História Revenge Game - The Father - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Justin Bieber, Personagens Originais
Tags Gangster, Justin Bieber, Megan Fox, Revenge, Vingança
Visualizações 25
Palavras 2.667
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 15 - S.w.a.t


Assim que Justin entrou com o carro na garagem, Jennifer perguntou:

- Me deixe adivinhar, seu escritório daqui meia hora?

- Gosto da sua esperteza – ele piscou.

- Acho que tu não vai gostar da minha mão na sua cara.

- Mas vou gostar de deixar você igual a uma peneira – ele estaciona e encosta no volante – Vaza!

- Gentileza...

- Saia da porra do meu carro antes que eu enfie o cano da minha arma no seu orifício anal, por favor.

Jenn revira os olhos.

- Grosso – sem aguentar mais daquilo (ou sem opção), ela sai do carro.

Justin a olha pela janela.

- E grande.

Ela o ignora.

Ela vai primeiro até o quarto que estava dormindo, tira os saltos e senta na cama, encara a porta aberta a sua frente. O assalto seria no dia seguinte, e toda essa maldita situação acabaria no dia seguinte, embora ela não se sinta aliviada por isso, após o roubo, Enzo a queria.

O criminoso mais famoso dos Estados Unidos a queria, e sabe Deus para o quê.

Jenn solta uma leve risada, onde diabos ela estava metida, e como diabos foi parar naquela situação,

Após uns cinco minutos, ela sai do quarto, e antes de descer até a sala com os meninos, passa no quarto de Alison, mas a amiga não estava lá, então Jenn segue direto até lá embaixo.

A primeira coisa que vê quando entra na sala é Claire, pois a menina estava de frente pra porta, porém do outro lado da sala, onde ficava a mesa central, na cadeira onde Justin sentava. Ela estava no colo dele. Ao lado direito dos dois, estava Chris e Ryan, já ao esquerdo estavam Chaz e Alison. Estavam todos quietos, o único som era dos dedos de Chaz batendo nas teclas no notebook postado diante dele, ele estava bem concentrado no que fazia.

Jenn se senta ao lado de Alison, que sorri meio atônita pra ela.

- Eu não sei o que estou fazendo aqui – Ali sussurra, e antes que Jenn responda, Justin se pronuncia.

- Nem eu, querida. – Alison revira os olhos e ele prossegue – Estamos aqui pra repassar o roubo que vai acontecer amanhã, você não deveria mesmo estar aqui... vaza.

- Por que me odeia tanto, Justin? – ela pergunta, já se levantando.

- Você desperta meu serial killer interior.

Ela não responde, apenas sai da sala. Jennifer olha pra Claire, que observava Alison sair da sala de nariz empinado. Postada ali, sentada no colo de Justin, era  como se ela se sentisse a rainha de tudo, e Justin era seu rei. Jennifer se segurou para não se levantar, segurar naqueles cabelos loiros dela e bater sua cabeça contra a mesa. Era um puro olhar de arrogância e cinismo, dado a Alison sem motivo nenhum.

Justin suspira, o que chama a atenção de Jennifer.

- Essa é a ultima vez que iremos repassar esse plano. Temos tudo o que precisamos, o tempo esta do nosso lado. Só iremos ter essa chance, então prestem bem a atenção.

...

 

Justin não dormiu aquela noite, suava frio o tempo todo. Deitava na cama, mas levantava outra vez. Tentou ligar a TV pra se distrair, mas nada que passava o agradava.

Na sua cabeça, ele repassava o plano a todo momento. Via o que podia dar errado e encontrava planos B’s, C’s e a porra do alfabeto inteiro. Não podia dar nada errado.

Ele confiava nas pessoas que estavam ao lado dele, eram sua família, confiava que eles fariam de tudo, e sabia o propósito deles. Propósito esse que todos compartilhavam. Destruir  a vida de Enzo Castellan. Vingar seus entes queridos e tudo o que perderam.

Ele não tinha notado que já era quase quatro horas da manhã, quando ouviu uma das portas abrirem. O som vinha da parede do seu lado direito, então só podia ser o quarto de Claire.

