História Road To Freedom - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias CNCO, Fifth Harmony
Tags Camren
Visualizações 76
Palavras 2.973
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boa leitura, filhotes! ^-^

Capítulo 5 - Let Me Love You


Fanfic / Fanfiction Road To Freedom - Capítulo 5 - Let Me Love You

Ela é como o céu e o inferno em um só ser humano. Ao mesmo tempo em que crava feridas, ela cura. Seu riso poderia colocar todo o mundo em pausa, apenas para aprecia-lo. E seus olhos? Bem... seus olhos trazem galáxias jamais exploradas, assim como me mostra o quanto ela também carrega o peso do mundo em suas costas. É algo pelo qual compartilhamos”.

- Camila! – A latina finalmente retirara os olhos da tela do notebook para fitar a mulher a sua frente. – Você por acaso ouviu uma palavra do que eu disse?

- Desculpa, Lo – pediu, fechando o aparelho e o colocando de volta em sua mochila no banco de trás de seu carro. – O que dizia?

- Estamos chegando em Mississippi. – Repetiu, revirando os olhos pela falta de atenção da latina.

Faziam dois dias e algumas horas de viagem e ambas pareciam se conhecer a séculos, apenas pelas poucas confissões trocadas e brincadeiras para distração. Estavam precisando daquilo, mesmo que não admitissem. No entanto, concordavam que algo muito bom estava rolando e já não questionavam... apenas seguiam ao juramento.

- Você quer parar pra comer? – Camila questionou com um sorrisinho no rosto, já sentindo seu estômago coçar com menção da comida de um outro estado.

Lauren gargalhou.

- Você comeu todas aquelas bananas sozinha e ainda está com fome?! – A hispânica perguntou indignada.

- Oras, mas foi só aperitivo – rebateu – E sabe que eu gosto de provar comidas diferentes. Sem falar que estou em fase de crescimento!

- E esse crescimento vai todo pra bunda? – Lauren arqueou uma sobrancelha, rindo ao nota-la corar.

- Você é tão chata, Jauregui! – Virou o rosto para a janela, cruzando os braços de forma emburrada.

- Que seja – a hispânica deu de ombros – eu estava perguntando se você não quer dar um passeio pela cidade, mas podemos parar pra comer também então.

- Claro que vamos comer! – Camila afirmou rapidamente. – Agora para o carro que é a minha vez de dirigir.

 - Que engraçado, é sempre a sua vez quando vamos explorar algum lugar novo – Lauren acusou irônica.

- Porque eu não sou chata e sei aproveitar os lugares – a latina murmurou provocativa. – Olha, uma fonte! Para ali, Lolo!

A hispânica foi diminuindo a velocidade aos poucos entre resmungos, até estacionar ao lado da pequena fonte que Camila indicara, já na entrada da cidade. Retirou o cinto e abriu a porta, caminhando em direção do banco do passageiro enquanto Camila se dirigia para a fonte.

- Lauren, vem aqui! – Chamou empolgada. Lauren se aproximou, parando ao seu lado. – Olha aí – apontou com o dedo para a água.

- O quê? – Questionou, não entendendo o que ela queria lhe mostrar.

- Chega mais perto e olha bem pro fundo...

Lauren se aproximou, podendo ver algumas moedas no fundo e pensando que talvez fosse aquilo que Camila queria que ela visse. Mas então...

- KARLA CAMILA! – Bradou, sentindo o seu rosto encharcado de água enquanto Camila se engasgava de tanto rir.

A latina havia se aproveitado de sua posição para empurra-la de cara na água.

- EU. VOU. ACABAR. COM. VOCÊ!

Camila arregalou os olhos e se pôs a correr o máximo que a sua coordenação motora permitia, mas não durou muito tempo. Logo os braços da hispânica rodeavam a sua cintura e erguiam seus pés do chão, levando-a a gritar e se contorcer.

- Lauren, o qu...

Interrompeu a própria fala ao sentir seu corpo ser derrubado dentro da fonte, cuspindo água e ofegando pela temperatura. Passou as mãos pelo rosto e retirou os fios molhados do local, encarando Lauren do lado de fora rindo. Estreitou os olhos e em um movimento puxou-a pelo braço, fazendo-a entrar ali dentro também.

- CAMILA!

Lauren reclamou ao sentir a água fria em seu corpo, empurrando Camila para trás na intenção de molha-la mais. No entanto, a latina fora mais rápida e se postou sobre seu corpo, apoiando os braços ao lado de sua cabeça para que a machucasse realmente.

- Você que começou, olhos lindos – a latina murmurou baixo, ajeitando uma mecha dos fios castanhos molhados atrás da orelha.

De repente, as batidas fortes de seus corações pareceram tomar todo o silêncio ali instalado.

Verde no castanho... Castanho no verde... E milhares de sonhos e inseguranças partilhados.

