História Rock n Roll Dream - Capítulo 43


Escrita por: ~

Postado
Categorias Johnny Depp
Tags Alice Coope, Hollywood Vampires, Johnny Depp, Rock In Rio, Romance
Visualizações 25
Palavras 5.110
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Musical (Songfic), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 43 - Obsessão


Fanfic / Fanfiction Rock n Roll Dream - Capítulo 43 - Obsessão

Johnny permaneceu ao lado de Joanna enquanto ela amamentava o pequeno Vince.

- Não consigo encontrar palavras pra descrever o que estou sentindo nesse momento, meu amor... - diz enquanto segura uma das mãozinhas de seu filho.

- Acho que sei como você deve estar se sentindo... A felicidade de ter um filho novamente é tão grande que parece até que vamos explodir! - ela responde com os olhos inundados.

- Obrigado, amor... - Johnny lhe dá um beijo suave na testa - Obrigado por mais uma vez fazer com que eu me sinta o homem mais feliz do mundo.

- E eu te agradeço por me amar, me compreender, me aceitar do jeito que eu sou, e por me dar mais esse presente lindo que é o nosso filho... - ela beija a testa de Vince com carinho.

- E eu que pensei que não poderia ser pai outra vez por causa da minha idade. Aí você apareceu em minha vida e pôde me provar que, apesar de já ter passado dos 50 anos, eu poderia sim ser pai novamente...

Os dois se beijam mas são interrompidos por Deena que pigarreia.

- Perdão, senhores. Dona Jô, eu posso buscar a Luna para conhecer o irmãozinho? Ela deve estar muito ansiosa!

- Claro que sim! E se permitirem, traga a Alexia e o Sean também! Preciso agradecê-los pelo o que fizeram por mim.

- Sim, senhora! Com licença! - Deena sai ao encontro dos demais, ansiosa para contar sobre o nascimento do pequeno Vince.

Ao entrar na sala de espera, Deena se assusta ao dar de cara com Alice.

- Que susto, senhor Cooper!

- Nossa! Eu sabia que era feio, mas não sabia que era tanto assim a ponto de assustar alguém! - Alice brinca.

- Cadê a minha mãe e meu irmãozinho, tia Deena?

- Estão no quarto! A dona Jô pediu pra eu vir chamar vocês! Vamos? - Deena os leva até o quarto onde Joanna está.

Luna corre na frente de todos e é a primeira a entrar.

- Mamãe! - ela sorri e se aproxima da cama - Então esse é o meu irmãozinho?

- Sim, minha linda! Veja como ele é lindo! - Joanna inclina um pouco o bebê, mostrando seu rostinho para Luna.

- Ah, que gracinha! Ele é muito fofinho! - Luna acaricia a mãozinha do irmão.

Os demais entram e ficam em volta de Joanna, curiosos.

- Parabéns, John! Mais um herdeiro! - Alice abraça Johnny.

- Obrigado, meu amigo!

- Oh meu Deus, que bebê lindo! Parabéns, dona Jô! - diz Alexia.

- Obrigada, Alexia! Cadê o Sean?

- O tio Sean tá do lado de fora... - Luna responde, sem desviar o olhar de seu irmão.

- Eu vou chamá-lo! - Alexia abre a porta do quarto e pede para Sean entrar.

- Com licença. - Sean se aproxima.

- Oi, Sean... Quero te agradecer por tudo o que fez por mim. - Joanna estende a mão e Sean a segura e lhe dá um beijo.

- Não precisa agradecer, senhora. É o meu trabalho.

- Eu sei. Mas vem sendo paciente comigo desde o dia que começou a trabalhar pra mim. Te ignorei, te xinguei, te empurrei, gritei com você, fui muito ignorante. E nos momentos que eu mais precisei você estava por perto. Muito obrigada mesmo, de coração!

- De nada, senhora... - Sean tenta disfarçar a emoção que sentia.

- Eu também tenho que te agradecer, Sean. Pelo seu profissionalismo e por sua amizade. - diz Johnny abraçando-o.

