História Rogue Love - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Exibições 117
Palavras 2.096
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Romance e Novela, Violência
Avisos: Drogas, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


ME DESCULPEM A DEMORA, EXPLICO TUDO NAS NOTAS FINAIS. Boa leitura e me perdoem os erros, babes ❁ Espero que gostem!

Capítulo 7 - First Mission


~ Justin Bieber Point Of View ~

— Acho melhor você ficar calmo, dude. — Ryan colocou a mão em meu peitoral me empurrando para dentro. Como é?

— É o quê? — Questionei estreitando os olhos e o encarando. — Você entendeu que tem uma pessoa aqui, dentro da minha porra de casa, me traindo?

— Eu entendi, puto. — Esbravejou. — Mas, você tá drogado, drogado pra caralho. Não vai adiantar fazer nada agora. — Exagero. Eu só tinha cheirado e, bebido um pouco, porém, eu estava bem eufórico, não posso negar. Cocaína é o que mais perturba os nervos, nos deixa agressivo para o senhor caralho. Talvez seja isso. Mas foda-se, vou matar ele.

— Ryan, deu. — Rosnei tentando manter a porra da calma. Não iria descontar nele. — Me solta. — Bufei.

— Vai ficar quieto? — O encarei logo levando atenção aos meninos que estavam todos ali, assistindo ao vivo. Estava rolando uma festinha básica antes de eu checar a porra do e-mail que Alexia pediu. Qual meu problema? Cheguei aqui no escritório para pegar um dos meus whisky's preferidos e, decidi ver o e-mail enquanto estava chapado.

— Sim, papai. — Ironizei. Ele me soltou revirando os olhos, levantei um pouco a calça e não precisei arrumar camisa, afinal, estava sem. Passei por eles sem olhar na cara de nenhum, essas porras. Grunhi em irritação enquanto seguia para as escadas, ignorei todas as pessoas pela casa e foda-se. Assim que abri a porta do meu quarto dei de cara com as quatro vadias que mandei vir pra cá. Eu estava puto, só queria dormir, mas não posso negar uma foda dessas. Não falei nada, bati a porta do quarto e caminhei até a cama onde as quatro já estavam engatinhando na minha direção. É, existem várias formas de se tirar o estresse... Essa é a minha preferida.


~ * ~


Acordei com o quarto rodeado de putas, bem mais do que aquelas quatro. Acho que já estava quase anoitecendo, não sei ao certo. Ordenei que fossem embora antes que eu saia do banho, odeio putas quando acordo. Fiz minha higiene e assim que voltei ao quarto não havia mais ninguém, só uma bagunça dos infernos. Me troquei e desci para comer algo, a casa estava arrumada, acho que as empregadas devem ter arrumado enquanto eu dormia. Ryan, Chris, Chaz e Khalil estavam jogados pelo chão e pelas cadeiras da cozinha, todos comendo algo e conversando alegremente.

— As bichonas transaram muito para essa alegria? — Chamei atenção deles, segui para a geladeira tirando um energético e uma lasanha congelada de dentro.

— Você vai ver a bichona se der outro showzinho feito aquele de ontem. — Ryan falou. Por incrível que pareça, eu consegui me lembrar da quase treta de ontem. Revirei os olhos rindo e pegando uma lata de cerveja. — Vou enfiar um pau no teu rabo. Tive que deixar uma morena gostosa da porra por tuas birras, arrombado.

— Querido, Ryan, isso foi só uma desculpa para ela fugir dessa sua azeitona com ejaculação precoce. — Todos começaram a rir, tentei ficar sério mas com a cara de cu que fez, não deu.

— A Pattie não acha isso, cu frouxo. — Ergui uma sobrancelha e todos os meninos voltaram a rir, mandei o dedo do meio para Ryan que também ria e fui para o microondas jogando a lasanha ali e colocando o tempo certo.

— Vocês são muito virgens, caralho. Só sabem falar da minha mãe, tem argumento melhor não? — Debochei enquanto misturava a cerveja e o red bull em um copo. O gosto da bebida não fica dos melhores mas, fica bem melhor para tomar o remédio de dor de cabeça e essas porras. Ressaca é foda.

Continuamos a conversar sobre assuntos banais e putaria, depois que a minha comida ficou pronta, só fiz comer.


~ * ~


— E ai, conseguiu? — Perguntei a Chaz. O mesmo acabará de passar pela porta do meu escritório.

— Sim, todas instaladas. — Respondeu enquanto se sentava na poltrona de frente da mesa. — Já estão conectadas ao seu computador, olha ai. — Fiz o que disse. Chaz havia saído na noite da reunião, para resolver isso das câmeras na casa de Jackson. Vasculhei meus arquivos até chegar onde queria e, lá estava, tudo ao meu controle. Passei meu olhar por todos os cômodos da casa, Jackson estava em seu escritório mexendo no computador bebendo e fumando, Alexia não estava em meu campo de visão, talvez estivesse no banheiro, o único lugar que não decidi não colocar câmeras.