Então as pontas dos narizes se tocaram e foi como se eletrochoques percorressem suas veias dos pés à cabeça. Lauren soube no mesmo instante que deveria se livrar de tais sensações, então tratou de jogar água contra o rosto da latina e jogou ela para longe, iniciando uma pequena guerra de água. Camila logo se deixou esquecer do momento frustrante de antes, focando naquela risada que enchia seus ouvidos e preenchia seu peito frio.

- Acho que podemos nos trocar na rodoviária – Lauren sugeriu ao fim, saindo da fonte e sacudindo as roupas molhadas.

- Antes que algum policial nos prenda por vandalismo, não é mesmo? – Camila rebateu irônica. – Tudo isso graças a você, rainha dark!

- Quem inventou de jogar água fo... CAMILA! – Bradou ao sentir o peso do corpo latina sobre suas costas.

- Eu cansei, oras – Camila deu de ombros, se aproveitando da situação para apertar os braços em seu pescoço e senti-la mais próxima.

- Você é muito abusada! – Lauren resmungou, mas segurou firmemente em suas coxas para que ela não caísse.

Caminhou até a parte detrás do Jeep e Camila desceu de suas costas, deixando um frio desconfortável atingir a região antes aquecida.

Camila abriu a mala em busca de toalhas e forrou os bancos para que elas pudessem se sentar. Já prontas, a latina dirigiu até a rodoviária que ficava ali perto e elas desceram do carro com roupas secas para se trocarem no banheiro. Alguns minutos depois elas saiam já vestidas devidamente e foi ali que uma cena chamou a atenção da latina, que parou seus passos no mesmo instante para observar.

No meio fio haviam três mulheres com algumas malas e elas pareciam discutir, enquanto uma mulata de belas e delineadas curvas caminhava sem parar com uma expressão de pânico em seu rosto.

- Ah não, Camila – Lauren reclamou ao notar o que a latina olhava. – Qual o seu fetiche com mulheres desamparadas?!

- Eu gosto de ajudar as pessoas – murmurou, dando de ombros.

- E se elas te roubarem ou sei lá o quê? – A hispânica insistiu, desconfiada.

- Bom, você não me roubou – Camila respondeu, deixando-a sem argumentos.

Não coisas materiais pelo menos, completou em pensamento.

- Ainda não é seguro e...

A latina lhe deu as costas e caminhou na direção das mulheres, ignorando seus protestos.

- Está tudo bem? – Questionou ao chegar ao local, atraindo as atenções das mulheres para si.

- Tudo ótimo, não vê? – A loira alta respondeu na defensiva, encarando-a de uma forma assustadora.

- Dinah! – A loira mais baixa a repreendeu, sorrindo sem graça para a latina. – Perdão, alguém aqui está de muito péssimo humor! – Cutucou a outra que resmungou algo ininteligível.

- Não quis incomodar, só pensei que talvez precisassem de ajuda – Camila explicou rapidamente, sentindo Lauren se aproximar nesse instante e segurar delicadamente em sua mão, como se estivesse pronta para puxa-la para longe dali a qualquer momento. – Vocês parecem... perdidas.

- E nervosas. – Lauren completou, arqueando uma sobrancelha.

- Acontece que graças a ALGUÉM que não parava de comer, nós perdemos o nosso ônibus! – A mulata respondeu, fuzilando a mais alta por olhar.

- Eu não tenho culpa se estou em fase de crescimento e aquele panaca não soube dar valor a minha presença inestimável de filha da Beyoncé! – Dinah rebateu, mexendo uma mecha de seu cabelo despreocupadamente.

- Conheço alguém bem parecido... – Lauren murmurou como quem não quer nada, encarando Camila.

- O quê? – Camila se fez de desentendida, mirando as mulheres a sua frente e principalmente, analisando a mais alta com atenção. – É mesmo filha da Beyoncé?!

A mais baixa gargalhou alto e Lauren acompanhou ao levar uma mão a própria testa.

- Bem que ela queria – a mulata disse irônica, recebendo um gesto obsceno da mais alta.

- Vocês estão indo pra onde? – Camila questionou.

- Nova York – a morena voltou a responder, abrindo um grande sorriso dessa vez. – Temos uma audição para um musical importante.

- É, mas agora não têm mais ônibus – a mais baixa murmurou em um tom tristonho. – Droga, Dinah! – Atingiu a outra com uma série de tapas.

- Para com isso, Polly Pocket! – Dinah a empurrou para o lado, fazendo-a por pouco não ir ao chão, sendo amparada por Lauren que estava mais próxima. – Está jogando a culpa em mim, mas quem não queria mais sair da Waffle House era você, sua naja!

O rosto da mais baixa enrubesceu no mesmo instante e ela sorriu amarelo, encarando a morena indignada a sua frente como se pedisse desculpas.

