História Ride or Die - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Esquadrão Suicida
Personagens Harleen Frances Quinzel / Harley Quinn (Arlequina), Personagens Originais
Tags Harley Quinn, Joker, Kehlani
Exibições 94
Palavras 3.259
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Luta, Mistério, Misticismo, Policial, Romance e Novela, Super Power, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Demorei mas voltei, foi dificil ser criativa com muita febre e garganta inchada essa semana, perdão, meus amores. Aproveitem <3

Capítulo 12 - Atenção e alguns cuidados


Fanfic / Fanfiction Ride or Die - Capítulo 12 - Atenção e alguns cuidados

KEHALNI POV ON *

É, eu realmente estou ficando louca. Me entreguei pro cara que havia me torturado duas vezes seguidas e o beijei sem mesmo tentar negar. Os malditos choques, devem ser eles, claro que sim, só assim pra eu ficar com essas coisas na cabeça e ainda por cima pedir ajuda a ele.

Não seja tola, assuma e deixe que o desejo te consuma, pare de inventar desculpas docinho.

                    — Porque diabos você está em minha cabeça ? – questionei a voz de Joker, eu poderia jurar de pés juntos que a ouvi me repreender pela lógica que eu tentava bolar pra justificar meus recentes atos, mas ela se calou de repente – Idiota.

Olhei o relógio que ficava em uma das enormes paredes verdes da sala,  5:30 p.m . Eu estava extremamente entediada e com fome, Albany ainda estava desaparecida então decidi preparar algo pra comer. Caminhei até a cozinha e comecei a pegar os ingredientes necessários pra uma torta, era uma das coisas que eu mais gostava de comer e também uma das poucas que eu havia aprendido a cozinhar, então dava pra não passar fome.

Me aproximei da pia e comecei a cortar os legumes que eu iria usar após ter lavado-os e olhei pela janela, Harley se pendurava no meio daqueles tecidos e se balançava de maneira vagarosa, parecia perdida em seus pensamentos, ou talvez estivesse escutando as vozes dialogarem. Eu fui má ? Talvez. Mas eu só disse a verdade, mesmo que ela amasse pelos dois, um dia ela sentiria a falta da reciprocidade, só 5 minutos de carinhos vindos de seu amado não seriam o suficiente. Querendo ou não, Harley ainda era humana, uma humana bem pirada, mas ela tem um coração, e ninguém agüenta viver assim.

Balancei a cabeça e parei de pensar sobre isso, reatar minha amizade com Harley seria impossível e eu pretendo estar bem longe daqui caso algum dia ela descubra do beijo. Terminei a massa após algum tempo e joguei o frango desfiado junto aos legumes na mesma, despejando na forma logo em seguida. Como iria demorar um bom tempo, programei o forno na temperatura certa e pra desligar quando acabasse de assar, lavei o que eu havia usado e me dirigi até  a sala que continuava vazia. Joker morava em uma mansão luxuosa, com direito a piscina, jardim, campo e quadras esportivas, mas sua vida era sala de tortura, escritório e cama. Cansada de pensar no casal suicida, me joguei no sofá e liguei a televisão, deixando em um canal de desenhos enquanto me mantinha esparramada pelo sofá esperando que meu estômago parasse de roncar devido a fome, não estava nem prestando atenção no desenho então acabei dormindo ali mesmo.

JOKER POV ON *

Após Kehlani ter me deixado lá, plantado de pau duro na cadeira, resolvi voltar a fazer algo útil da vida. Me levantei de incomodado, alguém embaixo das minhas roupas ainda estava animado com a visitinha que quase teve mais cedo, se não consegui com a Kehlani hoje, consigo com a Harley, sem problema nenhum.

Um dos pontos bons sobre a Harley é que ela não ficava nessa demora e frecura toda, ao contrário da Kehlani te obrigava a assistir todos os capítulos da novela pra não perder o ápice, mas sinto que vale a pena.

                    — HARLEY – gritei enquanto já saia de meu escritório e caminhava rumo á meu quarto encarando as paredes cor bege bem claras daquele corredor, apesar de gostar de cores chamativas, optei por ser tradicional na escolha da decoração de minha casa. Por falar nisso, mandaria darem uma cama digna pra Kehlani em alguns dias, meu brinquedinho sexual tinha que estar bem descansado e em dia quando eu fosse usar. – Mas aonde diabos essa garota foi se meter agora ? – resmunguei ao notar que Harley estava demorando demais.

