História Rogue Love - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Exibições 247
Palavras 2.500
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Romance e Novela, Violência
Avisos: Drogas, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olha quem voltoooou, no sufoco, mas voltei. Só tenho a agradecer pelos favoritos e comentários de vocês que me deixam cada dia mais feliz, obrigado por acompanharem a história, fico muito feliz em saber que tem gente que gosta do que escrevo <3 Bom, não quero demorar aqui, boa leitura, amoreees. Sz.

Capítulo 4 - Dangerous Proposal


Fanfic / Fanfiction Rogue Love - Capítulo 4 - Dangerous Proposal

~ Alexia Price Point Of View ~

Não pude impedir o sorriso animado que se formou em meu rosto ao ver o loiro me olhando confuso pela webcam.

— Preciso da sua ajuda. — Fui direto ao assunto. — Mas, Jackson não pode saber, e também, eu não posso sair daqui. — Falei em um tom baixo, não queria que algum fofoqueiro passasse pela porta e ouvisse tudo para depois ir contar ao babaca. — É urgente, caso não fosse, não estaria pedindo sua ajuda, odeio pedir ajuda.

— Primeiro, calma. Segundo, me dê um ótimo motivo para que eu faça todo esse esforço. Terceiro, tenho que ganhar algo que me beneficie bastante.

— Eu não posso falar muito agora, alguém pode entrar aqui. Preciso ver você pessoalmente. Seja útil, por favor. — Quase ri da cara de tédio que fez. — Juro que vai ganhar algo com isso.

— Irei fazer o possível. — Ergui as sobrancelhas e ouvi ele rir baixo. — Relaxa, vou dar um jeito. — Afirmei animadamente com a cabeça.

— Sabia que você não era totalmente inútil. Obrigado, Bieber. E só para lembrar, essa conversa nunca existiu. — Sorrio acenando com a mão para a pequena câmera. — Bye. — Encerrei a chamada após ele se despedir.

Fechei a tela do notebook e voltei ao closet, começando a guardar tudo no lugar rápido, não queria deixar pistas de nada, mas, os cacos de vidros quebrados e as outras coisas, eu não iria limpar, não mesmo.

~ * ~

Cocei os olhos sentindo minha barriga roncar pela fome que sentia. Agora, já tomada banho e com um curativo decente no pé, eu me encontrava em uma das cadeiras confortáveis da varanda do quarto, observando o céu que estava bem estrelado, a brisa fria da noite me acalmava de uma forma incrível.

Só me trouxeram comida uma vez hoje, arrumaram o quarto e recebi mais informações do tipo; "Não tente fugir, tem seguranças na porta do quarto e lá no jardim te observando" "Jackson não permitiu que saísse para nada. Pode morrer, mas morra aqui" "Sem conversas com os empregados, seguranças e qualquer outra pessoa" e mais coisas, mas não me forcei a lembrar da maior parte. O sanduíche de presunto que comi mais cedo estava bom, mas não era suficiente, não iria adiantar gritar nem nada, então, só fiquei ali o dia todo, cantarolando algumas músicas enquanto observava o céu para não ficar doida de vez. O notebook continua escondido no mesmo lugar, espero que ninguém desconfie de nada, fui bem cuidadosa. E sobre Bieber, eu não fazia ideia de quando ele iria aparecer, agora, é só esperar, não posso fazer mais nada. Só espero que isso dê certo, é minha única chance de ter uma escapatória. Ele também vai ganhar bastante com isso, porque todos sabemos que se esse plano de juntar as gangues para derrubar outra dê certo, Jackson e Justin vão voltar a querer se matar todo dia, bem pior dessa vez, e Bieber é esperto, de certeza que não sobra nada de Jackson, e eu vou poder ajudar. É a lógica, sempre fique do lado mais forte. Quando a torre de cartas for derrubada, esteja firme. É sobrevivência. E digamos que, eu vou me divertir muito nessa história.

Meus pensamentos foram lançados para longe com o barulho da porta sendo destrancada e logo aberta, me levantei rapidamente caminhando de volta ao quarto, suspirei baixo ao ver Jackson entrar e logo trancar a porta outra vez. Respiro fundo cruzando os braços enquanto ele me olhava feio, esperando algo de minha parte... Acho que ainda está querendo uma resposta definitiva.

