História Rubi - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Exibições 9
Palavras 4.158
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Estupro, Insinuação de sexo, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


yoo

Capítulo 2 - Capitulo 1


Mais um novo dia começa, não que este seja diferente, bom talvez este seja um pouco mais especial eu faço anos hoje, eu não espero que muita gente se lembre mas vocês sabem, fazer 20anos é especial.
Tomei banho e fiz as minhas higienes pessoais. Decidi vestir, um vestido preto justo que tem um cinto vermelho sangue no meio, um salto também vermelho sangue assim como a minha mala. O meu cabelo vai solto, fiz uma maquilhagem simples e peguei nos manuais e cadernos necessários e saí do quarto.
-Filha, Parabéns! -Disse o meu pai levantando-se, o meu pai chama-se Romeu, ele é mais conhecido como Sr. Valliere. Romeu é alto, olhos castanhos, cabelos grisalhos que antigamente eram pretos, ele é um ótimo homem de negócios.
-Parabéns menina! -Disse Glória, ela é a governanta da casa e para mim é como uma mãe. Glória é maior que eu, cabelos castanhos assim como os seus olhos.
-Obrigada! -Disse dando um abraço ao meu pai e depois na Glória
-Filha, não chegues tarde da faculdade, sei que te esforças muito, mas hoje é um dia especial, tens que estar cedo em casa para a tua festa!
Eu não estou ansiosa pela festa, é sempre igual, junta-se a família paterna (já que não tenho quase nenhuma relação com a minha família materna, devido ao acidente com a minha mãe) e os amigos da família (amigos do meu pai).
-Querida, vais trazer alguns amigos? -Pergunta Glória, ela sempre pergunta isso, apesar de ela saber que eu não tenho amigos, todos os que tive me desiludiram porque só estavam comigo pela minha fama e dinheiro.
-Não- Disse fria enquanto me sentei na mesa do pequeno-almoço, pude sentir os seus olhares, pareciam de pena.
-Filha, sabes que estás na idade de quereres divertir-te e ter namoricos-pausa- Podes trazer quem quiseres!
-Não quero -Disse pousando a torrada e levantando-me -Perdi o apetite!
-Não comes-te nada!- Falou Glória impaciente
-Não quero -pausa -O motorista já está lá fora?
-Sim. -Falou Glória cabisbaixo
----
-Bom Dia Augustus! -Disse enquanto cumprimentava o meu motorista, conheço-o desde sempre, sempre foi ele que me transportou de um lado para o outro.
-Bom dia, menina Miranda- Augustus é um ótimo motorista, não só por ser bonito mas porque também é super profissional. Ele é alto, cabelos castanhos sempre bagunçados e olhos verdes.
(..)
-Parabéns!
-Obrigada. -Disse enquanto observava a paisagem pela janela
-Chegamos! -Ele disse observando-me pelo pequeno vidro
-Ah, obrigada, estava distraída!- Disse abrindo a porta
-A que horas é para vir busca-la?
-Ás 15h seria perfeito
-Aqui estarei. -Ele disse, dando partida ao carro
----
Saí do carro, em direção à sala.
-Ae, Mira!- Disse um rapaz qualquer, não, eu não me lembro, ou não quero lembrar do nome! Ele neste momento impedia a minha passagem para a sala
-Deixa-me passar! Deixa de ser infantil, isso é brincadeira de criança de 2anos! -Disse fazendo aquele olhar ameaçador.
-Tá, desculpa, só te queria dar os parabéns -Ele disse cedendo passagem, eu não agradeci.
Durante o dia, muitas pessoas me deram os parabéns, eram raras as que obtinham o meu agradecimento.
----
Estava à porta da faculdade quando vi o BMW do Augustus chegar.
-Boa tarde menina -Ele disse sorridente
-Boa tarde Augustus.
-Desculpe intrometer, mas a menina não está ansiosa?
-Porque estaria? -Perguntei confusa
-O seu pai está, ele nem foi trabalhar hoje.
-O que?
-É verdade, o seu pai hoje ainda não colocou os pés na Valliere S.A
Meu Deus, o meu pai está atarefado com uma simples festa.
