu o sorriso falso antes de tomar outro gole de whisky e colocou seu copo vazio sobre mesa, pedindo outra dose ao barman através do olhar.

— Você é igualzinho a vadia da sua mãe, pra mim ela só foi uma diversão. — Joseph comentou ao observar o barman se aproximar com a garrafa de whisky e colocar mais uma dose no copo. — Eu acho engraçado a forma de que meus filhos puxam às mães e não a mim.

— Está insinuando que tem mais filhos além de mim e da Hannah? — indagou David com o cenho franzido.

— Não que eu saiba. — respondeu o mais velho com um sorriso malicioso. — Transei com muitas mulheres na minha vida, inclusive com a esposa do seu tio Derek. E nossa, como ela era gostosa.

— Tão “gostosa” a ponto de você matar ela e o filho dela, jogando toda a culpa no tio Derek?

— Eu tive os meus motivos, você nunca entenderia. — Joseph suspirou. — Mas e aí? E a sua namorada? É bem provável que meus filhos e meus netos cresçam juntos.


“Eu acho que não.”, David respondeu mentalmente antes de concordar com pai em silêncio. Cansado de ficar em pé, finalmente decidiu se sentar.


— Não é sobre meu relacionamento que você quer falar. — David pronunciou com um tom claramente asqueroso, cruzando os seus braços sobre a mesa. — Katherine está muito bem, se quer saber.

— Você não me disse que ela está namorando. — Miller rosnou, olhando o seu filho friamente.

— Não achei que fosse uma informação necessária, até porque você pediu pela localização dela. Você nunca me pediu informações sobre as pessoas que estão próximos dela, esperava o quê?


Joseph respirou fundo.


— Qual é o nome dele? — o mais velho indagou, desviando o seu olhar.

— Henry. — respondeu o loiro. — Henry trabalha em um setor diferente que a Katherine Cooper, hoje completa cinco anos de namoro dos dois e ele pretende pedir ela em casamento o mais breve possível. E no entanto, o relacionamento não é completamente apoiado pela Hannah.

— Percebi isso quando a Hannah deixou claro que ama estar com a família sem a presença do namorado da mãe dela. — Miller sorriu. — Ela gosta de você?

— Hannah me acha falso, ela praticamente me odeia.

— Típico amor de irmão. Derek e eu sempre fomos unidos até eu conhecer sua mãe, tudo mudou depois que eu a abandonei ainda grávida; a nossa união ficou fria e as nossas discussões ficaram constantes, mesmo assim ele acreditava que eu poderia mudar. Mas eu não mudei, David.

— Tio Derek está por aqui, não está? — questionou David, sentindo seu celular vibrar em seu bolso devido a uma ligação que recebia no momento. Apenas um nome passava em sua mente: Katherine.

— Ele acha que irá me afastar da minha Katherine e da minha filha. Derek irá atrás de você uma hora ou outra e tentará fazer com que você o ajude.

— E o que você quer que eu faça?

— Por enquanto, mantenha Derek longe da Katherine enquanto tento descobrir como ele saiu da cadeia.


David franziu o cenho, relembrando que Katherine havia viajado de volta aos Estados Unidos há um ano para se reencontrar com um primo; agora o loiro se questionava se a sua namorada havia visitado Derek na cadeia e ajudado ele de alguma forma a sair daquele inferno.


— Katherine sabe da existência do Derek? — indagou David.

— Segundo ele, sabe. — respondeu. — Por quê?

— Nada, é apenas curiosidade. — o loiro sorriu forçado para o mais velho antes de pegar o copo de whisky das mãos do mesmo, bebendo um gole da bebida.

— Não sabia que bebia. — comentou Joseph completamente calmo, deixando David um pouco desconfiado.

— Agora você sabe. — ele tomou outro gole. — Sua única preocupação é o tio Derek ou tem outra pessoa?

— Annie Turner, ela é uma das maiores pedras em meu caminho. John e Bruce Turner também são.

— Katherine considera os dois como pais, ela deu a eles passagens ao Havaí de presente para eles pudessem relaxar a sós como forma de agradecimento depois de tudo o que aconteceu. — David revelou pausadamente na intenção de que o seu pai entendesse melhor as palavras, apresentando ainda o seu sorriso forçado nos lábios. — Eles não são exatamente umas pedras em seu caminho.


Joseph semicerrou os olhos enquanto tentava decifrar o seu filho, há algo que o deixava incomodado.


— Tem razão, eles não são. — concordou o professor. — Mas a Annie ainda é uma pedra em meu caminho, e é por isso que vou me livrar dela.

— Como?

— Eu não sei, David! — o homem respondeu elevando o seu tom de voz, seus dedos praticamente arrancavam alguns fios de seu cabelo tingido de preto para não mostrar a presença de fios brancos. Quem o olhava diria que ele teria menos que cinquenta e oito anos, e com a sua forma física, ajudava bastante a levar as mulheres em sua cama com as suas falsas juras de amor. — Derek e o namorado da Katherine são a minha única preocupação agora, depois eu arrumo um plano para dar um jeito na loirinha intrometida.

