História Rules (Yoonseok) - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Army, Bts, Jikook, Namjin, Spring Day, Sugamon, Vmin, Yoonjin, Yoonmin, Yoonseok
Visualizações 41
Palavras 4.600
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá #BoaLeitura 💛

Capítulo 3 - Regra3


Fanfic / Fanfiction Rules (Yoonseok) - Capítulo 3 - Regra3

Chegamos no dormitório na hora do jantar, o cheiro do tempero suave de Seokjin adentrou minhas narinas assim que passei pela porta. Carneiro. Hoseok foi direto para o banho e Jimin me parou antes que eu pudesse me sentar no sofá. Ele foi me empurrando corredor a dentro, até chegar no quarto que dividia com Jungkook e Jin - que ocupou a cama de Hobi depois da nossa troca de roomates. 

Deitados na cama, com os olhos fixos no celular, estavam Kookie e Taehyung, disputando em algum jogo idiota. Eles pararam assim que me viram ser jogado na cadeira de escritório de Jimin - por ele mesmo.



- Vai, hyung, comece a falar. - Jimin senta sobre escrivaninha.



- Ele está bem? - V chega mais perto, soltando o celular de Jungkook de qualquer jeito sobre a cama.



-Ei! - Kookie reclama. 



- Ele já está pronto para o jantar, hyung? - Tae o ignora. - Hobi-hyung esteve bem durante o dia?



- Hm, e vocês conseguiram algum resultado na tal pesquisa? - Kookie pergunta divertido, também querendo participar dessa chuva de perguntas.



Reviro os olhos e passo as mãos em meu rosto, subindo até meus cabelos, eles são tão irritantes que nem se dão conta de que eu estou suado e faminto. Eu adoraria ouvir um "Está cansado, hyung?" ou um "Precisa de algo, Suga-hyung?", assim seria bem melhor.

Mas não adiantaria reclamar, meu destino era ser importunado pelos meus dongsaegs, eu acabaria respondendo um hora ou outra, não é mesmo? 



- Eu vou bem, obrigado. - Sorrio irônico. - Oh, não Jimin-ah, eu estou ótimo, não preciso descansar. - Finjo simpatia, mesmo que Taehyung não tenha gostado dessa atitude.



Ele cruzou os braços e passou a língua nos destes, no mesmo instante que apoiava o ombro no guarda-roupa. Ah, sim, esse Taehyung a mídia e os Armys não conheciam, uma versão exclusiva de V, um Taehyung bravo e protetor.



- Olha, eu sei que vocês estão nervosos, mas eu preciso de um banho. - Tento me levantar da cadeira, mas Minnie me impede ao colocar seu pé descalço em meus ombros. 


- Hyung, nós só estamos preocupados - Jimin tinha a voz suave e baixa. - nossa carreira está em jogo, eu não quero voltar para a luta de trainee. 


- E outra, capaz de Hobi-hyung nunca mais voltar a subir no palco, você sabe que isso é possivel e também sabe que nós...



- Eu sei! - Levanto-me, empurrando a perna de Jimin com um pouco mais de força que eu planejara. - Eu sei disso tudo, mas não hajam como se a culpa fosse minha, Hoseok não é uma criança!



- Essa culpa parece mais sua do que dele, pois você está aí, com essa pose de durão, sozinho, emburrado, odiando o mundo. - V desarma e fixa os olhos nos meus. - Estamos sob pressão, hyung, não podemos fracassar.



- Você acha que eu não sei? - Digo baixo dessa vez.



- Acho. - V força um sorriso, mas ele era pura tristeza. - Três anos, três anos para Hoseok jogar todo seu esforço no lixo, três anos para eu voltar para casa com absolutamente nada, três anos para Jimin voltar a ser trainee, três anos para Jin ouvir de seu pai que ele nunca foi bom o suficiente. Três anos, hyung, estamos nessa à três anos. - Respirou fundo e vi que uma lágrima lhe escorreu. - Eu tô apavorado. - Murmura.



