História Rua 23 - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Emma Swan, Regina Mills (Rainha Malvada)
Tags Emma Swan, Regina Mills, Swanqueen
Visualizações 65
Palavras 3.116
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Universo Alternativo, Yuri
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá, espero que ainda tenha alguém aí. Preciso pedir desculpa pela demora, acho que teve um ponto na minha vida que perdi o gosto e também acho que isso ocorre com todos que escrevem com amor. São fases...
Bom tenham paciência comigo estou pegando novamente o jeitinho, prometo que a história não vai desandar, apesar da pausa eu ainda tenho ela em minha mente.

Pra quem gosta de hot não se preocupem vão ter ainda pela frente rs.

Sem mais delongas o capítulo!

Capítulo 17 - Mistério parte 2


 

-Anda logo! Sussurrou a voz rouca de Regina no meio do escuro.

- Por... Que estamos aqui? 
    Uma loira com a voz cortada por tropeçar, agarrava firmemente a mão macia da morena que andava na frente, a guiando.

- Quero te mostrar uma coisa.

Subiam escadas nunca vistas antes naquele tão conhecido lugar. Emma via relances de luzes mais acima, luzes tremulantes. Deduziria que seriam velas mas estava concentrada em subir a escada sem cair ou ter contusões.

- Você poderia ligar as luzes... É a sua loja... Sabe.

- Não teria graça...

Mais um tropeço e uma segurada forte em um corrimão. Escada em caracol... Emma já odiava quando dava para se ver onde pisar, agora que tinha a menor das noções então...
     A medida que subiam, cada vez mais ficava visível as possíveis velas, a escada ficando menos perigosa.

- Meus pais acham que estamos estudando aqui e não descobrindo um sótão.

- Aí... Fica calada!- Um suspiro se ouviu antes da morena continuar. - São 11 horas da noite, duvido que eles pensem que estamos estudando.

   

  Com menos dificuldades subiam mais, agora era possível ver um sorriso vacilante nos lábios de Mills.

 Quando se faltava menos que 5 degraus, Regina tampou os olhos azuis com suas mãos, a colocando em posição. Emma podia sentir o calor da fumaça perfumada passando por si, um doce aroma de rosas, sentia as mãos de Regina vacilaram as vezes, enquanto subiam e quando chegaram ao local certo foi parada e posicionada. As mãos morenas apertavam os olhos azuis enquanto tentava arrumar algo atrás das duas sem deixar que Emma olhasse alguma coisa. Logo a loira descobriu do que se tratava, uma música lenta começou a tocar. 
     Com sua visão tomada, sentia ainda mais Regina em sua volta. Mesmo com o cheiro bom que o local exalava, ainda sim, sentia o cheiro do perfume da Mills. As mãos quentes em seu rosto e a respiração perto o suficiente de suas orelhas para lhe deixar arrepiada. Sentiu lentamente a quentura de um beijo no final de seu maxilar. Um suspiro saiu incontrolável de sua boca.

  Sentiu as mãos de Regina saindo do caminho de sua visão e começou a acostumar-se com a claridade, quando tudo estava normalmente focado ela teve uma surpresa. Logo atrás da última e enorme estante de livros da loja havia uma escada que levava para uma espécie de sótão não totalmente fechado. Se parecia com uma varanda, o corrimão subia e se estendia como se fosse um muro pela metade, só que de madeira com vãos e colunas. Estava  escondido pela gigante estante que ia até o teto. O lugar estava muito limpo para ser recém descoberto, isso denunciava que uma morena muito organizada havia passado por ali. Havia velas aromáticas dentro de cristais espalhados por todo o pequeno espaço, no centro tinha um colchão com lençóis brancos e cobertores, no canto atrás delas um rádio a pilha funcionava perfeitamente com uma música suave. Tinha água e algumas coisas de comer em cima de uma cadeira próxima a uma vidraça enorme que se estendia do chão ao teto do sótão. De lá se podia ver todo o céu estrelado, a enorme lua cheia e a cidade quase toda. Que vista.