— Você é quem sabe. — disse o mais novo. David dava um sorriso malicioso ao encarar algumas mulheres em alguns metros de distância, todas jogavam um certo charme para cima dele. — Ah... Quem dera eu fosse solteiro.

— Mesmo que você fosse solteiro, David, eu não aconselhava você ir conversar com elas. — Joseph disse em voz baixa após olhar para trás discretamente.

— Por quê?

— Frequento esse lugar há meses, nenhuma mulher gostosa entra aqui às cinco da manhã. Isso somente acontece entre às nove horas da noite até às uma hora da manhã quando estão loucas por sexo. Elas devem ser agentes da polícia ou são mulheres contratadas por sua namorada para testar a sua fidelidade.


David contorceu os lábios e começou a refletir no que o mais velho disse e, rapidamente, concordou como mesmo.


— Continuarei de olho na Katherine, pai. — anunciou o loiro, arrancando um sorriso satisfeito do mais velho.


Eles sequer imaginavam que estavam sendo vigiados pelo lado de fora do estabelecimento, sendo ouvidos através de uma escuta escondida na jaqueta de couro de Joseph – a escuta havia sido plantada em todas as roupas por Derek no momento em que o professor não estava em casa.

Katherine sentia nojo, sentia raiva de si mesma por ter confiado no único homem que acreditava ser ideal. Henry não era Henry, este sequer nunca existiu realmente e pelo fato do loiro ser filho de Joseph lhe partia o coração. Katherine tinha os olhos marejados e lutava para que nenhuma lágrima teimosa caísse por sua bochecha, as suas mãos estavam trêmulas; Cooper se culpava por aquilo.


— Olha, meu irmão e meu sobrinho não prestam. — Derek se pronunciou com um certo receio de dizer uma palavra errada que pudesse magoar ainda mais a mais jovem. Ele sentia raiva, mas não tanto quanto a Cooper. — Se eu soubesse que Henry e David eram a mesma pessoa....

— Não tinha como você saber, Derek, você estava preso quando eu comecei a namorar com ele. É tudo minha culpa! Como eu pude ser tão cega? — Cooper se indagou, estando perdida em seus próprios pensamentos.

— Por favor, Katherine, não se culpe. Eles são os únicos culpados nessa história e terão que pagar por isso. — disse o mesmo, segurando firmemente em uma das mãos trêmulas da mais nova. — Você é muito mais forte que eles dois, você me ajudou com tanta coisa até mesmo me tirar daquele inferno conhecido como “cadeia” que vivi injustamente. Sinceramente, é a única pessoa que se importou comigo mesmo que eu seja irmão gêmeo do monstro que arruinou sua vida.

— Ele também arruinou com a sua. — Katherine comentou com a voz falha.

— Porém a minha dor é muito diferente da sua, você é a mais machucada nessa história. David nunca a mereceu e muito menos a merece, Katherine. Não chore por meu sobrinho, não ouse derramar nenhuma lágrima por ele.

— Eu fui usada por ele...

— É, eu sei. E eu sinto muito por isso, Katherine. — ele suspirou. — Você me tem do seu lado para o que precisar, está bem? Sendo pela vingança contra meu irmão ou para ter um ombro amigo.


Cooper fechou os seus olhos, desejando acabar com aquele pesadelo no momento em que suas lágrimas começaram a rolar sobre as bochechas.


— Me leve para casa, preciso me arrumar para o trabalho. — disse ela puxando a sua mão de volta.

— O quê? Não, você não vai ao trabalho! — Miller exclamou. — No momento você precisa descansar, não terá como se concentrar no trabalho com tudo isso acontecendo.

— Claro que posso me concentrar. — Katherine declarou, mesmo sabendo que não conseguiria realmente se concentrar.

— Não, não pode! Acha mesmo que consegui me concentrar no meu trabalho quando descobri que minha mulher me traía com meu irmão? Quando descobri que o Joseph era completamente obcecado por você e pretendia fazer o que fez naquela tarde?

— Bem...

— Todas as noites eu me culpo pelo o que você passou, me lembro que sai mais cedo do meu trabalho para conversar com você sobre ele e acabei sendo preso antes mesmo de entrar no meu carro. Eu poderia ter te ligado, mas não tinha o seu número ou dos seus pais. Eu me culpo toda vez que olho para você... Você para mim é uma filha que nunca tive, Katherine. Me deixe te proteger, proteger sua família.


Katherine suspirou, secando as próprias lágrimas.


— Tudo bem, vou ficar em casa. Eu preciso de um tempo para poder iniciar o nosso plano.

— Leve o tempo que precisar. Time Datherine?

Time Datherine.


Notas Finais


Obrigada por ter lido!
Kisses <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...