Tae veio para meus braços, assustado, e apertou-se contra mim o quanto pôde. Isso não me ajudou em nada, só me fez lembrar do quão péssimo estou me sentindo, ele era apenas uma criança e não merecia passar por isso. Aos poucos, ele foi me soltando, até estarmos cara a cara, Jimin mantinha a cabeça baixa - parecendo refletir - e nosso pequeno Kookie fixava o olhar no nada, sem deixar vestígio do que se passava em sua mente.


- Desculpa, tá legal? - Suspiro. - Eu me mantenho longe para não assustar vocês, além de que eu tenho que me concentrar na recuperação do Hoseok-ah, eu me comprometi a ajudá-lo. - Minha voz sai muito baixa. - Eu também vou perder tudo TaeTae, não estamos em situações diferentes.


Jimin vai até Jungkook e se posiciona de frente para ele, de forma que suas costas encostasse no peito do maknae, forçando um abraço por trás. Somente daquela maneira Kookie voltou a realidade. 


- Vamos, eu preciso de um banho e o cheiro que vem da cozinha está me matando. - Bufo. - Limpa esse rosto, alien, teremos carne de carneiro hoje. 


V mostra seu sorriso geométrico e assente, saio do quarto e vou direto para o meu, ignorando os olhares curiosos de Jin e Hoseok na sala de estar. 

Eu precisava ter meu momento, descansar minhas vistas que trabalharam duro hoje, vestir meu short largo e minha meia surrada, eu precisava descansar. 

Fiquei longos minutos na ducha nova, depois que o chuveiro velho foi substituído eu não quis mais outra vida, deixei que a água fria molhasse meus cabelos e não me importei de ter aquela cabeleira preta grudada em minha testa. 

Já devidamente pronto, volto para sala de estar, agora com Jimin e Jungkook namorando na janela, V e Hope assistindo televisão no sofá e Jin concentrado em seu celular. 

Casa cheia, mas vazia ao mesmo tempo, não era a mesma coisa com um faltando. Vou até meu hyung, devagar, e, por alguns instantes, eu apenas o observo. Pelo modo que seus olhos se moviam, ele estava lendo e, provavelmente, era algum drama. Sorrio ao imaginar a cena melosa e clichê que talvez estivesse acontecendo naquele texto. 



- Hyung. - Sussurro. 



- Hm. - Jin não me olha. 



- Namjoon mandou mensagem? - Vejo seu peito subir e descer lentamente.



- Ele já está até no banho, chegou tem vinte quinze minutos. - Olhou para mim. - Como você está, hm?



Ah, sim, era isso que eu queria ouvir, só Seokjin-hyung para se preocupar com meu bem estar. Sorrio sem mostrar os dentes e dou de ombros, eu não queria entregar logo de cara que eu estava péssimo.



- Que sorriso estranho, talvez minha carne possa fazer você melhorar. - Sorriu. - Como foi a pesquisa? Essa foi a primeira pergunta que Namjoon fez quando chegou.



- Achei uma boa base e Hope-ah já até escreveu algo. - O sorriso de Jin dobrou de tamanho.



- Viu só? Quando eu falo que vamos ficar bem, eu não minto. - Seu um leve tapa em meu braço. - We are bulletproof!



Descontraímos com sua péssima pronúncia em inglês e, por alguns minutos, meu hyung consegui me fazer esquecer os problemas. Tudo bem que em um momento ou outro eu olhava para Hoseok, que sorria o tempo inteiro ao lado Taehyung, mas nada tão ruim. Questiono o porquê dele não ser assim quando está sozinho, ou quando está comigo, isso me incômoda de alguma forma.

Jin pediu minha ajuda para colocar a mesa, estranhei, pois costumávamos a comer cada um em seu canto, mas não havia motivos para contrariar. Ele falava sobre as fofocas que rondavam a Big Hit, sobre nossas indicações a premiações e tudo isso sem interromper seu trabalho ágil. Falemos a verdade, ele estava colocando a mesa sozinho, eu só modificava um talher de lugar, vez ou outra.



- Aí justo naquele dia em que eu decidi ficar até um pouco mais tarde para praticar, o segurança do terceiro andar interditou a passagem para manutenção. - Ele continuava sua história, ao mesmo tempo em que trazia a jarra de suco. - Mas mal ele sabia que eu sabia - Riu de sua fala. - que ele estava contando uma mentir deslavada, pois ele...



