História Royals - Yoonmin - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Suga
Tags Bangtan Boys, Bts, Chanyeol, Jimin, Kyungsoo, Min Yoongi, Park Jimin, Suga, Yoongi, Yoonmin
Exibições 132
Palavras 3.102
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


GNT QUE TIRO FOI ESSE DE WINGS HEIN?!
Quero só dizer que esse capítulo foi na base de First Love, Reflection e chá de canela, ou seja, tá só o doce. Amei o álbum novo, amo aqueles viados e, PORRA, VCS NOTARAM OS QUADROS COM REFERENCIA AO MITO DE ICARO NO MV?? Eu quase enfartei quando vi. Depois fui surtar pra minha amiga dizendo que eu era o Chico Xavier, usando Ícaro e BTS bem antes do comeback.
Dessa vez eu quis ser legal e postar um capitulo bem fofs, bem flores e nescau pra vocês. Claro que não vai durar pra sempre mas o que se pode fazer ne não?
Mudei o estilo das fotos dos capítulos yaaaaassssss.
Sendo bem sincera, tava agoniada com tanta ft de cadeira e nd do meu ship. Eu quero ver é Yoonmin, gente. Principalmente depois dos tiros das fotos de Wings. Sem or. Se até a bighit ta postando foto dos meus amores, quem sou eu pra fazer diferente?
Ah! Queria agradecer a todo mundo que votou. Eu não consigo acreditar que Royals tá com 64 favoritos. Sério. É bem surreal pra mim.
Nas notas finais tem a musiquinha pra vcs <3
Boa leitura!

Capítulo 9 - Eutanásia


Fanfic / Fanfiction Royals - Yoonmin - Capítulo 9 - Eutanásia

Os instantes de grande dor ou de grande agitação, mesmo na história universal, tem uma necessidade que convence; desencadeiam um sentido da atualidade e um sentimento de pressão que nos oprimem. Essa agitação pode provocar, seguidamente, a vinda da beleza e da luz, assim como da loucura e das trevas; o que se produz reveste, em todo caso, as aparências da grandeza, da necessidade, da importância; distingue-se e destaca-se dos acontecimentos cotidianos. – “O jogo das contas de vidro”, Hermann Hesse.

 

O rosto pálido de Jimin brilhava com a fraca luz do ambiente, fazendo Yoongi sorrir com a simples realização de que o garoto a sua frente não era nada além de lindo. Não que ele não soubesse antes – ou tivesse alguma dúvida da beleza avassaladora de Jimin. Mas ele simplesmente não podia deixar de notar o jeito como o cabelo negro de Jimin caia bagunçado sobre sua testa, o brilho infantil e inocente de seus olhos quando sorria, a mais pura e verdadeira beleza residindo ali, em um simples momento de felicidade.

Em tempos como esse Yoongi conseguia perceber que nunca seria capaz de amar outra pessoa da forma que amava Jimin. Nunca nenhum sorriso lhe seria tão esperado, nenhuma voz tão suave, nenhuma boca tão doce, nada seria – jamais, nem nesta vida e nem nas outras que Jimin acreditava que viriam – comparáveis a sensação avassaladora que Jimin lhe proporcionava pelo simples fato de existir.

- O que você tanto olha, hyung? – Jimin perguntou divertido, pegando com os dedos pequenos um morango de dentro da cesta cheia de frutas encostada ao seu lado. Yoongi fechou os olhos, tentando gravar a cena na memória para que nunca pudesse esquecer-se desta noite, onde ele estivera tão feliz.

- Você, Jiminnie. Eu olho tanto você e, nossa, acho que nunca poderia me cansar de te admirar. – Yoongi respondeu, tirando do rosto de Jimin uma mecha de cabelo escuro que teimava em cair sob seus olhos.

- Ás vezes você fala umas coisas tão bonitas, hyung. Nem parece você. – Jimin disse rindo bobamente com o simples gesto de Yoongi.

- Park Jimin, seu grande idiota. Não existem palavras doces o suficiente que eu possa falar que consigam descrever pelo menos um terço do que sinto por você.  – Yoongi falou, puxando o mais novo para um abraço apertado. Ele tinha que aproveitar aquele momento para ficar o mais próximo de Jimin que poderia, afinal, não sabia quando outra oportunidade daquelas lhes seria oferecida.

