História Right to be a mother - Capítulo 57


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Camila Cabello, Camren, Lauren Jauregui
Visualizações 1.755
Palavras 2.832
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


hey guys

Capítulo 57 - Namorada


Fanfic / Fanfiction Right to be a mother - Capítulo 57 - Namorada

O dia estava entediante pra Dinah, após a conversa que teve com Normani no celular, a garota não voltou a atende-la e isso estava deixando-a aflita. Resolveu então ir abrir a cafeteria Hansen, depois que Camila e Lauren se acertaram a latina não foi mais trabalhar no local, então o mesmo ficou fechado. Depois de fazer uma breve faxina lá dentro e organizar as mesas colocou a placa de aberto e logo começou a chegar clientes.

Pov Hayley

Minha cabeça estava a ponto de explodir de tanto estresse, era reunião atrás de reunião, muita gente me requisitando, parcerias pra fazer, alguns não eram nada confiáveis, eu não estava tendo tempo pra mim, era tudo resumido a trabalho. Estava saindo da empresa quando estacionei o carro perto da cafeteria, automaticamente me lembrei da latina e seus olhos castanhos encantadores, mas logo tratei de afastar esses pensamentos, ela não me amava. Sai do carro, precisava tomar um café rápido antes de voltar ao trabalho. Abri a porta do local com tanto pressa, que no momento em que ouvi meu celular tocar e eu fui atende-lo não olhei pra frente e acabei esbarrando em alguém, só senti o líquido um pouco quente molhar minha camisa branca.

-aii aii aii..

A moça dizia desabotoando alguns botões da blusa e abanando a parte dos seios, em mim também ardeu, e manchou a roupa que eu ia pra reunião, não sabia o que fazer.

-eu.. eu sinto muito, me desculpa, deixe-me ver

Tentei tocá-la mas ela afastou minha mão, só então nossos olhares se encontraram

-não precisa, eu posso limpar isso, está tudo bem

-ficou um pouco vermelho

Falei apontando pra região do decote dela onde o café tinha caído

-vou ficar bem

-acho que deveríamos parar de nos encontrar dessa forma, nos esbarrando

Dei a mão a ela pra nos levantarmos. Era a garota que esbarrei na agência da Vives

-precisam de ajuda?

-não Dinah, está tudo bem, foi só um erro da minha parte, estava distraída

-tudo bem então, qualquer coisa é só chamar –ela se retirou

-tenho que ir

-espere.. me deixe te ajudar, te dar pelo menos uma carona

-não precisa. Ia a alguma reunião?

-sim

-sinto muito, agora sua roupa está manchada

-eu desmarco, sem problema, e a culpa foi toda minha, acabei sujando nós duas, permite que eu te dê uma carona? Estava indo pra agencia?

-lembra-se de mim?

-você tem um sorriso difícil de esquecer, a gente se esbarrou na agência e eu acabei derrubando suas coisas

Ela ficou corada, eu não quis deixar isso parecendo uma cantada, foi apenas um elogio, e na verdade ela tinha mesmo um sorriso incrível e olhos expressivos.

-obrigada senhorita..

-Hayley, apenas Hayley, e qual o seu nome?

-Keana Marie, mas pode chamar apenas de Keana

-muito prazer

Estendi a minha mão um pouco suja do café, ela sorriu e apertou

-acho que precisamos trocar de roupa logo

-é, tem razão

-tem certeza que não te queimou?

-não, felizmente não estava muito quente, tenho mania de ficar assoprando até deixar morno, para só então tomar

-uffa, não queria ser responsável por queimá-la, e justo ali

Apontei para os seios dela, a mesma fechou os botões que haviam sido abertos e mais uma vez ficou corada.

-podemos ir?

-claro

Ela então me acompanhou até o carro. Já a caminho da agencia o silêncio reinou, o que me deixou incomodada.

-fala alguma coisa

-tipo o que?

-faz tempo que trabalha com fotografia?

-um pouco, e você, faz tempo que gosta do setor administrativo?

-sim, desde os meus 18 anos, comecei por causa do meu pai e não parei mais

-parece ser uma mulher muito ocupada

-e eu sou, mas...-estacionei o carro ao lado da agencia –eu tenho tempo para um café, se quiser, pra me desculpar pelo inconveniente, ou um sorvete se preferir, um jantar.. você escolhe

-está me chamando pra sair?

-não! quer dizer, acho que sim, mas... não é como se fosse um encontro, acho que te devo depois de quase te queimar

-é muito gentil da sua parte

-isso é um sim?

