História Ruined - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias My Chemical Romance
Personagens Bob Bryar, Frank Iero, Gerard Way, Mikey Way, Personagens Originais, Ray Toro
Tags Frank Iero, Frerard, Gerard Way, My Chemical Romance
Visualizações 74
Palavras 4.361
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 18 - Frank - Dezoito


Frank - Dezoito

 

Se eu pudesse usar um sentimento para descrever tudo o que eu sentia esse seria a ambição.  Não era ambicioso na maior parte do tempo mas agora ali com Gerard ao meu lado no volante em direção a sorveteria depois de me formar senti que tudo o que eu queria estava se completando. Só precisava arrumar um emprego e logo entraria nos eixos. Isso! Talvez um emprego me faça crescer mais e esquecer as coisas que atormentavam a minha mente constantemente. Talvez Terry e Jacob estivessem certos sobre  levar ‘’isso’’ como apenas uma coisa que aconteceu na faculdade. Todos tinham historias para contar da época de faculdade ou escola e tudo isso e esquecido eventualmente. Claro,eu não contaria aos meus netos que fui estuprado por dois caras em uma festa. Eu não contaria isso a ninguém.

 

 

 

No fim,eu seria o único a ter que lidar com isso de verdade.  Eu lhes contaria sobre o meu colega de quarto estúpido Bert Mccraken que sempre aparecia com bebidas esquisitas feitas pelo pai e piadas constrangedoras  e o meu outro colega Mikey Way o cara magrelo que se enrolou com uma garota até o dia da formatura para finalmente pedi-la em casamento. Falaria sobre o Sr. Portman ter sido o melhor professor de musica que alguém poderia ter. Falaria sobre Gerard Way,o irmão do meu colega de quarto enrolado que apareceu semanas antes de eu me formar e se tornou alguém tão importante pra mim em apenas um mês.

 

 

 

Me perguntei varias vezes durante esse pouco tempo o porque dele ainda estar falando comigo. Não estava me vitimizando,apenas curioso. Eu não tinha nada,absolutamente nada de interessante. Era apenas um estudante de musica prestes a ser professor. Tão longe dele e com gostos tão diferentes que são impossíveis de listar em uma só folha de papel. Cheguei a uma conclusão de que nunca saberia e suspirei resignado ao que o olhei pela milésima vez.  Ele estava bem ali ao meu lado vidrado no transito enquanto eu estava brincando com o meu cinto de rebites e alternando o olhar entre ele e o pára-brisa.  Era incrível como esse cara conseguia ser tão bonito,tão refinado,tão educado e ao mesmo tempo safado. Porque eu não esqueci da terça-feira.

 

 

Oh,sim eu me lembro de cada segundo daquilo,cada detalhe de como ele estirou sua língua morna sob a minha pele e de como eu fiquei excitado e tive que esconder ‘’aquilo’’ com a mão depois,sei bem que ele não percebeu porque a adrenalina de invadir um prédio daqueles estava pulsando em nossas veias. Não sei como isso tudo foi pelo ponto de vista dele mas para mim ele estava morrendo para não nos causar encrenca.

 

 

Ele estacionou o carro no mesmo lugar onde tinha feito da última vez e pos as mãos nos bolsos em procura de sua carteira,quando percebeu que não tinha dinheiro ali,bufou e se consertou no banco como se estivesse prestes a se por de joelhos e se esticar para dentro no carro.

 

 

- Uh,eu deixei a porra da carteira ali atrás. – Ele se esticou pondo um joelho entre as minhas pernas e o outro no seu banco. Não pude deixar de engolir em seco quando senti  sua bunda tão próxima do meu rosto. Não era algo desagradável,ele tinha,uh uma bela bunda mesmo. E enquanto ele se inclinava mais senti seu joelho se pressionando  contra o meu membro,ofeguei e mordi os lábios. Inclinei minha cabeça para trás e percebi que ele ainda procurava pela carteira,não pude deixar de notar as curvas na sua cintura enquanto ele se inclinava mais um pouco para puxar algo de dentro de uma sacola. Quando ele finalmente retornou eu desviei o olhar para a janela e fingi estar muito ocupado vendo um pombo correndo de uma  garotinha com uma arma de brinquedo. – Pronto,você vem comigo?