Já era madrugada quando todos voltam para casa. Apenas Johnny ficara para cuidar de Joanna e do filho.

Assim que amanheceu, a notícia do nascimento do bebê correu por toda a mídia, chamando a atenção de todos os familiares e amigos de Johnny e de Joanna. Todos comemoraram a chegada do pequeno Vince.

- Ai, como eu odeio comida de hospital! - Joanna faz caretas enquanto almoça.

- Eu também não gosto, mas você precisa se alimentar! - diz Johnny enquanto lhe dava comida na boca.

Joanna terminava seu almoço quando uma enfermeira entra no quarto.

- Senhora Depp, tem umas pessoas aqui fora querendo vê-la e conhecer seu filho. Posso pedir pra entrar?

- Visitas? Claro! Pode deixar entrar! - ela termina de beber o suco e limpa a boca com um guardanapo.

A enfermeira recolhe o prato e pede para que as visitas entrem.

- Com licença, família! - diz Paul Stanley ao entrar no quarto junto com Gene.

- Oi!! Que surpresa linda! - Joanna sorri surpresa ao vê-los.

- Viemos pra cá assim que soubemos da notícia! - Gene cumprimenta Johnny e Joanna em seguida.

Paul abraça Johnny e dá um beijo na testa de Joanna.

- Fico muito feliz por vocês virem aqui! - ela se emociona.

- Que bom que vieram conhecer nosso filho! - Johnny vai até o bercinho onde Vince está e o pega no colo, levando-o até os amigos.

- Olha aí o meu xará... - Gene o põe no colo com todo cuidado - Posso tirar uma foto com ele?

- Claro que sim! - Johnny pega o celular de Gene e tira uma foto.

- Vocês me permitem segurá-lo um pouquinho também e tirar uma foto com ele? - diz Paul.

- Certamente! - Johnny responde e logo Gene passa o pequeno Vince para Paul segurá-lo.

Depois de encher o bebê de elogios e parabenizar o casal, Paul entrega o pequeno à Johnny que o coloca de volta no bercinho.

- Jô, eu trouxe um presente pra você! - diz Paul - Vou ali fora buscar! - ele sai do quarto e logo volta com uma caixa grande com um laço vermelho.

- Posso abrir agora? - Joanna indaga estica as mãos para pegar a caixa.

- Sim, por favor! - Paul coloca a caixa em cima da cama e Joanna abre a caixa.

Quando Joanna abre a caixa, ela se depara com uma guitarra Washburn preta.

- Nossa!! - ela põe as mãos na boca, surpresa com o presente - Que linda! É igual a que você usa nos shows, não é?

- Sim, é uma das minhas! - Paul pega uma caneta com tinta prateada e assina seu autógrafo na guitarra.

- Olha isso, amor! Ele ainda autografou pra você! - Johnny pega a guitarra e dedilha qualquer coisa.

- Está com ciúmes, Johnny? Quer que o Paul lhe dê uma guitarra autografada também? - Gene brinca.

- Eu? Com ciúmes? De forma alguma! Eu fico muito feliz em ver como minha esposa é querida e agradeço pelo carinho que vocês tem por ela! - Johnny entrega a guitarra à Joanna.

- Ela é perfeita, Paul! Muito obrigada! - ela desliza os dedos sobre as cordas.

- Disponha, querida! Fico feliz e satisfeito em ver que você gostou do presente!

- Bem, acho melhor nós irmos embora agora, antes que alguma enfermeira apareça por aqui e nos coloque pra fora! - diz Gene, olhando o relógio.

- Ah, que isso! Fiquem um pouco mais! - Johnny pega duas cadeiras que estavam num canto da sala - Sentem-se!

- Infelizmente não poderemos ficar, Johnny. Gene tem razão, a enfermeira disse que não poderíamos demorar aqui no quarto...

- Apareçam lá em casa quando voltarmos! Faremos uma reunião só com os amigos e assim teremos mais tempo pra conversar e curtir o Vince! - Joanna abraça Paul e Gene.

- Vamos sim! É só nos dizer o dia! - Gene responde enquanto se despede de Johnny.

