História Reviravoltas amorosas - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alya, André Bourgeois, Chloé Bourgeois, Félix, Gabriel Agreste, Hawk Moth, Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Nathalie Sancoeur, Nathanaël, Nino, Personagens Originais, Plagg, Sabine Cheng, Sabrina, Tikki, Tom Dupain
Tags Aventura, Drama, Revelaçoes, Romance, Treta
Exibições 143
Palavras 1.507
Terminada Não
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Ola de novo
Este capitulo é dedicado a uma Amiga minha chamada Leonor. Ela é bue fixe e teve o dia todo a tentar ler aquilo quê escrevi.
Espero quê gostem
Boa leitura🤓🤓

Capítulo 8 - Mais uma visita noturna


Fanfic / Fanfiction Reviravoltas amorosas - Capítulo 8 - Mais uma visita noturna

Pov. Adrien

Depois de ir para o meu quarto e de ter falado com o Plagg, fiz os trabalhos de casa. Não eram muitos, mas eram bastante difíceis.

Ouvi alguém a bater à porta e pedi-lhe para entrar.

-Menino Adrien, o jantar já está pronto.-disse a Nathalie.- O seu pai quer que desça rapidamente.

- Eu vou já- levantei-me e fui para a sala de jantar acompanhado pela Nathalie. Quando cheguei, a voz grossa do meu pai fez-se ecoar por toda a sala.

-Boa noite Adrien. Penso que já sabes que o teu irmão Félix voltou.-ele apontou para o Félix e prosseguiu- eu pedi que ele volta-se para te fazer companhia.

- Eu adoro o Félix-pisquei-lhe o olho nesse altura- mas por que é que o pai quer que eu tenha companhia? Além disso, por que é que o deixa ir a Barcelona e a mim não?

-Em primeiro lugar, o Félix não discutiu comigo. Em segundo lugar, eu sou o teu pai e eu é que decido e não tenho de dar satisfação alguma. Em terceiro lugar, será que eu não posso fazer uma coisa que tu não questiones?- ele demonstrava uma mistura de ironia e raiva nas suas palavras.

-Peço desculpa. Eu não tenho muita fome, será que posso ir para o meu quarto?- o meu pai acenou afirmativamente- podem levar-me um queijo camembert ao quarto por favor?

-Claro que sim, menino Adrien. Vou levar-lho o mais depressa possível.

-Tenha uma boa noite pai. Boa noite mano!- depois de me despedir, subi para o meu quarto.

-Onde está o meu queijo? Eu exijo o meu queijo agora!- o Plagg começou a pedir queijo novamente.

-O queijo já deve estar a chegar, tem calma seu comilão!- mal disse isto, bateram à porta.

-Menino Adrien, aqui tem o seu queijo- ela entregou-me o camembert- Tenha uma boa noite, e não se deite muito tarde!

-Boa noite Nathalie!- fechei a porta e fui dar o queijo ao Plagg 

- Queijo!!!!!!!!- o Plagg atirou-se ao queijo e devorou-o

- Então Plagg? O camembert não era para ser comido com calma, amor e carinho?

-Supostamente sim. Mas eu estava esfomeado. Olha, queres transformar-te ou não? Eu nao tenho a noite toda!

- Sim, Plagg. Deixa de ser maricas. Plagg transforma-me!

-Eu nao sou maricaaaas- e foi Sugado pelo meu anel Mais uma vez.

 Tranquei a porta do meu quarto e sai pela janela.

Enquanto saltava pelos prédios, pensava no que tinha feito à minha princesa. Eu sou mesmo o monstro mais horrível de todos. E agora, o que lhe direi eu? Quando olhei para a frente, vi que já estava à frente da janela da Mari. 

Entrei no quarto dela pela janela e pareceu-me ver uma Luzinha vermelha a ir para debaixo da cama. Que parvo que eu sou, agora até já vejo luzes vermelhas!

- Princesa? Ainda estás acordada?- eu vi que ela se levantou da cama e se escondeu atrás de um móvel.

-Sim, tenta encontrar-me!

-Já te esqueceste que eu tenho visão noturna?

-Bolas! Tinha-me esquecido disso!- ela acendeu a luz e veio ter comigo.

A Mari estava linda como sempre, mas estava com ares de quem esteve a chorar durante horas.

- Que princesa tão esquecida!- disse eu forçando um sorriso, nem sei se ela reparou.

- E que gatinho tão atrevido!-disse ela fazendo um sorriso forçado e triste.

- Princesa, já vi que não estás bem. Conta-me o que aconteceu.

Ela começou a chorar e a soluçar muito e contou-me o que eu lhe tinha feito a ela e ao Nath sob a minha forma civil.

-Realmente ele passou dos limites. Hei-de fazer uma visitinha a esse rapaz.

-Nao lhe faças nada de mal! Quer dizer, ele merece sofrer, mas não dessa maneira.- será que depois de tudo o que aconteceu, ela ainda gosta um pouco de mim, ou pelo menos tem compaixão?

-Princesa, sê sincera comigo. Tu ainda gostas desse rapaz?- eu pus as mãos atrás das costas e comecei a fazer figas.

-Nao. Eu tenho-lhe ódio. Mas não quero que lhe aconteça nada de mal. Eu não sei o que se passa com os meus sentimentos.