 

 

 

- Eu,uh...mas e claro! – Me virei com um sorriso nervoso e abri a porta do carro assim que ele destravou,piscando os olhos várias vezes e arregalando-os quando senti que estava duro. Era a segunda vez que eu estava duro por Gerard. Tirei meu casaco e pus na cintura,deixando a parte de amarrar para trás,era estranho mas não queria que Gerard se assustasse com a minha estupidez. Rodeei o carro e segui o rapaz elegante  até o estabelecimento. Não tinha notado nada muito importante até olhar o nome. ‘’ Rita´s Italian’’. Gelei completamente  e encarei Gerard enquanto ele empurrava a porta e entrava. Não tinha outra,eu teria de segui-lo e rezar para não encontrá-la lá dentro.

 

 

 

- Esta tudo bem com você? Porque esta usando o casaco assim? não esta com frio? – Gerard questionou assim que me pus ao lado dele e parávamos de frente para o balcão. O lugar não era igual ao outro,não mesmo. Era mais colorido com certeza e tinham flocos de neve como enfeite. Pelo menos manterem a coisa de mudar a temática para cada época do ano. Só esperava profundamente que não tivessem mantido os mesmos funcionários. Não tinha notado da última vez que Gerard me trouxe aqui,droga porque não recomendei outra sorveteria?

 

- Estou bem. E isso hum...e só um costume. – Gerard sabia que eu estava mentindo. Eu gaguejei porra,só quem mente gagueja. E ninguém usa o casaco dessa forma na cintura,nem por costume. Ele então arqueou as sobrancelhas,assentiu,comprimiu os lábios e tocou um sininho. Foi ai que meu coração parou de vez e eu arregalei os olhos totalmente. Quando a moça pálida,robusta e de cabelos negros com um sorriso radiante que foi se perdendo de acordo com sua aproximação apareceu. Jamia continuava trabalhando naquele lugar,era aquele tipo de funcionaria que movia de pais pela empresa que trabalhava e nesse caso ela moveu de uma rua para outra. Era leal mas vivia de subserviência com aquele lugar desde que éramos adolescentes.  Disso eu sabia pois ela costumava ser minha melhor amiga,depois ficante e depois nada.

 

 

 

- Bom senhores,como posso... – Ela me notou e então arregalou seus belos olhos castanhos. Tentei me esconder atrás de Gerard mas isso era um tanto idiota,o lugar estava quase vazio naquele horário e os únicos em pé ali no balcão éramos eu e ele. Não dava para me esconder sem parecer um retardado então apenas sorri para ele que pareceu esquecer de mim em questão de segundos,olhando para um caderninho em suas mãos e piscando algumas vezes antes de levantar o olhar e continuar  o seu monologo. –  Como posso ajudá-los?

 

 

 

- Eu quero um Rocky Road. – Ele disse e Jamia anotou direcionando seu olhar para mim. Travei na hora de dizer algo e senti uma pressão excruciante. Não gostava de passar por aquilo. Sabe quando você para de falar com alguém ou briga com essa pessoa que antes você tinha muita intimidade e depois não sabe como agir perante essa pessoa? Eu estava sentindo isso agora. – Acho que Frank quer chocolate,não quer? – Assenti e abaixei o olhar quando Jamia me olhou mais uma vez antes de ir. Era aquele olhar de ‘’Que porra você esta fazendo aqui seu desgraçado!’’ e me senti muito mal de repente. – Frank,tem alguma coisa errada?

 

 

 

- Conheço ela. – Disse de uma vez e Gerard franziu o cenho esperando que eu falasse mais. – A garota que nos atendeu,eu conheço ela.

 

 

- Ow,serio? Que legal. – Gerard não pareceu entender muito o que eu quis dizer e eu peguei sua mão o levando para mais longe do balcão no caso de Jamia aparecer do nada.

 

 

- Ela era minha namorada. – Disse e Gerard não fez nada,nem um som,ele parecia desapontado com algo que não dei muita importância e continuei. – A gente se afastou bastante depois do termino.