- Descobri de onde vinha aquela luz toda, afinal.

Um sorriso nervoso escapou de sua boca carnuda e vermelha pelo batom fosco.

Emma a olhou sorrindo. Logo depois olhou para o teto. Este lugar parecia estar realmente escondido, havia um lustre muito antigo pendurado. O local era lindo.

- É o nosso canto Ems... O achei e não pensei em lugar melhor para ser nosso.- Suspirou, segurando a mão de sua namorada com firmeza, trazendo a atenção de Swan para si. Olhando nos olhos azuis que tanto a encantava, sorriu ao continuar. - Não queria ficar incomodando seus pais o tempo todo indo a sua casa e não queria que você se sentisse incomodada na minha por que... Bem... Eu moro com minha mãe. 

  As duas garotas deram risadas curtas, ficando em seus rostos um sorriso genuíno

- Eu achei esse lugar pra gente, aqui... Rodeadas de livros!

  Emma chegou mais perto de Regina, tocando sua mão delicadamente. O sorriso nunca abandonará seu rosto.

- Você gosta?

- Se eu gosto?- O sorriso enorme nos lábios finos e os olhos azuis curiosos, olhando tudo em volta. Um brilho radiante em seu rosto todo. Estava mais bonita, Regina pensará. - Eu amo Regi! Isso é incrível... Eu... 

   A loira deu um pequeno beijo nos lábios carnudos e depois logo estavam em um abraço apertado

Quando se soltaram Emma logo foi investigar o local, olhando tudo em volta. Maravilhada.

- Como foi que você achou esse lugar?

  Chegou mais perto da vidraça, olhando as luzes dos portes e das estrelas, a cidade toda abaixo de seus pés. Sorriu encantada quando sentiu os braços de Regina em sua cintura a abraçando por trás, colocou suas mãos sobre eles, tombando a cabeça para se apoiar em sua namorada.

- Vi que tinha um vão entre essa última instante e a parede, caiu vários livros nesse espaço. Tive que chamar quase minha família toda pra ajudar a mover ela- Sorriu beijando os ombros de Emma. - A estante agora meio que esconde a escada mas da pra gente vir pra cá...

- Por isso você sumiu ontem o dia todo?

- Precisava me distrair... Como você mesma disse. Acabei achando isso então, digamos que fui bem sucedida!

Emma gargalhou se virando para olhar nos olhos castanhos profundos. Apoiando seus braços nos ombros da morena, sentindo as mãos da mesma em sua cintura.

- As vezes você fala como nos livros.- Deu um selinho rápido nos lábios grossos. - É o costume ?

- Eu leio demais... Você sabe.

- Humm... Eu amo isso.
  Agora foi a vez de Regina gargalhar. E apertar a cintura fina em suas mãos puxando sua loira para um beijo. 

                      ~

- Liguei para meus pais eles disseram que já imaginavam que eu iria dormir fora. 
     

- Realmente... Eu fui te buscar tarde com esse propósito.  
    Regina sorriu, levantando as sobrancelhas sugestiva para Emma. Colocando um pedaço de bombom na boca. 
     Emma sorriu entrando na brincadeira e piscando pra morena.

- E sua mãe? Falou o que sobre você dormir fora.

- Ela disse que já perdeu o controle da minha vida faz muito tempo.- As duas garotas sorriram. - Toda uma história sobre não querer rugas a mais de preocupação. 
    Mills terminou a frase com um revirar de olhos.

- E seu pai?

- Ele me chamou quando eu estava saindo... Provavelmente para algum papo constrangedor, mas logo desistiu e disse que eu não precisava de sermão sobre gravides e camisinha. Até  agradeceu por minha sexualidade.

A loira gargalhou. Sentando mais próximo de Regina, beijou sua bochecha e sussurrou em seu ouvido.

- Seu pai tem razão... Você não precisa de camisinha.