- Eu entendo perfeitamente o que você quer dizer, hyung. É só que na maior parte do tempo eu me pergunto se nós deveríamos realmente estar fazendo isso, sabe? Não estou querendo dizer que ache que nosso amor seja errado, longe disso. É que apesar de amar você demais, Yoongi, eu me preocupo por sei que faz muito tempo que nós passamos do ponto de onde dava para voltar atrás.

- Você acha que eu quero voltar atrás, Jimin? – Yoongi perguntou, olhando profundamente nos olhos escuros de Jimin, procurando achar algum sinal de que ele não sentia o mesmo que Yoongi naquele momento. Mas não existia. Ele só conseguia decodificar um único sentimento no mar negro a sua frente, e estava longe de ser dúvida ou tristeza. Tudo que Yoongi conseguia enxergar era amor.

- Não, Yoongi. Você acha que eu quero?

- Não. – O loiro respondeu com sinceridade. – Não podemos seguir em frente, muito menos voltar atrás. O que faremos então?

- E eu que sei? O rei aqui é você. – Jimin respondeu brincando, mas Yoongi podia perceber que sua voz carregava uma tristeza imparcial, quase milenar. Uma coisa que Yoongi havia notado em Jimin ao longo dos anos é que não importava o quão feliz o garoto estivesse, sempre existia em seus olhos um pesar intenso, atemporal, como se um peso se encontrasse o tempo inteiro em seu peito – um peso antigo como o tempo, que não poderia nunca ser removido pelas mãos de outras pessoas.

- Caso você não tenha notado, eu acabei de ser coroado. Certa pessoa que me fez sair no meio da cerimônia para ficar com ela. Creio que isso não faz de mim o melhor monarca que o Sol já viu. O que você acha Jimin?

- Acho que você é um rei excelente, afinal, saiu no meio de uma cerimônia tão importante para atender a vontade de um mero súdito. Claro, esse súdito é mais bonito e especial do que os outros, mas mesmo assim. Muito nobre de sua parte, alteza. – Jimin disse sarcástico, cobrindo o rosto com as mãos pálidas.

- Eu realmente não sei o que fazer com você, Park Jimin. – Yoongi respondeu, rindo alto da resposta do moreno.

- Quer dizer que o poderoso Min Yoongi não sabe o que fazer comigo? – Jimin perguntou travesso. – Estou decepcionado com você.

- Ah, cale sua boca. E vem cá, quero te beijar até alguém vir aqui me arrastar pra longe de você.

- Como quiser, majestade. Estou aqui para cumprir suas ordens. – O moreno falou rindo enquanto Yoongi o puxava pela cintura.

- Você não tem jeito, Jimin. Você não tem jeito de forma alguma.

X

Yoongi arrastava um Jimin sorridente de volta a entrada dos fundos do palácio, muito a contragosto, se você viesse perguntar. Ele deveria admitir: não sabia de onde tinha surgido tamanha força de vontade dentro de si para conseguir se levantar do pequeno pedaço do céu que estavam sentados nos jardins do palácio e convencer Jimin a voltar para dentro, convencer a si mesmo a sair do momento mágico que vivia.

- Hyung... – Jimin o chamou manhoso, puxando a manga longa da roupa de Yoongi e o fazendo parar do meio do caminho, antes mesmo de ser capaz de abrir a porta que os levaria de volta ao salão. – Não quero voltar pra dentro. Quando entrarmos, eles vão tirar você de perto de mim.

- Ah, amor. – Yoongi começou, sorrindo ao ver a reação de Jimin a palavra. – Isso é inevitável, você sabe. – O mais velho passou a mão nos cabelos lisos e escuros do menor, fazendo Jimin sorrir e fechar os olhos. – Podem nos separar fisicamente, mas meu pensamento sempre estará com você, não importa onde eu esteja. Nós não precisamos estar perto para ficarmos juntos, Jiminnie.

- Nossa. – Jimin falou surpreso. – Isso é você de verdade, hyung?

- Óbvio que sou, Jimin. Só estou mostrando meu lado amoroso pra você. Apesar do que as pessoas dizem, eu realmente tenho um, sabia? – Yoongi respondeu mostrando a língua de leve.