 

 

 

- Então você não e G... – Ele estagnou no meio da frase sem terminá-la,chegando a uma conclusão sozinho,apesar de eu saber bem o que ele diria não tentei terminar pois não queria responde-la.  – Então você ainda gosta dela ou sei lá...?

 

 

- Ela era legal mas não,não desse jeito – Disse suspirando e Gerard desviou o olhar de mim assim que Jamia apareceu com os sorvetes e os colocou sobre o balcão.

 

 

- Ah,obrigado por virem,as portas estão abertas para vocês e quem mais os senhores quiserem trazer. O Rita´s Italian tem o sabor da família e dos amigos. – Jamia terminou seu monologo ensaiado e eu tentei não rir com a última parte. Porque diabos eu gostaria de algo que tem o sabor da família e dos amigos.  Parecia algo bem nojento e canibal para mim. Sorri com o pensamento como um autista e me segurei no balcão dando mais algumas risadas antes de parar e olhar para Gerard que sorria para mim,mesmo sem entender nada e Jamia que franzia suas sobrancelhas e me encarava. A moça sentado com o filho que fingiam que eu não estava ali e o senhor sentado próximo que me olhava como um louco. Logo parei com as bochechas vermelhas e com um sorriso tratei de explicar.

 

 

 

- Desculpa e que...Sabor da família e dos amigos? Não seria mais propicio algo como ‘’Sabor de um beijo e chocolate’’,acho bem mais delicioso. – Sabia bem que tinha soado como uma cantada apesar de não ser a intenção e a bochecha de Jamia ruborizou ao que Gerard abaixou o olhar e pos seu dinheiro no balcão,incomodado com algo que não soube dizer o que. – Quis dizer,uh...tipo,delicioso para um sorvete.

 

 

- Eu entendi Frank. Tenha um ótimo dia. – Não era sarcasmo e nem ironia. Ela realmente estava dizendo aquilo e eu sorri para a mesma que guardou o dinheiro em uma gaveta do lado da maquina registradora que ela não precisara usar já que Gerad lhe dera a quantia exata pelos dois sorvetes que o mesmo adorava pagar,como sempre.

 

 

 

- Uh,meu amigo pode pegar o seu numero? – Gerard disse eu arregalei os olhos para ele enquanto o mesmo se inclinava no balcão pedindo o numero de Jamia para mim.

 

 

- O que você esta fazendo? – Questionei e ele mal me olhou,com o olhar direcionado para Jamia que revirou os olhos e me encarou desacreditada.

 

 

 

- Ele tem o meu numero há anos,se quisesse me ligar já teria o feito, Não precisa dos amiguinhos sem vergonha para me pedir as coisas Frank!- Jamia explodiu e Gerard se afastou temendo que ela furasse o olho dele com a caneta que residia o bolso dela. – Achei que tivesse vindo me pedir desculpas e reatar nossa amizade. Mas parece que você arranjou outros amigos agora. – Ela direcionou o olhar para Gerard que não entendia nada do drama que se passava bem na sua frente e eu não tirei os olhos dela,esperando por mais. – Você e o mesmo canalha que se afastou de mim por causa de uns pegas,olha...vai embora,por favor. – Meu coração falhou duas batidas e eu abaixei o olhar,ela estava tão certa que doía encará-la,a verdade nua e crua. Eu havia deixado minha amiga,não ao contrario. – E de novo,tenha um bom dia.

 

 

Então ela se foi e eu sai de lá tão rápido que nem notei meu sorvete esquecido no balcão. Não até me encontrar do lado de fora e começar a chorar desesperadamente. Andei até o carro de Gerard e me  inclinei no mesmo descansando a cabeça no capo. De repente senti mãos acariciando minhas costas e me virei para Gerard o abraçando forte no mesmo instante,escondendo minha cabeça em seu peito enquanto o mesmo acariciava meus cabelos com uma mão e me apertava minhas costas com a outra. Prensado contra o carro e sentindo aquele calor emanar dele para mim não pude deixar de sentir que era o lugar mais confortável do mundo. Passei os braços ao redor dele e chorei mais ainda. Jamia havia me deixado no chão. Não devia porque não nos falávamos há anos mas mesmo assim depois de todo esse tempo suas palavras me machucavam.

