História Runaways (Taegi) - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias 2NE1, Bangtan Boys (BTS), Black Pink, EXO, Super Junior
Personagens Baekhyun, Chen, Heechul, Jennie, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Kai, Lay, Lisa, Rap Monster, Rosé, Sandara Park, Sehun, Suga, Suho, V, Xiumin
Tags 2ne1, Blackpink, Bts, Exo, Jikook, Menção Taejin, Namjin, Super Junior, Taegi
Exibições 167
Palavras 6.591
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Comédia, Ecchi, Famí­lia, Festa, Lemon, Romance e Novela, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 25 - Desesperador e Irrelevante


Fanfic / Fanfiction Runaways (Taegi) - Capítulo 25 - Desesperador e Irrelevante

  Jin esta encucado. Já são seis horas da tarde e nada de Namjoon voltar do encontro com a mãe de Taehyung. E olha que ele saiu dali depois do café da manhã.

  Mil coisas apossam os pensamentos de Kim Seokjin e a principal delas é que Namjoon não aceitou muito bem o fato que acontecerá a dois dias atrás; a história com Heechul, que devia ser segredo, mas que ele havia resolvido abrir a matraca. Jin até tenta se distrair assistindo suas séries e depois lendo mangás enquanto ouve música, mas nada tira Kim Namjoon e sua demora de seus pensamentos.

  Como paciência e curiosidade nunca combinaram com o moreno, Jin pega seu celular, o coloca no bolso e resolve ir até o apartamento de Namjoon. Ele sai de seu quarto e passa pela sala, onde Jimin assisti, o que, aparentemente, é um filme de super-heróis, com uma grande vasilha de pipoca no colo.

— O que você ta vendo? - o moreno pergunta antes de ir embora.

— Capitão América 2. Apostei com o Kai que ia detestar esse filme. Esse personagem é muito bobo.

— Um bobo interpretado pelo Chris Evans… Queria eu um bobo desses na minha cama.

  Jimin da risada, pausa o filme e se vira para encarar o amigo.

— E você? Vai aonde? — Jimin pergunta

— Na casa do Namjoon. - Jin responde dando de ombros.

— Ah…

  O ruivo fica um pouco chateado por ver Jin e Suga com as pessoas que gostam, quando ele mal pode olhar na cara do rapaz por quem ele esta apaixonado. Não chega a ser ciúmes ou inveja, mas Jimin esta achando muita sacanagem ele ser o único solteiro dos três melhores amigos. Mesmo com Jin dizendo que ainda é desimpedido e toda aquela ladainha, o ruivo sabe que Seokjin só consegue enganar a si mesmo quando diz que Namjoon é só mais um cara com quem ele esta casualmente “dando uns pegas.”

 Jin bufa ao ver a expressão no rosto de Jimin.

— Ainda evitando o Jungkookie? — Jin pergunta.

— É... - Ele responde e enfia um monte de pipoca na boca. - Agora, tchau.

  O ruivo se vira para a televisão e da play em seu filme. Jin quase ri da atitude do amigo, mas ele sabe como é querer se livrar de um assunto que parece te perseguir a todo momento.

  Kim Seokjin sai de lá e ao adentrar o corredor, ele encontra Jungkook tendo dificuldades para entrar com uma prancha de surf em seu próprio apartamento.

— Pensando em formas criativas de se matar? - Kim Seokjin pergunta rindo e só então Jeon Jungkook percebe a presença de Seokjin, o fazendo se virar rápido demais e deixando a prancha cair no chão ao bater no batente da porta.

— Não. - Ele responde e pega a prancha do chão. - Só faz sentido eu ter uma dessas já que todo mundo aqui que mora em frente a praia também tem.

— Ah, claro. Esperto. - Jin debocha.

— Vou aprender a surfar com o carinha de cabelo azul. To esperando ele conseguir folga no trabalho. E, pra falar a verdade, essa prancha é alugada.

— Eles alugam?

— Estamos em Busan. - Jungkook responde sorrindo e dando de ombros. - Mas é mentira. Eu peguei emprestada do J-hope.