- Você é tão lindo, hyung. Meu deus, eu gostaria de pegar você e te colocar em um pote, pra que eu pudesse te proteger de todos os males do mundo. – Jimin disse, se aproximando de Yoongi e depositando um selinho tímido em seus lábios.

- Me guardar em um pote, Park Jimin? Olha o respeito, acabei de ser coroado. – Yoongi disse rindo, apertando o menor em seus braços, receoso de deixar Jimin sair e perde-lo para sempre. – Quem deveria ser guardado em um pote é você, com todo esse seu semblante infantil, uma criança que se esqueceu de crescer.  – Em momentos assim, onde Jimin estava tão e inteiramente entregue a ele que Yoongi temia pelo futuro do mais novo. Jimin, apesar de ser feito da liga preciosa das quais grandes governantes são formados, era muito maleável. E Min Yoongi sabia melhor do que ninguém que não se podia confiar em espadas feitas com um metal mais frágil do que aço puro.

- Crescer me parece uma ideia horrível, hyung. Eu serei o novo Peter Pan. Talvez eu deixe você ser minha Wendy, apesar de achar que está mais para a sininho.  – Jimin falou baixinho, repousando a cabeça no peito de Yoongi.

- Pensei que você era Ícaro, Jimin. Por que quer ser o Peter logo agora? – Yoongi perguntou, passando a mão nos cabelos do menor.

- Sabe... Eu gostava muito da história de Ícaro porque pra mim era como se fosse uma lição entende? Uma lição de que eu deveria tomar cuidado por onde pisava, tomar cuidado com você porque Ícaro acabou morrendo por se aventurar muito alto no céu. Mas o que a gente esquece, hyung, o que eu me esqueci durante esse tempo todo que passei amando a história dele é que Ícaro foi um garoto antes de ser uma lição. Ele foi um garoto, Yoongi.

- Acho que ainda não entendi muito bem o que você falou, amor. – Yoongi falou suavemente, afinal, ele sentia que aquele tópico parecia ser especialmente sensível para Jimin, e a última coisa que ele desejava era machucar o garoto que tinha tanto poder sobre si. Jimin segurava o frágil coração de Yoongi por entre suas mãos pequeninas e pálidas e o pior, não fazia a menor ideia de que isso acontecia.

- Quis dizer, Yoongi, que Ícaro era mortal, errante, de carne e osso como nós. E ele morreu porque é isso que acontece com quem tenta burlar as normas. – Jimin falou com a voz meio falha, fazendo o coração de Yoongi apertar dentro de seu peito. – Mas, com sinceridade, eu não me importaria em morrer por você, Yoongi. Eu não pensaria duas vezes.

- Não diga bobagens, Park Jimin. Jamais gostaria que você morresse por mim, nunca. Eu te quero vivo, Jimin. Perto, longe, pouco me importa, mas te quero vivo. – Yoongi falou autoritário, apertando forte o garoto, como se estivesse tentando, de alguma maneira, fundir o corpo de Jimin com o seu. –Ícaro caiu, sim de fato, mas nós nos esquecemos da segunda parte do mito, da parte que eles não dizem. Dédalos teve que pegar o corpo morto do filho no mar. Ícaro não deveria voar nem muito baixo, nem muito alto. Ele não devia voar muito baixo, Jimin. Ele sabia os riscos que corria, mas mesmo assim, achou que valia a pena. E nossa, acho que os poucos segundos que ele ficou entre as nuvens, sentindo a brisa do céu e o mundo abaixo de si, o mundo deve ter parado nesse instante, naquele mísero momento eternizado, onde Ícaro, o sonhador, se tornou um Deus.

- Não sabia que você tinha pesquisado tanto assim sobre o mito de Ícaro, hyung. – Jimin falou, secando os olhos marejados com as costas das mãos.

- Amor – Yoongi começou rindo da cena. Como é chorão esse meu Jimin, pensou com um sorriso. – Claro que pesquisei sobre o mito. Eu geralmente me interesso em tudo que você me fala, Jimin. Só que minha preguiça é maior que o interesse e acaba ficando por isso mesmo.

- Sabe, eu amo tanto quando você me chama de amor. – Jimin falou, sorrindo dessa vez. – Acho que nunca conseguirei ouvir essa palavra da mesma forma.