- Bom, a ideia inicial era ir até a Califórnia, mas Nova York não me parece mal – Camila disse, deixando uma Lauren incrédula ao seu lado. – Vocês querem carona?

- Camila, você sabe que é do outro lado do país, não sabe? – A hispânica perguntou por garantia.

- Sim, mas eu também sempre quis conhecer o Central Park e a Times Square – explicou, se voltando para as outras mulheres. – E então, vocês aceitam?

- Nós nem conhecemos vocês, e se nos estuprarem no caminho?! – Dinah as encarou desconfiada. – Você tem cara de safada, latina bunduda!

Camila entreabriu os lábios incrédula e Lauren gargalhou sem controle, recebendo um empurrão da latina.

- Olha, é bem mais fácil vocês nos estuprarem – arqueou a sobrancelha em desafio.

- Ou serem estupradas por aqueles caras nojentos – Lauren pontuou, acenando discretamente com a cabeça para um grupo de motoqueiros que não paravam de encara-las com sorrisinhos.

- Se nossos pais souberem... – a mulata murmurou, negando com a cabeça.

- O que os olhos não veem o coração não sente – a mais baixa declarou, pegando uma das malas no chão. – Vamos logo!  

Camila sorriu e seguiu em direção do Jeep com ela em seu encalço, ajudando-as com as malas em seguida.

- Ah, sente sim! – Dinah rebateu após um tempo e segui-las. – Dona Milika é o capeta! Capaz de ela brotar aqui só pra arrastar a minha cara no asfalto...

- Eu não duvido – a mais baixa riu, se virando para Camila e Lauren após ajeitar as malas na parte de trás do Jeep. – Sou Ally Brooke e essas são Dinah Chata Jane e Normani Kordei.

- É muito amor incubado mesmo! – Dinah rolou os olhos.

- Me chamo Camila Cabello e essa é Lauren Jauregui – a latina as apresentou educadamente.

- É um prazer meninas – Lauren sorriu genuína, já não duvidando tanto da índole das mulheres.

- Nós podemos ir ou vão ficar aí até virarem pó? – Dinah indagou, abrindo uma das portas e já se jogando no banco de trás.

Normani riu e seguiu a outra, não parecendo mais aquela mulher brava de antes.

- Esse teto abre? – Questionou, botando a cabeça para fora da janela.

- Não liguem pra elas – Ally disse, revirando os olhos pela falta de senso das amigas.

- Oh, não se preocupa – Camila a tranquilizou imediatamente, sorrindo travessa. – Finalmente encontrei pessoas que sabem se divertir!

Piscou com um olho para Lauren de forma provocativa, fazendo-a encara-la indignada.

As três seguiram para dentro do carro e Camila logo abaixou o “teto” como Normani havia pedido, ocasionando um gritinho animado na morena.

- Quando é a tal audição? – A latina questionou, girando a chave na ignição.

- Na outra semana – Ally respondeu, visto que Dinah e Normani se encontravam distraídas o suficiente com o teto.

- Então não é tão urgente que chegem lá imediatamente... – murmurou pensativa. – Que tal a gente pegar uma praia?

- Agora sim eu estou simpatizando com você, miss bunda! – Dinah exclamou, dando um soquinho na parte de trás do banco. – O que você tem de bom pra ouvir aí? – Indicou o rádio.

- Tem Bey? – Normani questionou logo em seguida, agitada.

- One Direction, Ed. Sheeran... – Lauren foi enumerando na intenção de zoar com a cara da latina.

- Sério?! – Ally perguntou surpresa. – Nem um JT?

Camila olhou para o sorrisinho debochado de Lauren e revirou os olhos.

- Tem Justin Bieber – disse, dando de ombros.

- Agora podemos começar a conversar – Normani pontuou. – O Bieber tem umas músicas ótimas pra dançar!

- Eu sou o tipo de pessoa que não dança nem Macarena, então... – a latina sorriu sem graça pelo retrovisor.

- Meu amor, você está andando com a gente agora – Normani sorriu convencida. – Vai dançar feito a diva Rihanna!

Camila riu e negou com a cabeça, direcionando o seu olhar para a estrada enquanto elas desatavam a falar com empolgação sobre as divas do pop. Desajeitadamente, ela colocou o cd do Bieber para tocar e dessa forma as conversas paralelas cessaram, apenas para que elas começassem a cantar a todo vapor. As mulheres lá atrás já se encontravam de pé no banco, segurando na barra de ferro do carro enquanto seus cabelos eram levados pelo vento forte.

- Desamarra essa cara vai, Lo – Camila suspirou ao olhar para a expressão fechada da hispânica, tirando a mão da marcha para segurar a dela sobre sua coxa. – Não tem mal algum em se divertir.