— Ah, entendi. - Jin ri. - Agora vou indo porque você e sua incrível história já me atrasaram muito.

  Antes que Kim Seokjin possa apertar o botão do elevador, a voz de Jungkook ecoa pelo corredor com a seguinte pergunta:

— E o Cabeça de Fósforo? - É engraçado como ele nunca deixa de usar o apelido como se fosse um codinome para demonstrar intimidade com Jimin… Mesmo Park Jimin não sabendo disso. - Como ele tá?

  Jin esta cansado desse leva e trás. Jimin e Jungkook não estão conversando. Não que seja novidade eles estarem brigados ou sabe-se lá o que, mas Seokjin esta a par da situação por conta das fofocas de Yoongi. Eles não consideram fofocas, mas não existe outra palavra mais plausível, então…

  O negócio é que é visível o quanto os dois estão miseráveis, mas o orgulho de Jimin esta passando por cima de todas as tentativas de Jungkook de se aproximar. Depois de um tempo ele acabou desistindo, mas isso não fez nenhum dos dois mais feliz…

— Tenho cara de pombo correio? Vocês que se resolvam sozinhos.

  Finalmente, Jin, foi capaz de sair de seu condomínio e em menos de dois minutos chega ao prédio de Namjoon. Kim Seokjin acha que o elevador será devagar demais, e por isso prefere as escadas, correndo sem parar e pulando degraus até chegar ao terceiro andar. Ele para em frente a porta do apartamento 32 e aperta a campainha. Quem abre a porta é Tae, que não está com uma cara boa, mas até tenta disfarçar perante a presença de Seokjin.

— Oi. Posso entrar?

— Á vontade.

  Ele da passagem para Jin, que logo se escancara em uma das poltronas da sala, fazendo Tae reprimir uma risada. Kim Seokjin esta cansado da pequena corrida feita para chegar até ali. Seokjin odeia exercícios físicos e não esta acostumado com a pressa. Odeia correr com as coisas e odeia que o apressem. Enquanto ele recupera o fôlego, Tae fecha a porta e vai para a cozinha. Como Jin, apesar de folgado, não é mal educado, ele pergunta:

— E então… Como foi hoje?

  A indagação o pega de surpresa e Kim Taehyung arqueia as sobrancelhas. Como ele sabe de seu encontro com Suga? Ok, Tae se esqueceu que eles são melhores amigos. Pergunta idiota.

  Enquanto Tae pensa que Jin se refere ao seu encontro totalmente fracassado, Kim Seokjin esta com a outra “verdade” que fora dita à ele: Sobre Tae ser incapaz de se encontrar com a própria mãe sozinho. Mal sabe ele que aquilo fora só uma invenção de Kim Namjoon para despistá-lo.

— Péssimo. - Kim Taehyung responde e pega água na geladeira. - Quer? - Jin assente rapidamente. Esta desesperado para beber alguma coisa.

— Obrigado. - Seokjin diz quando Tae lhe entrega um copo cheio de água. - Então, o namorado estava lá? — Jin pergunta um pouco receoso. Não sabe porque esta sendo simpático (lê-se: inconveniente) e puxando assunto com o rapaz quando seu objetivo não é esse. Na verdade, ele até gosta de Tae, ele tinha sido muito legal com Jin da outra vez que conversaram e Kim Seokjin até deseja secretamente que Suga termine com Sehun para ficar com Tae. 

Tae pigarreia e Jin recebe isso como um sinal para mudar de assunto. Obviamente, a mãe ter vários namorados não é algo que o agrada ou que ele goste de conversar. Todo mundo tem um assunto que deseja esquecer, mas esse não é o dele.

— Exatamente. - O rapaz, finalmente, responde. - Assim que o vi, saí de lá.

— Sério? Não deu nem oi? - Seokjin recebe uma própria pontada em sua cabeça. O plano era mudar de assunto, mas ok.

— Não. Se eu fosse até lá íamos acabar brigando e eu to tentando evitar isso…

— Ah, eu entendo. Também tento evitar minha família. - Bom comentário. Péssima escolha de palavras.