— Eu estou com fome. — Fiz uma careta entortando o nariz. — Seu plano é me matar? Acho que vai dar certo.

— Vai me falar a verdade, ou...? — Perguntou com um falso desdém.

— Jackson, eu já lhe disse, que merda! Deixe de suas paranoias. Está me trancando aqui para nada. Acha que seu eu fosse fazer algo com Bieber seria bem no mesmo lugar que você estava? — Sim, seria.

— Sim. — Disse decidido. Ridículo. — Não vai ter contato algum com ele. — Revirei os olhos afirmando com a cabeça. — Só vai continuar no plano porque é boa. — Dei de ombros como se falasse "eu sei", ri.

— Que seja. — Não dei importância, sabia que sair do quarto seria algo meio inútil, minha liberdade seria andar pela casa. Maravilha. — Eu posso sair? Preciso comer. — Sua língua passa por seus lábios umedecendo os mesmos enquanto seu olhar pensativo me observava, sorrio ironicamente quando faz um sinal com a cabeça indicando que eu podia sair.

Legal, não estou mais presa no quarto! Agora é só pela casa. Uau. Que vida boa, não?

 

~ Justin Bieber Point Of View ~

— Acho que vou, o que tenho a perder? — Dei de ombros olhando Chris despejado na poltrona em frente a minha mesa. — Tipo, vai que é algo bom.

— Não sei, dude. Sabe os riscos, mas se quiser... Vai lá. — Afirmei lentamente o com a cabeça, pensativo. Quando Alexia me ligou Chris estava aqui, e então, conversamos um pouco. Ele acha que pode ser arriscado, mas a loira é gostosa, ou seja, vale bem à pena.

— Certo. Eu vou. — Falei tragando do cigarro que estava entre meus dedos. — Preciso de dois seguranças, e os três mosqueteiros vão comigo. — Ri ao ver ele bufar jogando a cabeça para trás. — Vocês vão dar jeito nos seguranças de lá enquanto eu entro e falo com ela. Não vai ser algo demorado... Eu acho. — Sorrio malicioso ao falar a última parte. — Vou ganhar essa aposta.

— Te ilude, Bieber. — Me mandou o dedo do meio me fazendo rir.

— Aquela porra é o diabo em forma de mulher. — Ryan entrou em disparado no escritório, eu e Chris nos olhamos com o cenho cruzado e logo levamos o olhar a Ryan. — Jessie, caralho. Aquela porra acordou e tivemos que dopar ela, eu e os seguranças da boate, duas vezes. — Após falar, estendeu os dois braços mostrando arranhões.

— Só assim pra você fingir que transa. — Chris comentou e comecei a rir enquanto fazia um cumprimento com ele, Ryan nos olhava feio.

— Aliás, Beadles... Vai se foder. — Seu corpo foi jogado na poltrona ao lado da de Chris.

— Eu vou foder alguma puta agora. — Ri vendo o mesmo se levantar. — A gente não vai sair agora, né? — Neguei vendo ele sorrir animado. — Até mais tarde. — Bati em sua mão como um cumprimento e Ryan fez o mesmo, logo saiu do escritório batendo a porta.

— Onde vamos? — Ryan perguntou.

— Mansão do Jackson, mas, é para falar com a Alexia. — Uma feição confusa brotou em seu rosto.

— Quê? Explica ai. — Respirei fundo revirando os olhos. Comecei a lhe falar o que havia acontecido, e assim que terminei, ele estava da mesma forma que eu; curioso. — Isso tá estranho, fica esperto. Ela pode estar armando. — Fiz um bico indeciso e dei de ombros.

— Por isso, vocês e dois seguranças vão juntos. — Ergueu as sobrancelhas afirmando com a cabeça enquanto relaxava o corpo na poltrona.

— Quando vamos? — Passei a língua pelos lábios.

— Pela madrugada.

— Justin, sabe que pela madrugada a segurança aumenta. — Duvido que Jackson tenha capacidade de ter uma segurança dobrada. — Certeza disso?

— Eu sempre tenho certeza, Butler. — Dei uma piscadela vendo ele revirar os olhos e começamos a rir. — Agora, me fale o que rolou lá com a garota do Tony...