- Eu sei pelo que estás a passar. A ladybug nunca me ligou nenhuma. Estou sempre a tentar declarar-me e nunca consigo. Eu sou um desastre. Além disso, acho que me estou a apaixonar por outra menina. Já tentei esquecer a ladybug, mas não consigo.

 

Pov. Marinette

Quando ele disse aquilo, eu acho que morri. Sempre pensei que o Chat só fazia aquelas coisas na brincadeira. Afinal, eu não era a única a tentar declarar-me e nunca conseguir.

-Ah, eu tenho a certeza que ela estava ocupada nessas alturas. Tu és quem melhor sabe que ela anda sempre de um lado para o outro a salvar e ajudar.

- Tens razão! Amanhã vou declarar-me, e desta vez, vai ser a sério.- ele parecia determinado, mas eu tinha pena dele, pois teria de rejeita-lo.

- Se ela te rejeitar, lembra-te que existem muitas garotas por aí, que dariam tudo para estar contigo.

-Eu também acho que esse tal de Adrien não fez essas coisas por mal. Se calhar estava com inveja do menino com quem estavas.

- Isso é impossível! Ele nunca iria gostar de uma rapariga como eu! Eu também não quero que ele goste!- menti um pouco, mas acho que ele não notou.

-Ok, tu é que sabes.- disse ele triste.

- Então é o que se passou contigo hoje? Também não pareces lá muito bem.

- Eu discuti com uma amiga da escola. Eu gosto muito dela, mas ela não me liga lá muito.

-É essa menina , de quem começaste a gostar juntamente com a ladybug?

-Acho que sim. Eu não percebo os meus sentimentos, assim como tu. Eu acho que com o tempo, saberemos melhor o que sentimos.

-Concordo.-de repente, ouviu-se um ronco vindo da barriga do Chat- o que é que tu comeste ao jantar gatinho?

-Nada. Não tive tempo para comer. Queria vir para aqui o mais depressa possível.

-Eu vou arranjar-te alguma coisa para comeres.

-Nao é preciso princesa.

-É sim. Eu insisto. A estas horas já todos cá em casa adormeceram, por isso, espera aqui um pouco.- sem ninguem ouvir, fui à cozinha e preparei uma "pequena" refeiçao ao gatinho.

 

Pov. Adrien

Quando ela voltou para o quarto, trazia um tabuleiro cheio. O tabuleiro tinha: um queijo Philadelphia, dois croissants, um pote de nutella, um copo de sumo, duas fatias de bolo e uma tigela de canja de galinha.

-Isto é tudo para mim?- eu estava incrédulo.

-Claro! Um super-herói precisa de se alimentar. E ainda por cima tu és um super-herói meu amigo.

-Muito obrigado princesa! Tu és um anjo que veio do céu dos céus! Abençoada sejas!

- Calma, aqui não estamos na missa. Obrigada pelos elogios, mas tu merecias isto e muito mais.- esta frase foi o necessario para eu gostar Mais um pouco dela.

 

Pov. Marinette

Depois do gatinho acabar de comer, começou a chover muito. Eu fui vestir um robe de pelo bem quentinho e pus uma manta em cima do Chat. Eu disse que ia fazer os trabalhos de casa e fui para a minha secretária. Ele sentou-se na minha cama e disse que ia esperar até a chuva amainar.

Quando acabei de fazer os trabalhos de casa, fui deitar-me. Até me tinha esquecido do Chat. Ele devia estar tão exausto quanto eu, pois estava a dormir. Ele parecia um anjinho, e eu tive pena de o acordar. Pus-lhe uma máscara de Carnaval por cima da dele, pois ele podia destransformar-se antes de acordar.

Fui buscar o meu saco-cama e pu-lo ao lado da minha cama ( Onde o gatinho estava a dormir). Sussurei as boas noites à tikki ( que estava debaixo da cama), e esta desejou-me as boas noites de volta. Depois de pensar em como tinha sido o meu dia,acabei por adormecer.

 

Pov. Adrien          

  (No dia seguinte...)

Hoje acordei com o Plagg a beliscar-me a bochecha.

-Adrien, Adrien! Acorda, acorda! Tu ainda estas na casa da Mari!

- O quê? Entao Se tu estas aí, isso quer dizer quê ela me viu destransformado! Oh nao...

-Calma pinga-amor. Ela pôs-te uma mascara antes disso.

-Onde está ela?- olhei para todo o lado e não a vi, ja estava com medo que ela me tivesse visto sob a minha forma civil.

-Ela está a dormir no chão. Teve Pena de te acordar e foi dormir para o chão. E tenho a certeza que ela nao te viu a cara, pois tens uma mascara de Carnaval a cobri-la.- ele começou a rir.

-Ainda bem quê ela nao viu. Mas ela podia-me ter acordado. Assim cada um estava em sua casa e ela a dormir melhor que agora.

-Rapaz, ela não te quis acordar e tu ainda reclamas. Devias era ter vergonha.

Ouvimos um barulho vindo do chão e vimos a Mari a falar meio adormecida:

-Gatinho? Ainda estás aí?- eu e o Plagg encolhemo-nos num canto do quarto, sem saber o que fazer.

 

 


Notas Finais


Espero quê tenham gostado
Desculpem ter demorado tanto tempo a postar, mas nao dava mesmo para postar antes.
Até ao próximo capitulo 😎


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...