- Combinado! Assim que tivermos a data, eu comunico vocês! - Johnny os acompanha até a porta.

- Até breve, Jô! - Paul acena da porta.

- Até breve! E obrigada mais uma vez!

À noite, Joanna recebe a visita de Christi que se oferece para passar a noite com ela para lhe fazer companhia e ajudar com o bebê.

- Pode ir pra casa, John! Eu vou ficar e cuidar bem dela e do bebê, fique tranquilo! - Christi diz ao irmão, tentando acalmá-lo.

- Não se preocupe, amor! Vamos ficar bem! - Joanna o abraça.

- Cuide bem dos meus tesouros, Christi. E qualquer coisa, é só ligar pra mim que eu volto correndo! - Johnny se despede da irmã e do filho, e em seguida sai do hospital indo para casa com Jerry.

De madrugada, Joanna acorda assustada depois de ter um pesadelo.

- O que houve, Jô? - Christi acorda ao ouvir Joanna chorando.

- Cadê meu filho, Christi? Traz ele pra mim, preciso ver meu filho!

- Calma, ele tá dormindo! - Christi tira o bebê do berço e o leva para Joanna.

- Oh, minha vida... Que bom que você está aqui... - Joanna o abraça aos prantos.

- Calma, querida... Foi só um pesadelo... - Christi a abraça para acalmá-la.

- Mas foi horrível, Christi! Sonhei que tiravam meu filho de mim e levavam pra longe, e eu não podia fazer nada!

- Está tudo bem, seu filho está bem, volte a dormir. Pode deixar que eu estou aqui tomando conta de vocês. - Christi pega o bebê e o coloca de volta no berço.

Depois de alguns minutos, Joanna volta a dormir.

Pela manhã, Joanna acorda com Vince chorando e levanta da cama para pegá-lo e amamentá-lo. Em seguida ela troca a fralda do pequeno.

- Bom dia! - a enfermeira entra no quarto com uma bandeja com o café da manhã - Hora do café, mãezinha!

- Ah, obrigada! - Joanna termina de arrumar o filho e o deixa com Christi para ir ao banheiro fazer sua higiene matinal.

Assim que ela volta para o quarto, Christi já havia deixado Vince dormindo no berço.

- Olha Jô, ele é tão calmo. Quase não chora...

- Sim, ele só chora quando tá com fome ou quando a fralda tá suja! - ela senta na cama para tomar café.

- Jô, eu vou sair rapidinho pra comer alguma coisa, tá bem?

- Ok!

- Eu vou chamar a enfermeira pra ficar com você até eu voltar. - Christi sai do quarto e chama a enfermeira para ficar com Joanna.

Saindo da cafeteria, Christi recebe uma ligação de sua mãe querendo saber sobre Joanna e o bebê. Por conta do barulho do trânsito na rua, ela não consegue ouvir sua mãe e decide atravessar a rua e entrar em seu carro para conversar com ela.

No quarto, Joanna amamentava Vince quando uma outra enfermeira entra.

- Bom dia! Meu plantão começa agora, você já pode ir pra casa. - ela diz à enfermeira que auxiliava Joanna.

- Está bem. Eu já vou indo, senhora Depp! - ela sorri e acena para Joanna, saindo do quarto em seguida.

- Como vai, senhora Depp? Precisa de algo? - a enfermeira pergunta enquanto abre a cortina e a janela.

- Eu estou bem, só preciso colocar meu filho no berço pra ir ao banheiro. Preciso de um banho! - ela sai da cama e leva o filho até o berço.

- Pode ir, senhora! Eu tomo conta dele! - ela senta na poltrona ao lado do berço.

- Ah, obrigada! Não vou demorar!

Enquanto Joanna estava no banheiro, a enfermeira pega seu celular de dentro do bolso do jaleco.

- Alô? Já estou no quarto dela. O quarto é o 301, no terceiro andar. Só preciso de alguém pra despistar o segurança dela que fica aqui do lado de fora do quarto.