-aceito, me passa seu número?

Entreguei meu celular e peguei o dela pra digitar meu número

-está salvo, eu te ligo pra marcar

-vou esperar

-desculpa mais uma vez

-não tem problema, eu sempre tenho blusas reservas na minha bolsa, e por sorte está lá dentro, na agencia, trouxe apenas a carteira

-isso é ótimo, eu preciso ir em casa agora

Algo nela me fazia querer apenas fica ali encarando seus belos olhos e vendo seu sorriso tímido, mas eu precisava ir

-então.. a gente se vê

-claro

-tchau Hayley

-tchau Keana

Nós duas rimos, porque nenhuma saia do lugar no banco do carro

-oh, me desculpe, que falta de educação a minha

Sai do carro e dei a volta pra abrir a porta pra ela

-obrigada

Não sei porque, mas depois que ela sai eu ainda permaneci sorrindo, mesmo com minha roupa toda suja de café, pareceu até que todo o meu estresse fosse embora depois que Keana sorriu de forma tão gentil pra mim.

*** 

Depois do almoço Dinah tomou um banho demorado, estava se sentindo sozinha ali sem a presença de Camila e Karen, tinha se acostumado. Ligou pra Normani outra vez e estava na caixa de mensagem. Resolveu então aparecer na casa da Jauregui sem avisar. Dirigiu até lá e logo já estava dentro da cama.

-titia Dinah!

A pequena Karen correu para os braços da loira

-oi meu amor, senti sua falta

-eu também

-está se comportando?

-estou, Karen está sendo boazinha

Lauren sorriu olhando pra filha e a latina logo adentrou a sala

-Cheechee, que coisa boa te ver aqui

-precisava da ajuda de vocês

-Sabrine, por favor, leve a Karen pro quarto, brinque com ela

Falou a uma das empregadas da casa

-claro senhora

Pegou a pequena nos braços e deixou as três sozinhas

-aconteceu alguma coisa?

-Normani não me atende, não tem como vocês falarem com ela?

-ainda nisso? Resolve logo de vez

-se eu soubesse como já teria feito

-você a ama?

-claro que sim, somos amigas a anos

-não é desse tipo de amor que estou falando Dinah

-eu.. sinto a falta dela, meu dia fica incompleto sem a presença dela, sem sua risada ou sem seus beijos, eu gosto de ouvir ela falando o tempo todo sobre a Beyonce, só ela me aguenta em relação a esse assunto também

-só ela mesmo. Você sente falta dela e está óbvio que está apaixonada

-a-apaixonada?

-até quando vai negar?

-vai esperar ela encontrar outra pessoa e colocar no seu lugar?

-vocês estão me deixando mais confusa

-só estamos falando a verdade, se eu não tivesse vindo pra Miami lutar pela Lauren, não estaríamos juntas agora, com a nossa filha, se eu simplesmente tivesse  ficado parada e deixado ela ir.. me arrependeria pelo resto da minha vida, é isso que quer? Perder a Normani?

-claro que não, mas e se estragar nossa amizade?

-já olhou pra mim e Lauren? Somos melhores amigas desde pequena, e temos uma filha agora, e um relacionamento, precisa arriscar

-o que farei se ela não quer nem falar comigo?

-vai na casa dela

-leva flores, isso sempre agrada

-é clichê

-mas e dai? não tem problema algum

-e depois? E se eu ficar sem saber o que dizer?

-ai você deixa seu coração falar, tenho certeza que ele saberá usar as palavras certas, para de ter medo de relacionamentos, se permita Dinah

-eu vou fazer isso

-vai agora

-agora ela está na academia, mas irei a noite

-é assim que se fala! Agora vem pra cozinha que tem bolo de chocolate, sei que você adora

-você vai quebrar a minha dieta, mas vou aceitar

***

Pov Dinah

Quando cheguei em casa já era noite, vim o caminho inteiro pensando sobre o que conversei com minhas amigas, e elas estavam certas, eu quase surtei só de imaginar a Normani com outra pessoa que não seja eu, então isso deve significar alguma coisa, não sinto isso por nenhuma outra amiga, não desejo beijar, nem estar sempre perto como é com ela.