— Quê? - Tae pergunta rindo. - Não é da minha família.

— Nossa. Coitada da sua mãe.

  Kim Taehyung ri mais ainda ao ouvir o comentário do mais velho enquanto Seokjin tenta entender o que Tae achou tão engraçado assim. Mas então, ele se lembra quando Suga disse que Tae usa a ironia como mecanismo de defesa em situações difíceis.

— Você ta bêbado, hyung? - Tae pergunta, ainda sorrindo e Jin agora entende porque Suga é tão apaixonado nesse sorriso. Ele rir, é, realmente, uma covardia.

— Não. Você tá?

— Não. - Tae responde. - Você é louquinho mesmo, né?

— Sou louco porque acho estranho você não considerar sua mãe como parte da família?

— Por que você tá falando da minha mãe? - Kim Taehyung pergunta e desata a rir mais uma vez.

— Aigo. Desculpe. Isso é coisa pessoal sua. O Namjoon não devia ter me contado nada.

— Contado o que?

— Você sabe… Do seu encontro de hoje a tarde. — Jin só responde a pergunta de Tae porque ele esta rindo e parece estar se divertindo com essa situação e não desconfortável.

— Com quem ele disse que eu iria me encontrar?

  Kim Taehyung esta desconfiado. Na verdade, ele tem quase certeza de que seu melhor amigo havia mentido para Jin.

— Com a sua mãe. - Bingo. - Que você odiava se encontrar com ela porque sempre tem um novo cara envolvido no negócio… Enfim, ele disse que precisava te acompanhar nisso.

Outra crise de riso toma conta de Tae. Sabe que Namjoon sempre fora um excelente mentiroso, mas essa foi a sua melhor invenção. Para começar, a mãe de Tae está na Bolívia. E não, ela não tem um namorado novo a cada mês. E, na verdade, o casamento dos pais de Kim Taehyung acabou por semelhança de interesses. Ambos preferem mulheres. Pois é, a mãe de Tae é lésbica.

  O rapaz só para de rir ao engasgar com a própria saliva e ter um ataque de tosse.

— Ele mentiu. - Tae diz enquanto tenta recuperar o fôlego. - Mas não faz essa cara de preocupação porque eu boto a minha mão no fogo ao dizer que ele não tá te traindo.

  A palavra traição nem passou pela cabeça de Jin. Quando Kim Taehyung disse que Namjoon mentiu, tudo pareceu muito claro. Seokjin se sente burro ao não reparar que aquilo tudo não passava de uma desculpa esfarrapada. Enquanto ele estava pensando que Namjoon tinha achado tudo aquilo uma loucura e não quis voltar para evitar o drama, na verdade, ele tinha ido atrás de Heechul. Ao pensar nesse nome, Jin sente um frio na espinha e seu coração se acelera de forma exagerada.

— Merda. - Kim Seokjin fica de pé e corre até a porta.

— Que foi?

— Seu amigo é um idiota. Eu sei porquê ele mentiu. - Jin respira fundo e percebe que esta tendo pequenos tremores ao tocar a maçaneta. - Vem comigo!

— Tá, mas pra onde? - Tae pega as chaves e destranca a porta. - Você ta me assustando.

— Pro píer.

Jin sai como um furacão do apartamento, sendo seguida por Kim Taehyung, que ainda esta muito confuso para começar a fazer piadas. Seokjin anda tão rápido, que tem que tomar cuidado para não tropeçar nos próprios pés. Sua pressa esta deixando a tarefa de tentar se manter tranquilo cada vez mais distante. Ele precisa pensar positivo, mas quanto mais se aproxima do local do casamento de sua irmã, mais sente que há algo muito errado ali.

  Sabe que Heechul é louco, mas ele não seria capaz de… matá-lo, certo? A incerteza o esta corroendo por dentro e Jin engole em seco ao perceber que realmente não sabe a resposta para essa pergunta. Ele esta tão exaltado, que se assusta quando uma mão toca seu ombro.