- E a faxineira do segundo andar têm um caso às escondidas. - Completou Namjoon, que entrou de repente na copa. - Todo mundo sabe disso, hyung, mas você é o único que não tira proveito ameaçando o coitado do segurança. 



Ele vestia um pijama ridículo, que me fez sorrir como um idiota, não por paixão, mas por vergonha alheia, ou melhor, por admiração. Namjoon tinha uma alma enorme e boa, que exalava seu tamanho e criatividade através de suas roupas. Tinham vezes que ele estava um pecado e outras em que ele estava daquele jeito, completamente ridículo.



- Mas i-isso seria constrangedor. - Jin ganhou certa cor nas bochechas e Namjoon ia abrindo o armário. - Ei, o jantar já está na mesa!



- Hm, já? - Namjoon largou o pacote de salgadinhos. - Então vamos nos sentar. 



Jin gritou pelos outros e logo todos já estavam em seus lugares. Era uma mesa retangular, o hyung ficava numa ponta e eu na outra, contando de Jin até mim, seguiam Namjoon, Hoseok e Taehyung, dou outro lado, Jimin e Jungkook, sobrando uma cadeira vazia ao meu lado.- Que em ocasiões especial era ocupada pelo manager. 




- Min, quer contar a novidade de hoje? - Jin inicia uma conversa.



- Pode ser depois, hyung? Agora eu queria muito ouvir o que aconteceu na reunião. - Olho para Namjoon e peço com o olhar. 



- Tudo bem. - Eles falam juntos.



- Tudo bem. - Namjoon repete com a voz rouca. - O que tenho a dizer é que teremos muito trabalho pela frente, eles forçarão o comeback com ou sem o Hoseokie.



Todos largaram a comida no prato e abriram a boca, aquela notícia deveria ser boa, mas ela era traiçoeira, seguir sem Hoseok significaria descartá-lo. Jimin e Taehyung falavam um por cima do outro, eles imploravam a Namjoon para que ele não deixasse isso acontecer, enquanto Hobi mantinha a cabeça baixa e lágrimas frenéticas caiam sobre suas bochechas. 



- Hyung, nós somos sete, somos o Bangtan, isso não funciona sem ele...


- Acalmem-se. - Namjoon aumenta o tom de voz. - Não será o nosso fim.



Silêncio. Hobi levanta um pouco a cabeça para prestar bastante atenção em Namjoon, ele parecia procurar vestígios de incertezas ou inverdades, mas manteve o olhar firme. Ele estava sendo forte. Já Jin-hyung estava, claramente, nervoso, pois sua respiração era o único som do ambiente.



- Não temos previsão de melhora para Hope, nem um quadro evolutivo de sua situação. - Monster limpa a garganta. - Bom, pelo menos até a sua consulta da semana que vem, então propus a empresa que nos deixasse a continuar produzir o vocal e toda a estética dessa nova era que estamos planejando. 


- E a rapline? - Questiono.


- Podemos registrar nossas linhas e montar a harmonia dos mixtapes, deixaremos Hoseok gravar por último. - Namjoon suspira profundamente. - Eu sei que isso não é muito e que não trás segurança para nós, mas é o que temos. 


- O que o setor administrativo disse? - Jin-hyung fala calmamente, esse era o seu poder, ficar calmo.


- Seguindo dessa maneira nós não seremos prejudiciais à Big Hit, temos carta branca. - Todos suspiram aliviados. - Não precisa se apavorar Hope. - Hoseok assente para Namjoon.





[...]





Já passava das duas da manhã e eu ainda não havia pregado os olhos, mesmo tendo prática em menos de cinco horas. A noite estava abafada e meu quarto parecia insuportável, nem mesmo a janela aberta me trazia conforto. Saí em silêncio, temendo acordar Hoseok, e fui direto para a pequena sacada do nosso apartamentos, nossa rua era pouco movimentada, mas a lua estava enorme e iluminava cada esquina.