- Pode ficar tranquila quanto à esse careca brutamonte, meu amigo vai dar um jeito. Tranque a porta do banheiro para aquela vagabunda não sair. Pegue o bebê e me espere, já estou subindo. - Amber lhe dizia enquanto terminava de vestir seu disfarce de enfermeira.

- E agora? O que eu devo fazer? - Andrew pergunta enquanto colocava um boné e óculos escuros.

- Você vai até o terceiro andar e vai tirar aquele segurança de merda de lá da porta do quarto pra eu poder entrar lá e pegar aquele bebê!

Andrew sai do carro e entra no hospital. Ele entra no elevador até o terceiro andar. Logo ele avista Sean parado no corredor em frente a porta do quarto de Joanna. Enquanto isso, Amber sobe pelas escadas do outro lado do corredor.

- Ah, senhor! Poderia me ajudar com esse aplicativo? - Andrew mostra o celular para Sean - Eu queria chamar um táxi através desse aplicativo, mas não entendo muito bem...

Enquanto Andrew conversava com Sean, Amber entra no quarto e rapidamente amarra a enfermeira que ela havia subornado numa cadeira e a amordaça para fingir que ela seria mais uma vítima.

- Assim que eu conseguir finalizar meus planos eu lhe entrego o seu dinheiro... - ela cochicha para a mulher.

Amber pega o bebê e sai do quarto em direção às escadas.

- Realmente esse aplicativo é bem complicado, meu rapaz! Tenta pedir ajuda a mais alguém ou então terá que chamar um táxi pelo modo tradicional! - diz Sean ao devolver o celular à Andrew.

- Pois é, acho que eu vou descer e chamar o táxi pelo modo tradicional como o senhor falou! Até porque estou com um pouco de pressa! Mesmo assim, muito obrigado!

- Disponha!

Andrew entra no elevador e desce até o térreo, disfarça e corre até o carro.

- Vamos, Andrew! Rápido, antes que chegue alguém aqui!

- Pra onde vamos?

- Pegue a estrada principal que vai pra Santa Monica! Vai, rápido! - ela ordena impaciente e Andrew obedece, saindo em alta velocidade.

Joanna tenta abrir a porta do banheiro e fica nervosa ao perceber que está trancada pelo outro lado.

- Oi!! Enfermeira!! Quem trancou a porta?! - ela encosta o ouvido na porta tentando ouvir algo, e nada - Por favor!! Abram a porta!! Acabou a brincadeira, quero sair daqui! - ela dá tapas na porta - Enfermeira!! Tem alguém aí?! Eu quero ver meu filho!!

Joanna entra em pânico e começa a esmurrar a porta. Do lado de fora, Sean ouve as batidas e entra no quarto. Ele se assusta ao ver a tal enfermeira amarrada na cadeira e o berço vazio.

- Tem alguém aí?! Socorro!! - Joanna grita, aflita.

- Estou aqui, senhora! - Sean tenta abrir a porta e não encontra a chave.

- Sean! Me tira daqui!!

- Estou tentando, mas não acho a chave! - Sean vai até a enfermeira e tira a mordaça - Onde está a chave?

- Eu não sei! - ela finge estar chorando - A mulher que entrou aqui e levou o bebê deve ter levado a chave também!

Christi chega e fica aturdida ao ver a enfermeira amarrada e ouvir Joanna batendo na porta.

- Oh meu Deus! O que houve por aqui?! - ela joga a bolsa em cima da cama e tenta abrir a porta do banheiro.

- Está trancada, senhora! A enfermeira disse que entrou uma mulher aqui e que ela levou o bebê. E que possivelmente tenha levado a chave do banheiro... - diz Sean enquanto desamarrava a mulher da cadeira.

- Entrou uma pessoa estranha aqui e você não viu, Sean? Por acaso anda dormindo durante o serviço? Ou você saiu da porta quando eu fui tomar um café? - Christi chama a atenção de Sean e ele se sente culpado.

- Me distraí por um momento apenas. Um rapaz veio me pedir ajuda e... - ele é interrompido por Christi.

- Chega, Sean! Guarde suas explicações pro meu irmão! Agora dê um jeito de tirar a Jô desse banheiro!