— Jin hyung, o que ta acontecendo? - Tae o vira para si. - Por que você ficou desesperado do nada?

— O Namjoon se meteu onde não devia por minha culpa. - Ele fala rápido e atropelando as palavras. Sente um nó gigante na garganta e uma incrível vontade de chorar.

— Ai, caralho! - Tae passa as mãos pelo cabelo rapidamente. - Você é traficante?

— O quê? Claro que não! - Jin quase é capaz de sentir um alívio com essa pergunta. Não que ele gostaria de se meter com traficantes, mas teria sido cômico se a situação não o esteja deixando tão… Assustado. - Acho que seria menos pior se eu fosse.

— Cafetão, então? - Tae pergunta com receio.

— Ok, acho melhor você parar de chutar e só me seguir. Rápido!

  O píer não esta tão longe e o céu começa a escurecer. Jin aperta o passo ao escutar o estrondo de um trovão. Irá chover. Kim Seokjin tira os chinelos para correr mais rápido pela areia. Ele estreita os olhos ao ver o que parece ser um corpo jogado na beira da praia. E sim, é o corpo que ele procura. O coração de Seokjin martela mais forte e ele acaba deixando um breve grito sair de sua boca, atraindo a atenção de Tae. O rapaz encara o que Jin viu e leva alguns segundos para perceber que aquele homem estirado na areia é seu melhor amigo.

Kim Taehyung acaba ultrapassando Kim Seokjin e chega primeiro perto de Namjoon. O garoto se ajoelha ao lado do corpo de seu melhor amigo e o observa cuidadosamente: Kim Namjoon tem um filete de sangue escorrendo de seu nariz e mais sangue seco em sua testa; suas roupas estão extremamente sujas de areia e um dos olhos dele está começando a ficar roxo.

— Ele ta respirando? - Jin pergunta afobado e logo coloca dois dedos sob o nariz de Namjoon para checar sua respiração.

— Acho que a única coisa que ele consegue fazer no momento é respirar. - Tae responde enquanto Jin suspira aliviado ao sentir o pulso fraco de Namjoon. - O que aconteceu? Não foi o Suho de novo, né?

Antes que Jin possa responder, Namjoon tosse e abre os olhos.

— Cara, você ta horrível. - Tae diz com um sorriso no rosto.

— Seu idiota! - Jin diz e o abraça, o fazendo gemer de dor.

Kim Seokjin se afasta rapidamente, dando espaço para o loiro tentar se sentar, mas a atitude não obtém sucesso.

— Eu adoro quando você me xinga. — Kim Namjoon tenta sorrir, mas sente uma dor terrível do lado esquerdo do rosto. Jin revira os olhos com a piada e apoia a cabeça do loiro em seu colo, afagando seus cabelos sujos de areia.

— Tá. Alguém vai me contar o que aconteceu? - Tae diz, cortando o quase clima que se instala entre o seu melhor amigo e Jin.

— Eu levei uma surra. - Namjoon responde.

— É, eu percebi pela sua falta de dentes.

  Kim Namjoon instintivamente leva uma de suas mãos a boca e constata que aquilo foi só mais uma piada de Kim Taehyung. Realmente, ele não se lembra de ter tomado nenhum soco na boca, mas a mente de Namjoon esta uma bagunça, levando em conta que ele havia apanhado tanto, que mal consegue se levantar e muito menos se recordar do que realmente aconteceu depois que os seguranças de Heechul o levaram para de baixo do píer e começaram suas séries de socos e chutes por todos os lugares. O loiro até chegou a cuspir um pouco de sangue, mas nada muito grave. A dor mais forte vem mesmo de sua costela e da sua perna esquerda que parece estar sendo moída por tratores.

— Cadê o Heechul? - Jin pergunta.

— Na lua-de-mel, provavelmente. - Namjoon responde.

— Quem é Heechul? - Tae se intromete.

— Marido da minha irmã.

— A Sandara? - Kim Taehyung faz uma careta ao se lembrar daquela mulher extremamente bonita, mas extremamente insuportável. - Foi ele que fez isso com você?