— Agora sim. — Falei sorrindo de lado. — Valeu, dude. — Fechei os arquivos já me levantando. Odiava passar muito tempo no computador, me sinto aqueles nerds broxa.


~ Alexia Price Point Of View ~

Juntei as duas mãos as enchendo de água fria, lancei todo o líquido contra meu rosto tentando relaxar com aquele ato, o que, óbvio, não deu certo. Enxuguei o rosto na toalha que ficava ao lado da pia, desliguei a torneira encarando meu reflexo no grande espelho. Havia acabado de brigar com Jackson, ele estava desconfiado de mim outra vez, quando não está? Sabe que não consegue dar conta de mim, digamos que, eu não sou muito de obedecer quando não quero. E, isso está me beneficiando muito, a sua desconfiança está o corroendo, ele só consegue prestar atenção no óbvio, não o que está pelas entranhas, isso ajuda bastante. Eu fiquei mais atenta em meus atos depois da troca de poucas palavras com Bieber, isso o deixou mais paranóico. Prendi meu cabelo em um coque frouxo observando os fios que caiam livremente por meu rosto, eu deveria mudar meu visual, ficar ruiva, quem sabe. Mudar é sempre bom.

Direcionei meus passos para a cômoda do quarto, abri uma das gavetas tirando uma agenda/diário de dentro, puxei a caneta que estava entre uma das folhas e fui para a cama, me sentei ficando de perna de índio e deixei o pequeno livro apoiado no joelho, peguei a caneta e precionei contra o papel começando a escrever.

"Querido, diário... Que porra de introdução... E ai, tranquilo? Tive mais um dia péssimo, minha cabeça está girando em torno de milhões de pensamentos confusos, tudo está confuso, na verdade. Pensei em mudar meu visual, mas tenho medo que venha a dar merda, não sou uma pessoa sortuda quando se trata de qualquer coisa inventada pelos seres humanos. Bom, eu preciso ter cabeça e forças para aguentar tudo isso... Cada dia me sinto mais fraca, sinto que não irei conseguir segurar tudo isso sozinha, sinto que preciso de alguém para ter de apoio. A falta de meu pai me corroe, penso como está minha mãe também, mesmo que ela esteja me odiando hoje em dia, eu só queria ter notícias deles. Bom, de meu pai, não posso fazer nada a respeito. Lembro de minhas amigas e tudo mais. Ah, porra! Estou escrevendo isso porquê dizem que escrever seus sentimentos é algo beneficiador para você, não está dando certo... Minha vontade de desistir e de abraçar um travesseiro e chorar até dormir está me dominando. Foda-se essa porra. Eu não sou fraca."

Terminei de escrever com lágrimas rolando por meus rosto, joguei a caneta e o livro ao chão, prendi meus dedos em meus fios de cabelo tentando prender o choro que aumentava. Tudo está ficando tão difícil, a pressão em cima de mim está aumentando e, mesmo com pouca coisa, é muito para mim, para alguém que está se fodendo sozinha à muito tempo. Isso tem que mudar, o mais rápido possível. Puta merda.


~ * ~


— Posso ir ao shopping? Preciso de algumas coisas. — Após entrar em seu escritório sem bater, questionei Jackson. Ele me olhou soltando uma risada baixa e tornou a atenção para seus papéis. — É sério, Jackson. — Realmente era.

— Escoltada. — Avisou, sua intenção era me fazer desistir. Otário.

— Certo. — Fui simples, ele me olhou furioso. Mordi a língua para não perguntar se iria explodir. — Até mais, bae. — Ironizei completamente, dei a volta saindo de seu escritório e indo para meu quarto, me arrumar.


~ Justin Bieber Point Of View ~


Já se passaram alguns dias desde que descobri que havia um pilantra arrombado me traindo dentro da minha própria mansão, por mais que meu ego e orgulho estejam abalados, não fiz porra nenhuma. Depois de pensar direito, deduzi que se eu fosse fundo nessa história, Jackson iria desconfiar de algo e eu iria cagar com tudo. Estou tentando manter a calma, o que não é fácil. Só sei que, quando essa merda acabar, vou sair como a porra doida manifestada e bêbada descontado a raiva em putas e no prazer de atirar na cabeça de quem duvidou que eu seria o melhor. O caminho para isso está sendo foda, precisei da ajuda do viadão do Jackson, puta merda, onde cheguei? Mas tranquilo, uma hora isso passa. E, já tenho tudo certo para quando isso acabar; roubar Duke, matar Jackson da pior forma e, ser o melhor. Booom. Não tem nada para dar errado.