Ele esperou alguns segundos, então abriu a porta do seu quarto também, e desceu as escadas, a ponto de ver a porta da sala se fechar.

Justin foi até a janela e afastou a cortina. Os cabelos claros de Claire brilhavam como um faixo de luz na escuridão, e ele a viu entrar no estacionamento, e minutos depois emergir em seu carro, abrindo a porta da garagem e indo embora.

Ele e Clarissa se conhecem a exatos sete anos.

Ela tinha dezoito anos quando ele, de dezesseis a conheceu. Ela namorava Enzo.

Eles começaram sendo amigos, mesmo que o propósito de Justin ali não sendo amizade, ainda mais com a namorada de seu chefe, mas Claire era menor que ele, frágil e parecia bem mais nova, ele se sentiu levemente atraído por ela. Ele então descobriu que Enzo a traia com Deus e o mundo, e acabou transando com Claire. Enzo obviamente descobriu, mas não descontou em Claire, não descontou ou fez nada com nenhum dos dois, apenas sorriu para Justin e disse que ela pertencia a ele a partir de ali.

Justin não entendeu de primeira, mas logo, viu o peso que Claire seria em sua vida, alguns dias depois, quando ela passou a ser obcecada por ele. Não era saudável, não era normal. Claire tinha problemas psicológicos, que Justin soube aprender a lidar conforme os anos passavam. Ele sabia que a presença de Jennifer na vida deles havia despertado algo nela, pois sua obsessão voltou a ficar mais forte, ele não fez nada para acalma-la e ao invés só a deixou pior, e isso, a partir do momento em que ela saiu as quatro da manha sozinha, o preocupou.

Deveria ter tomado mais cuidado com ela.

Resolveu não tentar segui-la. Lidaria com as consequências após o roubo, isso era tudo o que podia ocupar sua mente naquele momento.

Ele subiu as escadas novamente, passando pelo quarto onde Jennifer dormia, depois o de Claire. Justin, porém voltou alguns passos, e parou em frente a porta de Jennifer.

Pensou em bater na porta, mas não bateu, apenas entrou.

O quarto estava parcialmente escuro; todas as luzes apagadas, mas a janela aberta, e a lua posicionada bem em frente a ela, iluminava o quarto, não tão claro, mas também não tão escuro. Justin viu Jennifer. Ela estava deitada sobre os lençóis da cama, de bunda para cima, apenas com uma calcinha e uma camiseta que lhe ficava um vestido. Seu cabelo estava espalhado pelo travesseiro envolta da cabeça dela, e sua boca estava levemente aberta.

Ele a observou por uns segundos, subindo e descendo o olhar pelo corpo dela.

Então foi até a cama, lentamente, e se sentou na altura da cintura dela. Jennifer se mexeu levemente, mas não acordou. Ele levou as mãos até o rosto dela, afastou seu cabelo e a chamou, baixo.

Ela grunhiu, mas também não acordou. Justin bufou de frustração, e a chamou novamente. Dessa vez, ela se mexe desconfortavelmente até ficar de barriga pra cima, e abrir os olhos. Demora alguns segundos até que ela recobre a consciência, mas então, ela foca seus olhos em Justin, e da um pulo na cama, puxando as cobertas.

- Justin! – ela grita, e ele coloca um dedo sobre  a boca pra ela ficar quieta, mas ela só abaixa a voz – O que caralho você ta fazendo? Que horas são?

- Quatro horas.

Ela arregala os olhos.

- E por que você me acordou essa hora?

Ele da de ombros.

- Pra ser sincero, por eu não conseguir dormir. Mas vim de fazer uma pergunta.

Ela suspira, e se deita de novo, passando as mãos pelo cabelo.

- Não podia fazer amanhã?

- Podia – ele sorri – Você realmente entendeu o plano?

Ela olha pra ele, abismada.

- Você realmente me acordou essa hora pra isso?

Justin pisca.

- Você realmente entendeu o que isso significa pra mim?

- Ela pisca.

- Sim, acho que sim. Ser dono da porra toda e rico e blá blá blá.

Justin trinca o maxilar.

- Se algo der errado, alguém vai se dar muito mal.

Ela olha pra ele com uma sobrancelha levantada.