                    — Chamou, pudinzinho ? – apareceu toda sorridente no portal de meu quarto, enrolada em uma toalha enquanto segurava outra e secava os cabelos com as mãos, me mandando um sorriso travesso.

                    — Ano passado. Se arrume, nós vamos dar uma volta – ordenei ríspido enquanto entrava batendo em seu ombro de propósito, Harley estava me irritando tanto ultimamente que só o fato de respirar perto de mim fazia-me querer vira-la do avesso na porrada.

                    — Sim senhor – respondeu mantendo um tom exaltado indicando que ainda estava animada, saiu pulando pelo corredor enquanto eu fui tomar um banho relaxante. Olhei no relógio que ficava pendurado na parede do quarto enquanto me despia, nove e quarenta e cinco. A noite seria longa.

HARLEY QUINN POV *

Joker atravessava as ruas de Gotham na contra mão, correndo e desviando dos carros como sempre o que me fazia rir vez ou outra por conseguir observar a expressão de desespero das pessoas no carro que topavam com a Lamborghini preta em que escolhemos usar hoje.

Eu trajava meu vestido curto, claro, como sempre. O de losangos pretos e dourados, Pudinzinho adorava quando eu o usava e eu realmente estava precisando o agradar depois do chilique que eu havia dado anteriormente, eu faria de tudo pra me redimir e faria de tudo pra ele, por ele.

                    — Harley desça logo da merda do carro – Ordenou de forma bruta, eu havia ficado tempo demais pensando e havia me esquecido que hoje a noite seria minha, eu havia prometido duas coisas a mim mesma : Primeira – Conseguir o perdão do puddin e uma noite maravilhosa de sexo com ele, eu já estava morrendo de saudades do seu toque, a ponto de enlouquecer. Segunda – Esquecer da existência da Kehlani, eu teria que aceitar que Joker havia decidido pegar o problema pra criar e chamar de brinquedo novo. 

Puddin não estava muito paciente então saiu andando na minha frente, eu claro, o segui como sempre, andando da forma mais provocante o possível, eu adorava quando me olhavam e ele matava todos que ousavam fazer isso. Chegamos até a mesa que era reservada exclusivamente para nós dois, porém hoje ali estavam Pinguim, Espantalho e Duas Caras, revirei os olhos e esperei Puddin se sentar e me sentei em seu colo o sentindo rodear minha cintura com um dos braços, cumprimentei os três a nossa frente com um aceno de cabeça e comecei a brincar com algumas mechas de cabelo, eu não participaria do assunto e nem daria palpites, quando tentei puddin me bateu e não foi fácil normalizar as coisas entre nós dois novamente.

Aquela reunião estava extremamente chata, eu já havia contado e recontado quantos fios de cabelo haviam em minha cabeça e já havia pensado em várias maneiras de me livrar da pirralha de uma maneira que não chateasse Mr.J, permaneci calada pensando e pensando, os dias dela estavam contados dentro da minha casa. Sorri psicoticamente com os planos que eu tinha em mente, eu tentaria um por um até conseguir a cabeça dela pendurada em cima da minha lareira.

                    — Harley – Puddin chamou atraindo minha atenção, eles já haviam ido embora, isso significava que agora seriamos só nós dois, finalmente – Papai já acabou de cuidar dos assuntos dele, agora nós vamos começar nossa noite, querida... – o sorriso que surgia em meu rosto poderia rasgar minha cara a qualquer momento – Já sabe o que fazer. – segurou meu pescoço e apertou minha cintura me fazendo gemer em resposta, Joker mordiscou minha pele e eu arfei – Vai. – Suas mãos soltaram minha cintura e eu me levantei, sai rebolando e atravessei as cortinas que eram feitas por correntes douradas, eu simplesmente amava aquele strip-club, compraria ele se pudinzinho deixasse.

Subi no palco que ficava logo a frente da mesa do meu amorzinho e comecei a dançar como se fosse a maior vadia desse mundo, rebolava meu quadril de maneira provocativa misturando com alguns movimentos com braços, meus movimentos eram quase uma peça teatral que acontecia de acordo com as batidas de Purple Lamborghini.