A cada dia que se passava, o plano de invadir o banco se aperfeiçoava, estava tudo saindo perfeitamente, todos treinando e se preparando. É complicado o tanto de coisas que temos que fazer, todo dia é um treinamento diferente. O que cada um iria fazer já estava certo, todos tinham de cabeça como irá acontecer. Terminou que, quase não vi Jackson nesse tempo, sempre estamos fazendo coisas opostas e, acredito que isso é uma bênção dos céus. Já com Alexia, as coisas são diferentes... Ela sempre me passa as informações que consegue, por incrível que pareça, está sendo útil pra porra. Teve até o dia em que ela mentiu para Jackson falando que iria para o shopping, de fato, ela foi, porém, nos encontramos lá e ela me falou mais umas coisas, eu lhe dei algumas escutas, câmeras pequenas e coisas assim, resultou em outra prisão domiciliar para a loira, mas sempre dávamos um jeito. Isso tudo tem um ponto especial, só quis me juntar à ela pelo simples fato de que ainda vou lhe foder, coisa que não aconteceu até agora. Só ficamos pelos cantos soltando gracinhas e, geralmente, rola beijos e coisas assim, mas qual é, quero um nível alto em relação a putaria. Porém, ela se mostrou melhor do que um corpinho gostoso e uma cara lindinha.

No momento, estamos no treino de tiro ao alvo, o meu preferido. Todos da minha gangue treinavam em cabines diferentes, um ao lado do outro, apenas separados pela divisória de gesso. Jackson e os seus trapalhões treinam em outra sala, infelizmente, é tudo no mesmo galpão. Tirei meus tampões de ouvido e o óculos protetores ao sentir uma mão pousar em meu ombro, estreitei os olhos ao encarar a garota.

— Sua gangue é outra, loirinha. — Ri ao ver ela revirar os olhos. Desde que tudo isso começou, ela praticamente entrou de vez nesse mundo, porém, na gangue do Jackson. Por enquanto. — O que foi? — Questionei deixando meus pertences em uma mesinha ali perto. Alexia segurou em meu pulso nos arrastando para uma parte mais calma do local, sem chamar muita atenção.

— Quando vamos agir? Digo, em relação ao plano com Jackson, não o contra ele. — Cruzei o cenho.

— Deveria estar perguntado isso à ele. — Dei de ombros colocando as mãos no bolso.

— Você quem está cuidando da maior parte. — Bufou. — Todos sabemos que Jackson só está servindo para aumentar o número de pessoas, porém, todo o resto é com você. — Sorri de lado com aquilo.

— Certo... — Me encostei na parede atrás dela, podendo olhar sua bunda, mas, para minha infelicidade, logo a mesma virou ficando de frente para mim. — Vamos precisar saber o código da conta do Duke, não? Adivinha quem vai conseguir isso? — Um sorriso animado acabará de brotar em seus lábios.

— Ai, delicinha. — Falou com uma voz sexy. Mordi o lábio inferior assim que ela fez tal ato. Fiz uma careta e entortei o nariz ao receber um tapa fraco no ombro. — Quando isso vai acontecer?

— Essa semana ainda. — Fui simples. — Vamos dar um jeito de Duke sair de casa, ai, você irá invadir a mansão dele. Jackson me disse que você é boa em fazer as coisas silenciosamente. — Ela estreitou os olhos para mim soltando uma risada baixa. — E, claro, precisamos te colocar em ação. Ou seja, essa será, oficialmente, sua primeira missão.


Notas Finais


OOOOI MEUS AMORES. Adivinha quem está nas últimas provas do ano? Esse foi o motivo da demora. Estou tentando passar nesse hospício que alguns chamam de escola. Espero que entendam que estou no fim de ano do colégio, minha mãe está grávida e eu virei dona de casa com bônus para cuidar do meu irmão. Está tudo uma confusão. E, para completar, o carregador do meu notebook queimou, não faço nem ideia de quando poderei comprar outro. Por isso, não teve banner de capítulo :((( Estou me esforçando para dar o melhor conteúdo para vocês, está dando certo? De qualquer forma... Nunca vou desistir de Rogue Love, okay? Okay!

JÁ OLHARAM A NOVA CAPA? MEU DEUS, MUITO OBRIGADO AO AMERICAN EDITS POR TER FEITO ESSA MARAVILHA. MEU DEUUS. Me falem aqui nos comentários o que estão achando! Amo interagir com vocês <3 Me perdoem os erros desse capítulo, tenho que acostumar a postar pelo celular ainda (risos). Prometo de dedinho que vou dar minha alma para o próximo capítulo sair mais rápido. Até mais, babes ⚜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...