- Isso é uma ameaça?

- Não. Um aviso. Caso você estrague tudo, você vai pagar. Caso Ryan estrague tudo, ele vai pagar, caso Chaz estrague tudo...

- Eu já entendi – ela suspira – Era só isso?

Justin morde levemente o lábio por dentro, e se levanta.

- Só.

Sua mão já tinha alcançado a maçaneta da porta, quando ele escuta a voz dela.

Jenn não lutou contra a vontade de chama-lo.

- Justin – ele olha pra ela, que estava sentada na cama – Vem aqui.

Ele da a volta, e para de pé ao lado da cama.

- Essa é realmente sua motivação? Inveja?

Justin engole seco. Inveja?

- Chame do que quiser.

Ela assente.

- Eu te odeio por me acordar agora – ela passa a mão no cabelo, respirando fundo – Provavelmente não vou conseguir dormir. – ele a observa atentamente – Ao menos, faça valer a pena estar acordada.

Justin olha pra ela com as sobrancelhas arqueadas, mas que lentamente vão se desfazendo até se formar um sorriso.

Ele se abaixa, até ficar com os lábios na altura do ouvido dela.

- O que você quer que eu faça?

O corpo de Jenn estremece levemente, ela levanta a mão, levando-a para o pescoço de Justin,. Ela encara os olhos dele enquanto aproxima o rosto dele até o dela, e encosta seus lábios; primeiro, apenas isso, mas logo, Jenn abriu a boca, deixando a língua de Justin encostar na sua. Ele segura na nuca dela, intensionando o beijo, e se ajoelha na cama.

Jennifer o puxa pra baixo, fazendo-o cair sobre ela, então rola, até ficar em cima dele.

Justin se deita completamente na cama, com ela sentada na região de seu quadril. Ela fica ereta, então retira a camiseta que usava, dando a Justin a total visão dos seus seios, Justin sorri malicioso, e Jennifer ri também, em seguida se abaixa para beija-lo outra vez.

Assim que seus lábios se encostam, Justin agarra a cintura dela e a gira, tornando a ficar em cima dela. Ele beija os lábios dela, em seguida o canto de sua boca, sua orelha, seu pescoço, sua clávicula, e continua descendo, até chegar no seio esquerdo de Jennifer, que solta um leve gemido, sentindo espasmos de prazer.

Justin então, sobe de nojo e a beija. Jenn envolve seus braços no pescoço dele, e suas pernas envolta de sua cintura. Justin desce uma mão  pela lateral do corpo dela enquanto se concentra em beija-la, mas sua mão dela, até a bunda dela, onde ela aperta e lhe da um súbito tapa, fazendo Jennifer arfar de susto entre o beijo.

Ele move as mãos até a calcinha dela, e a retira em um puxão, a jogando em algum lugar do quarto. Em seguida, retira sua própria calça de moletom e sua box, mas não a penetra de primeiro. Justin interrompe o beijo, e levanta dois dedos até a boca de Jennifer, que entende a intenção e os chupa, fazendo a lateral dos lábios subirem involuntariamente.

Em seguida, ele abaixa as mãos até o meio das pernas de Jenn. Ela suspira quando os dedos dele encontram o clitóris dela, e ele o massageia lentamente, ele então abaixa um pouco mais, e a penetra um dedo.

Jenn não segura o gemido, e o faz o mais baixo que pode. Justin movimenta o dedo, arrancando gemidos baixos e suspiros dela.

Sem que Jennifer esperasse, ele a penetra um segundo dedo, a fazendo gemer um pouco mais alto e segurar com força o cabelo dele. Ele continua os movimentos fazendo-a se estremecer na cama, puxando os lençóis em suas extremidades. Ela estava prestes a gozar, quando ele retira os dedos, e parando de torturar a si mesmo, a penetra com o próprio membro.

Jennifer solta um grito que deve ter acordado pelo menos dois.

Justin a beija pra silencia-la, mas nenhum dos dois consegue se concentrar o suficiente pra levar o beijo adiante, apenas gemiam um no ouvido do outro, o que os excitava ainda mais.