Apoiei meus cotovelos no concreto e minha cabeça em meus braços, as falas de Taehyung vinham em minha mente como flashes e o olhar de Hoseok parecia ter sido tatuado em meu cérebro. Estava decidido, daria meu sangue e meu suor nesse comeback. Minhas lágrimas também queriam participar, mas não deixei que elas escorressem, esse era um conceito passado. 

Senti uma não afagar minhas gostas e soube no mesmo instante quem era, talvez o conforto vinha pela posição em que eu me encontrava, eu parecia estar em prantos, mas eu não estava. Ergui meu corpo devagar e mirei meu olhar no fim da rua, morávamos em uma avenida, então parecia até que não havia um fim. Curioso, não? Talvez eu devesse anotar essa observação.


- Você ainda não está convencido, não é? - Namjoon para ao meu lado, mas com o corpo de frente para o meu. - Não vamos desmoronar.


- Acha que eles podem descartá-lo? - Essa era a minha maior preocupação.


- Eu não vou deixar. - Sua voz saiu firme e determinada, mesmo em baixo tom. - Eu sou o líder, não sou? É minha função proteger o Bangtan.


- Certo. - Namjoon puxa meu corpo para um abraço. - Ele escreveu algo sobre Omelas, eu gostei muito.


- Aposto que sim, quero ver isso depois. - Afastou-se de mim. - Amanhã vamos terminar a segunda música do vocal, quero que Hobi interaja a todo momento na produção, o manager precisa ver que ele não é carta fora do baralho. 


- Ele disse isso? - Diga com meus dentes trincados, Namjoon suspira e faz silêncio. - E-Eu não acredito, nosso manager disse mesmo isso?


- Yoongi...


- Mas que merda! - Minha voz sai baixa e rasgada por causa da raiva.


- Você sabe muito bem o que somos naquela empresa, é assim que eles nos enxergam e isso não vai mudar do dia para noite, é assim em quase todas as produtoras. - Namjoon segura meus ombros, fazendo-me perceber que eu andava de um lado para o outro. - Mas não podemos nos deixar abalar por isso, hyung, pelo contrário, temos que usar esse jogo sujo ao nosso favor.


- Mas Namjoon...


- É um comeback bom que eles querem? Então demos o melhor a eles, um que eles nunca viram, ouviram ou pensaram. - Encosto apenas minha testa no pentoril de Namjoon, pois suas mãos ainda seguravam meus ombros e mantinham meu copo longe. - Não podemos fraquejar, Yoongi, eu não vou deixar você voltar para o zero e você não vai deixar Hoseok desistir.


- Não vou... - Sussurro.


Namjoon tinha essa magia dentro dele, não te deixava desistir quando você atingia seu limite, porque no mundo dele não há limites. Rap Monster é infinito. Aposto que não existe um líder como ele em qualquer outro grupo, só de imaginar que tenho suas palavras como conforto, sinto-me privilegiado. 

Olho para cima devagar, com suas mãos ainda me segurando, ele me encarava com uma expressão severa, mas ao mesmo tempo amável, era quase o olhar de um pai. Aquele olhar que me fazia prometer me manter forte, sem precisar de nenhuma palavra a mais, entendendo a mensagem, assenti lentamente.

Houve um som de cadeira arrastando e um grunhido, olhamos simultaneamente para dentro do apartamento e vimos Hoseok completamente sem jeito. Ele tentava manter uma expressão calma, ao mesmo tempo que massageava o dedo mindinho que havia batido na cadeira, se equilibrando de um pé só e completamente envergonhado.


- Hope, você tá legal? - Namjoon me solta na mesma hora.


Percebo que nossa proximidade era muita para dois amigos, o que nós éramos de fato, mas nós não tínhamos restrições de toques e confições para um com o outro depois do período íntimo que tivemos.


- Precisa de alguma coisa? - Namjoon chega mais perto dele.


Chegava a ser cômico, Hope negava o tempo inteiro com a cabeça, agitava as mãos e tinha o olhos arregalados. Com certeza ele havia interpretado coisas de um outra maneira e agora estava tirando suas próprias conclusões, mas agora isso não era tão importante, pois estava ficando cada vez mais tarde e ele e Namjoon pareciam brincar de mímica, pois nosso líder não entendia nada do que ele queria dizer. 



