História RoomMates - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Naruto Uzumaki, Sasuke Uchiha
Tags Naruto, Roommates, Sasuke
Visualizações 36
Palavras 1.078
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Obrigada a todos que acompanharam esta história, que favoritaram e que deixaram o seu comentário! Vocês foram fenomenais!
Esta foi a minha última long-fic, as próximas fic's que escrever vão ser mais pequenas e pouco diferentes. Vou tentar escrever outros géneros e outras categorias.
Como vocês sabem, a escrita é a minha válvula de escape e o meu passatempo preferido. Não penso em ganhar dinheiro a escrever ou popularidade no mundo das fic's, quero apenas escrever algo bom e partilhar com pessoas que têm os mesmos gostos que eu.
Obrigada por tudo!
Não sei o que dizer mais, a não ser até qualquer dia!

Boa Leitura!

Capítulo 15 - Epílogo: See you Later!


Alguns anos depois

Aqui estamos nós, de volta ao sítio, onde tudo começou. Não nos vemos há já algum tempo, para ser mais preciso, desde que aquela maldita tragédia aconteceu. Faz hoje dois anos que as nossas vidas mudaram radicalmente, deixámos de conviver tanto como fazíamos, perdemos contacto com alguns dos nossos amigos... O que acontecera tirou-nos uma parte de nós que nunca será recuperada.

Eu e o Sasuke nunca mais fomos os mesmos desde daquele fatídico dia. Tínhamos deixado Chicago devido ao pedido que a minha sogra tinha feito ao meu namorado. Agradeço-lhe até hoje por isso, porque foi assim que o nosso namoro começou, quando finalmente tive coragem de confessar os meus sentimentos. A partir daí, começámos a fazer a nossa vida fora de Chicago, tentámos no Japão, mas não resultou. O meu pai, assim que soube que eu estava no Japão, tratou de arruinar possíveis projectos que tinha, como por exemplo, abrir um bar.

Sasuke também não teve sorte, o pai morreu-lhe nos braços e isso fez com que ele não deixasse ninguém se aproximar dele. As discussões entre nós eram cada vez mais frequentes, os insultos surgiram até que decidimos acabar por ali. Cada um seguiu a sua vida, eu tive uma oportunidade de gerir um bar só meu, em Los Angels e nem pensei duas vezes. A minha mãe conheceu um homem maravilhoso, David, que a levou a conhecer o mundo e apreciar os bons momentos da vida. Sakura interessou-se pelo nosso amigo Nick, conheceram-se na exposição da Lucy, trocaram algumas mensagens e já estão juntos há uns dois anos.

O resto do pessoal, não sei o que aconteceu, perdemos contacto. Ao fim de um de separação, voltei a encontrar o grande amor da minha vida, Sasuke, estava trabalhar como paramédico e formador num quartel de bombeiros de Los Angels. Escusado será dizer, que não aguentámos muito tempo sem fazer as pazes. Estamos juntos há três anos, não temos filhos por enquanto, decidimos que iríamos devagar e viajar um pouco. Durante uma das nossas viagens, recebemos aquela terrível noticia. Tentámos falar com todos e ao fim de um ano, conseguimos reunir-nos aqui no nosso antigo apartamento.

Quando nós chegámos, já lá estavam todos, abrimos a porta, sentámo-nos à espera que alguém tivesse coragem para falar alguma coisa. O ar estava irrespirável, a tristeza reinava naquele apartamento. Ino levantou-se ao fim de alguns minutos, dirigindo-se com Inoji para o meio da sala, para a nossa frente. Ino estava mais magra, Inoji estava um pouco mais velho, talvez com 10 anos, acompanhava-a com um pequeno sorriso nos lábios.

Olhámos todos para eles, com esperança que eles dissessem algo que nos reconfortasse naquele momento, mas acho que eles pensaram o mesmo. Ino tinha algumas cartas na mão, olhava para elas com uma enorme tristeza.

