História Rockabye - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO, Got7, Monsta X
Personagens Baekhyun, Chanyeol, D.O, Kai
Tags Chanbaek, Hunhan, Kaisoo, Taeyoonseok
Visualizações 13
Palavras 1.583
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oioi galero. Advinha quem é a @ mais perdida do universo rsrs

Eu vou postar a fic uma vez por semana, mas esqueci-me o dia que postei, então eu pensei e cheguei a conclusão de: vou postar aos sábados que é mais fácil, já que tenho alguns capítulos prontos então é uma garantia de que eu vou conseguir postar tudo bonitinho.

Espero que gostem!!

Capítulo 2 - Nada de errado


O sorriso no rosto de Kyungsoo ao ouvir aquelas palavras aqueceu o coração de Byun, que adentrou o quarto também sorrindo e levando consigo uma cadeira de rodas. O mais alto entre eles delicadamente pegou o rapaz acamado no colo e colocou-o com cuidado sobre a cadeira, recebendo um afago suave em seus cabelos desgrenhados em forma de agradecimento.

O médico apenas empurrou a cadeira através dos corredores, cumprimentando algumas enfermeiras pelo caminho e sendo prontamente seguido pelo outro rapaz até que entraram em um dos consultórios do corredor.

— Coloque-o sobre a maca, por favor, senhor Park. — pediu calmamente o médico, sentando-se em uma das cadeiras ao lado da maca e mexendo distraidamente nos aparelhos dali. Cobriu o corpo de Kyungsoo até a metade com um lençol branco retirado de um dos armários e pediu para que o mesmo retirasse a bata de cor clara que haviam colocado em seu corpo. — Preparados para saber como esse pequenino ou essa pequenina está? — questionou sorridente, vendo os outros dois presentes assentirem entusiasmados.

Após os procedimentos necessários, começou a passar o aparelhinho de ultrassonografia sobre a barriga pequena e redondinha do outro. Segundos depois, Kyungsoo e Chanyeol sentiam os olhos marejados ao ouvir um barulho relativamente alto e bem rápido invadindo seus ouvidos.

— Wow, que velocidade! — Byun exclamou sorrindo, vendo as lágrimas escorrerem suavemente pelo rosto sorridente de Kyung. — Os batimentos estão perfeitos. Conseguem ver? — apontou para algumas manchas na tela. — Esse é o pezinho esquerdo do seu bebê, Kyungsoo, e essa é a mãozinha. Ele está chupando o dedo, vemos alguém que vai gostar de chupetas.

— Soo, ele é tão bonito, é tão perfeito! — Chanyeol disse baixinho, segurando a mão do amigo e também chorando. — Meu bebezinho é perfeito, não é amor? — sussurrou para a barriga.

Assim que se silenciou para voltar a ouvir os batimentos rápidos notou um "click" baixinho e olhou para a porta, vendo o outro médico que atendeu o amigo parado ali.

— Como o bebê está? — perguntou, ouvindo a resposta do outro. — E o sexo? Já viram? — Kyungsoo não tirava os olhos da telinha, mas rapidamente voltou-os para Baekhyun.

— Esse pequeno ou pequena é muito inteligente, mas não quer me deixar achar. Realmente não quer abrir as perninhas. — disse em um resmungo, sem parar de mover o aparelho.

— Vamos bebê, deixe-nos ver você. — sussurrou o moreno, se aproximando da maca. — Tente conversar com o bebê, pai. Quem sabe ele deixe. — se dirigiu a Chanyeol, que já ia abrindo a boca, mas Kyungsoo quem falou.

— Vamos meu anjinho, deixe o papai saber sobre você. — sussurrou bem baixinho, olhando agora para a própria barriga. — O papai vai te amar independente do que você for, amor.

Mas, bem, o bebê ainda não havia deixado saberem o que ele era e Jongin estava mesmo curioso. Era a primeira ultrassonografia que assistia e, mesmo sem ser absolutamente nada dos ali presentes, sentia-se emocionado por estar tão perto de uma nova vida.

— Hey bebê, estamos curiosos. — parou ao lado de Chanyeol, que estava absorto, apenas esperando o momento de saber se teria um garotinho ou uma garotinha ali. — Deixa o titio Kai ver. — abaixou-se e sussurrou, também observando a telinha agora.

— O bebê está mexendo, continua Kai. — Baek disse e Kai não se atreveu a parar.

— Vamos neném, não deixe o papai mais curioso, ele quer saber como pode te chamar. — olhou para o rapaz na maca, que tinha um sorriso nos lábios e os olhos na tela.

— Consegui! — Byun exclamou divertido. — Pronto para saber sobre seu bebezinho? — perguntou para Kyungsoo, que confirmou freneticamente com a cabeça, arrancando uma risada suave do obstetra. — Temos aqui um menininho, parabéns.

~x~

Kyungsoo estava radiante. Seu bebê estava bem e ele já sabia que seria um menininho. Chanyeol não estava muito diferente, sentado novamente na cadeira ao lado da cama e conversando sem parar com a barriga, dizendo coisas como ensiná-lo a jogar futebol e empinar pipas. O rapaz acariciava a própria barriga com a mão esquerda enquanto observava o braço engessado.

Não conseguiu conter mais as emoções e acabou chorando baixinho, chamando a atenção de Chanyeol para si, que mesmo sabendo não poder, subiu na cama e o abraçou.

— Eu vou esfolar quem fez isso com você, Soo. Vou arrancar o couro e usar pra fazer sapato! — exclamou enviesado, arrancando uma risada baixinha em meio a soluços engasgados.