----
-Ainda bem que chegou! -Disse Glória, tapando o caminho no topo das escadas
-Eu queria ir estudar para o meu quarto!
-Nananinanão, vai para a beira do seu pai! Ele está no escritório!
----
*truz*truz*
-Sim.
Ele fez sinal com a mão para esperar, estava ao telefone.
-Sim....então está confirmado sim, a festa é aqui.....ótimo....então esperarei ansioso adeus.
-Há pai, vai mesmo fazer uma festa assim tão gradenão va - Fui interrompida
-Claro, que vai ser preciso!
-Quantas pessoas, provavelmente, vem?
-200-Ele disse calmo
-200?
-Sim, presumo que alguns tragam acompanhantes. -Pausa- O tema da festa é branco.Não te preocupes, eu tratei de tudo
-Por causa de uma festa, você não foi à empresa!
-É só um dia, Miranda! Eu espero que, tu quando fores adulta e assumires o meu cargo, que não sejas obcecada pelo trabalho. Eu estou seriamente preocupado, tu não tens amigos ou namorado; tu não sais.Talvez, a culpa seja minha, eu é que te estou a colocar esta grande pressão da empresa. Eu estive a pensar, e se calhar não é boa ideia isso de já teres acesso às coisas da empresa. Tu sabes, que eu sempre te quis proteger, que tu tivesses uma vida até aos 18anos longe das revistas, para poderes ser tu própria sem teres que te preocupar com o vestido ou com as tuas ações.Talvez a tua tia tivesse razão, necessitas de uma voz feminina.
-Ah pai, eu só quero que tenhas orgulho de mim, eu não quero ser como as raparigas da minha idade, eu estou ótima assim. Eu quero ajudar e ter acesso às coisas relativas à empresa. Eu já deixei de ser criança, eu penso pela minha cabeça.
-Se o dizes-Pausa- Contratei com a ajuda da Glória, umas mulheres para te ajudarem a arranjar.
Eu sei que lá no fundo ele continua com a mesma opinião.
-Pai, dá-me os últimos dossiês das contas da - Fui interrompida
-Não! -Ele estava irritado
-Ok, ok -Disse levantando os braços em forma de rendição
----
-Ai a sério! -Resmungava enquanto ia para o meu quarto
*truz*truz*
-Quem é? -Disse enquanto afundava a minha cabeça na almofada.
-Quem havia de ser!- Disse Glória
-Ah, se vens dar sermão
-Mira, deixe o seu pai cuidar de si, ele e eu só estamos preocupados consigo
-Ai Glória! Eu não sou um bebé! Após a faculdade eu vou viver sozinha! Eu não suporto isto! Glória permaneceu estática até que:
-Senhora Glória, estão aqui umas senhoras para arranjar a menina. -Falou uma outra empregada
-Mande subir!
Depois das palavras de Glória, entraram umas 10mulheres, mandaram-me tomar banho, melhor, elas obrigaram. Depois começaram a mexer no meu cabelo, pés, mãos e tudo mais, verdadeiramente desgastante.
-Arrr dói! -Gritei pela milésima vez
-Deixe de ser criança! É só uma depilação!
-Criança? Quer falar sobre ser criança? Sua desengonçada de uma figa! -A empregada encolheu-se mas continuou a fazer lá a depilação.
-Só falta a sobrancelha e o buço.- Sorriu vitoriosa.
-Têm mesmo que -Fui interrompida, senti elas a por mais daquilo na minha preciosa cara.
-O cabelo e a maquilhagem estão ótimos, só poderá ver no fim. Não se preocupe, você fica linda de toda a forma! -Engraxadora!
-Vista!
Elas entregaram um vestido branco comprido, este tinha uns detalhes a rubis que eram em volta da cintura, nas costas, era aberto até ao círculo dos rubis. Deram um colar, uns brincos e um anel também com rubis. Os sapatos eram de salto, também brancos.
-Ah, fizemos bem em escolher rubis! Combina com esse cabelinho selvagem! -Gargalhou a mulher
-Quer falar sobre selvagem?