- E eu amo muito esse seu sorriso. – Yoongi disse, fazendo o mais novo sorrir mais. – Percebi agora que dizer que amo seu sorriso te faz sorrir. Ah, como eu amo seu sorriso, Park Jimin.

X

Como a gravidade conseguia manter os corpos celestes em suas órbitas infindáveis era algo que Yoongi não saberia explicar e duvidava que algum dia soubesse. Mas ele podia senti-la presente, forte como as ondas do oceano, toda vez que era separado de Jimin. Yoongi conseguia sentir um puxar forte do universo, o fazendo se sentir extremamente atraído pelo garoto de cabelos escuros. Jimin era a gravidade pessoal do planeta de Yoongi e ele não fazia a menor ideia de como conseguiria orbitar depois que ele fosse embora.

Talvez, se as pessoas pudessem aceitar austeras a ação do universo sobre elas mesmas nós poderíamos evoluir para nos tornamos uma espécie melhor, mais justa e mais aceitável. Talvez, algum dia, nós evoluiremos e nos tornaremos tão sábios e silenciosos quanto às árvores, que observam quietas enquanto os seres humanos se odeiam e acabam com o único planeta que conhecem.

Yoongi balançou a cabeça, sorrindo discretamente. Ele estava passando tempo demais com Jimin e aquilo, de certa forma, estava interferindo no seu jeito de pensar nas coisas. Agora, ele definitivamente, estava mais humano, mais filosófico.

Por isso que ele não podia evitar sentir seu coração falhar ao escutar seus pais discutirem a coroação de Jimin, que se seguiria alguns meses após a sua.

Sua atenção foi desviada para a mesa ao lado, onde Jimin sorria inocente de alguma coisa que Jaehyun havia dito. Fazer Park Jimin sorrir era um trabalho fácil, quase simples demais. Ele riria com qualquer coisa que você dissesse a ele, apenas para te fazer feliz. Era assim que Jimin era e Yoongi não conseguia lembrar-se de uma época que o menor tinha agido de um jeito diferente.

Suspirou profundamente, fechando os olhos e tentando se desligar do ambiente em que estava tão barulhento, tentando transferir sua mente de volta aos momentos que passara com Jimin algumas horas antes. Claro que tudo que era muito bom na vida de Yoongi acabava muito rápido, mas ele, agora, desconfiava que aquilo acontecesse com todo mundo, quer se tenha sangue real, quer não.

Talvez as coisas ficassem muito boas e, logo em seguida, muito ruins, mas, uma hora, tudo voltava a média. A maioria das pessoas passa a vida na média, conformada com os tons de cinza que lhes eram oferecidos. Yoongi era um tom de cinza, quieto, ranzinza e rancoroso. Mas Jimin não era. Jimin era o momento muito bom; aquele que você deseja parar o relógio e permanecer para sempre neles. Jimin era o lugar entre sono e realidade, onde você ainda podia se lembrar de tudo que havia sonhado na noite passada. O menino moreno de olhos escuros havia pegado na mão de todas as sombras de Yoongi e o arrastado para aquele lugar onde o tempo parava. E era exatamente naquele lugar onde Yoongi sempre amaria Jimin, onde ele permaneceria para sempre esperando.

- Yoongi. – A voz alta e grave do pai de Jimin o chamando acabou o acordando de seus devaneios. – Vejo que você estava longe, filho. – O rei Minho falou, sorrindo docemente ao ver a expressão confusa de Yoongi. Talvez os sorrisos fáceis e olhos doces sejam uma coisa que roda na família, Yoongi pensou.

- Não estava tão longe assim, para ser sincero. – Yoongi respondeu calmo. Eu estava logo ali, no jardim, me beijando com seu filho.

- Não? – Minho perguntou rindo. – Parecia que estava. Mas se estiver, tudo bem. Hoje deve ser um dia muito estressante para você. Principalmente com todos esses velhos te encarando. – Ele segredou, olhando disfarçadamente para os membros do Conselho Real que olhavam Yoongi a procura de qualquer deslize.

- O pior é que você tem razão... – Yoongi respondeu suspirando. – Apesar de tudo que fiz, eles ainda acham que não estou pronto para ser rei.

- E você está? – Minho perguntou levantando uma sobrancelha, usando o mesmo tom que ele lembrava-se de sua infância, quando ele e Jimin faziam alguma besteira e sobrava para o jovem rei repreender o filho e o amigo. – Não se iluda, Yoongi. Você é muito jovem, jovem demais. Toda a sua percepção de vida mudará em alguns anos.