- Chega, gente. - Resmundo, indo para perto dos dois. - Namjoonie, ele só quer voltar para dentro e dormi, Hope não está precisando de nada. - Riu baixo da expressão surpresa de Namjoon. - Sim, eu consigo entendê-lo bem. - Pego a mais de Hoseok. - Boa noite, Monster.


- Boa noite, até daqui a pouco. - Acena indo em direção ao quarto que dividia com V e Hoseok repete o movimento.




[...]





- Ok, ok, ok,ok... - Interrompo a gravação pela primeira vez. 



Jungkook tira os fones de ouvido e me encara través do vidro, aquela criança só vivia na defensiva desde o acidente de Hoseok. O pavor de ter cometido um erro era explícito em seus olhos, tanto que transpassava para Jin que estava sentado ao meu lado. Hoje estava sendo diferente, nos gravávamos individualmente, normalmente, mas hoje a sala estava quase apertada, Hoseok e toda vocal line estavam presentes.



- Fiz algo errado? - Kookie abre a porta da cúpula de maneira receosa.



- Não, não, você foi demais - Ele sorri aliviado. - mas tenho a impressão que está faltando algo na segundo verso.



Hoseok levanta da cadeira e começa a andar em círculos, concentrado e com a mão direita no queixo, fato que entregava que ele concordava comigo. Até que ele parou e olhou para Jimin, abrindo um sorriso enorme e apontando freneticamente. 



- O que foi? - Pergunto.



Ele corre até seu celular e digita rapidamente, mostrando para nós em seguida. Era seu bloco de notas e nele estava escrito apenas uma palavra: "Why?"



- 'Por quê' o quê? - Cruzo os braços e ele revira os olhos. - O que foi? Só estou perguntando.



Ele volta a digitar com seus dedos ligeiros e dessa vez era uma frase, na verdade, era o dito verso da canção: "So bad (Why) urin, yeah". Jimin logo entendeu e sorriu, foi até Hoseok e o abraçou com força, grato pela ideia que eu ainda não havia entendido. 



- Hobi-hyung quer colocar uma extensão minha na linha de Jungkook. - Ah, sim, era isso. - Acho que algumas oitavas acima taparão os buracos na canção.


Hoseok estalou o dedo e sorriu com satisfação para Jimin, como se o baixinho houvesse lido sua mente em voz alta. Bom, a ideia era muito boa, mas antes de gravar nós precisaríamos ter certeza. Minnie deu uma palinha e testou qual nota se encaixaria melhor, até que encontramos uma harmonia decente, o que não foi difícil. Porém ao arrumar um verso, outros também precisariam de reparo.



- Certo, a linha do Tae também ficará deficiente, então podemos repetir essa mesma extensão. - Digo e ganho um sorriso de Hoseok, que vai até Jimin e levanta seu braço direito. - Sim, sim, Jimin continua a fazer a extensão, mas Kookie pode dar um apoio ao vivo.


Hoseok pega o celular e mostra uma palavra que ele havia digitado antes mesmo de eu perceber: "Hard" 


- Hm, entendi. - Tae levanta do sofá. - Então ao invés de "So hard an dwae" - Falou rapidamente. - faremos "So hard (hard) an dwae". - Dessa vez ele cantarolou e subiu um tom ao repetir a palavra.



Hope piscou para ele, que pareceu satisfeito por isso, e olhou para Jin-hyung. Este que olhava para tudo bem atentamente, esperando sua vez, ele era sistemático na hora de gravar, gostava de fazer tudo com perfeição. Só que Hope apenas fez um coração com o polegar e o indicador e, logo depois, movimentos leves com as mãos, como se estivesse tentando empurrar o ar para baixo. Eu sabia o que ele queria dizer, pois sempre planejava isso quando escrevia o vocal do hyung.



- Eu já sei. - Sorrio bobo e olho para Jin. - Estamos correndo muito com suas linhas, então vamos ter que desacelera. - Virei totalmente minha cadeira ele. - Quero que você cante com toda emoção que tiver, hyung, só que em um tom mais baixo e com a respiração mais lenta. 