— Não, os seguranças dele… - O loiro responde e tosse secamente, se arqueando para tentar respirar um pouco melhor, mas sentindo uma pontada em sua costela, o fazendo se deitar novamente.

— Ele é um covarde. - Jin diz. Mesmo um pouco mais aliviado, o garoto ainda se sente agoniado por não ter feito nada antes. Ele se sente exatamente como Namjoon se sentiu ao saber das tentativas de Heechul para com Jin. - Precisamos te levar ao hospital. 

— Eu estava pensando seriamente em ficar deitado aqui… - Namjoon responde, tentando sorrir.

— Por que ele te bateu? - Tae se intromete mais uma vez. - Ou mandou te baterem? Tanto faz. - Tae pergunta de repente.

— Porque eu bati primeiro.

  Kim Seokjin agradece mentalmente por Kim Namjoon não ter contado exatamente o motivo de toda a situação. A vergonha ainda é um sentimento bem vivo em sua carne e ele quer evitar que mais pessoas saibam o que aconteceu. Jin não se surpreende com a confissão de Namjoon. Ele já imaginava que Kim Namjoon teria feito algo para ter ficado nesse estado.

— Você bateu num cara que tem seguranças? Depois eu que sou o idiota.

— Tae, me ajude a levantá-lo. - Jin pede. - Daqui a pouco vai começar a chover e eu não quero ter que molhar meu cabelo. Fiz hidratação hoje.

— Legal. - Namjoon responde com ironia. - Sabe o que eu fiz hoje? Levei uma surra.

— Só ele pode fazer piada? - Jin retruca. - E aliás, você nem elogiou o meu cabelo!

— Sem querer interromper a DR de vocês, mas já interrompendo… Sim, só eu posso fazer as piadas. - Tae responde e levanta Namjoon em um solavanco só, ignorando os gritos de dor do melhor amigo e o fazendo ficar quase de pé. Seokjin logo se aproxima e apoia um dos braços de Kim Namjoon em seus ombros, dividindo o peso com Tae. - Jin, lembra nos tempos de outrora quando o Namjoon tinha todos os dentes?

— Agora é o momento em que você começa a ficar quieto. Dá pra ser? - Namjoon diz enquanto “anda” muito devagar.

— Quem sou eu para negar o pedido de um banguelo. - Kim Taehyung debocha. - Mas vou me silenciar em homenagem a mim mesmo por, pela primeira vez, ser o mais bonito de nós dois. - Jin reprimi uma risada e concorda mentalmente.

— Continua sendo o mais chato.

— Mas, ainda assim, o mais bonito.

— Calem a boca! - Jin os interrompe. - Silêncio total até chegarmos ao hospital! A discussão de vocês vai começar a me dar dor de cabeça.

— Ok, vamos falar sobre dores… Onde dói mais em você, amor? — Namjoon pergunta sarcasticamente e Tae da risada, fazendo Jin revirar os olhos e apenas ignorar esse comentário… Será uma longa caminhada.

 

 

— O Kai disse que você tava meio doente…

  Hope ficou uma semana sem se comunicar com Jennie. Seja por telefone ou pessoalmente. Nessa uma semana, o rapaz aproveitou para experimentar novas garotas, mas com nenhuma delas era tão excitante como é com a baixista.

— É.

— Desculpa demorar pra ligar, mas você também não ligou, então… - Hope diz e solta uma breve risada no fim da frase.

— Tudo bem. - Jennie responde.

— Você tá melhor? - Hope pergunta e ouve a garota respirar fundo do outro lado da linha. - Já dá pra transar?

  Enquanto Jung Hoseok da risada, Jennie sente seu peito cada vez mais apertado e a mensagem inerente que a atingi toda vez que ela pensa em contar para ele: “Você está sozinha nessa.”

  Depois da crise da semana passada, a morena se arrependeu profundamente por ter ido procurar Lisa, e acabou dizendo a amiga que tudo não passara de um alarme falso. É mentira. Agora mesmo, enquanto esta no telefone com Hope, Jennie encara o trigésimo teste de gravidez com o resultado positivo sem poder acreditar na realidade em que esta metida.