Lauren a encarou com aqueles olhos verdes intensos de forma que ela engoliu em seco, sentindo-a afastar sua mão bruscamente logo em seguida.

- Não foi você que insinuou que eu não sabia me divertir? – A hispânica rebateu, rancorosa. – Aproveita com elas agora e finge que eu nem estou aqui!

Camila mordeu o lábio inferior e se segurou para não rir e deixa-la ainda mais brava com uma provocação sobre seu ciúme descabido.

- Nem se eu quisesse eu conseguiria te ignorar, olhos lindos – lhe piscou com um olho e Lauren sentiu as bochechas arderem, disfarçando ao olhar para o outro lado. – Mas se você não sabe mesmo se divertir significa que eu estou certa e venci outra vez!

Camila sabia exatamente onde deveria apertar para conseguir o que queria de Lauren. Bastava a desafiar de alguma forma e pronto... Lá estava uma Lauren furiosa fazendo exatamente o que ela queria sem ao menos perceber.

Dito e feito.

Lauren se ajeitara no banco e ainda a olhando, levou as mãos até a barra da camisa e a retirou lentamente.

- Say, go through the darkest of days, heaven’s a heartbreak away. Never let you go, never let me down. (Diga, passe pelos dias mais obscuros, o céu é uma decepção. Nunca vou te deixar, nunca me decepcione.) – Ally, Dinah e Normani entoavam a plenos pulmões lá atrás enquanto Camila já não ria, apenas focava na imagem da mulher ao seu lado com aquele sorriso de lado desdenhoso, tendo de se concentrar firmemente para não perder o controle do carro. – Oh, it’s been a hell of a ride, driving the edge of a knife. Never let you do, never let me down. (Oh, tem sido uma viagem e tanto, dirigindo na ponta da faca. Nunca vou te deixar, nunca me decepcione).

Camila desviou o olhar para Lauren outra vez e a encontrou ajoelhada sobre o banco, somente com o sutiã preto sob os raios solares que lhe penetravam a pele alva. A latina pôde perceber que algumas pessoas nas ruas olhavam curiosas em direção do carro e que Lauren havia contagiado as outras atrás, ocasionando mais olhares masculinos que tudo.

- Don’t you give up nah-nah-nah, I won’t give up nah-nah-nah. Let me love you, let me love you (Não desista nah-nah-nah, eu não vou desistir nah-nah-nah. Deixa eu te amar, deixa eu te amar.) – Camila gargalhou ao ver as quatro cantando alto, não resistindo e se juntando a elas na próxima sequência. - Don’t you give up nah-nah-nah, I won’t give up nah-nah-nah. Let me love you, let me love you (Não desista nah-nah-nah, eu não vou desistir nah-nah-nah. Deixa eu te amar, deixa eu te amar.)

A batida eletrônica da música ressoou e gritinhos animados soaram juntos, enquanto sentiam o chão do carro balançar junto aos movimentos ritmados das mulheres lá atrás.

- Hey... – Camila chamou por Lauren baixinho, ganhando sua atenção. – Feche seus olhos e abra os braços, como em Titanic!

Lauren pensou em provoca-la como sempre, mas não resistira ao sorriso que enfeitava seus lábios carnudos e fez exatamente o que havia lhe pedido, sentindo o vento beijar-lhe o rosto e levar seus cabelos rebeldes consigo.

- Don’t fall sleep at the wheel, we’ve got a million miles ahead of us, miles ahead of us. All that we need, is a rude awakening to know we’re good enough, know we’re good enough (Não durma no volante, temos milhões de quilômetros a nossa frente, quilômetros a nossa frente. Tudo o que precisamos é de um despertar bruto, para saber que somos bons o suficiente, bons o suficiente).

Com os braços abertos e olhos fechados, o sol banhando a pele e o sorriso na altura das orelhas, Lauren deixara Camila sem fôlego. A latina sentia sensações distintas explodindo em seu interior e engolia em seco a cada segundo, ainda tentando não perder totalmente o foco da estrada pois não queria um acidente. Mas precisava admitir... ela é linda e incrivelmente maravilhosa. Estava disposta a tudo para sempre vê-la bem e sorrindo daquela forma.

Já Lauren estava perdida nas sensações que a ideia de Camila lhe causara... sentindo o vento gelado cortando a sua pele feito lâminas afiadas ao mesmo tempo em que o sol a aquecia e o seu estômago revirava em um friozinho gostoso. Parecia bobo visto de fora, mas para ela...

- É como voar – declarou em um sussurro, tirando Camila de seu transe. – Pelo menos como eu imagino que seja.

Camila sorriu sincera, suspirando fundo antes de a responder.

- Você pode ser o que quiser, Lo... Apenas não deixe que cortem suas asas! 


Notas Finais


E então, como estamos? Espero que estejam gostando, babies!
Nos vemos em breve ;) <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...