- Mas meus suspiros não irão escapar no filtro do microfone? - Jin parecia feliz, mas confuso.


Hobi dá um pulo e aponta para ele, como se a resposta fosse óbvia, essa foi minha certeza que de nós estávamos pensando juntos. Como alguém teria coragem em pensar em descartá-lo? Jung Hoseok, o cara que nem precisava falar para produzir e dirigir a gravação de uma canção. 



- Exatamente, hyung, seus suspiros escaparão e nós vamos precisar deles bem afinados. - Pisquei e ele sorriu.



- Tá, então como vamos organizar isso? - Kookie se pronuncia.



- Hm, agora que já resolvemos isso, você pode voltar para cúpula e gravar normalmente. - Ajeito minha cadeira. - Assim que todos gravarem individualmente nós podemos gravar as extensões e refazer as linhas do hyung.



- Como sempre. - Jin murmura.


Hoseok bufa e vai até Jin para apenas empurrar seus ombros, essa era sua maneira de repreender seu hyung por ser tão pessimista e duro consigo mesmo. Nosso maknae voltou para a cúpula, colocou os fones e iniciou a gravação depois de minha ordem. 

O dia continuou nesse ritmo, primeiro Jungkook, depois Taehyung, Jimin e, por fim, Jin. Já havia passado do horário comercial de almoço, mas não ainda estávamos lá, o hyung tinha acabado de colocar os fones, não podíamos pedir para que ele parasse. Então sua voz ecoou. "No way, no way, no way sseureojyeo"

Hope olhou para mim e arqueou uma sombracelha, como se eu fosse seu cúmplice em um crime, mas eu sabia que aquilo tudo era orgulho. Algumas pessoas nunca saberão o que é ouvir uma canção que você mesmo produziu, mas isso não importa, pois eu sei e tenho surtos de metidez toda vez que ouço uma música produzida por mim.

A última canção que Seokjin gravou comigo nesse estúdio já estava pronta no desktop desse computador e na rede da empresa, assim que ele terminar o trabalho de hoje, eu ainda terei o trabho de finalizar e aperfeiçoar para, então, enviar para o manager. Sim, eu vou enviar para mostrar a ele que ninguém é descartável no Bangtan. Irei mandar como Hoseok sendo o produtor. 

Dessa vez Jin não cometeu erros, nenhum sequer, mas ainda assim mantivemos a política de gravar mais de uma vez. Assim que ele terminou, e que eu permiti, ele saiu da cúpula.



- Ei, Jin-hyung, bom trabalho. - Levanto-me para espreguiçar meu corpo. - Ficou ótimo.


- Obrigado, meninos, estou indo, acho que vou desmaiar de fome. - Jin-hyung brinca. - Sabe, eu até convidaria vocês para comer, mas estarei na sala de instrumentos do terceiro andar como sempre.



- Tudo bem, eu e Hope vamos come o carneiro de ontem na pequena copa do térreo. - Sorrio e Hope me acompanha. - Nos vemos às sete da noite?


- Pode ser sete e meia? Eu terei que praticar na sala branca hoje. - Hyung faz uma careta e Hoseok me dá um peteleco.



- O quê? - Ele me ignora com o olhar fixo no celular.


"Namjoon está escalado para praticar na sala branca hoje."


- Sério isso? - Jin coloca a bolsa no ombro. - Arg, eu detesto praticar com companhia naquela sala. 


- Não será tão ruim. - Sorrio para confirtá-lo. - Tudo bem que, talvez, ele possa quebrar algo na sala e colocar a culpa em você...


- Não tem móveis naquela sala. - Jin ri meio confuso.


- Não subestime nosso líder. - Rimos, menos Hoseok que parecia ainda assimilar a frase.


- Até a noite. - Jin sopra um beijo e sai.



Olho para Hoseok e vejo seu olhar fixo no nada, indicando que ele estava pensativo demais. Ele estava meio sentado na mesa de mixagem, com os tornozelos cruzados, assim como os braços, porém a mão direita elevada para coçar o queixo.



- É, sobramos. - Dou de ombros. - Quer almoçar agora? - Ele nega. - Então vamos terminar essa canção de uma vez. - Ele nega, novamente, só que dessa vez de maneira frenética. - Não?