 

 

 

Não sabia que ela havia se sentido tão mal quanto ao nosso afastamento. Tudo o que notei foi o clima estranho que nos rodeou por um tempo até não nos vermos mais. Eu era a porra de um egoísta por só pensar em mim e no que eu achava e em nenhum momento pensar que para ela poderia não ser o mesmo. Que apesar de tudo ela estava lutando para ser apenas minha amiga enquanto eu estava lutando para me afastar dela.

 

 

 

Amizade verdadeira não e ser inseparável,e estar separado e nada mudar. E se isso significava que e eu  Jamia não éramos amigos de verdade só me deixava mais triste. Confiei tanto nela,lhe contei coisas que nunca contei a ninguém e depois de chupões e beijos eu a joguei na sarjeta como se não fosse nada até ela sumir do mapa. Eu era horrível.

 

 

 

- Me desculpe,eu não sabia que as coisas estavam tão mal resolvidas entre vocês dois. – Ele disse me apertando forte contra ele. Foi só então que abri os olhos e notei  os sorvetes no teto do carro. Deus,obrigado ele os trouxe apesar  de tudo . – Quer falar sobre isso?

 

 

 

- Podemos entrar no carro? – Pedi e Gerard murmurou um ‘’claro’’ e se afastou de mim causando aquele frio de repente. Entrei no carro e ele logo fez o mesmo entregando o meu sorvete e pegando o dele. Assim que as portas foram travadas e nos aconchegamos direito no carro eu comecei. – Éramos amigos de  anos,sabe? – Disse e Gerard assentiu,sabia bem que ele estaria ali para escutar e sorvetes eram bons para um conversa tão tensa. – Eu e ela compartilhávamos coisas e sentimentos muito profundos.

 

 

- Como beijos....sexo? – Gerard supôs e eu apenas estreitei os olhos e neguei rapidamente pela segunda menção. – Okay,acho melhor você só continuar,vou escutar tudo calado.

 

 

- Certo,continuando...Eu e Jamia nos conhecemos em uma festa e viramos amigos bem rápido,por meses ela só demonstrou amizade e eu percebi que tínhamos muito em comum e ela já tinha esse jeito meio esquisito perto de mim,eu achei que era porque eu sou homem e só isso. Até ela me beijar. –  Disse bem rápido mas Gerard parecia compreender,ele parecia prestar bastante atenção em tudo. – Eu não vou mentir,foi o meu primeiro beijo e eu me assustei com as línguas e tudo mais mas ela me mostrou e eu fiz isso de novo,e quando percebi já tinha feito várias vezes. – Gerard continuava com aquele olhar um tanto triste por me ver falar sobre garotas e beijá-las,talvez ele estivesse solteiro há tanto tempo  que só de ouvir falar sobre namoro o deixava carente,afastei o pensamento idiota e continuei. – Foi bom por alguns meses mas ela queria...huh,eu não queria expor ela assim,mas sabe,ela queria outras coisas que eu não queria. – Disse e Gerard parou até seu sorvete para que eu continuasse. – Então terminamos e o resto você já deve imaginar,tentamos ser amigos mas ela sempre chegava perto e eu não consegui lidar com aquilo,então me afastei totalmente dela sem sequer explicá-la porque. – Peguei o sorvete e o virei todo na boca nervoso sobre o que Gerard diria mas aliviado por finalmente ter tirado aquele peso dos meus ombros e ter contado a alguém que não fosse apenas o meu espelho. – Eu sei,sou um monstro.

 

 

- Não acho que seja um monstro. – Gerard disse terminando seu sorvete e colocando o copinho plástico dentro do meu,pondo-os sobre o DashBoard. Se virou para mim e sorriu quando notou algo, levando o dedo indicador até o canto dos meus lábios e levando até a sua própria boca lentamente lambendo,Gerard havia limpado a minha boca com a porra do dedo e depois enfiado na boca como se fosse algo normal do dia a dia. – Você estava no seu direito.