Sean respira fundo e se aproxima da porta.

- Dona Jô, afaste-se da porta o máximo que puder, por gentileza! Eu vou ter que arrombar, não há outra forma de abrir!

Joanna se afasta da porta, encostando-se na parede do box.

- Pronto, Sean! - ela avisa.

Sean dá alguns passos para trás para pegar impulso e chuta a porta com o máximo de força que pôde. A porta cai e Joanna corre para o quarto.

- Cadê meu filho? - ela olha o berço vazio - Cadê meu filho?! Pra onde levaram ele?! - ela grita, chorando e descontrolada.

- Calma, Jô... - Christi a abraça - Nós vamos encontrá-lo...

- Meu filho!! Eu quero o meu filho!! - Joanna grita e desmaia, sendo amparada por Christi e Sean, que a leva nos braços e a deita na cama.

- Não fique aí parada só olhando, enfermeira! Vá logo chamar o médico! Rápido!! - Christi grita, em pânico.

- Sim, senhora! - ela sai do quarto.

- Sean, liga pro Johnny! Diz pra ele vir aqui o mais rápido possível!

- Sim, senhora! - Sean sai do quarto para ligar para Johnny.

Em casa, Johnny está em seu estúdio organizando sua coleção de guitarras quando ouve o telefone tocar.

- Alô?

- Senhor Depp! Venha até o hospital! É urgente!

- O que houve, Sean?! Aconteceu alguma coisa com minha esposa ou meu filho?! - Johnny fica atordoado.

- Senhor, me perdoe, eu me distraí por um minuto e entrou alguém aqui no quarto, trancou sua esposa no banheiro e sequestrou seu filho! - diz com pesar.

- Sequestraram meu filho?? Estou indo pra aí agora mesmo! Me mantenha informado se acontecer mais alguma coisa! - Johnny termina a ligação e corre pela casa até a garagem. De dentro do carro ele liga para Jerry pedindo para que ele o encontrasse no hospital.

Enquanto o médico examinava Joanna, Christi explicava o ocorrido.

- Não se preocupe, ela vai ficar bem. - o médico explica - O que ela teve foi apenas uma queda brusca da pressão devido a forte emoção. Eu apliquei um calmante no soro, isso vai ajudar. Vou levar o caso até o diretor do hospital, ele vai analisar as imagens das câmeras de segurança e tentar descobrir quem entrou aqui.

No caminho para o hospital, Johnny recebe uma ligação.

- Alô?!

- Oi, Johnny... Como vai, querido? - Amber fala em tom sarcástico.

- Amber? O que você quer? Estou dirigindo, tenho que desligar! - Johnny já ia desligar a ligação quando Amber chama sua atenção.

- Não desliga! Se você desligar, eu mato o seu filho! - dispara, deixando Johnny aflito.

- Foi você, não é? Foi você quem roubou meu filho no hospital! - Johnny se altera e Amber dá gargalhadas.

- É obvio, meu amor! Ou você pensou que eu ia deixar barato o que vocês fizeram comigo?

- Sua desgraçada! Onde está o meu filho?!

- Calma, querido... Na hora certa você saberá... Fique atento, logo entrarei em contato com você novamente!

- Amber?! Amber!! - Johnny grita, mas ela já havia desligado - Que filha da puta!!! - ele esmurra o volante e continua dirigindo até o hospital.

A notícia sobre o rapto do bebê já estava circulando por toda a mídia, deixando familiares, amigos e fãs aflitos.

Ao chegar no hospital, Johnny encontra Jerry, que o ajuda a driblar a imprensa que se aglomerava do lado de fora.

Ao entrar, ele é recebido pelo diretor do hospital.

- Senhor Depp, nós já investigamos as imagens gravadas pelas câmeras de segurança e vim... - o homem é interrompido por Johnny.

- Eu já sei quem sequestrou meu filho! - ele diz, entrando no elevador - Agora eu quero ver a minha esposa! - a porta do elevador se fecha e ele sobe até o terceiro andar.