 — Antes de mais, quero agradecer a vossa presença. Acho que ele iria ficar muito feliz ao ver-nos todos aqui, hoje. Sei que dada a circunstância, acabamos todos por nos afastarmos, por causa da dor. Ainda bem que vocês estão aqui, vocês são a nossa família. — Confessou chorosa. — Tenho aqui algumas cartas escritas por ele para vós. Eu também tenho uma, mas ainda não consegui lê-la. Espero, conseguir fazê-lo aqui convosco. — Disse entregando as cartas.

Todos as lemos em silêncio, Ino chorava imenso enquanto lia, Inoji tentava não demonstrar muito, parecia Gaara quando não queria que soubéssemos o que se passava com ele. Depois da leitura, ninguém se atreveu a pronunciar uma única palavra, Sasuke estava de rastos, perdeu o pai num ano e no seguinte, perdeu o meio-irmão. Era de mais para ele, para mim e para Ino. Ela perdera o grande amor da sua vida, a merda do cancro levou-lhe a felicidade que ela tanto ansiara e encontrara. A vida é uma merda!

Por outro lado, eu já não aguentava aquele silêncio agoniante, levantei-me, levei a carta comigo e preparei-me para falar.

— Obrigado, Ino por nos teres dado uma última coisa dele. Sei que ele estará lá em cima, a rir-se das nossas caras de enterro. Gaara, seu egoísta, porque não nos disseste que tinhas cancro em um estado tão avançado? Provavelmente, porque não querias que ninguém se preocupasse ou olhasse para ti com pena. Mas podias ter dito à tua maneira, assim tínhamos feito mil e uma coisas. Talvez, uma festa de despedida com direito a tudo. — Viu-os a rirem-se do meu discurso. Sorri-lhes de volta. — Bem, estou aqui para te dizer que és o meu mano, o meu melhor amigo e meu fósforo mais lindo. Obrigado por teres entrado nas nossas vidas, por teres me ajudado a confessar os meus sentimentos ao teimoso do teu irmão e por teres feito parte da vida do nosso sobrinho, Inoji e da Ino. Foste feliz e sempre soubeste aproveitar a vida. Por isso, pessoal, vamos todos festejar! — Disse abrindo a porta do apartamento.

********************************************

Depois desse dia, todos nós voltámos a falar uns com os outros, relembramos os bons velhos tempos. Pouco tempo depois, fomos convidados para o evento do ano, o casamento da Maci e da Lucy, no qual, todos apostamos que vai ser uma verdadeira comédia. Lucy pediu-me para ser o seu padrinho de casamento, aceitei com todo o gosto. Sasuke seria o padrinho da Maci e a pessoa que a ia acompanhar ao altar.

Como vocês sabem, Sasuke não é a pessoa mais calma e pacífica do mundo, por isso, saiu porta fora da sala onde Maci se preparava. Ligou-me logo a dizer que precisava urgentemente que eu fosse ter com ele e eu fui. Encontrámo-nos numa mini capela ali perto.

— Então, já te passaste com ela não foi? — Perguntei-lhe assim que vi a sua cara.

— Claro. Está sempre a dizer que a outra vai a deixar, blá blá... Fartei-me disse-lhe que se ela continuasse assim, nem um santo ficava com ela. Resultado: Expulsou-me! — Respondeu indignado.

— O que é que tu querias que ela fizesse com o que lhe disseste?! Te desse um beijinho? É claro que não! Enfim, tenho que voltar para acalmar a Lucy. — Disse-lhe.

— Promete-me que se tivermos a infeliz ideia de casarmos que não fazemos figuras destas? — Pediu-me.

— Prometo. Posso ir agora? — Perguntei-lhe sorrindo.

— Não, antes de nos livrarmos desta tesão que temos. — Disse puxando-me para si.

— Temos 10 minutos. — Avisei-o antes de me entregar ao seu beijo sedutor.

Gaara, aposto que estás a ver isto, sentado, com as tuas pipocas e a tua cerveja e a rires-te destas figuras.

Até um dia, amigo. Obrigado!


Notas Finais


Um último comentário para a autora ir de coração cheio de alegria!

Beijinhos, Sashi chan


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...