- Eu me preparei minha vida inteira para isso. – Yoongi falou teimoso. – Mas, mesmo assim, eu não me considero pronto. E nem eles. Creio que farão de tudo para me fazer parecer um irresponsável na frente do reino.

- Sei que se preparou. Todos nós nos preparamos para seguir nosso futuro, quer seja um Rei ou um simples servente. Todas as coisas tem sua devida importância no mundo e requerem prática. Palavras e teorias não vão te ensinar como ser um bom rei, Yoongi. Amor e bondade são os melhores professores, mas creio que seus mestres não lhe disseram isso. Apesar do que acabei de dizer, você deve tomar cuidado, mas muito cuidado mesmo com as pessoas ao seu redor. Nem todos os seus aliados estão levantando a mesma bandeira que você e é bom que se lembre disso. – Minho falou e Yoongi encarou os olhos escuros do mesmo que, de certa forma, eram iguais aos de Jimin.

- Entendo o que quer dizer. Mas acho que esse tipo de coisa será algo que só aprenderei depois de ter falhado repetidas vezes. Esse é o único caminho e sempre será. 

- O que vocês falam tanto? – Jimin apareceu, abraçando as costas de seu pai e dirigindo a Yoongi um olhar amoroso e sorridente, que não demorou a ser retribuído pelo loiro.

- Sobre assuntos de estado, filho. – Minho falou carinhosamente para Jimin. – Logo você participará de tais discussões. Taehyun já nos enviou uma carta dizendo que espera ansiosamente sua volta ao Norte para que suas aulas possam começar o mais cedo possível. – As palavras volta e Norte fizeram um nó na garganta de Yoongi. Ele não estava pronto para dizer adeus a Jimin.

- A data do nosso regresso já está marcada, papai? – Jimin perguntou aflito, não desviando o olhar de Yoongi.

- Sim. Partiremos semana que vem.

- Mas... – Jimin começou, incerto das palavras que queria dizer. – Não está muito cedo? Quer dizer, mal chegamos...

- Oras, deixe de besteiras, meu filho. Viemos apenas para a coroação e Yoongi já foi coroado. Não temos mais assuntos para tratar aqui. Além do mais, ele agora ficará ocupado cuidando do reino e não terá tempo para ficar perto de você, Jimin. E, querendo ou não, um dia você subirá ao trono e precisa ser preparado para isso. Deixei que você vivesse esses anos todos como quis, mas agora você deve colocar a cabeça na realidade meu filho. – Minho disse, meio autoritário, mas ao mesmo tempo complacente, usando o tom que só ele sabia usar. Yoongi observou a expressão de Jimin desmoronar em seu rosto lindo, uma máscara de tristeza esculpida em mármore.

- Um momento. – Yoongi disse, levantando-se da cadeira onde estava e batendo uma colher na taça com vinho intocado, chamando a atenção de todos para si. – Tenho algo a avisar para todos.  Jimin não partirá para o norte junto com vocês. Ele irá permanecer aqui no castelo, junto comigo, aprendendo de perto como é a realidade de um governante. Creio que isso será o melhor para ele, visto que o Norte é bastante isolado em relação a outras províncias, mas possui fortes ligações comerciais com a maioria delas. – Jimin passou a encarar Yoongi com os olhos escuros arregalados, surpreso com o que o garoto dizia. Yoongi apenas sorriu e pegou as mãos geladas de Jimin entre as suas, não se importando com os olhares desconfiados que recebiam. – Jimin é meu melhor amigo, sei o que é melhor para ele. Além do mais – Yoongi olhou sugestivamente para alguns membros de seu Concelho. – Eu sou o Rei agora. E não aceito não como resposta.

 


Notas Finais


Mds, eu esqueci totalmente de atualizar Royals. Me matem, serio. Semana que vem vai ser triste de postar pq tenho prova :( mas darei um jeitinho
A música de hoje ia ser First love, mas todo mundo já ouviu ai meio que perde a graça. Então fiquem com Holy Ghost do BORNS, que é a cara de Yoonmin mds,
Eis o link: https://www.youtube.com/watch?v=HDNb3rcZ7EM
Até semana que vem gente linda <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...