  Ela não se lembra de ter transado sem camisinha e sempre fora muito organizada com os anticoncepcionais. Mas a baixista procurou na internet e descobriu que os métodos contraceptivos nem sempre funcionam como devem. A camisinha mesmo tem noventa e oito por cento de chance de funcionar. Jennie se sente frustrada por fazer parte dos dois por cento que deram errado.

— Baixinha? Ta ai ainda? - A voz de Hope a tira de transe.

— Tô.

— Escutou o que eu perguntei? Já dá pra transar? - Ele ri novamente e Jennie bufa.

— Eu preciso desligar.

— Não! Espera! Quero te ver!

— Não dá.

— Por que não? Arranjou outro pau amigo? Duvido que ele seja melhor que eu!

— Você só consegue pensar em sexo. - Jennie diz e a risada de Hope morre. - Acho melhor você procurar outra pessoa.

— Por quê? - A voz de Jung Hoseok se exalta e a morena sente um bolo se formando em sua garganta. - Jennie?

— Eu enjoei. - A voz da morena sai embargada.

— Enjoou?! Você não sabe mentir! Nem por telefone! - Nesse momento, a baixista já esta se debulhando em lágrimas e tentando não fazer tanto barulho para ele não perceber. - Jennie? O que aconteceu? 

— N-nada. - Ela gagueja. Quer contar pra ele. Quer muito.

— Você ta chorando?

— Não.

— Tá sim. Eu to escutando. Se você não me contar o que aconteceu, eu vo-

— Eu to grávida, Hobi. - Ela o interrompe.

  Jung Hoseok engole em seco e quase deixa o celular cair no chão. Grávida? Mas eles tinham usado camisinha todas as vezes! Todas! Ele é muito cuidadoso nessa parte.

— É meu?

— O que você acha?

  Hobie está começando a se desesperar e a primeira coisa que pensa é que se ele estivesse tendo um caso com outro homem, nada disso estaria acontecendo. Ele até se arrepende por uma breve momento por sempre fazer piadas sobre gays.

— E você achou que seria uma boa ideia me contar por telefone? Mas que merda você tem nessa cabeça?! - Hobie esta gritando e ele agradece por estar sozinho em casa. - Puta que pariu, Jennie! Eu não quero um filho agora!

— E você acha que eu quero, Hoseok?

— Você tem certeza de que está mesmo grávida?!

— To fazendo testes a duas semanas…

— Merda!

— Para de falar desse jeito. - Ela pede choramingando.

— Aigo, você quer que eu comemore?!

— Não, eu só… Não sei. Eu to perdida.

— E você acha que eu to como? E você me lança uma bomba dessas por telefone! Caralho, Jennie!

  A baixista não consegue falar mais nada. Esta devastada demais para continuar essa conversa. Sabia que ele não reagiria diferente, mas havia uma fio de esperança em seu ser que gostava de pensar que ela não estaria tão sozinha nessa situação…

— Eu também não quero um filho. - Jennie sussurra. - Mas, eu não sei o que fazer… Eu to tão perdida. Eu preciso de ajuda! Não posso contar pra ninguém, Hoseok. Você sabe disso! Se o Suho descobrir, ele te mata!

 Hoseok sente seu mundo cair. Ele até senta por estar começando a se sentir fora da realidade. Seu quarto começa a girar e sua cabeça esta explodindo de dor. Sente um peso gigantesco em seus ombros e sabe que não há como escapar dessa responsabilidade. Nem um bom porre pode ajudá-lo agora.

— Eu preciso desligar. - Hoseok diz e sem hesitar termina a ligação.

 

 

Quem acorda as oito da manhã para ir surfar? Quer dizer, no caso, aprender a surfar. Kook não quer abrir os olhos, mas Suga o esta chamando incessantemente.

— Você disse que ia fazer isso e que era pra eu não desistir de você.

— Eu não disse nada.

— Disse sim. Levanta, Kook! - Suga o cutuca e escuta a campainha. - Deve ser seu amigo.