Tomei outro banho, escovei meus dentes, me arrumei e passei um pouco de maquiagem, me olhei um pouco no espelho e vi que estava tudo ok. dei uma olhada na hora, 19:30. Ela chega da academia ás 18:00 então estava perfeito. Sai e tranquei o apartamento, passei em uma floricultura e comprei um buquê de flores, como me foi sugerido. Implorei a Deus para que eu não pagasse um mico. Entrei no carro e então dirigi até a casa dela. Quando estacionei pude ver a luz acesa da janela indicando que ela estava mesmo em casa, meu coração de repente acelerou. Sai do carro pra caminhar até a porta quando ela foi aberta e eu avistei ela, e um homem, o mesmo da foto no Snapchat, eles se abraçaram e então ele a beijou, mesmo que só tenha durado segundos eu pude sentir meu coração quebrar em pedaços, foi nesse momento que deixei o buquê cair no chão juntamente com uma lágrima que desceu em meu rosto, então ela me viu e empurrou o homem, eu queria dar meia volta e entrar no carro mas foi como se meus pés estivessem colados no chão.

-Dinah? o que faz aqui?

-ainda disse que ele era gay! Ótima desculpa

-ele me disse que era, fui pega de surpresa

-aproveitou muito lá dentro? Claro, ele deve ter divertido tentando passar a mão em você

-vai me ofender de novo?

Limpei a lágrima e baixei a cabeça, o homem nos encarava

-o que está olhando? –perguntei com um tom nervoso

-Jared, acho melhor você ir

-eu sinto muito, eu não queria ter feito aquilo, eu só...

-está tudo bem, só vá por favor

O homem caminhou até um carro branco que estava estacionado atrás do meu e foi embora

-fala comigo, Dinah

-não tenho o que falar

Ela se abaixou pra apanhar o buquê

-tem certeza que não tem? Trouxe elas pra mim? são lindas

-foi um erro, depois do que vi

-ele me beijou, eu não tinha como saber que ele faria isso, e justo quando você chegou, agora me responde, o que veio fazer aqui?

-ser idiota! É isso que eu vim fazer aqui, trazer flores para a mulher mais especial que eu já conheci na minha vida, que tem as manias mais estranhas e que ao mesmo tempo são tão parecidas com as minhas que as vezes desconfio se não somos almas gêmeas, uma mulher que me fez falta esses dias

-você sentiu minha falta?

Disse se aproximando de mim

-muita

-também senti a sua

-então porque não me atendeu?

-estava chateada, porque você tem que ser tão difícil?

-mas eu não sou d..

Ela não me deixou falar, me puxou para um beijo de tirar o fôlego. Fechei meus olhos sentindo a textura da sua boca carnuda na minha, envolvi meus braços em sua cintura e fomos parando o beijo devagar

-me diz.. o que veio fazer aqui de fato?

-vim dizer que.. que preciso de você, que eu quero algo sério, porque quero que sua boca seja beijada apenas por mim, mais ninguém, soube disso assim que vi aquela foto sua com aquele cara

Ela sorriu e meu coração disparou

-fala sério mesmo?

-sim, aproveita enquanto tive esses minutos de coragem e diz logo sim

-se fizer a pergunta formal eu respondo

-Normani Kordei, você quer namorar comigo?

Ela envolveu meu pescoço com seus braços me puxando pra perto de si ainda mais

-sim, claro que sim minha loira

-minha morena

A beijei novamente, dessa vez com mais fervor, senti seus lábios em meu pescoço.

-acho melhor entrarmos pra dentro

Saiu me puxando até a porta, fomos nos beijando até entrar e trancá-la, comecei a tirar suas peças de roupa dali mesmo, quando chegamos no quarto já estávamos apenas de calcinha e sutiã. Empurrei tudo que estava sobre uma escrivaninha de madeira e a coloquei em cima deslizando minha língua pela região de seu pescoço, sentindo o cheiro de sua pele macia, ela estava tão cheirosa. Apertei uma de suas coxas contra meu corpo ficando entre as pernas dela. Abri logo o fecho de seu sutiã tocando seus seios fartos, olhei nos olhos dela que estava com um brilho diferente.

-você é tão linda Mani

Acariciei o rosto dela que sorriu e me puxou para beijá-la de novo. Beijei por entre o vale de seus seios e deslizei a minha língua quente por seu mamilo e suguei lentamente

-aah...