-Não, menina.
-Acho que a menina está pronta!
-Posso?
-Já estás ca dentro Glória! -Falei
-Pronto, pronto. Estás encantadora! O seu pai deu-me folga, sou uma convidada! ela disse, só faltava começar a saltar de alegria. Glória vestia um Tair branco. (conjunto de roupas como um smoking, mas este é feminino)
-Filha! Estás linda!- Pausa - Estão todos à tua espera! o meu pai vestia um smoking com um lenço e uma gravata branca.
É, todos teriam que usar uma peça de roupa branca, devido ao tema da festa ser branco.
Eu e o meu pai descemos com o braço entrelaçado ao som da música, desde logo, atraímos olhares, paramos no centro das grandes escalas e deram-me um microfone:
-Boa noite a todos !-Disse dando um sorriso falso enquanto observava tudo decorado com flores brancas - Obrigada a todos por estarem presentes na festa dos meus 20anos.É uma honra, eu poder festejar este momento mágico com todos vocês! -Eles bateram palmas, estamos no meio de uma festa formal, é claro que não existe assobios ou gritos desinteressantes, mas houve um alguém que assobiou, infelizmente, não pude identificar de onde vinha esse som, porque digamos, eu iria conversar com essa pessoa, numa conversa, não muito amigável!- Espero que se divirtam! -Disse por fim, entregando o microfone.
-Parabéns pima! -Disse Mariana, ela é filha da minha tia, aquela tia que me queria levar com ela! - Me pega ao colo! -Pediu. Mari é tão fofa, os seus olhos azuis sobressaem entre os seus cabelos castanhos-claros. Mariana, vestia um vestido branco curtinho com um laço atrás, o seu cabelo estava preso numa fita rosa creme assim como as suas sabrinas
-Não posso meu amorzinho, já viste o meu vestido, ele não se pode estragar!- Disse ajoelhando-me ficando da altura dela
-Deixa filha!- Disse a minha tia, Paula. A minha tia têm os olhos e os cabelos em tom castanho-chocolate. Paula vestia um vestido branco de renda menos na parte do peito e depois da cintura também era totalmente branco. Paula quis levar-me com ela quando eu tinha 6anos nessa altura o meu pai recusou e disse que quando eu tivesse 12anos decidia se queria ir, eu não quis principalmente para não ter que aturar o imaturo do meu primo, o Lucas. Ela é a única parente materna que tem contacto connosco, aliás, admira ela ter vindo, provavelmente, a Mariana quis muito vir.
-Aí tia! Não precisa de leva-la para longe! Eu adoro a Mariana!
-Sabes, ela é uma criança, pode sujar-te o vestido!
-Aí! Mariana, queres uma mousse de baunilha que a prima dá?- Disse esticando a mão
É, na minha festa até a própria comida tinha branco.
-Quelo! Ela deu-me a mão
-Diz adeus à mama! Disse fazendo um olhar cínico a Paula
-Ade..a.d.e.u.s -ela disse soletrando devido à sua dificuldade a falar.
Levei-a pela mão até à cozinha, lá sentei-a num balcão já que lá não tem mesa ou cadeiras.
-Pima?
-Hum? -Disse enquanto procurava uma taça de mousse no frigorífico
-Podes vir connosco um tempo, lá para a minha casa? Ficas a dormi no quarto de hospidiseu decorei-o purque eu ia te pedi quando viesse cá
-Ah.Mari tenho a faculdade, não dá jeito. -Disse entregando a taça, enquanto passava a mão na sua bochecha
-É claro que dá! É uma ótima ideia Marianazinha!- Falou Glória que estava à porta a ouvir tudo. Cusca! Ah, ela me paga! A menina tira ótimas notas, creio que não faça diferença adiantar um pouco as férias!
-Ah. -Disse
-Vou falar com o seu pai!- Sorriu Glória vitoriosa, enquanto ia em direção à porta
-Não! Gritei Não quero!
