História Roommate - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Bts, Jin, Jinsuga, Protectseokjin, Seokjin, Sugajin, Yoongi, Yoonjin
Exibições 1.545
Palavras 2.370
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


MAIS UM CAPÍTULO CHEGANDO!!

Já aviso que terá alguns avanços de tempo nesse capítulo e no próximo, porque não quero me alongar muito nessa parte. Espero que entendam.

Boa leitura <3

Capítulo 16 - Punições


Fanfic / Fanfiction Roommate - Capítulo 16 - Punições

Yoongi POV

Acordar com um barulho irritante e com o sargento gritando para que nós nos levantássemos era a pior coisa do mundo. Fazia duas semanas que eu e Jin estávamos naquela rotina, porém, era difícil vê-lo, uma vez que éramos de turmas diferentes e os dormitórios eram em prédios diferentes. O mais complicado era lidar com as pessoas que viviam me zoando por causa da minha sexualidade. Ninguém ousava ficar perto, eu apenas ouvia os comentários, os apelidos maldosos sem nada dizer.

Quando eu e Jin tínhamos chance de ficar juntos, evitávamos muito contato, até para proteger um ao outro. Então, costumávamos ir nas horas vagas até uma árvore de cerejeira e ficar debaixo dela, sentados lado a lado, apenas conversando. Teríamos os dias de folga, onde poderíamos voltar para casa para poder namorar e passar o tempo como um casal de verdade, mas, enquanto estivéssemos em área militar decidimos agir de modo mais neutro possível.

Arrumei a cama, como já era de rotina e segui para o banheiro para a higiene matinal. Após fazer tudo aguardei no corredor junto com os outros soldados até que – em fila – nós fôssemos para o refeitório onde todas as turmas iam.

Bastava o sargento se afastar para o inferno começar. Peguei minha bandeja e percorri os olhos pelo salão até meu olhar encontrar com o de Jin que sorriu timidamente para mim. Um rapaz passou por ele e lhe deu um tapa forte na cabeça, senti a fúria correr em minhas veias, mas Jin me lançou um olhar reprovador, pedindo que eu ignorasse aquilo. Quando me virei para pegar um talher, um dos caras do meu pelotão esbarrou de propósito em mim fazendo eu derrubar a bandeja e os talheres, suspirei de alívio por ainda não ter comida ali, pois eles sempre colocavam o pé para eu cair e eu tinha que ficar limpando a sujeira como se fosse culpado. Eu tentava argumentar, mas não era ouvido pelos superiores. Apenas um capitão que aparecia por lá de vez em quando, é que tratava eu e Jin como iguais.

Depois do café, cada pelotão foi fazer suas tarefas do dia, cumprir sua tabela, tanto de coisas de treinamento como a parte de limpeza e manutenção do quartel. Para começar o dia, fizemos alongamentos e depois subimos um muro de alguns metros de altura. Enquanto estava na fila, podia ouvir os comentários.

- Min Yoongi vai parar no muro de novo. Sempre patético, o único junto com o fracote do Tan que não consegue escalar a parede. – Um deles disse de modo que eu pudesse ouvir.

Ele estava certo, eu não conseguia pular o muro, eu chegava perto, mas não conseguia escalar ele por completo e pular por ele, eu perdia a força nos braços e impulsão nas pernas.

- É porque ele é viado. É tipo mulherzinha! – Eles riam.

Eu estava apenas a duas semanas ali e o inferno era sempre o mesmo. A vontade que eu tinha era de sair na porrada com eles, mas eu havia feito um juramento e seguiria as normas do exército. Eu não me rebaixaria.

E esse inferno foi só o começo de todas as humilhações que eu e Jin sofremos nos meses seguintes.

*****

 

- Ai! – Eu reclamava de dor nos pulsos.

- Eles não podem mais fazer isso conosco. Eu to cansado, Yoon. Temos que reclamar! – Jin dizia com lágrimas nos olhos, enquanto passava uma pomada em meu machucado.

- E do que adianta? Nunca levam a gente a sério, Seokjin. Eles nos humilham, nos amarram, nos deixam presos, mas sempre soltam e nos limpam antes do dia amanhecer por completo. Só funcionaria se os superiores pegassem no flagra e isso nunca aconteceu. – Desabafei e soltei um gemido de dor quando Jin começou a passar pomada em meu outro pulso.

Estávamos em casa, era nossa folga. Teríamos o sábado e o domingo para ficar em nosso lugar mais seguro: nosso quarto.

- Quantas horas eles te deixaram amarrado no depósito? – Jin me olhou.

- Não foi nada...

- Yoongi! – Me repreendeu. – Me fala. Eu quero saber!

- Não precisa.

- YOONGI! – Gritou me olhando firme, com raiva.

- 8 horas. – Murmurei baixo.

- Esses filhos da puta! – Jin passou a mão em seu próprio rosto e deu um tapa no colchão da cama num ato de raiva, se levantando em seguida. – Eu odeio eles. Eu odeio todos eles! Eu quero que isso acabe, eu quero me casar com você e ter uma vida normal. Eu odeio isso! Eu odeio não poder te ajudar nessas horas. Eu me sinto impotente.

