História RUN - entre o bem e o mal - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Got7
Personagens BamBam, Jackson, JB, J-hope, Jimin, Jin, JR, Jungkook, Mark, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V, Youngjae, Yugyeom
Exibições 11
Palavras 957
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Sobrenatural, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oii! Tudo bem?

Desculpa mesmo se eu demorei a postar, é q eu estava sem idéias pra escrever! Mas espero gostem desse capítulo

Capítulo 7 - Você não vai fazer mais nada?


Fanfic / Fanfiction RUN - entre o bem e o mal - Capítulo 7 - Você não vai fazer mais nada?

Continuo andando até a porta da cozinha, até que ouço um barulho muito mais alto que os outros, me assusto e corro até meu quarto, ligando para Jungkook.

               ∆CHAMADA ON∆

   - Alô? - pergunta Jungkook.

   - Jungkook, aonde você está?

   - Eu tô em casa ué! Por que?

   - Er... por nada! Tenha uma boa noite!

                 ∆CHAMADA OFF∆

      Ai meu GDeus! Alguém está dentro da minha casa e eu não sei quem é!

     Depois de desligar o celular, fui até meu armário, abri uma portinha "secreta" que tinha lá e peguei uma espingarda que era do meu avô e desci as escadas.

       Quando cheguei na sala em direção à cozinha, eu já não ouvia mais nada, acho que eles já tinham ido em bora.

       Devagar, entrei na cozinha. Não tinha ninguém!

       Continuei andando pela cozinha olhando em volta.

         Eles realmente foram embora!

       Enquanto dou voltas pela cozinha, algo no chão me chama atenção. Era... Sangue!

       Arregalo os olhos ao ver oque havia no chão. Agora eu tinha completa certeza de que alguém havia entrado em minha casa. Por sorte, eu ainda não tinha terminado de arrumar a cozinha, então não tinham tantas coisas nela.

      Aterrorizada com a situação, chamo a polícia, e alguém me atende.

                    ∆CHAMADA ON∆

   - Central da Polícia de Seul boa noite!

   - Alô, aí meu Deus eu preciso da sua ajuda! - falo em um tom desesperado.

   - Mantenha a calma senhora, o que aconteceu?

   - Quando eu cheguei em casa hj eu ouvi uns barulhos estranhos na cozinha e me assustei, eu pensei q era meu amigo, mas ele tava em casa! - paro um pouco e respiro fundo - aí quando os barulhos pararam e eu cheguei na cozinha, não havia ninguém, a única coisa que eu vi aqui foi sangue no chão!

   - Fique calma senhora, e em alerta, fique em um lugar seguro que eu vou mandar alguns policiais para aí, me diga seu endereço por favor!

   - eu moro na rua XXXXX-XX

   - Ok, estamos indo pra aí! - faz uma pausa - mas antes me diga.... o sangue que está vendo no chão tem uma cor escura... e... anormal? - fala um pouco receoso.

   - S-sim... eu até estranhei... - falo nervosa - como sabia?

   - Foi só um palpite, não se preocupe, já estou mandando homens pra aí!

                   ∆CHAMADA OFF∆


      Quando desliguei o telefone fiquei mais um tempo observando a cozinha pra ver se não havia nada de errado, eu sei que é arriscado mas eu preciso saber oque está acontecendo. Eu mal chego aqui e já acontece isso!

        ∆ALGUNS MINUTOS DEPOIS∆

    Ouço a campainha sendo tocada, devia ser o policial. Quando abro a porta, vejo um policial, bem bonito por sinal.

   - Boa noite senhorita Sook, eu sou o policial Jackson Wang, aquele que falou com você ao celular.

   - Como sabe meu nome? E só veio você?

   - Eu sei seu nome por que conheci sua avó, Sook Mi, uma senhora muito simpática, ela falava muito de você. - sorri - e respondendo sua outra pergunta, sim eu vim sozinho!

   - Por que? - falo dando espaço para ele entrar.

   - Porque creio que oque aconteceu aqui faça parte de uma pesquisa pessoal que ando fazendo. - fala entrando em casa e eu o guio até a cozinha.

   - E que tipo de pesquisa é essa? - pergunto enquanto ele pega uma amostra do sangue que estava no chão.

   - Uma pesquisa muito delicada e perigosa. - fala olhando ao redor.

   - E você faz isso sozinho?

   - Não, não! Eu tenho alguns amigos me ajudando, mas não da agência policial! - fala pegando uma pena preta e a colocando dentro de um saco.

   - E oque vocês fazem é permitido pela lei?

   - Claro, na verdade não há nada na lei que nos obrigue o contrário do que fazemos em nosso "grupo". - fala juntando tudo oque havia pegado e colocando em sua mochila.

   - É só isso? Já terminou? - pergunto confusa.

   - Sim, era só isso! - fala indo para a sala.

   - E se acontecer de novo? E se dessa vez eles forem no meu quarto e me materem enquanto eu durmo? E se algo pior acontecer? - falo preocupada.

   - Não vai acontecer! - fala parecendo se lembrar de algo. - Ah e mais uma coisa! - fala tirando uma pequena maletinha vermelha da mochila. - feliz aniversário, sua avó iria gostar que usasse!

   - Ela que mandou me dar? - pergunto pegando a caixinha.

   - Não, mas você é jovem, e nova na cidade. - me olha - só te digo uma coisa, cuidado com quem você confia aqui, poucos querem o seu bem e sua segurança, Seul é um lugar perigoso, deve olhar bem onde pisa! - me olha sorrindo indo em direção à porta a abrindo e saindo.

     Que estranho... ele só pegou algumas provas e foi embora... que cara esquisito! Resolvi deixar pra lá e ir para meu quarto.

      Sentei em minha cama e abri a caixinha que eu tinha recebido. Dentro havia um lindo colar, ele era de prata e tinha um diamante azul-claro no meio, era lindo... como alguém como eu, pode receber algo tão precioso quanto esse cordão de alguém que acabei de conhecer? Eu devo ser a pessoa mais sortuda do mundo!

     Coloquei o cordão dentro da caixinha de novo e vi que tinham mais duas coisas. Vi lá um apito de prata todo decorado, era lindo, e vi também um anel de ouro com um... Rubi? Um Rubi! Santo GDeus é um Rubi mesmo! Eu não estava aconditando!

        Como eu estava com sono, apenas tranquei a caixinha, guardei a chave e fui dormir. Sinto que amanhã será um longo dia!

  


Notas Finais


Até o próximo capítulo! Bjs😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...