  Um arrepio passou na coluna de Mills. Desde do dia que tivera Emma para si o fogo dentro do seu corpo nunca passou. Toda vez que pensava naquela noite seu sangue já começa a ferver. Emma Swan fazendo menção a sexo baixinho em seu ouvido já era motivo para todo seu corpo acender. 
   Olhou-a e estremeceu com aquele sorriso de lado, olhos azuis em tons maliciosos. 
      Uma vez pensou que depois de ter Emma o mar ficaria mais calmo, mas parecia que agora que começará a tempestade. 
     

 O seu desejo de chegar mais perto fez seu corpo arrastar-se pelos lençóis e parar sentado no colo da loira. Mesma loira que não se apressou em passar a mão pelo seu corpo. Mãos quentes passeavam por toda a carne coberta e a descoberta também, lentamente. A eletricidade passando de um corpo para o outro. Os olhos castanhos intensos nunca abandonaram os azuis vibrantes, estavam as duas hipnotizadas. E aí os beijos leves de Regina começaram a aquecer seu rosto, um na bochecha, um entre seus olhos, um na testa, um no canto superior a sobrancelha, um na pontinha do nariz. Um suave e demorado sobre os lábios rosados. 
O coração de Emma mais se parecia com um coração de beija-flor, 1200 batimentos por minuto. Nesse momento pensou se um dia seu coração iria se manter calmo com Regina Mills em seus braços lhe beijando como quem beija o céu. O pensamento evaporou quando as mãos morenas puxaram seu cabelo pela nuca, fazendo-a olhar para seu rosto.

Castanhos e azuis. Juntos, o encontro infinito. As jovens garotas humanas imperfeitas, haviam achado a perfeição que tantos procuram a vida toda.
As bocas nunca se mexeram mas o universo em cada orbe já dizia: Eu te amo.

O beijo a seguir veio como uma chuva em tempos de seca. Forte e precisa. Os lábios se encontravam e davam espaço as línguas, beijo quente e úmido. Envolvidas por mãos, duas garotas se tocavam como alguns nunca foram tocados. Estavam conhecendo e vivendo um amor que muitos não viveram. Êxtase. 
As línguas em batalhas, as mãos se guiando pelo instinto, pelo sentido, pela fome. Regina já soubera que nenhuma boca é como a de Emma Swan, e mesmo que provasse todas as bocas do mundo iria encontrar. Emma Swan era sua certeza de encaixe perfeito, a sua boca era seu começo e seu fim, e juntas são o paraíso. 

As roupas no chão. O calor. O amor.

 

Juntas, nuas e completamente apaixonadas. Fizeram amor quase que a noite toda.

                       ~

Emma acordou ouvindo passos descendo apressadamente a escada que levava a livraria. Ouviu resmungo de Regina e sorriu com os lábios.

- Regina, o que foi ? 
Emma gritou para que lá de baixo a morena pudesse ouvir.

- eu vou escovar meus dentes e pentear meus cabelos. 
Sentou-se no colchão e se espreguiçou, dando breves gemidos.

- Por quê ?

- Ah Ems, fala sério! 

- Foi uma pergunta séria! 
 

Ouviu um resmungo e logo depois uma risada. Levantou-se de vez, vestiu sua blusa e sua calcinha, desceu aquela bendita escada, olhando para as vidraças para ver se alguém poderia a espiar lá fora, felizmente as persianas ainda estavam impedindo a visão de quem passa do outro lado. Procurou Regina e a achou no banheiro, via ela penteando os cabelos castanhos e suspirou. Linda.

- Eu pensei que iria acordar com você do meu lado. 
A envolveu pela cintura, abraçando-a. Dando leves beijos em seu ombro.

- Meu cabelo fica muito feio quando acordo, fiquei com medo de você fugir. 

Emma sorriu e deu mais beijinhos, agora no pescoço e susurrou muito baixo " jamais". Regina sentiu aquele calafrio gostoso em sua coluna, sorriu e tirou os braços da loira de si.

- Não me venha com essa boca... Não agora, você tem que ir pra aula. Prometi para seus pais ontem que você iria, se você ir logo se arrumar dá tempo de chegar no segundo horário.