- E você acha que eu me sinto como quando fazem esse tipo de coisa com você? – Falei segurando sua mão e fazendo um carinho. – Eles são uns covardes!

- Ainda falta tanto tempo. Se passou apenas 10 meses, Yoon. Eu não aguento mais. – Jin começou a chorar, deitando sua cabeça em meu colo.

- Temos que ser fortes, lembra? Vamos conseguir, Jin. Nós vamos conseguir passar por isso. É apenas mais uma pedra em nosso caminho. – Fiz carinho em sua cabeça que estava careca assim como a minha devido a exigência do exército.

Jin se levantou de meu colo e seguiu para seu armário, abrindo a gaveta e retirando de lá a caixinha com seu anel de noivado. Ele deixou em casa como segurança e sempre que tínhamos folga ele usava. Observei enquanto ele colocava o anel no dedo e derrubava lágrimas teimosas.

- Seokjin... – Me levantei caminhando até onde ele estava. Fiquei na ponta dos pés e beijei seu ombro numa forma de confortá-lo.

- Desculpa. Eu não quero chorar, é só que... é só que... – Não conseguiu prosseguir.

- Eu sei, eu sei. Tá tudo bem, amor. Pode chorar. Eu sei que segura muita coisa quando está lá. – O abracei fazendo carinho em suas costas enquanto Jin afundava o rosto em meu ombro. – Pelo menos você tem uma forma física melhor que a minha, é mais forte e consegue passar pelos testes com facilidade. Eu tenho mais dificuldades com isso e tenho punições por isso.

- Eu sei, Yoon. Por que eles não te deixam em paz? Eles são soldados como você. – Resmungou.

- Você sabe o porquê. Somos gays, eu sofro, você sofre. Eu só tenho a punição como algo a mais, porém, não a enfrento sozinho, o Tan que é considerado o mais fraco também é punido pelos outros. Nós tentamos nos ajudar. – Expliquei.

- O que mais me irrita é que ninguém nos leva a sério. Os superiores ignoram, acham que é frescura. É uma pena o Capitão Seonhun não trabalhar no nosso quartel, ele sempre bota ordem quando aparece. É o único que nos ouve ali dentro. – Jin lamentou, suspirando.

- Vamos esquecer disso, certo? Estamos em casa, apenas você e eu. Vamos dormir e repor nossas energias. – Conduzi Seokjin até a cama e ele sorriu.

Deitados em nosso paraíso, eu senti meus músculos relaxarem de verdade, ninguém iria interromper nosso sono ou nos atacar. Eu me aninhei nos braços de meu noivo, sentindo ele me apertar contra si e beijar minha testa. Eu me sentia completamente seguro nos braços de Seokjin.

*****

 

- REPITA! – Um deles ordenava e enfiava minha cabeça dentro da privada, retirando em seguida.

- Eu vou respeitar as... regras... e fazer... tudo o que... mandarem. – Falei com dificuldade, tentando encontrar ar para respirar.

Senti minha cabeça ser levada para dentro do vaso mais uma vez, enquanto os caras pareciam se divertir. Eu não conseguia mais manter minha respiração presa e comecei a agonizar para que Dongwan tirasse minha cabeça de lá de dentro do vaso. Eu podia ouvir todos rindo do meu desespero, quando achei que ia morrer afogado, ele me tirou de lá de dentro, me jogando no chão. Eu ofegava tentando puxar todo o oxigênio possível.

- Não se meta quando falarmos do seu namoradinho. Nesse exato momento ele está passando pela mesma coisa que você. Sofrendo as consequências do seu ato. – Avisou.

- SEUS FILHOS DA PUTA! Vocês disseram que o deixariam em paz... AI! – Gritei após receber um chute no estômago enquanto estava deitado no chão.

- E você acreditou? – Debochou. – É muito inocente! É para que vocês aprendam, que quando estivermos falando de um, não é para o outro se meter. Todas as vezes que fizerem isso irão sofrer as consequências.

- Só... deixem... o Jinnie em paz. – Pedi, ainda no chão.

- Jinnie? – Riu e os outros acompanharam. – Só por causa desse apelido ridículo acho que vou te deixar algemado com os braços pra cima lá no depósito.

- Não, não. Por favor! Eu não falo mais, eu juro! Eu não posso mais passar por isso, meu desempenho está caindo nas tarefas diárias por causa de tudo isso. Me corpo dói, eu não tenho forças para desempenhar as coisas. – Supliquei.

- Nós não damos a mínima para você, idiota! – Cuspiu em mim. – Verifiquem se está tudo limpo lá fora e vamos levá-lo para o depósito.

Eles me agarraram, amordaçaram minha boca, como sempre faziam e me levaram para um dos depósitos que ficava em um galpão bem grande. Essas ações deles eram sempre feitas à noite, após o toque de recolher. Ao entrar no depósito, fui amarrado com os braços erguidos em uma barra de ferro e quando ergui minha cabeça pude ver Jin no outro lado, todo molhado, também preso com os braços para cima, com o rosto vermelho devido a tapas que levou e amordaçado.  