No quarto, Johnny conta para Christi sobre a ligação de Amber e ela conta sobre o que aconteceu ali no momento do sequestro.

- A polícia já deve estar chegando. Enquanto isso, ficaremos aqui tomando conta da Jô e aguardar a ligação daquela... da Amber. - ele diz enquanto acaricia o rosto de Joanna, que dormia sob o efeito do calmante.

A polícia chega no hospital em pouco tempo e Johnny sai do quarto para conversar com o delegado e explicar tudo o que aconteceu. O delegado pede para chamar a enfermeira que estava no quarto no momento do sequestro, mas ela já não estava mais no hospital. Ele então entra em contato com a Central da Polícia de Los Angeles e pede para que todas as viaturas fechem as saídas da cidade. Durante a ligação, o delegado é informado de que está havendo uma rebelião em um presídio feminino perto dalí e que por conta disso haviam poucas viaturas disponíveis.

O diretor do hospital leva Johnny e o delegado até a sala de monitoramento das câmeras de segurança e os mostra as imagens feitas pelas câmeras do corredor onde fica o quarto de Joanna e da parte externa do hospital.

- Viu, delegado? É ela mesma! É Amber, minha ex mulher! E esse homem que aparece aqui no corredor falando com um dos meus seguranças é o ex advogado da minha esposa. Ele é comparsa da Amber. Veja, - ele aponta para a imagem de Andrew no monitor - é ele quem está dirigindo o carro!

O delegado anotava a placa do Range Rover preto em que Andrew aparece dirigindo quando Johnny recebe uma ligação.

- É ela, delegado! - ele lhe mostra a tela do celular.

- Atenda e coloque no viva-voz, mas não diga que estou aqui e que a polícia já está sabendo!

- Certo! - Johnny atende e liga o viva-voz - Fala, Amber!

- Eu não disse que eu ia ligar de novo, querido?

- Onde está o meu filho?

- Está bem aqui comigo, dormindo no meu colo...

- Por favor, não faça nenhum mal à ele! Eu pago o quanto você quiser pra ter o meu filho de volta!

- Hum... Então você quer negociar... - ela debocha.

- Faço o que for preciso pelo meu filho!

- Pois bem, eu tenho uma proposta. Se você quiser seu filho de volta, você terá que me aceitar como sua esposa novamente com tudo que tenho direito, e juntos poderemos criar esse bebezinho como nosso filho. Você despacha a brasileira de volta pro buraco de onde ela saiu e todos viveremos em paz! O que você acha? - seu tom cínico deixa Johnny ainda mais nervoso.

- Pensei que você iria apenas me pedir dinheiro!

- Não, querido... Essa é a minha única proposta. Ou você aceita, ou o seu filhinho morre... E então? O que você decide?

- Onde você está? - Johnny anda de um lado para o outro na sala, aflito.

- Estou na Santa Monica Boulevard. Caso você aceite a minha proposta, eu marco um encontro em algum lugar por aqui e a gente segue pra São Francisco... - o delegado anota tudo o que Amber diz.

- Hum... Em que parte da Santa Monica Boulevard você está?

- Não sei exatamente. - diz já com desconfiança.

- Você disse que quer ir pra São Francisco, não é? - Johnny tenta falar o mais natural possível para que Amber não desconfie de nada.

- Sim, meu amor! Quero que nós três possamos viver juntos como uma família! Eu, você e esse lindo bebezinho... - ela sorri para Vince e em seguida para Andrew.

Andrew estava prestando atenção na estrada movimentada mas ao mesmo tempo observava as ações de Amber, e em seu coração começava a surgir arrependimento. Andrew havia realmente se apaixonado por Joanna e tentou conquistá-la de todas as formas possíveis, até mesmo tentar convencê-la a fugir com ele no dia de seu casamento. Enquanto dirigia, ele lembrava de todos os momentos que passara com Joanna, desde o dia em que se conheceram até aquele infeliz momento. Ele agora pensava consigo mesmo se era realmente necessário arriscar a vida de um inocente por conta de um mero capricho. Amber falava ao telefone com autoridade enquanto o pequeno Vince dormia tranquilamente em seu colo. Aquele rostinho angelical fez com que Andrew desistisse de prosseguir com aquele plano incabível. Ele esperaria o momento exato para cessar tudo aquilo e poder levar Vince de volta para os braços de sua mãe, a quem ele ainda amava mas aprendeu de uma forma dolorosa a aceitar que Joanna amava outro e que ele mesmo não teria a menor chance de conseguir conquistar aquele coração.