Ela gemeu perto do meu ouvido e meu coração acelerou as batidas. Puxei o tecido fino da calcinha dela , levei dois de meus dedos aos lábios dela umedecendo-o e fui de encontro a sua intimidade pairando com meus dedos naquela região, fazendo uma leve pressão, sentindo o pulsar, sentindo o calor, então mergulhei meus dedos em seu íntimo, sentindo o aconchego e o calor em seu interior. Ela puxou-me pra mais perto beijando a minha pele, deslizando seus lábios canudos por minha pele, envolvendo suas pernas ainda mais contra minha cintura conforme eu ia aumentando o ritmo de minhas estocadas. Senti uma pressão gostosa entre minhas pernas e que precisava urgentemente de um alívio. Segurei Normani em meus braços ainda com suas pernas entrelaçadas em minha cintura e fomos pra cama, pude ouvir o som dos nossos corpos se chocando contra o colchão macio e eu não perdi um só segundo, voltei a fazendo nossos seios se tocarem, pele com pele, eles eram tão fartos e belos, sua pele morena me deixava em estado crítico, eu sentia minha calcinha molhar vergonhosamente sem nem ela me tocar onde eu necessitava ser tocada. Depois que tirei a única peça que cobria minha nudez ela foi rápida em inverter as nossas posições se colocando por cima e se encaixando a mim, senti seu sexo começar a roçar com o meu.

-ooh..

Os gemidos começaram a sair pela minha boca com facilidade, ela rebolava, esfregava-se lentamente contra mim, eu sentia o seu pulsar junto ao meu, nossos corpos quentes, seu clitóris arrastando-se sob o meu fazendo-me perder a sanidade, e ela começou a aumentar o ritmo, friccionando ainda mais, podia-se ouvir o barulho de nossos corpos se chocando

-aahh... ooohh Normani

-Dinah!

Ela gemeu chamando meu nome enquanto me olhava e nossos corpos se moviam em uma sincronia perfeita, eu sentia-me arrepiada por completo. Entrelacei minhas mãos nas dela e fechei meus olhos. Meu corpo estava envolvido pelo libido do prazer, as coxas grossas de Normani se chocando com as minhas, sua barriga levemente chapada, céus, a garota tinha um corpo impecável.

-uuh, m-mais...faça mais rápido

Ela disse com uma voz rouca que me fez arrepiar, e assim eu fiz, envolvi seus seios com minhas mãos acariciando seus mamilos e massageando seus lindos peitos.

-aahh Dinah...

Fiz o gemido dela se perder em meus lábios, a beijei fervorosamente, mordi seu lábio inferior e senti seu corpo estremecer junto do meu, não paramos de nos tocar, esfregar-se, e se entregar uma a outra, eu pude sentir quando chegamos ao ápice juntas, senti seu líquido quente se derramar por meu sexo, e eu gozei junto a ela, nossos movimentos ainda eram frenéticos, nossos gemidos se mesclavam.

-aah...

Senti o calor que se concentrava em meu sexo, meu gozo se misturando ao dela, nossos corpos quentes colado um ao outro. Sua boca tomou a minha em um beijo mais uma vez, sua língua movendo-se com maestria em minha boca, ela beijava bem demais, na verdade eu não saberia responder o que Normani Kordei não sabia fazer de bom.

Quando nossos corpos foram se acalmando, o calor diminuindo juntamente com as nossas respirações agitadas ela deitou sob meu peito e fez um carinho na minha nuca, fechei meus olhos me sentindo em paz. Acariciei suas costas nuas, esperei ela falar algo, mas o silêncio se fez presente, então eu resolvi falar.

-foi a melhor decisão que tomei, vir aqui

-eu vou te fazer tão feliz que você vai se perguntar ‘’porque eu não quis namorar antes?’’

-não duvido disso, você é maravilhosa

Dei um beijo em seu rosto e ela sorriu

-obrigada

-pelo quê?

-por tudo isso, por esse sentimento, eu sei que não deveria ter deixado chegar a tanto, éramos amigas, sempre fomos, mas eu não pude evitar

-ei, não se preocupe com isso, ainda somos amigas, a única coisa que mudou agora é que também somos namoradas, e se tem uma coisa que eu pude aprender é que não tem como conter um sentimento quando ele já se alastrou por todo seu ser, eu me apaixonei por você também Mani, só tive medo

-não se sente mais com medo?

-não, encontrei segurança em você

Puxei o edredom para nos proteger do frio, ela entrelaçou suas pernas nas minhas, era tão bom poder sentir o calor dela, dormir e saber que no dia seguinte eu a teria em meus braços, era a melhor sensação do mundo.


Notas Finais


não esqueçam de comentar ^^ otp Norminah juntinhas <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...