  Antes de sair do quarto do amigo, Suga tira o lençol que o cobre, ouvindo um protesto dele, mas não ligando. Suga atravessa a sala e abre a porta, dando de cara com o carinha de cabelo azul sorrindo.

— E ai. - Xiumin diz e entra com sua prancha sem nem pedir licença. - Cadê o Kook?

— Ta levantando. - Min Yoongi responde e encara Xiumin. Suga não consegue entender por que ele ainda continua com o cabelo azul. - Se quiser acordá-lo, o quarto dele é o segundo a direita.

— Não. - Xiumin responde e se senta no sofá da sala. - Mas eu aceito uma água.

  O garoto sorri e Suga ri da petulância dele, gritando logo em seguida:

— Kook, eu vou sair daqui a pouco!

— Já to escovando os dentes! - Kook grita do banheiro.

 Suga revira os olhos e vai até a cozinha pegar água para a visita.

— Gelada ou normal? - Min Yoongi pergunta.

— Pode ser gelada. — Kim Minseok responde e Min Yoongi enche o copo rapidamente e entrega ao rapaz. - Valeu.

— De nada. Você se importa de ficar aqui sozinho? Preciso me arrumar.

— Ta tranquilo, pode ir lá. - Xiumin responde e Suga assente sorrindo.

  Hoje Min Yoongi esta animado e até acordou cedo porque vai redecorar seu quarto. Ele recebeu seu primeiro salário e só consegue pensar em mudar seu habitat natural. Depois de pintar uma das paredes de seu quarto com o desenho gigante de um elefante, ele agora quer mudar alguns móveis. Suga irá comprar um tapete, uma estante pequena com um ar vintage e uma “poltrona” que está mais para um banquinho confortável.

  Jimin irá acompanhá-lo, já que Jin tem passado a última semana inteira enfurnado no apartamento de Namjoon, fazendo sabe-se lá o que. Suga até convidou Kim Seokjin para ir junto, mas ele disse que uma aula de surf o aguarda. E não, ele não falou isso animado.

— To saindo. - Min Yoongi diz saindo de seu quarto e encontrando Kookie tomando café e rindo com o novo amigo.

— Aonde você vai mesmo?

— Gastar. - Yoongi responde. - Tchau e boa sorte no mar.

  Assim que Min Yoongi deixa o apartamento, Minseok fala:

— Cara, ele é lindo.

— É, e parece mais o meu pai do que meu amigo. - Kookie responde enquanto termina de tomar seu café com leite.

— Você já não pegou ele?

— Já.

— Que nojo. Você pegou seu pai. - Kim Minseok diz e Jeon Jungkook revira os olhos.

— Cala essa boca.

— Mas eu até queria um pai desses, viu?

— Ele tem namorado. - Kookie diz. - Não que se ele não tivesse você teria alguma chance, porque o Suga é estranho nesses negócios de relacionamentos.

— Aigo, só falei que o achei bonito e de repente eu já to interessado nele e querendo um relacionamento. - Minseok levanta as mãos em sinal de “rendição” e ri.

— Vamos logo.

  Jungkook da risada do comentário dele e pega sua prancha, abrindo a porta e novamente a derrubando ao batê-la no batente. O moreno bufa e pega a prancha do chão enquanto o carinha de cabelo azul debocha de sua lerdeza.

  Ao chegarem na praia, os dois se sentam na areia e ficam observando o mar.

— Tá, e agora? - Minseok pergunta.

— Sei lá.

— Jungkook, você disse que ia me ensinar a surfar.

— Não, eu disse que tenho vontade de aprender.

— Você disse que sabia.

— Tem certeza?

— Absoluta. Onde você ta com essa cabeça, hein? É o Jimin, né? Sempre é o Jimin.

  E sim, é Park Jimin.

— Eu to apaixonado. - Jungkook diz. - Até to assumindo em voz alta pra você perceber o tamanho da merda em que eu to me metendo.

  Xiumin da risada do amigo.

— Relaxa, não é tão ruim assim… — Xiumin diz

— É sim. Principalmente quando o garoto em questão não quer nem olhar na minha cara.