Comecei a me balançar desesperado enquanto o via fraco. Apenas ruídos abafados saíam de minha boca devido a mordaça. Jin ergueu a cabeça, me lançando um olhar triste, seus olhos cheios de lágrimas e ele tremia de frio. Estava apenas com uma camiseta branca de dormir e bermuda cinza e haviam molhado ele com água gelada. Um dos caras se aproximou com um balde cheio de água e jogou nele novamente. Jin se contorceu, havia gelo na água. Vendo que eu não parava quieto um dos homens do pelotão de Jin se aproximou e bateu em meu rosto, apertando minha algema ainda mais. Eles riram e saíram de lá, nos deixando sozinhos. Sabia que antes do sol nascer voltariam para nos limpar, nos mandar para o banho e depois ir para a cama fingindo que tivemos uma bela noite de sono.

Nossa rotina se prosseguiu assim, dias e noites, meses e meses com punições e torturas. Tentando denunciar algo que ninguém levava a sério. Não envolvemos nossos amigos na história até porque eles poderiam ser chantageados depois, tínhamos medo que pudessem fazer algo a eles. Estávamos sozinhos nesse inferno, que a cada dia que se passava ficava mais próximo de acabar e era a isso que eu e Jin nos agarrávamos com todas as forças.

Até que um dia, meu corpo desligou. A rotina de ser torturado, mal dormir e ter que cumprir as tarefas do exército sobrecarregou meu corpo e mente, então, um dia eu acordei, me levantei da cama e de lá fui para o chão, acordando dias depois em uma cama de hospital. Era o hospital do exército.

Os médicos me explicaram o que era, mas eu mal ouvia, estava preocupado com Seokjin. Segundo o que sabia, eu havia apagado por 8 dias. A porta se abriu, revelando um Jin exausto e que tinha dificuldades para andar.

- O que fizeram com você? – Arregalei os olhos.

- Amarraram meus braços e pernas juntos por algumas horas. Disseram que eu tinha que pagar porque você não estava lá. – Explicou baixo.

- Me desculpa por ser tão fraco. Me desculpa! – Senti o choro explodir de uma forma inexplicável. – Eu não sou homem o suficiente para você, Seokjin.

- Não diga besteiras! – Me repreendeu. – Você é perfeito para mim, Yoongi.

- Não! – Chorava em seus braços feito um bebê. – Me perdoa por te deixar sozinho, meu amor. Me perdoa.

- Fica calmo. Está tudo bem. Eu vou ficar aqui com você essa noite. – Fez carinho em minha cabeça.

- Eles vão te punir pior se não estiver lá no seu dormitório. – Me preocupei, não queria que eles o machucasse.

- Eu não me importo. Você é minha prioridade. Eu vou ficar aqui, eu decidi isso. – Falou autoritário, de um jeito que eu raramente ouvia Jin falar. Não o contrariei, ele estava usando o “fator mais velho” sobre mim.

- Jin... – Suspirei seu nome pensando em algo para dizer, mas fui surpreendido com seus lábios sob os meus. Iniciamos um beijo lento e terno.

- Eu te amo. – Falou ele entre o beijo.

- Eu também te amo muito. – Lhe dei um selinho.

Jin ficou comigo naquela noite, me acalmando, me dando os remédios que eu precisava tomar, falando com os médicos e fazendo carinho até que eu dormisse para zelar meu sono. Eu me permiti relaxar sabendo que meu futuro esposo estava ali comigo. Sua mão apertava a minha, me passando segurança. Eu sonhei. Sonho esse que foi interrompido por incessantes batidas na minha janela. Abri meus olhos no quarto que se iluminava apenas com a luz do abajur, cocei os olhos procurando por Seokjin e não o vi. As pedrinhas irritantes continuavam a bater na minha janela. Saí da cama e abri a cortina devagar, revelando o vidro e o que estava ali na noite escura. Seokjin, inconsciente, com os pés, mãos e pernas amarradas, boca amordaçada, sendo segurado por Dongwan e sua trupe. O desespero tomou conta de mim e eu comecei a gritar o nome de Jin, olhando eles rirem e sumir entre a mata que havia ali fora, que era uma das áreas onde nós treinávamos. Fui até a porta correndo e assim que a abri, vários médicos vieram me segurar.

- VOCÊS NÃO ENTENDEM! O JIN PRECISA DE AJUDA! POR FAVOR, ACREDITEM EM MIM! – Eu me debatia feito um louco tentando me livrar de todos que me seguravam.

- Ele está delirando! – Um deles disse.

- Se acalme senhor Min Yoongi! – Me seguravam.

- NÃO! NÃO! JIN! – Eu berrava e me debatia. – POR FAVOR, ACREDITEM EM MIM! JIN! JI...

Senti algo ser espetado em mim e meu corpo ficar mole, perdi minhas forças, meus gritos não saíam, minhas pernas falharam e tudo ficou preto. Eu dormi. 


Notas Finais


FORTES EMOÇÕES VINDO AÍ!
Preparem-se!

Obrigada por todo o apoio ♥

Me encontre no Twitter: @protectseokjin


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...