— Ela acordou no carro quando estávamos no caminho, começou a gritar por socorro e bater nas janelas, também tentou pular para fora do carro, ai eu lhe dopei. — Gesticulava com as mãos enquanto falava. — Deu tempo de chegarmos na boate e ela acordou de novo, já nos braços de Khalil que estava lhe levando lá para cima, daí aquela porra começou a chorar, tipo, falando que era só lhe soltar que iria sumir daqui e mais um monte de merdas. Terminei me irritando e decidi ir para um quarto a arrastando, acho que ela pensou que eu iria lhe estuprar. — Negou levemente com a cabeça rindo. — Tentei conversar, tudo certo, tudo de boa... Quando levantei para ir, suas unhas cravaram nos meus braços e ela começou a implorar para não lhe deixar sozinha. — Gargalhei pendendo a cabeça para trás enquanto ele mostrava os arranhões. — Ai fiquei deitado com ela chorando, iria esperar que dormisse, pena que demorou, dopei de novo. Mandei que Megan fique a olhando até que acorde. — Megan é a responsável por todas lá, bem puta também.

— Você é muito bonzinho. — Fiz uma careta. — De qualquer forma, vamos lucrar.

— É... Pode ser. — Ele falou dando de ombros enquanto pendia a cabeça para trás. Estreitei os olhos o observando. Ryan é muito legal com todo mundo, talvez esteja com pena dela. Bom, é triste, mas o dinheiro vale à pena.

 

~ Alexia Price Point Of View ~

Me viro mais uma vez para o lado tirando o cobertor do meu corpo e girando o travesseiro ao lado contrário, abraço a mim mesma fechando os olhos, mas logo levanto bufando, olho para o relógio no criado-mudo vendo que são duas e meia da manhã, e eu aqui, com uma puta insônia. Respirei fundo passando as mãos pelo rosto, sentei na ponta da cama apoiando os cotovelos nos joelhos deitando o rosto nas mãos. Olho em volta do quarto escuro, só se podia ouvir o barulho relaxante do ar condicionado e da minha calma respiração, me levantei prendendo o cabelo em um rabo de cavalo alto e ascendi a luz do quarto, suspirei baixinho arrumando o curto moletom que usava, voltei a me sentar na cama cantarolando "Or Nah", que estava vagando em minha mente. Joguei meu corpo para trás caindo no acolchoado macio, fechei os olhos e continuei a cantar, ouvi um barulho vindo da varanda que julguei ser o vento e não movi um músculo, senti a presença de alguém ao lado da cama, me observando. Fechei os olhos com força e tentei não me importar, as vezes eu sentia isso e quase sempre, não era nada.

— Alexia? Tá viva? — Abri os olhos rapidamente dando de cara com Bieber.

— Caralho. — Me sentei rapidamente na cama colocando a mão no peito, assustada. — Que susto. — Ri fraco negando com a cabeça, puxei o travesseiro para o meu colo por minhas coxas estarem bem expostas.

— Você é doidinha que só, né? — Perguntou rindo, lhe dei língua.

— Gosto de curtir a vibe que é ficar sozinha. — Ironizei soltando uma risada fraca. Justin se virou e caminhou até a umas prateleiras do quarto mexendo em uns itens de decoração e alguns quadros.

— Então... — Se virou para mim e cruzou os braços. — O que quer falar?

— Primeiro... Como conseguiu entrar aqui tão fácil? — Perguntei confusa, cruzei o cenho enquanto deixava os fios de meu cabelo soltos por cima dos ombros. — Não tem medo que Jackson descubra?

— Alexia... Eu sou Justin Bieber. — Revirei os olhos rindo, coloquei os braços atrás do corpo e fiquei apoiada pelas mãos o olhando. — E outra, mesmo se ele estivesse em casa, eu iria fazer o que me desse vontade. — Ergui uma sobrancelha.

— Uau, bad boy. — Estreitei os olhos vendo ele dar uma piscadela. — Mas, enfim... Quero tratar de negócios. — Percebi sua feição confusa, então, tratei de continuar. — Acho que já deve ter notado que eu não considero Jackson como a pessoa que mais amo no mundo, estou certa? — Ele riu afirmando com a cabeça. Seu corpo se encostou na porta e ele cruzou os braços, o que lhe deu um ar superior e sexy ao mesmo tempo. — E de uns tempos para cá... Digamos que eu tenha ficado mais vingativa... Resumindo, preciso de um álibi.