Emma gemeu em tédio, olhou para Regina e semicerrou os olhos.

- Minhas roupas não estão aqui.

- Por isso temos que ir logo para você se vestir na sua casa. 

- E se eu simplesmente voltar a dormir com minha quente e doce namorada?

Se encostou no batente da porta, olhando para Regina como uma predadora. " Seja forte Regina, seja forte" era o que repetia a Mills em sua cabeça. 

- Aí vai ser a última vez- suspirou. -Seus pais não confiaram mas em nós e nunca mais deixariam você dormir aqui de novo. 

Emma até que tentou, mas Regina era persistente e lá estava ela em mais uma aula complicada de matemática. 

 

 

As duas haviam combinado de se encontrarem em frente a escola na hora da saída de Emma. Esperariam o turno da tarde entrariam e procurariam informações sobre o tal menino. Como Emma já havia procurado pelos brinquedos em seu horário elas o eliminaram. A tarde contariam com a ajuda de Ruby e de Zelena.

Uma e meia da tarde. Já havia começado as aulas naquele turno, quatro garotas entraram em ação, perguntavam pra quem estivesse no corredor. Um garoto com uma cicatriz na orelha no ensino médio não deveria ser tão difícil de achar afinal, as pessoas nessa idade costumam ser cruéis. Decidiram se dividir, e assim começou a torturante e angustiante caminhada de Regina Mills sozinha nos corredores, exausta de tanto perguntar agora já nem era mais sutil. Suas pernas estavam a levando para qualquer lugar, olhou no relógio e viu que uma hora já havia se passado, pegou seu celular e confirmou, nenhuma mensagem das meninas. Nada até agora, nem sim sinal de moleque com cicatriz. Mills só queria se deitar e deixar pra lá, queria esquecer desses brinquedos e continuar sua vida, mas sabia que não conseguiria. Culpou sua mãe por não lhe dá limites, se não a tivesse deixado enterrar brinquedos talvez agora estaria preocupada com outras coisas igualmente fúteis, mas com soluções fáceis. Sem perseguições a garotos em colégios. 
Mais meia hora e já estavam todas reunidas no corredor principal do colégio, todas as três muchas, sem esperanças. Esperam Ruby sentadas no chão encostadas na parede sem dizer uma única palavra. O silêncio era grande e a persistência de Regina já tinha acabado, pensou que deveria botar um fim nisso. Chegou a pensar que conseguiria.

Emma estava com os braços em seu ombro e a cabeça apoiada na sua, sentiu os dedos em suaves movimentos em seu braço, respirou fundo já pensando no que iria falar mais tarde, desistir não era do seu feitio mas era preciso. Se levantou para seguir em frente, foi acompanhada por olhos atentos de Emma e Zelena, sorriu sem graça e acenou a cabeça em negativo, iria colocar um ponto final naquilo que já tomava importância demais em seu interior. 

Se virou para falar e ouviu passos. 

Passos pesados e rápidos.

Ruby apareceu correndo no início de um corredor muito longo. Atrás de si vinha dois meninos.

A esperança de Regina retornou após ver o sorriso de Ruby, nada de ruim poderia vir de um sorriso como aquele.

- Então... - respirava cansada pela corrida, apoiava as mãos no joelho enquanto tentava normalizar a respiração.- Então... Meninos me contem a história... De novo. 

Olhou para os meninos que se mantiam ao seu lado, olhando-a confusa. Sem saber muito bem um deles começou a falar.

- Ela tá procurando o Mike Geller, ele é meio valentão e semana passada roubou minha irmã mais nova, ela tem só oito anos e veio chorando pra mim e eu não pude fazer nada porque ele é bem mais forte e maior que eu e iria sair muito machucado e minha mãe nos mataria depois e so...

O garoto falava sem parar intercalando o olhar para cada uma das garotas até ser interrompido por Ruby.

- Sim, sim entendemos. Então.... - Deu mais uma respiração forte recuperando totalmente o fôlego. - Conte a outra história...