-Purque? -Disse Mariana, boa! Ela estava a chorar
-Que foi filha? -Entrou Paula apressada na cozinha -O que a prima má fez? -Ela concluiu dando-me um olhar ameaçador
-Ela não quer ir!- Disse Mari entre soluços
-Ah, dizes que a adoras mas és incapaz de vir uns dias para nossa casa! Sabes muito bem que o teu contacto com a família da tua mãe é nulo! A tua mãe odiaria a forma como estás a tratar a tua família! -Disse Paula, tirando Mariana do balcão e levando-a consigo. Mariana deve ter ficado magoada, afinal, ela até decorou o quarto, ela ainda agora, não olhou para mim ou sorriu.é a última coisa que quero é que ela fique triste comigo.
-Ah Glória, não fiques a olhar para mim com aquela cara de " Não custava nada ir!, Feriu os sentimentos da sua querida prima!"
-Sabe menina, um dia, eu, o seu pai e todas as pessoas adultas com quem você se relaciona vão morrer, aí você vai ficar sozinha, rodeada de empregadas... Custa-me imenso ver a pessoa fria que você se tornou, quando era mais pequena eu sempre achei que você continuaria sempre a sorrir e a ser querida.Apesar do seu cabelo ser cor do fogo, nem mesmo ele é capaz de derreter esse coração gelado.- Dito isto, Glória saiu e deixou-me na cozinha.
Pode não parecer, mas a Glória sabe exatamente como me magoar, ela utiliza os meus pontos fracos para me amolecer, eu sei que ela só quer o meu bem, mas ela sabe perfeitamente que o Lucas me tentou beijar no último Verão que passei lá, quando tinha 12 anos. E foi lá, que eu dei o meu primeiro beijo, com um amigo de Lucas, que depois eu vim a saber, que foi tudo para gozar com a minha cara.
Fui em direção ao salão, e tinha uma mesa repleta de caixas e sacos embrulhados, é, são os meus presentes.
Andei a procurar a Mariana, infelizmente, ela estava junto de Paula e tinha os olhos vermelhos, provavelmente de chorar
-Mariana? -Disse sorrindo, enquanto me ajoelhei para ficar da sua altura
-Hum! -Ela disse virando a cara
-Em vez de ir a prima para a tua casa, porque não ficas tu aqui? Eu tenho um quarto grande e ficavas lá comigo! Que dizes?
-Naum posso, eu tenho infantário - Ela disse cabisbaixo
-Não podes faltar uns dias? -Disse
-Naum, eu quero ver o Rui todos os dias antes das férias!- Ela disse um pouco irritada
-Ah.
-Já sei, vens tu uns dias a minha casa e dipois venho para cá!- Ela disse
-Tens que pedir à mãe. Eu não sei se ela te deixa vir Livrei-me, a Paula nunca deixaria
-Sim, podes! Mas, a Miranda terá que ir depois de nós, talvez amanhã, para eu arrumar e preparar o quarto!
-Mas, depois ela vem mesmo?- Disse
-Prometes? -Disse Mariana, com um sorriso do tamanho do mundo
-Sim -Disse Paula dirigindo-se à filha -Achas que eu prometeria algo à minha filha e depois não cumpria? - Disse Paula dirigindo-se a mim
-Então, eu só vou falar com o meu pai! -Disse sorrindo forçadamente
-Obigada! Vai ser muito divertido! -Disse Mariana dando um beijo na minha bochecha
Arrr, aquela Paula faz isto para me irritar só pode!
-Ah, filha, este é o Christian!- Disse o meu pai apontando para um homem jovem, creio que o meu pai esteja a fazer de cupido.
-Boa noite! Cumprimentei -Pai, posso falar consigo um instante?
-Esteja à vontade Sr. Valliere e Srª.Valliere -Disse Christian afastando-se
-Pai?
-Hum? -Ele disse bebendo um gole de Whisky
-A Mariana -Fui interrompida
-A filha da irmã da tua mãe?- Pausa- A Marina?
-Sim, a filha da tia Paula.- Chama-se Mariana.
-Que têm?
