História Reverse Falls - A quebra entre mundos - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Gravity Falls
Personagens Dipper Pines, Mabel Pines, Personagens Originais, Stanford "Ford" Pines, Stanley "Stan" Pines
Tags Gravity Falls
Visualizações 34
Palavras 747
Terminada Não
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Bem-vindos a um novo capitulo! u.u

Capítulo 2 - Chegada a Gravity Falls


Fanfic / Fanfiction Reverse Falls - A quebra entre mundos - Capítulo 2 - Chegada a Gravity Falls

Dipper.

Para contar o óbvio, gêmeos são mais diferentes do que as pessoas pensam. Não acho que a aparência define quem você é de verdade, muito menos o que é capaz de fazer. Mesmo assim, existem pessoas que ainda julgam por isso.

Estávamos no ônibus, a caminho para Gravity Falls. Mabel dormia com a cabeça apoiada em meu ombro. Não estava tranquila, longe disso. Eu podia sentir que estava assustada, com medo das coisas que iriam acontecer de agora em diante. 

Pensando bem, se passaram três anos que não falamos com as pessoas de lá, muito menos ver algo semelhante a experiência que tivemos. Não acho que as coisas mudaram, afinal isso que faz aquele lugar ser especial, não perder sua essência, seja com o tempo ou com acontecimentos. 

Percebi que estava sorrindo, ao relembrar coisas que aconteceram naquele verão.

Para ser sincero, eu estava um pouco feliz. Não pela morte dos meus pais. Mas, pela volta das aventuras que eu iria ter a chance de viver novamente. Califórnia era legal para pessoas que gostam de seguir a vida de um jeito normal, viver o cotidiano. 

Acabamos de parar no mesmo lugar que partimos em nosso último dia de verão. O mesmo banco com a madeira desgastada, a mesma paisagem, o mesmo movimento que o vento fazia em contato com as folhas.

O motorista fez um sinal com a mão, assim que levantou do banco e abriu a porta com uma pequena alavanca, que ficava no painel. A acordei e nos levantamos. Juntos, descemos os pequenos degraus do ônibus e saímos, a primeira coisa que notei era a grama, coberta de pequenas gotas de uma possível chuva passageira. 

Andamos um pouco e chagamos ao destino, a Cabana do Mistério. Nosso tio Stanford Pines a construiu a alguns anos atrás, para pesquisar as coisas sobrenaturais que essa cidade dava origem. Nos dias atuais vive com o irmão, também nosso tio, Stanley Pines, que a transformou em uma loja que dizíamos ser uma armadilha para turistas, onde inventava diversos objetos sem sentido para vender. Dávamos apelidos de “tivô” a eles, pela idade que possuíam. 

Mabel.

Fomos recebidos por nosso Tivô Stan, que esperava sentado em um sofá na varanda. Ele se levantou e veio até nós. Nos abraçou e disse: 

– Sinto muito.

É claro que a culpa não foi dele, mas ouvir aquilo me deu um pouco de conforto. Fico pensando como deve estar seus pensamentos. Afinal, nossa mãe era sua irmã e, mesmo não se falando muito, ainda tinham uma espécie de vinculo. 

Sua aparência não tinha mudado, usava óculos, cabelo cinza meio apagado, sua barba se destacava em seu rosto, um paletó preto pôr cima de uma camisa social branca, com um laço vermelho na gola, acompanhados de uma calça preta. Sem falar do seu chapéu, que era sua grande marca. Bom... poderia dizer que sua segunda grande marca era a violência, mas vamos deixar isso à parte. 

Ele pegou duas malas e nos levou para dentro, onde damos de cara com uma bagunça assustadora. Ele andou normalmente, parecia não se importar com tantas latas de cerveja espalhadas pelo chão. Dipper parecia desesperado, não suportava ver algo naquele estado.

Ouvimos um barulho de algo se abrindo na parte da loja, em poucos segundos reconheci o ruído. Era a máquina de salgadinhos que escondia uma sala secreta, que descobrimos em nossa última visita. 

Tivô Ford apareceu, logo também nos abraçou. Sua aparência também não tinha mudado tanto, os mesmos óculos, a barba menos espessa, o cabelo cinza com a listra mais clara dos lados. Suas roupas lembravam a do Tivô Stan, também usava um paletó preto, porém aberto, com uma camisa social cinza por cima da branca e uma gravata, acompanhados da calça preta. Como também eram gêmeos, destacavam-se isso. Parecia estranho o ver de social, já que estava acostumada de o ver com roupas mais bagunçadas e um trench coat, que por dentro possuía  bolsos para o ajudar a carregar coisas, como os diários.

– Nos desculpe pela bagunça – Disse, colocando as mãos em nossas cabeças. –, o que aconteceu foi difícil, mas as coisas vão melhorar.

Concordamos. Ajudou a pegar nossas malas e subimos as escadas para nosso antigo quarto. Possuía duas camas, uma mesa, uma bancada e a janela em formato de triângulo. O pó era o que mais se destacava. Ficamos ali, parados na entrada, enquanto os dois entraram. Tivô Ford abriu a janela, fazendo o vento entrar.

– Sejam bem-vindos de volta. – Tivô Stan disse. 

 


Notas Finais


Peço desculpas pela demora do capítulo, mas estive sem tempo de terminar por causa de provas e trabalhos. ;--;
Logo estarei com tempo livre para trazer os capítulos com mais frequência. Então, espero ver vocês novamente em alguns dias!

Até o próximo capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...