 

 

- De magoá-la? – Disse suspirando e me entregando a agonia que era pensar na dor que eu mesmo havia causado a alguém. – Eu sei que no meio em que você foi criado suas maiores lições de vida foram sobre ser superior aos outros sob qualquer circunstancia ou se importar apenas consigo mesmo mas na minha casa não foi assim. Se minha mãe soubesse disso ela ficaria desapontada comigo.

 

 

 

- Você e um adulto,ok! Sua mãe não precisa saber de tudo o que você faz. – Gerard disse com o olhar firme no meu e eu não consegui desviar o olhar quando aquelas orbes brilhantes captaram as minhas. – E não,eu não fui criado por ninguém dizendo essas coisas pra mim,meus pais foram tão ausentes e irresponsáveis que nem isso eles me ensinaram,o que eu dou graças a Deus,meus princípios foram formados por mim mesmo e pelas empregadas da mansão Way que hoje nem vivas estão. Meu irmão mais novo que eu tive que educar praticamente sozinho. E os professores particulares  que me ensinaram mais do que minha mãe sequer me ensinou quando estava em casa,além do ‘’Gerard,você não tem educação? Não vê que estou conversando com a Dove’’ ou meu pai com o clássico ‘’Estou ocupado’’. – Uma risada amarga foi tudo o que eu ouvi de Gerard depois de sua confissão e me senti dez vezes pior por dizer tantas besteiras,Gerard podia ter nascido em um berço de ouro mas sua vida não foi de ouro nem de longe. – Não quero que fique acuado por causa disso,eu já superei há muito tempo e Mikey também...meu pai até me deu esse carro e minha mãe aparece as vezes,ela tem me tratado melhor apesar de ser uma desgraçada. Eu ainda quero distancia dela e você viu como foi da ultima vez que nos vimos,eu só não me dou bem com essas pessoas e estou bem com isso. – Não consegui dizer nada de primeira,porra...Gerard havia passado por poucas e boas com sua família e no final estava tudo bem,desajeitado e cheio de conflitos mas bem.  Me consertei na cadeira e deitei a cabeça no encosto,virado totalmente para ele. Pronto para falar.

 

 

-  Isso me lembrou a situação com o meu pai,pois estávamos nesse mesmo patamar,a diferença e que eu tive uma infância incrível,uma adolescência conturbada e um vida adulta distante. A adolescência e a pior parte da vida e a melhor ao mesmo tempo,você quer morrer e viver para ver o que acontece amanha,e uma inconstância de sentimentos confusos e foi isso que me afastou dele. Começando por não dizer como me sentia e agir por impulso,criando brigas desnecessárias. Nunca pedi desculpas por nada,apenas deixei pra lá e acumulei com o resto de coisas que iam acontecendo. – Suspirei resignado e Gerard pareceu compreender,ele apenas assentiu  esperando que eu terminasse. – Depois ele se tornou esse homem rabugento e que vivia me fazendo sentir desconfortável e eu me senti aliviado quando entrei para a faculdade e vivi longe dele por quatro anos. E olha aonde eu estou agora,prestes a morar com ele de novo. Acho que agora as coisas vão ficar melhores,não tenho mais dezoito anos,não tenho mais toda aquela rebeldia jovem,só quero um lugar para  ficar até arrumar dinheiro para uma casa.

 

 

- Você vê? Todos tem uma vida complicada,eu aposto que a Jamia também tem e você não e o maior causador de tudo. – Ele disse chamando a minha atenção quando tomou minhas mãos nas suas. – Se achar que deve pedir desculpas para ela,não atrase isso porque vai se arrepender depois,peça logo. Tem o numero dela,não tem? – Assenti e Gerard acariciou minha mão com o dedão e o indicador. – Então quando estiver sozinho,ligue e marque uma conversa com a sua amiga.