- Ah, a outra. Então soube que antes de ontem de ontem de ontem- Fora interrompido pelo som alto da tosse da raiva de mechas vermelhas, acenando com a mão para continuar sem mais delongas. - Então... Soube que ele roubou uma menina que não tecasa e levou uma surra e tanto dos amigos dela depois....- Olhou com os olhos assustadoramente arregalados para Emma quanto voltou a falar susurrando em mistério. - Ele vendeu o tesouro que ela achou e ela com os amigos bateu nele tão forte que ele foi parar no hospital.

- Tesouro ? Regina perguntou interessada.

- Sim foi o que me disseram um saco cheio de um tesouro. 

- Que tipo de tesouro? 
Agora fora a vez de Zelena perguntar

- Não sei, só sei que o irmão do namorado da minha prima disse pra ela que ela gritava na rua " cadê meu tesouro". 
Imitou a voz fina de uma menina. Seu amigo que estava ao lado confirmava tudo com a cabeça.

- Espera ela quem ? 
Emma perguntou confusa. 

- ela a prima, mas quem gritava era a menina que não tem casa. 
Ruby explicou impaciente para Emma. Que sorriu sem graça pedindo desculpa.

- Essa menina sem casa... Ela é órfã?
Mills perguntou com a voz tensa.

- não! Ela nem toma banho, minha mãe disse que ela não tem casa e que é pra gente não brincar com ela. 

- e onde ela fica? E Cadê esse Mike? 

- ele não veio depois da surra, o irmão do namorado da minha prima disse que ele tá com o olho roxo... Deve tá com vergonha. - Os dois garotos sorriram. - A menina eu não sei... Ela fica andando por ai... É porque ela não tem casa.

Regina se equilibrou na parede pensativa. Seria esse o seu tesouro? E se não for ? Porque tudo com ela tinha um tom dramático demais? 
Eram perguntas e perguntas nem sempre são respondidas.
                                    ~

Andava de mãos dadas com Emma rumo a sua casa, acenou para Zelena que já entrava na sua. 

- Você está triste ? 

Emma parou Regina para que pudesse olhar em seus olhos, segurou na mão que estava livre e as acariciou com os dedos.

Mills admirava a loira, era tão atenciosa, carinhosa e engraçada. Paradas ali na calçada de sua casa Mills sorriu fraco. Sabia que Emma não a achava louca por ser tão vulnerável ao assunto brinquedos, sabia e amava. Swan é sua princesa nada convencional e se orgulhava muito de tê-lá consigo.

- Estou decepcionada... 

- Não fica assim... Vamos pensar em algo. 

- Eu sei que vamos... 
      Emma se aproximou e deu um beijo leve na bochecha de Mills. 

- Vamos atrás dessa menina e vamos ter um plano... Só que hoje não, agora estou com fome. 
Mills sorriu tirando um pouco da cara desanimada de seu rosto. 

- Eu perdi um dia de vendas na livraria.

Fez um bico infantil e jogou a cabeça para o lado, foi a vez de Swan sorrir. Ela olhou para os lados conferindo se não tinha ninguém por perto e foi para cima de Regina dando um beijo demorado nos lábios carnudos, sem envolver a língua. Só sentindo a maciez. Olhou para os olhos castanhos quando o beijo terminou e sorriu com intensidade. 

- Regis... 

- O que ? 
    Regina sorria e Emma não pensou outra coisa além de que se achava a menina mais feliz de todo o mundo. 

- Eu tô com fome... 
     Regina começou a gargalhar e logo fora cortada por uma voz grave atrás de delas. 

- Que bom ouvir isso Emma, entre estavamos agora mesmo preparando um lanche. 

Era o senhor Mills abrindo a porta e o gigante sorriso para duas garotas leves e jovens. De mãos dadas e corações gigantes.


Notas Finais


Estou apreensiva com essa volta então por favor me digam o que acham! Agradeço quem não abandonou essa história!! Até logo, beijos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...