-Bom, ela convidou-me para ir para a casa dela durante uns dias, depois, vem a Mariana para aqui
-Bom, tu é que sabes filha. Já sabes como é a Paula, a menina vai para a escolinha e tu vais ficar sozinha em casa, creio que a Paula trabalhe. -Pausa -Eu não te impeço, talvez, precises deste tempo, umas férias antecipadas!-Eu vou, mas só por causa da Mariana!
Passei o resto da noite a conversar com amigos do meu pai, a receber presentes e foi aí que decidi ir comer alguma coisa, eu já não suportava ver mais comida branca! Fui em direção à cozinha, quando abri a porta:
-Aí
-Desculpe não o - As minhas boas maneiras desapareceram quando vi o
...
...
.... LUCAS!?
-Oi Mirandazinha! É assim que se cumprimenta o teu priminho favorito? -Pausa- Uau! Estás muito gata! -Lucas tem 22anos mas têm uma mentalidade como se tivesse a idade da irmã, 6. Não nego que ele é bonito, mas, a beleza não é tudo. Ele é uma torre Eiffel à minha beira, têm olhos castanhos assim como o cabelo, exatamente como a mãe dele.
-Estava ótima até te ver -Pausa - Já eu não posso dizer o mesmo, continuas horrível!
-Vejo que o teu ótimo humor continua -Disse Lucas com ironia
-Não estavas em Londres?
-Ah! A faculdade de lá era muito seca!- Pausa- Seca como a minha priminha, gata!
-Merda! -Murmurei.
-Que foi? -Ele disse surpreso
-Eu, sábado vou para tua casa!- Gritei aflita
-O quê? -Ele disse batendo com a cabeça na porta, a fingir.
-Miranda? Gostarias de cortar o bolo e cantar os parabéns?- Apareceu uma empregada
-Sim, sim! -Pausa- Pergunta à tua irmã, Lucas! -Disse saindo da cozinha
-A Mariana? -Ele ficou a murmurar
----
-Filha! Que vergonha, andava-mos à tua procura!
-O...o Lucas! -Disse assustada
-O quê? -Disse Romeu assustado, é, o meu pai sabe do que aconteceu à 8anos -Depois contas! Agora vamos! Ele disse puxando-me pelo braço
----
-Pima, queru mais bolo!- Disse Mariana, com chantili até às bochechas
Gargalhei
-Toma Disse dando um cubinho de bolo
Eu e o meu pai, quando fomos à pastelaria escolher o bolo, optamos por ser cubos individuais, assim como, um pequeno bolo. O meu bolo era coberto de pasta de açúcar branca e no cimo tinha uns castelos de chantili com pequenas pedras vermelhas a fingir Rubis.
-Sempre vais, não é?- Disse Mariana
-Acho que sim porque?
-Pode não parecer, mas a mamã gosta que tu vás, ela fala de ti lá em casa. De como tu és forte como a tua mamã, ela às vezes chora. -Ela disse cabisbaixo, por algum motivo eu fiquei feliz ao saber que no fundo a minha tia gostava de mim, talvez, eu seja demasiado parecida com a minha mãe, e ela acabe desabando. Pode ser que a minha relação com ela melhor -O Lucas discutiu com a mamã- Disse Mari pensativa
-Aí sim?- Perguntei, estava curiosa
-É - Pausa- Ele não quer que tu vás, e a mamã discutiu com ele por causa disso. Eu ouvi isso, magoou
-Então, acho melhor não ir - Disse e saí dali.
Entrei no quarto e estava lá uma empregada a fazer a minha mala.
-Não vai ser preciso.
-Porque? -Ela disse, e logo depois se arrependeu -Ah, desculpe menina.
-Não vai ser necessário porque eu não vou a lado nenhum.- Pausa -Pode sair. -Dito isto, ela saiu, meia confusa
Sentei-me na minha cama e peguei num caderno da faculdade, comecei a ver uns apontamentos da aula de hoje.
-Posso? -Pude perceber que era a minha tia
-Sim- Disse, sem tirar os olhos do caderno
-Desculpa pela Mariana, ela só diz asneiras.
