História Ruína dos Anjos A Arca e o Zodíaco - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Aliança, Aquário, Arca, Aries, Câncer, Capricórnio, Cavaleiros, Gêmeos, Palacio, Volta, Zodíaco
Exibições 1
Palavras 817
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Lemon, Sobrenatural, Violência, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Voltei gente.
Tinha pego uma virose horrível.
Só digo uma coisa sobre esse capítulo: não dem uma de Alexandre e me matem.
Tem um olho na minha lágrima.

Capítulo 5 - As lágrimas da Morte.


Os cavaleiros estavam na encosta de uma montanha.
Pra ser mais exato a entrada de um canion.
Rafael decidiu não envolver mais Math e Vitória em assuntos dos cavaleiros.
Então eles foram para a casa.
Os signos entraram em uma caverna e os cavaleiros os seguiram.
A caverna foi virando um labirinto.
Rafel estava tonto de tantas voltas.
Ser cavaleiro da doença tinha seus males, um deles era a labiríntite. (Fodase não sei escreve essa palavra)
Os signos iam a frente seguindo a energia astral da Pedra Do Zodíaco.
Quando muito andaram chegaram a uma sala circular.
Com um lago subterrâneo.
E uma pequena ilha no meio do lago.
Nessa ilha um cubo estava incrustado nas pedras, como se as pedras tivessem crescido envolta do cubo.
A Arca da Aliança.

-Alguém sabe como a gente vai passar por isso?.-Capricórnio estava impaciente.

-Vocês não vão passar por isso, menino.-Uma voz soou na escuridão que rodeava as paredes da caverna.
Um homem saiu da escuridão.
Seguido de mais dezenas de atiradores com armas em punho.
Engatilharam.
O homem de terno cinza impecável deu mais alguns passos para a frente e pôs a mão para trás.
Seus cabelos grisalhos brilharam com o sol.
Sua boca virou um sorriso grotesco.
Malévolo.

-Cara você é muito intrometido vai toma no...-Uma bala passou a centímetros da cabeça de Alexandre.
O homem que atirou não errou.
O intuito era só assustar.

-Ale cala a boca.-Rafael cutucou as costelas dele com o cotovelo.

-Bom meus jovens... vocês não vão atrapalhar meus planos... vocês tem ideia de quanto poder há naquele caixa? Eu seria um Deus... e poderia fazer o mundo do jeito que eu sempre quis... livre de negros, bichas, gordos, ah... pense na raça perfeita... uma seleção entre os humanos... A Elite, e depois que eu reunir os mais ricos, eu vou destruir as pessoas que sobrarem, assim só a melhor raça sobreviverá... e vocês... não fazem parte dela.
As armas dispararam.
Capricórnio envolveu os signos em um domo astral.
Alexandre Angel movimentou as mãos e as balas desviaram.
Todas atingindo as paredes.
Menos uma.
A que voou e cravou certeira no peito de Rafael, como um coveiro cravando a enchada na terra para abrir uma nova cova.
Rafael pôs mão no peito.

-Peguem a caixa, escondam em outro lugar, RÁPIDO!!.-Gritou para os signos.
Gêmeos saiu correndo em direção ao lago mas ao invés de pisar na água uma ponte de luz roxa se estendeu de uma a ponta a outra até a caixa.
Alexandre estava lutando com os homens.
Greg, em um movimento de sua corrente abateu vários soldados.
Gêmeos tocou a caixa com os dedos.
Eles entraram como se a caixa fosse líquida.
"Ouro derretido" pensou ele.
Ele roçou os dedos em uma pedra e sentiu o Astral dela.
Fechou a mão envolta da mesma.

-A caixa vai ficar segura em uma sala do Palácio.-Gêmeos gritou para os outros.

Os signos e a caixa se dissolveram em pequenos pontinhos de luz e essa luz em pó subiu até atravessar o teto da caverna.
Isso chamou a atenção de Alexandre que estava ocupado lutando com vários soldados.
Finnoway gritou vendo a Arca escapar diante de seus olhos.
Ele saiu dali e largou seus homens e os Cavaleiro lutando.
"Que se dane!! Morram todos"
Alexandre veio andando em direção a Rafael.

-Rafa isso é sangue?!.-Ele ficou pálido, os sons dos tiros sumiram.
Sua visão desfocou.
Estava prestes a desmaiar quando a voz de Rafael respondendo sua pergunta o iscou denovo para a realidade.

-N-não amor...-Alexandre correu até ele é pegou suas mãos.
Olhando o ferimento a bala que atravessou o peito de Rafael dilaçerando seu coração.
Se fosse humano já estaria morto a muito tempo.

-Rafa não, não não não NÃO!!.-
Alexandre apertou as mãos de Rafael.
Um por um os homens de Finnoway foram caindo.
Mortos em um espasmo de raiva.
As lágrimas caíram.
As lágrimas da morte moldaram o chão.
Algo que não acontecia.
A morte chorar.
Rafael perdeu a força nas pernas.
Alexandre o segurou.
E o encostou na parede.

-O que aconteceu com ele?-Angel e Greg chegaram correndo.

-Ele tomou um tiro.-Alexandre tentavam secar as lágrimas que caiam incontroláveis.

-Ale, olha pra mim.-Rafael pegou o rosto de Alexandre entre as mãos sujando o de sangue.-Me deixa ir eu já to aqui a tant...

-Não Rafa!! Você não vai me deixar!!.

-Tem noção do quanto dói te deixar?...-Rafael tossiu e o sangue manchou seu queixo, sua respiração se tornou pesada, e ruidosa.-Mas dói mais segurar minha alma quando o corpo já morreu... por favor Ale... me de esse último presente.

Alexandre segurou as mãos deles e juntou os lábios.
Foda-se o sangue.
O corpo de Rafael ficou leve.
E Alexandre sentiu a alma dele o atravessando.
Subindo.
Uma das coisas que Alexandre odiava.
Era o fato.
De que quando chegava a hora.
Nada nem ninguém impedia a morte.
Nem ela mesma.


Notas Finais


Me desculpem pelas coisas terem acontecido muito rápido.
Próximo Cap sai quando eu tiver ideia do que fazer...
Beijis.
Eu adoraria q vcs comentassem.
Vocês não tem noção do quanto eu amo comentários.
Sério.
Obrigado por lerem e me aguentarem.
Diferente dos meus "amigos".
Amo vcs.
Mesmo q vcs não comentem kkkkkkkk


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...