Nos movimentos sem parar de Justin, Jennifer sente seus músculos tensionarem, e seu corpo tremer, ela então goza primeiro, um orgasmo que dura alguns segundos, e mais alguns até Justin gozar. Ele retira seu pênis de dentro dela antes e termina com as próprias mãos, gozando nos lençóis.

Os dois deitam um do lado do outro, até que suas respirações normalizem.

Alguns segundos depois, Justin escuta o som de um carro se aproximar, e se levanta rapidamente, indo até a janela.

- Quem é? – Jennifer pergunta, se levantando e botando sua camiseta.

- Claire. – Justin diz, vendo o carro entrar na garagem.

- Onde ela estava?

Jennifer retira os lençóis da cama, e vai atrás de um novo.

Justin se vira, indo até o banheiro.

- Não faço ideia.

- Pergunte a ela.

- Agora não.

Quando ele sai do banheiro, Jenn já havia trocado os lençóis e estava de volta na cama. Ele volta a por sua box, e se vira pra ela.

- Valeu a pena estar acordado essa hora?

Jennifer dá ombros.

- É.

Justin balança a cabeça, e sai do quarto. Acabou esquecendo dessa possibilidade; ele deu de cara com Claire, entrando no quarto ao lado. Ela da um pulo, e Justin vê de longe seu corpo estremecer de medo. Ela fica paralisada, com a mão na maçaneta da porta.

Ele fecha a porta do quarto de Jennifer, passa por Clarissa, e entra diretamente no seu, sem dizer uma palavra.

...

Mesmo com o cansaço que o sexo causou a Justin, ele não consegue dormir depois. Ele deitou na cama, e puxou alguns papeis, pra analisar tudo novamente, a fim de detectar alguma falha. Viu o sol nascer, e levantou as oito, sem conseguir conter mais a ansiedade.

Ele botou uma roupa, e desceu até sua sala, juntando tudo o que precisava dentro de uma mala. De pouco a pouco, os meninos começaram a descer também, Jennifer, Alison, e Claire... que não trocou um olhar com Justin, apenas encarava o chão.

Ninguém tocou em nada pra comer, exceto Alison. Justin sabia que devia comer algo, mas simplesmente não conseguia.

As exatas nove e quarenta, os homens que Justin havia pedido a Justin chegaram, e todos embarcaram em seus carros até o galpão. Exceto por Ryan, que foi por um caminho diferente.

As coisas estavam acontecendo rapidamente, Chaz revisando as coisas, Justin arrumando as vestimentas, os equipamentos, verificando os carros, ele não conseguia ficar parado, e desse jeito se seguiu por horas.

Três horas da tarde, a tensão já estava dobrada. Chris ajudava Jennifer a encaixar em si uma escuta, ele estava vestido normalmente, com uma calça preta, assim como uma camiseta e botas pretas, sua expressão também aparentava estar calmo, mas Jenn sabia que ele não estava.

Justin, encaixava algo pequeno, do formato de uma bolinha no cinto. Também vestido normalmente, com uma calça do exército, uma camiseta branca e as mesmas botas que Christian.

Um som estranho chamou a atenção de todos na rua em frente ao galpão. Todos olharam, e havia um caminhão de lixeiro encostando, e da janela, saiu metade do corpo de Ryan, rindo e acenando.

Estava na hora.

Jennifer reparou em Claire, que parecia estar suando frio. Mas então outro alguém ocupou seu campo de visão.

Era Justin.

- Sabe exatamente o que tem que fazer? – ele perguntou, um pouco ríspido, mas Jenn entendeu que era o nervosismo.

Ela assente, e então, outro som chama a atenção, e todos vão até a janela olhar.

A cena lá embaixo faz uma corrente elétrica descer pela espinha de Jennifer, e ela olha pra Justin, não sabendo o que esperar de sua expressão.

Ele estava furioso.

Ryan estava fora do caminhão de lixo, com as mãos na nuca. Atrás dele, um homem com uniforme e capacete preto apontando uma automática para a cabeça dele.

No uniforme do homem se podia ler quatro siglas:

S.W.A.T

E a pior parte, é que mais duas dúzias de iguais e esse, cercavam o galpão.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...