-Talvez, ela não diga só asneiras. Aquilo foi verdade-disse levantando os olhos, Paula estava com cara preocupada - Eu não vou, lamento pela Mariana -Conclui, do nada, Paula ajoelha-se à frente dos meus joelhos
-Por favor! -Pausa -Desculpa..
-Ah, tia, levante-se por favor- Comecei a stressar
-Da última vez que vi a tua mãe, foi 2meses antes de ela morrer. Nós falamos sobre a ausência constante dela Disse coisas que não devia, como Daqui a pouco morres e nós não sabemos de nada!, ela disse que queria que o seu Rubi tivesse mais ligação com a família dela. Eu neguei, dizendo que a filha dela seria uma mimada e que só queria festas, mas ela negava.- Paula saluçava -Eu discuti bastante com ela, ela era a minha irmã mais velha, o meu ídolo.Mas naquele dia, ela pegou em ti. Entrou no carro e desapareceu entre o nevoeiro da noite, daquele dia. Ela estava certa, o seu Rubi .- Ela não completou, Paula continuava estática a olhar para o chão.
Eu só suspirei e senti uma lágrima na minha bochecha.
-Ela morreu zangada comigo!- Gritou -Porque eu fui egoísta.- Pausa- Eu quis remediar tudo, disse ao teu pai para ele te deixar vir comigo, ele recusou e disse que a minha família era instável .Ela deu realce ao instável .No Verão dos teus 12anos, eu lutei para que quisesses ficar, mas o Idiota do Lucas decidiu fazer asneiras -Ela sabe?
-Agora, a minha sobrinha não suporta a tia, nem consegue passar uns dias na casa dela. Eu usei um pouco a Mariana, para te convencer a ires. Fiquei tão feliz, que pensei que morria quando soube que ias mas agora ...Tu -Interrompi
-Eu quero ir. -Conclui, com lágrimas nos olhos, ajoelhei-me junto de Paula
-Desculpe, eu não sabia. -Disse, e abraçei-a
Quando se trata da minha mãe, o meu coração, não sei, eu só consigo agir de uma forma que a deixaria orgulhosa.
-És como a tua mãe -Ela sussurrou e eu sorri
-Mamã to cum sono! -Disse Mariana invadindo o quarto
Ah, prima tu vais neh? -Falou Lucas à porta do quarto
-Vou!
-Que bom! -Disse Mariana saltando para cima de mim
-Mariana, que tal pedires à mamã para ficar aqui a dormir e amanha já que a prima vai para tua casa, leva-te. -Assim, ficas aqui a mimir.
-Sim! -Ela gritou aos pulinhos -Posso mamã?
-Hummm- Disse Paula com cara pensativa
-Por favorzinhu! Por favorzinhu! Por favorzinhu! Por favorzinhu! Por favorzinhu! -Implorou Mariana
-Pronto, está bem.
-Posso menina?- Disse uma empregada -Trago os seus presentes, onde os coloco?
-Ah, traga depois das visitas saírem. Coloque em cima daquela mesa- Pausa -Depois das visitas saírem, diga à Glória para subir, sim?
-Como desejar.
-Nós vamos andando, ok querida? -Disse Paula
-Sim. -Pausa -Lucas! -Chamei
-Hum? -Ele disse dirigindo-se de novo à porta
-Queres ficar aqui, com a Mariana? -Disse, sim eu estava a ser simpática
-Ah -Ele pareceu confuso
-Luquinhas, fica! Ficas comigo!- Disse Mariana
-É, podes ficar sozinho num quarto de hóspedes ou ficas com a Mariana nesse quarto. -Pausa- O complicado sejam as roupas
-Isso não, porque, eu não sabia a que horas ía sair daqui, então trouxe roupas a mais de todos - Disse Paula
-Tu decides - Disse
-Eu tenho que ir para casa porque a Rubi vai lá passar uns dias - Disse Paula
-Rubi?- Perguntou Lucas
-É, sou eu - Disse tímida
-Ah, tá -Pausa -Eu fico!- Disse Lucas
-Então, Lucas anda comigo buscar as roupas ao carro.- Pausa -Até manhã querida!- Disse Paula abraçando-me
-Até. -Fiquei com Mariana no quarto
----
-Cheguei Disse Lucas com 2 sacos, um rosa e o outro preto
-Tu escolhes, ficas com quem? Como queres? -Perguntei à Mariana
-Tu! -Ela gritou
-Trocaste-me? -Disse Lucas fazendo cara de ofendido
-Sim! Ela disse pulando em mim
-TáO teu irmão vai ficar sozinho, abandonado - Disse Lucas
-Se não se importam, eu vou ao salão ver como está aquilo, toma conta dela, Lucas -Disse
----
10minutos depois
-Adeus querida, adorei a tua festa! -Disse uma mulher
-Então adeus, Romeu! Até à próxima! -Ele disse afastando-se
-Ah, os últimos
-Os teus primos ficaram cá?- Disse o meu pai
-Sim.