— Chanyeollie, você não mata nem os pernilongos que ficam te enchendo o saco durante a noite. — murmurou, relaxando aos pouquinhos sob o carinho delicado em seus cabelos.

A vida é cercada de primeiras vezes, Soo. Grave minhas palavras. — disse, fazendo uma pose engraçada mesmo na posição que se encontrava, arrancando uma risada um pouco mais alta. — Eu fiquei tão assustado, Soo, achei que fosse perder vocês. — suspirou pesado, voltando a acariciar os cabelos incrivelmente macios. — Você é como um irmão pra mim Kyung, você e o pequenino são a única família que eu tenho e não suportaria perder vocês, não aguentaria um segundo aqui sem você.

— Chan... — abraçou o mais alto da forma mais apertada que seu único braço bom permita. — Desculpa te assustar. Prometo que nada vai acontecer com a gente. Você sabe que é importante para nós e eu jamais me perdoaria se algo de ruim te acontecesse. Foi uma fatalidade infeliz mas passou, nós estamos bem.

Passou a acariciar o braço do amigo, que aos poucos foi relaxando e acabou cochilando. Kyungsoo via o quão Chanyeol estava cansado e precisando, mais que nunca, de ajuda. Sabia que ele mentia quando dizia que havia comido no caminho enquanto trazia comida para si.

Sempre que conseguia um pouquinho de dinheiro Chanyeol comprava comida e dava tudo pra o amigo grávido, pois sabia que ele precisava se alimentar bem para manter o pequeno bebê saudável. Porém Kyungsoo estava preocupado, não sabia há quanto tempo ele estava sem se alimentar devidamente e isso era perigoso.

Ficou ali, deitado entre os braços aconchegantes do amigo, até tomar uma devida atitude. Os médicos disseram que se precisasse de algo era apenas chamar, então foi seguindo essas palavras que alcançou o botãozinho que chamaria o médico e o apertou, aguardando alguns poucos minutos até a porta ser aberta pelo doutor Kim, que tinha uma expressão levemente preocupada.

— Está sentindo algo? — questionou, olhando para o suporte do soro para te certeza que estava caindo corretamente. — O que ele está fazendo na cama? Isso pode machucá-lo.

— Está tudo bem, doutor. Eu estou bem, mas chamei o senhor aqui para pedir um favor. Sei que estou abusando de sua ajuda, mas é que estou preocupado. — disse o mais silenciosamente possível para não acordar o amigo.

— Estou aqui para ajudá-lo, se estiver ao meu alcance o farei. — continuou próximo a cama para poder ouvir e falar claramente sem ter que elevar a voz.

— Chanyeol está sem comer há dias. Ele diz que comeu antes de voltar mas sei que é mentira. Anda tendo fraquezas constantes e só não desmaiou esses dias pois o obriguei a comer comigo. Não temos muita coisa mas ele sempre faz pequenos trabalhos para um senhorzinho e ganha dinheiro por isso, porém não é o suficiente para nós dois. Estou com medo de ele estar doente. Você poderia checá-lo pra mim? — perguntou com olhos marejados e Jongin notou o quanto eram próximos.

— Tudo bem, não se preocupe. Darei uma olhada nele. Quando ele acordar me chame novamente. Vou mandar trazer algo para vocês comerem. — sorriu suavemente e saiu após ouvir um suave obrigado.

Seguiu pelo corredor até a sala de descanso, onde encontrou Baekhyun sentado e massageando os próprios ombros. Soltou um suspiro.

— Nada de grave. Ele apenas pediu para que eu checasse o senhor Park porque aparentemente ele pode estar sem alimentação correta. — disse ao tirar os sapatos e colocar os pés sobre o sofá. — Pedi para uma enfermeira levar comida para ambos.

— Estou feliz que o bebê está bem. Kyungsoo chegou aqui muito debilitado e é praticamente um milagre aquele garotinho ainda estar ali. Ele tem muita garra e vontade de viver. — seguiu as ações do amigo, também colocando os pés no sofá. Permaneceram perdidos em pensamentos por algum tempo, sem saber muito o que fazer, até que o menor voltou a falar. — Kai, eu não quero que eles voltem para a rua. É perigoso para eles, principalmente para o bebê. Sabe como é difícil contratarem pessoas grávidas, imagina moradoras de rua ainda por cima. Eu sinto dentro de mim, dentro do meu coração, que preciso protegê-los.

— Por incrível que pareça eu também sinto isso, Baek. Não sei o que fazer, sinceramente, mas também não posso permitir que voltem para a rua. Se eles voltarem aqui uma próxima vez pode não ter volta, pode ser pior. Mas o que a gente pode fazer? Já estou numa enrascada enorme pagando as coisas para ele. — respirou fundo, fechando os olhos e preocupado uma saída.

— Seu plano é um pouco maior que o meu, então cobre essa semana de Kyungsoo aqui. Sobre os procedimentos que você solicitar para Chanyeol não se preocupe, eu irei arcar com a despesa. Nós precisamos apenas ajudá-los. — levantou, indo para um dos beliches que ali tinha e deitando-se no de baixo.

— Quando saírem daqui, vamos deixá-los em nosso apartamento. — Jongin disse, seguindo o amigo e deitando-se na cama de cima do beliche.


Notas Finais


Deixando um pequeno ponto claro: como eu não pretendo fazer essa fic muito longa as coisas vão acontecer meio rápido mesmo.

Como disse lá em cima, eu já tenho alguns capítulos prontos, e também já tenho um planejamento dos próximos, então logo, logo ela já vai estar pronta, quem sabe até talvez eu faça atualização duas vezes por semana, mas isso vai depender da inspiração.

É isso galero, até o próximo!!!

Xx Zhang Ella'


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...