 No palco onde eu estava haviam duas dançarinas, empurrei uma delas na parede de vidro e fui até o chão, segurei sua cintura e subi passando meu corpo pelo seu enquanto sorria a vendo ficar assustada enquanto eu voltava a dançar como se não houvesse amanhã, Puddin me olhava a todo tempo, eu iria conseguir o que eu queria e seria hoje mesmo, eu vou transar, porra.

Umedeci meus lábios e continuei dançando normalmente, até Joker me chamar até lá. Desci do palco e caminhei até o local em que estávamos antes, me sentei na pequena parede de apoio dos sofás e separei as correntes deixando meu corpo transparecer.

                    — Pudinzinho ? – ronronei manhosa o ouvindo dizer “Vem pro papai” e comecei a rir. Enrolei meus cabelos em meus dedos enquanto observava atenta, Joker tinha companhia.

                    — Harley, esse é Harvery – ele abriu os braços nos apresentando e o homem sentado no sofá sorria de modo pornográfico – E você é meu presentinho pro nosso amigo garanhão... Faça tudo o que ele quiser – revirei os olhos e suspirei baixo sem que percebessem muito, eu não gostava disso, Joker sabe que por mais dessas provocações eu era somente dele e não queria mais ninguém. – Que sorte, os nomes até combinam – Joker comentou andando de um lado para o outro enquanto ajeitava o cabelo e bebia do seu whisky caro.

Me levantei dando meu melhor sorriso e dei uma risadinha sentando nas pernas daquele homem sem graça, nem bonito ele era. Mordi o ar como uma cadela e ele riu comigo.

                    — Oi, Harvery... gosto do seu nome – murmurei baixo balançando a cabeça enquanto o olhava profundamente – Gosto de você – sussurrei fingindo o beijar e levantei seu rosto – Você me quer ? – Perguntei o vendo umedecer os lábios, vidrado em mim – Eu sou toda sua – murmurei manhosa ainda o olhando nos olhos.

Joker nos observava aflito, estava ansioso e sua respiração era pesada a ponto de bufar, Harvery notou e nos olhou sem graça.

                    —  Essa mina é tua, não quero problemas, J. – ele indagou e começou a soar frio, me soltando de seus braços.

                    —  Porque ? – fingi estar indignada – Não gostou de mim ?

                    —Não quer problemas ? Não que treta ? Não quer treta, não quer treta ? – Joker avançou até o rapaz e eu desci de seu colo.

                    — Okay, não vou perder meu tempo, então – me sentei no sofá ao lado e voltei a enrolar meus fios com os dedos, sorrindo. Eu amava ver Joker com ciúmes de mim.

                    — A mina é sua, qual é J – ele suava frio e tremia, Pudinzinho se abaixou e sorriu.

                    — Está se divertindo ? – Coringa mudou o sorriso para psicótico e se levantou enquanto o rapaz negava com a cabeça.

                    — Ela é sua garota, eu não deveria ter olhado pra ela, perdão senhor C – era ridículo, ele havia olhado pra mim na frente do meu pudinzinho, mas não era homem pra se levantar e o peitar. Até que eu entendia, ninguém mexe com o rei de Gotham e muito menos com a Rainha dele. Joker se levantou sorrindo e ajeitou o cabelo, tomando certa distancia dele, pegando a arma.

                    — É. Tem razão – ele o olhou ainda sorridente e ficou sério do nada, seu olhar era frio e parecia almejar por sangue, Joker era extremamente sexy sem fazer esforços e isso me fazia morrer por dentro sempre que o olhava. Ele atirou sem piedade alguma e olhou o corpo caído no sofá, indiferente e frígido. – Espero que tirem o lixo e arrumem meu cantinho – girou a glock nos dedos e guardou de volta em um dos coldres. O olhei maliciosa e caminhei até ele.

                    — Pudinzinho, vamos pra casa... Como o senhor disse – passei meus braços por seu pescoço sentindo uma das mãos quentes dele descer e apertar minha bunda com força – Eu tenho agido de forma incoerente e estou merecendo ser punida – continuei dando beijos por sua nuca e ouvi Joker rir – Hoje me parece um ótimo dia pra isso...