 

 

 

- Obrigado. – Disse agradecido,Gerard realmente havia me ajudado e de repente me senti muito atraído por ele. Tudo o que ele havia me dito me fazendo pensar e pensar até me inclinar e depositar um beijo em sua boca ou um quase beijo. Apenas se encostaram por dois segundos e eu mal senti mas foi o bastante para sentir meu estomago se contorcer e minha cabeça esquentar. E quando vi os olhos de Gerard arregalados senti que ia desmaiar mas não me arrependi,arrependimento era ultima coisa que eu sentia,estava mais para nervoso e com o coração saindo pela boca. – Me desculpe.

 

 

- Bem,- Gerard sorriu e continuou. – Isso não foi um beijo de verdade,mas eu gostei. – Ele admitiu me deixando mais vermelho e soltando minha mão,levando as suas para o volante e a outra para a ignição do carro,acionando-a.

 

 

 

- Ah,quer saber,vá se ferrar. – Cruzei os braços e fiz um bico,despertando um riso adorável em Gerard,pude perceber o quanto seus dentinhos eram pequenos e fofos,o que nele não era?

 

 

- Mas eu realmente gostei.– Gerard disse e eu fingi não me importar cruzando as pernas em cima do banco . – Foi inesperado.

 

- Então...uh porque pediu o  numero da Jamia por mim? – Perguntei hesitante apertando os dedos dos pés sem saber pelo o que esperar e ele me olhou com um sorriso e passou uma mão pelo rosto um tanto incomodado.

 

 

- Achei que ainda gostasse dela de alguma forma,se gostasse,só queria que tivesse uma chance de ser feliz. – Ele disse serio e meu coração derreteu na hora,porra...Gerard havia feito isso mesmo por mim? Ele pediria o numero de alguém só para me ver feliz e sair da situação angustiante em que eu estou?

 

 

 

Não pude deixar de sorrir como um bobo quando me virei para o lado e assisti ele dirigir pelo canto dos olhos. Era tão bonito e fascinante. Ele sempre tinha as palavras certas,as melhores soluções e eu não sabia o que fazer perto dele. Me sentia leve com ele ao meu lado,coisa que nunca senti com ninguém além de Jamia antes de toda a merda acontecer. Gerard me fazia sentir bem e me compreendia, não me sentia o adolescente mal incompreendido com ele. Ele me ouvia sem me julgar e isso e raro,sabe,quando você escuta alguém e é capaz de compreender o que essa pessoa sente.

 

 

Desde um mês atrás,Gerard foi quem mais esteve presente em minha vida. Me ajudou e continua me ajudando. Ele conversa comigo e faz o meu dia ficar melhor. Ele me ensina coisas e me dá lições,me faz viver e pensar. Como alguém podia dizer isso de uma pessoa que conhece a  um mês? Bem,eu podia. Porque Gerard é tudo isso.

 

 

- Você é diferente. Sinto como se cada palavra que você dissesse, saísse da minha boca. – Admiti  sem olhá-lo realmente mas sabia que seu olhar pesava sobre mim,de repente encolhi os ombros e temi que ele não respondesse nada então continuei. – Não quero soar clichê mas você é tipo,a solução dos meus problemas,a resposta na pergunta e essas coisas...

 

 

 

- Só quero que veja que tem um lado bom da vida,entre altos e baixos você encontra a paz. – Ele disse e eu o olhei,ele me olhava mas logo voltou ao transito. – Você e um cara especial,não quero que se torne autodestrutivo por causa do que aconteceu com você.

 

 

E não dissemos mais nada. Apenas o som das nossas respirações e da rua movimentada,das buzinas e do meu dente cerrando até minha mandíbula começar a doer. Não conseguiria responder nada a altura então decidi me calar e apenas olhar a paisagem nada chamativa afora. Gerard estava me confundindo também,outro sentimento que eu deixei escondido. Era avassalador,disso eu tinha certeza,mas não queria pensar agora,apenas respirar e descansar a mente,deixá-la parada e dormente por agora,absorvendo a vista.

 

 

[...]

 

 

Quando Gerard estacionou de frente para a casa dos meus pais e saímos do carro não pude deixar de notar quando ele tirou um maço de cigarro do bolso e acendeu com um isqueiro,jogando a fumaça para o alto em um leve balançar de cabeça,realmente sexy. E me encarou com os olhos estreitos,esperando que eu falasse algo. Não perguntaria se ele fuma,era bem obvio que sim e nem diria para ele parar,quem sou eu para falar isso? Já havia feito várias vezes,não era um vicio mas era bom,ajudava a relaxar.