- Johnny, eu já sei onde nós podemos nos encontrar! Está prestando atenção? Tem alguém aí com você? Onde você está agora? - Amber desconfia de que Johnny estaria ludibriando e que mais alguém estaria ouvindo a conversa.

- Pode falar, estou te ouvindo! Estou sozinho no corredor do hospital. Bem, nem tão sozinho porque Jerry e Sean estão por perto, mas não estão me ouvindo porque me afastei deles pra atender sua ligação. - o delegado acena positivamente para Johnny prosseguir.

- Então, como eu estava dizendo, eu sei onde podemos nos encontrar. Já estou quase no final da estrada e quero que você venha me encontrar no Tongva Park. Vou estacionar em frente ao letreiro, bem na esquina.

- Ok, estou saindo daqui agora mesmo! - Johnny sai da sala de monitoramento junto com o delegado que se afasta para contactar a Central da Polícia e avisar sobre o local onde as viaturas terão que se posicionar.

- Que ótimo, amor! Estaremos esperando por você ansiosamente! Eu e o nosso bebê! - diz com euforia.

Apenas três viaturas puderam seguir para o Tongva Park. As outras estavam operando aos redores do presídio feminino. Os policiais que conseguiram entrar lá tentavam conter as detentas, mas muitas delas conseguiram fugir. O caso também estava sendo repercutido por toda a mídia. No Brasil, os pais e o irmão de Joanna acompanhavam tudo pela TV. Seus amigos viram na internet e todos estavam muito tensos diante de tudo aquilo.

Christi permanece no quarto ao lado de Joanna velando seu sono forçado. Ela liga a TV e fica perplexa ao ver que o caso do sequestro de Vince estava sendo transmitido em todos os canais.

- Meu Deus! A mídia não perdoa! - Christi ouve alguém bater na porta - Pode entrar!

- Com licença! - Sheryl entra e abraça Christi - Como ela está? - diz enquanto se aproxima de Joanna.

- Ela precisou ser sedada. Ela entrou em pânico com o sequestro do filho e desmaiou. O médico veio fazer uns exames e disse que ela teve uma queda de pressão.

- Oh meu Deus... Eu imagino a dor que ela deve ter sentido... - Sheryl acaricia o rosto pálido de Joanna - E o Johnny? Como ele está?

- Johnny ficou aturdido pelo filho ter sido sequestrado e ficou ainda mais nervoso quando soube que foi a Amber quem o roubou daqui.

- Essa mulher de novo? Até quando ela vai continuar com essa obsessão pelo Johnny?!

- E o pior é que não sabemos do que ela é capaz de fazer com o bebê por conta do ódio que ela sente pela Jô. Ela já falou aos quatro ventos que a Jô roubou o Johnny dela, sendo que foi ela mesma a responsável pelo término do relacionamento dela com Johnny.

- Pois é, Christi... Agora só o que podemos fazer é torcer pra que a polícia consiga encontrar essa bandida e trazer o bebê de volta, antes que ela tente fazer alguma loucura!

Sheryl faz companhia a Christi e ambas acompanham as notícias pela TV.

Johnny é levado por Jerry até o Tongva Park, e no caminho ele recebe uma ligação do delegado.

- Senhor Depp, acabei de receber a informação de que as três viaturas já estão posicionadas próximo ao local do encontro!

- Ótimo! Já estamos quase chegando também! - do banco de trás do carro Johnny olha pelo retrovisor e avista o carro do delegado que os seguia até o local combinado - Só espero que aquela mulher não perceba que estamos armando uma cilada pra ela.