Hobi coloca as mãos no bolso e de lá tira um papel amassado, desdobrando-o em seguida e dando para mim. Ah, sim, eu havia gravado as palavras escritas, eram os versos que ele havia escrito na biblioteca, estranhamente, eu havia gostado muito daqueles versos. Muito mesmo.



- Tem algo em mente? - Seu sorriso rasga o rosto.



Sinto seus braços longos me empurrarem se fininhos, ignorando minhas expressões confusas, até que meu corpo foi pressionado na porta da cúpula de vidro e eu fiquei cara a cara com Hoseok. Ele ficava bonito olhando de perto. Suas mãos ágeis giraram a maçaneta, de modo que senti seus dedos em minha cintura, em instantes a porta se abriu e meu corpo foi arremessado para dentro da cúpula.

Tentei sair, mas foi em vão, a porta estava trancada. Mas há tranças em salas como essas? Na Big Hit, sim, ou você treina por bem, ou por mal. Suspirei e sorri, pois mesmo de supetão, Hoseok estava começando a reagir depois do acidente. Olho para ele em frente a mesa de mixagem e sinto meu celular vibrar, era uma mensagem dele.


"Quando quiser começar é do dizer." 


- Eu vou começar o quê? - Abano as mãos e vejo que ele rua do outro lado.



"Meus versos, cante-os como quiser... <3"



- Tá, tudo bem, eu posso fazer isso. - Resmungo, do outro lado Hoseok tentava segurar o sorriso de satisfação. - Beleza, tô pronto.



Não é como se eu tivesse nascido preparado, ou algo do tipo, a verdade é que aqueles versos não saíam de minha mente e, por isso, eu já tinha uma harmonia em mento. Coloco os fones de ouvido e vejo Hoseok contar até três com os dedos, como sempre fazíamos nas gravações, quando chegou no três, eu já não ouvia os sons externos da sala de mixagem.




"niga byeonhan geonji
(niga byeonhan geonji)
animyeon naega byeonhan geonji
(naega byeonhan geonji)
i sungan heureuneun shiganjocha miwo
uriga byeonhan geoji mwo
moduga geureon geoji mwo"




Vejo que Hobi balançava a cabeça enquanto eu cantava, mas isso acontecia ao mesmo tempo em que ele tirava sobretudo bege e colocava o boné preto, revelando estar vestindo uma blusa de malha bege e bem justa em seu corpo. - Realmente, por que raios ele havia feito aquilo? A sala estava quente? - Ele parou de repente e me encarou confuso através dos óculos de grau, deixando essa ser á única parte visível de seu rosto enquanto colocava a máscara preta sobre o nariz e lábios para se proteger do ar condicionado,
Hobi deu de ombros e levantou as mãos, questionando sem palavras se havia algum problema, foi aí que eu percebi que eu havia parado de cantar para observá-lo. Como eu não havia percebido? Ok, isso foi constrangedor.


"Algo errado?" 



Olhei para aquela mensagem durante longos segundos e me fiz a mesma pergunta. Havia algo errado? Não achei respostas em minha mente, olhei para Hoseok, que agora estava com o rosto quase grudado no vidro e com olhos grudados em mim. Ele estava me analisando e também esperava por uma resposta, o que é uma audácia, pois eu sou o único que pode fazer isso com os outros. Respiro fundo e chego perto do microfone.


- Ok, Hoseok-ah, vamos almoçar, acho que estou tendo vertigens de fome. - Ele assente, freneticamente, deixando a entender que minha desculpa o tinha deixado preocupado.


Ótimo, agora Hoseok não vai sair da minha cola só por eu ter falado isso. Ninguém conhece o senso protetor de Hoseok, chega a ser invasivo, lembro de uma vez que Jimin teve um desmaio por um distúrbio alimentar. Jin-hyung teve que levar Hoseok para longe para que ele pudesse dar espaço e privacidade ao Minnie. Parece que eu não sou muito esperto, eu poderia ter dado uma outra desculpa.







Regra3: Ser honesto com os membros.


Notas Finais


#fighting 💙💙


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...