                    — Doce Arlequina... Hm... Você tem razão, benzinho. Vamos pra casa – ele abraçou minha cintura e nos guiou até a saída, entramos no carro e como sempre em menos de dos segundos estávamos correndo feito loucos pelas ruas de Gotham.

JOKER POV ON *

Eu estava sem paciência. Harvey havia me tirado do sério chamando Harley de “Vagaba Show”, na minha cara, que folgado. Que cidadão em sã consciência, habitante de Gotham city OUSA olhar e difamar Harley dessa maneira, pior ainda, na minha ilustre presença. Eu estava tenso, mordia meu lábio repetitivamente e apertava o volante com tanta força que poderia jurar o sentir pedir socorro.

                    — Está tenso, pudinzinho ? – Harley pediu atenção e passou a mão por meu pau descaradamente, a encarei sério e ela sorriu, umedeceu os lábios e se abaixou, com uma mão abriu minha calça enquanto a outra me provocaça arranhando minhas tatuagens no abdomem.

                    — Não me provoca Arlequina – ordenei ríspido e a ouvi rir, meu membro já havia dado sinal e eu estava quase enfiando a Harley dentro das minhas calças até que a filha da mãe finalmente caiu de boca, fazendo garganta profunda, permanecendo assim por um bom tempo como se fosse se acostumar com o tamanho do papai aqui. Comecei a rir baixo e puxei seu cabelo com certa força – Vamos, docinho. Papai precisa dos seus cuidados agora, então me chupa logo antes que eu atravesse sua garganta – ameacei rindo e Harley me olhou, sorriu safada e voltou a movimentar aquela boquinha gostosa, instantaneamente relaxei o aperto no volante e aumentei a velocidade um pouco mais, dividindo a atenção entre Harley e a estrada.

A loira em meu colo chupava com vontade, como se matasse a fome e aquilo só me arrepiava cada vez mais e crescia o desejo de a rasgar no meio quando chegássemos em casa. Harley aumentou o ritmo dos movimentos após certo tempo e eu deixei alguns suspiros escaparem e acabei arfando quando gozei, Arlequina engoliu tudo e fechou minha calça, subiu o corpo me olhando enquanto eu parava o carro e ainda mantinha um maldito sorriso safado brincando nos lábios. Safada, como sempre.

Desci do carro e ela me acompanhou rápido, passamos pela sala aonde Kehlani estava toda jogada no sofá, dormindo enquanto a TV estava ligada, não dei muita atenção, afinal eu tinha uma foda me esperando. Observei Quinn atravessar o corredor mais rápido que eu, rumo ao seu quarto, rebolando o tempo todo. Apertei o passo a vendo entrar no quarto, deixando a porta aberta e entrei no cômodo apressado, joguei os coldres e  minha blusa no chão de qualquer jeito, Harley já estava nua na cama, pronta pra mim.

                    —  Me faça sua, Pudinzinho... Me faça gritar seu nome pra todos ouvirem – pediu enquanto eu subia em cima de seu corpo, alisando sua pele branca como a neve de forma bruta a vendo se arrepiar e morder o lábio me observando.  Apenas sorri maldoso e me inclinei, atacando seus lábios de forma bruta, meus dedos percorreram a barriga magra de Harley enquanto seus dedos puxavam meus fios. A enfiei dois dedos a sentindo rebolar devagar, gemendo entre o beijo.

                    —  Você gosta, não é ? – perguntei a vendo assentir com a cabeça e passei a dar atenção ao seu pescoço, distribuindo beijos, mordidas e chupões fortes por sua pele clara, fazendo Harley gritar por meu nome. Com a outra mão me ergui e sem parar de a estimular com os dedos, fiquei em pé numa das laterais da cama e girei seu corpo, abri minha calça ouvindo Harley gritando por meu nome como uma cadela no cio, senti suas paredes se contraindo – Não tão rápido, papai ainda não acabou – pisquei em sua direção e ri a sentindo ficar cada vez mais molhada, abaixei minha calça de uma vez junto á cueca e segurei meu membro, o masturbei algumas vezes e sem mais delongas encaixei na entrada de Harley rindo junto a ela. Penetrei de uma só vez e a senti estremecer e gemer alto logo em seguida – Gostosa – elogiei baixo enquanto fechei os olhos rindo e segurei no pescoço todo roxo da mulher deitada a minha frente, apertei levemente e comecei a penetrar Harley em um ritmo rápido, murmurei alguns palavrões e ri diversas vezes durante meus atos, Harley fazia o mesmo enquanto gritava meu nome diversas vezes, ela queria mesmo que a casa toda ouvisse.