Amber já estava no local combinado e dentro do carro ela fica irritada com Vince que começava a chorar com fome.

- Argh!! Odeio choro de bebê!! Andrew, segura aí esse pirralho antes que eu o jogue pela janela! - ela entrega o bebê a Andrew que logo acalenta o bebê em seu colo.

- Esse menino era pra ser meu filho com a Jô...

- Se quiser, pode levar ele junto com você e aquela imunda! - ela diz enquanto retoca o brilho labial.

- Johnny não permitiria... - ele beija a mãozinha do bebê delicadamente.

- Ah, permitiria sim! Ele disse que faria qualquer coisa pelo filho! Se quiser, eu posso dizer à ele que o melhor pro pirralhinho é ficar com a mãe. - sorri convencida.

- Acha que ele vai ceder? - Andrew finge estar interessado.

- Claro! Podemos pensar em algo antes que ele chegue! - ela abre o vidro do carro e olha para todas as direções da rua.

- Eu tenho uma ideia! - antes que ele pudesse concluir, Amber abre a porta do carro ao avistar o carro de Johnny se aproximando.

- O Johnny chegou! Até que enfim! - ela comemora.

Jerry estaciona do outro lado da rua e Johnny sai do carro. Amber corre em sua direção e o abraça. Pelo rádio comunicador, o delegado ordena que as viaturas se aproximem do local e Amber se assusta ao vê-los se aproximar.

- O que é isso? Chamou a polícia, Johnny? - Amber fica indignada.

- Calma, querida... - Johnny sorri friamente, colocando as mãos sobre os ombros de Amber - É pra nossa segurança...

Os policiais saem das viaturas com as armas em punho e o delegado se aproxima.

- Amber Laura Heard, a senhora está presa. - ele tira as algemas do bolso.

- Não!! Vocês não podem me prender!! - Amber grita histericamente, corre até o carro, entra e tranca as portas. Liga o motor e sai o mais rápido possível dali, quase atropelando os policiais.

- Meu filho!! Ela levou o meu filho!! - Johnny grita para os policiais, que entram em suas viaturas e imediatamente saem em busca de Amber.

Johnny já ia entrar em seu carro quando ouviu alguém lhe chamar. Ao virar-se para olhar, ele avista Andrew com Vince no colo. O delegado aponta a arma para Andrew e ele levanta uma das mãos.

- Não atire, por favor! Eu quero apenas entregar o bebê ao pai dele! - o delegado abaixa a arma e Andrew anda até Johnny que caminha lentamente ao seu encontro com os olhos transbordando.

- Meu filho! - Johnny estende as mãos e Andrew lhe entrega o bebê.

- Eu sei que tudo o que eu fiz não tem perdão, e que anos na cadeia não serão suficientes pra pagar por todos os meus erros. Espero que um dia vocês possam me perdoar... - diz Andrew com pesar.

Johnny encara Andrew incrédulo.

- Por que resolveu entregar meu filho? - Johnny franze o cenho.

- Percebi que o que Amber estava fazendo era muita loucura. E o que ela sente por você não é "amor" como ela disse, é obsessão. O que eu sinto pela Joanna sim é amor. Fiz tudo o que pude tentando conquistá-la, mas hoje eu sei que nada do que eu fizer irá fazê-la mudar de ideia. É você quem ela ama. E ver seu filho, uma criança inocente sendo usada pela Amber pra conseguir ter você pra ela, fez com que eu me arrependesse de tudo o que eu fiz. - Andrew deposita um beijo suave na testa de Vince - Seu filho agora está são e salvo. E você tem muita sorte de ter a Joanna como sua esposa e mãe do seu filho. - Andrew é algemado - Boa sorte, Johnny! Desejo toda a felicidade do mundo pra você e sua família!

- Obrigado, Andrew... - Johnny observa o delegado levar Andrew até uma das viaturas - É meu filho, tá mais do que na hora de você voltar pro colo de sua mãe. - Johnny entra no carro e Jerry os leva de volta ao hospital.


Notas Finais


Estamos chegando na reta final da história... Espero que tenham gostado até aqui!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...