 

 

Então olhei para trás e suspirei relaxando os ombros tensionados e cruzando os braços,mordiscando os lábios,vendo meu futuro eminente na casa dos meus pais e suspirando,o tipo de suspiro que diz ‘’E isso...’’. Me virei para o lado oposto, dando alguns passos em direção a Gerard que continuava a tragar seu cigarro calmamente.

 

 

- Eu,huh,obrigado por ter ido a formatura,pelo sorvete e pela carona. – Agradeci parando de frente para ele que tirou o cigarro da boca e os deixou entre o dedo indicador e médio,a fumaça crescendo e queimando o maço de cigarro enquanto ele me olhava,sua pele bem mais morena e bronzeada do que a minha  no frio de novembro. Seus cabelos negros caindo sobre sua testa, lados de seu rosto. Tão...porra.

 

 

 

- Não foi nada,hoje foi um dia bastante...produtivo. – Ele disse me olhando de cima a baixo,fazendo-me corar instantaneamente. – Qual o gosto dos meus lábios?

 

- O que? – Fui á lua e voltei com essa pergunta sem realmente entender o que ele queria que eu respondesse.

 

 

- Bem,seus lábios são macios,não foi muito proveitoso já que você não me deu nem três segundos e eu mal senti. – Ele sorriu para o meu desespero e voltou a falar. – Então,os seus são macios,como são os meus?

 

 

 

- Uh,eles são...viscosos. – Disse sem realmente pensar e ao que vi seu olhar baixar e um sorriso de ‘’Esse garoto e estranho’’ surgir em seus lábios tratei de explicar. – Mas eu sei que é porque estava tomando sorvete.

 

 

- Entendi. – Gerard jogou o cigarro no chão e pisou,abrindo a porta do carro e me olhando mais uma vez. – Te vejo qualquer dia desses.

 

 

- Espera, - Chamei e ele parou,prestes a entrar em seu converse vermelho. – Vai poder vir amanha?

 

 

- Oh,não. Eu farei uma viagem de sete dias a trabalho,sabe,coisas de quadrinhos e publicidade. – Assenti um tanto triste e então ele pos a mão no bolso parecendo procurar algo ali até achar e arremessar em minha direção,por pouco a caixinha colorida não escapa dos meus dedos. – São chicletes de tuti-fruti,se você se sentir sufocado dentro de casa,basta tirar um e mascar,ajuda com ansiedade também.

 

 

- Obrigado,Gerard. – Disse agradecido e ele me lançou uma piscadela antes de entrar em seu carro blindado e ir embora.

 

Ir embora por sete dias,sete longos dias...Parece pouco quanto você pensa nos números,mas quando você entra dentro deles  e experimenta os segundos,minutos e horas você entende como pode ser o verdadeiro inferno. O infinito.

 

 

E com um suspiro conformado eu caminhei em direção a porta,onde minha mãe me esperava com um grande sorriso e braços abertos e meu pai logo atrás com um copo de cerveja,olheiras  e uma carranca.

 


Notas Finais


ENTÃO.
EU DISSE QUE MEU DEMORAR NÃO ERA DEMORAR TIPO 2 SEMANAS,EU NÃO SOU ASSIM.
QUATRO MIL E TANTAS PALAVRAS,ok não e tanto.
ANYWAY
NÃO CONSIDEREM AQUILO COM UM BEIJO BEIJÃO,foi só tipo...a boca dele encostou da do gerard por menos de 3 segundos.
THAT´S NOT A KISS
ANYWAY
espero que tenham gostado e sim Jamia vai fazer parte SIM. Se vai ser pra causar drama,discórdia aí vcs só vão saber depois hahaha
Ah, eu meio que postei uma fic então sei lá...se quiserem ver;
https://spiritfanfics.com/historia/the-journey-not-the-destination-9981008


PLAYLIST; https://open.spotify.com/user/sadthingstuff/playlist/3nmvXvhI4t0uPhcVpkyBAP


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...