                    — Ah, Puddin... n-não para... Oh meu deus – Arlequina segurava meu braço que a sufocava e ela gemia cada vez mais alto, sua buceta mastigou meu pau e ela estava prestes a gozar – PUDDIN.... OH CÉUS EU, EU... – comecei a ir ainda mais rápido sentindo espasmos se espalharem por meu corpo, a loira arreganhou as pernas me deixando ir mais fundo enquanto arranhava meu braço e gritou assim que atingiu seu ápice, sorri malicioso vendo a expressão no rosto de Quinzel, deliciosa e totalmente entregue a mim, minha Harley Quinn.

 Estoquei mais algumas vezes e grunhi, gozando pela segunda vez. Parei com os movimentos aos poucos e soltei o pescoço de Harley, sai de dentro da mesma a vendo se ajeitar na cama e me sentei tomando fôlego brevemente enquanto vestia minha calça e recolhia as armas, roupas e deixei apenas os sapatos ali, amanhã eu pegaria ou alguém organizava em meu quarto novamente, eu pago esses idiotas pra isso.  Me levantei da cama deixando uma Harley confusa me olhando.

                    — Aonde você vai, amorzinho ? – perguntou-me manhosa e eu revirei os olhos e ri. Umedeci meus lábios e suspirei.

                    — Não é da sua conta, vá dormir. Boa noite, Quinn – pisquei um dos olhos para a garota que me encarou furiosa e apenas ri, caminhei calmamente até meu quarto , 4:30 da madrugada.

Como eu estava sem sono, apenas tomei um banho rápido e vesti uma calça de moletom preta, peguei meu celular e o guardei no bolso, levando comigo nas mãos a caixa de um aparelho novo. Desci até a sala e Kehlani parecia estar acordando, joguei a caixa acertando bem na bunda da garota e gargalhei a ouvindo resmungar e levantar a cabeça me encarando furiosa. Caminhei até o sofá em que ela dormia a pouco e me sentei no braço, a observando se sentar também.

                    — Que porra é essa, Coringa ? – questionou toda irritada, eu adorava o humor acessível de Kehlani.

                    — Um tijolo pra reformar seu canil, babe. Um celular, sua trouxa. O mesmo é que eu não iria te dar – respondi irônico e me sentei no sofá agora, analisando a menina abrir a caixa e ligar o aparelho curiosa – Senta aqui, vou configurar pra que não faça graça alguma. – a pedi, batendo em minhas pernas indicando que queria ela em meu colo.

                    — Claro que não, toma – ela joga o aparelho em minhas mãos e me olha fazendo cara de nojo, o que me fez rir – Acha que eu tava tentando dormir porque ? Achei que a casa iria quebrar com vocês dois reproduzindo.

                    — Reproduzindo – repeti um tanto quanto risonho e comecei a gargalhar ouvindo Kehlani tagarelar, parei após algum tempo e a puxei pra meu colo a força, ela resmungou e tentou sair mas claro, eu não deixei. – Voltando ao assunto, já está configurado, era só uma desculpa pra você vir – confessei sorrindo e a menina apenas me olhava indiferente – Mas que fique claro, eu te mato de fizer gracinha. Só pode falar comigo ou com Jonh, com ele caso for extrema urgência, a prioridade sou eu, entendeu ? – mudei meu tom para severo e a menina revirou os olhos me fazendo sorrir de canto.

                    — Okay pai, mais alguma coisa ? – cruzou os braços enquanto me via voltar a sorrir.

                    — Claro, papai vai te dar atenção e cuidar dos seus machucados de novo – murmurei em pura malicia e me levantei do sofá a carregando no colo.


Notas Finais


O que acharam ? como prometi, vou dar o que o povo quer daqui pra frente pra compensar o que faltou por muuuito tempo hahaha. Será que harley vai matar Kehlani ? Será que Kehlani vai matar ela ? Ou joker matará as duas ? muita emoção, meu povo. Espero que tenham gostado, até o próximo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...