-Sempre vais? - Ele não parecia feliz, mas não quis saber
-Sim, até manhã. Diz à Glória para não vir ao meu quarto e que amanhã me levanto cedo para arrumar os presentes.
-Está bem.
-Boa noite! -Disse dando um beijo na bochecha do meu pai
----
-Desculpem o atraso! -Disse
-Quero vestir o pijama! Saí Lucas! -Disse Mariana em tom de choro
-Tá! -Ele disse, chegou em Mariana e deu-lhe um beijo na testa e depois fez o mesmo comigo, o que me deixou um pouco (muito) confusa- Até manhã! -Ele disse saindo
-Então! Vamos vestir o pijama!?-
Mariana tirou do saco um pijama da minnie vermelho com corações. Eu optei por um short azul e um top azul com lacinhos, sim, é pijama. Fomos lavar os dentes, Mariana só gargalhava.
-Hora de dormir! -Disse cobrindo-a
-Onde vais? -Ela perguntou
-Buscar água, a mousse deixou-me com sede.- Pausa- Queres?
-Naum -Ela disse metendo-se totalmente debaixo dos cobertores -Volta rápido!
Desci as escadas, entrei na cozinha e ...
...
-Aí!
-Ahahahaha, desculpa Lucas!- Disse indo na direção do frigorífico
-Miranda -Ele disse a sorrir -Eu ainda não te dei o meu presente?
-Também não é preciso, eu tenho uma rima deles para arrumar! -Disse tirando uma pequena garrafa de água, até que, ele avança para mim e me pressiona contra o frigorífico deixando-me imóvel
-LuLucas -Disse a gaguejar, que até deixei cair a garrafa, sorte que ela é de plástico
-És tão linda! Ele disse olhando-me nos olhos O meu presente é o melhor! -Dito isto, ele coloca a sua perna no meio das minhas, e beija-me de língua! Separamo-nos pela falta de ar, mas isso não importou, porque ele deu-me vários selinhos depois.
-Não venhas com a história que somos primos! Eu não quero saber!- Disse Lucas ainda na minha frente
-Lucas -Disse, não sei se foi num tom de angústia ou de preocupação -Eu gostei do presente -Disse, eu não sei de onde saiu isso mas Lucas sorriu e beijou-me de novo mas separamo-nos quando ouvimos passos, entramos em stress e Lucas escondeu-se atrás do balcão
-Pima! -Gritou Mariana -Porque tanta demora! Vais buscar água ao oceano?
-O oceano é salgado e ficaria com mais sede! -Disse apanhando a garrafa do chão
-Visti o Lucas? -Ela perguntou, e eu engoli em seco, bebendo um gole de água
-Não porque?
-Eu fui ao quarto dele perguntar por ti mas ele não estava lá
-Ah, não sei, deve ter ido à casa de banho
-Vamos logo!- Ela disse puxando-me para o quarto.
-Ok, ok
E subimos, Mariana adormeceu rapidamente, mas, eu fiquei acordada a pensar no que tinha acontecido.
******


Notas Finais


Não se esqueçam de deixar comentários com as vossas opiniões
Espero que tenham gostado deste 1 capitulo de muitos ❤
Bjos doces


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...