— Certo... Está propondo um acordo... — Insinuou gesticulou com as mãos, afirmei.

— Quero que me ajude a matar ele. — A sua feição surpresa era engraçada e divertida, um sorriso surge no canto de seus lábios.

— Será uma honra. — Não pude evitar o sorriso maldoso que acabará de se formar em meu rosto. — Mas... — Suspirei. Por quê sempre tem um "mas"? — O que eu vou ganhar em troca? — Pude notar a malícia em sua voz. Bieber não é besta, ele não perde uma.

— Eu vou te ajudar, irei dar as informações que precisar. — Me levantei e caminhei até seu corpo que permanecia da mesma forma, mas sempre acompanhando cada movimento meu com o olhar. — Sei que a ajuda de Jackson será bem útil, ou seja, matamos ele no dia que isso de vocês acabar. Ambos vamos sair ganhando... Eu me livro dele e você ser torna o chefão. — Sorrio debochada.

— O que mais? — O mesmo sorriso safado de sempre havia brotado nos lábios do loiro. — Tenho certeza que tem algo mais para me oferecer. — Estreitei os olhos soltando uma risada fraca enquanto o mesmo se aproxima de mim.

— Não perde uma, uhm? — Ironizei. Suas mãos pousaram em minha cintura, não demorando muito para que nossos corpos estejam colados. — Mas não é tão fácil. — Coloquei meu dedo indicador em seus lábios, os contornando. — Vamos fazer assim... — Envolvi meus dois braços em seu pescoço aproximando mais nossos rostos. — Você faz algo que me agrade e eu retribuo. — Sorrio com nossa aproximação. Podia ter certeza que iríamos nos beijar, é claro, se eu não me afastasse bem na hora. — Por hora, é apenas isso. — Estendi a mão. — Trato feito? Mas, lembre-se que, é uma proposta perigosa.

— Feito. — Ele ergue uma sobrancelha apertando minha mão. — Acho que vou gostar desse jogo... Ou não? — Passei a língua pelos lábios rindo fraco, dei de ombros fazendo um bico indeciso pelo que perguntou.

— Acho que sim. — Soltei nossas mãos rindo fraco e cruzei os braços o olhando. — Algo em mente?

— Sempre tenho ideia de algo que podemos fazer. — A malícia escorria por suas palavras.

— Bieber... — Estreitei os olhos, ele riu e ergueu as mãos, como se estivesse se rendendo.

— Parei. — Rimos. — Vou mandar Ryan e Jackson em uma viagem para Los Angeles, tivemos alguns problemas lá, suponho que seja Duke... Enfim, enquanto ele estiver lá, eu venho aqui e a gente conversa.

— Okay. — Murmurei. Nem dava para acreditar que algo finalmente estava dando certo na minha vida. Caralho. — É um prazer negociar com você. — Brinquei, sendo formal.

— De certeza que vai ser um prazer. — Estreitei os olhos negando lentamente com a cabeça. Ele se aproximou e parou em minha frente. — Até mais, loira. — Um beijo rápido foi depositado no canto de minha boca, o olhei como se estivesse incrédula, mas já esperava algo assim de sua parte.

Seu corpo foi em direção a sacada, e então, pulou se segurando em algo que não foi possível ter uma visão nítida, me aproximei ao ver ele descer rápido, me apoiei na grade da sacada olhando para baixo, o segui com o olhar enquanto o mesmo corria indo de encontro com Chaz, Chris e Ryan, o corpo dos seguranças estavam espalhados pelo jardim, não eram poucos, aquilo me fez rir.

Negócios com Justin Bieber... O que poderia vir a seguir? Que seria boa coisa, eu tenho certeza. Uma dose de perigo e safadeza, são coisas que não vão faltar de jeito algum. Só preciso ficar preparada para as surpresas que estavam para vir, sejam elas boas ou más.


Notas Finais


O que acharam? Me falem aqui nos comentários <3 Obrigado por tudo e até o próximo. Sz.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...