— Aish. - Xiumin fala. — Ele é bonito mas é difícil. - Xiumin fala rindo e Kook o encara com uma sobrancelha arqueada. - Eu não sou cego, ele é bonito.

— É, eu sei que ele é, mas não é legal ouvir você falando.

— Aposto que muitos caras falam isso dele… Se não falam, eles pensam. - Xiumin da de ombros e Kook acha isso ainda pior.

— Isso é horrível. Ta vendo? Eu to com ciúmes dos pensamentos alheios.

— É, você tem razão, é horrível.

— Pensei que não era tão ruim assim… — O moreno tenta fazer piada, mas na verdade, ele se sente muito incomodado. Não incomodado porque Xiumin elogiou Jimin, e sim porque ele se sente prepotente em relação a situação toda. É frustrante.

— Só falei aquilo pra tentar ser simpático.

— Ah. - Kook ri. - Então você também ta nessa merda?

— Tô. Há doze anos. Pela mesma garota. - Kim Minseok diz e Kook arregala os olhos e depois ri.

— Doze anos? Puta que pariu. E cadê ela?

— Ta no Brasil. Provavelmente enfiando a língua na boca de outro cara. - Kim Minseok responde e Kook ri mais ainda. - Ta rindo do que? A gente ta no mesmo barco.

— Eu sei, mas é bom saber que tem alguém pior do que eu.

— Você é um amigo de merda. - Xiumin diz dando risada.

— Obrigado. - Kook sorri com uma falsa modéstia. - Não deu certo?

— O quê? - Xiumin pergunta. - A ideia da gente surfar? Não.

— É, isso também, mas não, to falando da garota que você gosta.

  O carinha de cabelo azul respira fundo, evidentemente incomodado com essa pergunta. Xiumin nunca foi muito de falar sobre a Beatriz. Na verdade, ele nunca precisou porque todos seus amigos conviviam com ela e já conheciam a história dos dois.

— Pra resumir: Eu a troquei pra ficar com várias garotas. - Kim Minseok diz e Kook imediatamente se identifica. - Não valeu a pena… Porque no final, eu só queria ela. Mas demorei pra perceber e perdi… E cara, acredite, é um saco.

 Jeon Jungkook se sente o pior ser humano do mundo nesse momento. Ele fez isso repetidas vezes com Jimin. Sempre ficando com outras garotas mesmo sabendo o quanto o ruivo gosta dele. Foi um grande filho da puta. Quem pode culpar Park Jimin por não querer mais ver Jeon Jungkook? Kook começa a se dar conta de que talvez ele mereça isso.

— Qual o nome dela? - O moreno pergunta.

— Beatriz Garcês… Eu até cantei pra ela na nossa formatura do colegial.

Kook segura uma risada. Ele jamais cantaria para alguém.

— Eu sei que é brega, mas funcionou. Pelo menos uns beijos eu ganhei antes de vir pra cá. - Xiumin termina a frase com um sorrisinho idiota no rosto.

— Ah, então só não deu certo porque vocês estão longe.

— É, mas eu fiz muita merda antes. Deve ser tipo um ritual, sabe? Foder com tudo antes de ficar de boa.

— Então, eu to no caminho certo. - Kook responde.

— É, mas corre atrás do seu Jimin antes que outro cara apareça. - Xiumin fala e fica de pé. - Eu cantei pra ela na frente da escola inteira… Faz alguma coisa legal pro seu ruivinho.

— Eu sou péssimo em qualquer coisa romântica.

— Eu também, mas canto bem e sei tocar violão. - Ele sorri e pega sua prancha. - Vou entrar no mar e ficar boiando em cima da prancha, já que surfar eu não sei. - Kook da risada. - E acho que você devia ir falar com ele. Tipo, agora.

 

 

— Eu não vou carregar esse tapete fedorento!

— Jimin, eu acabei de comprar, ele não ta fedorento. - Suga diz enquanto tenta se ajeitar com as próprias sacolas. - Por favor. - Min Yoongi faz biquinho e Park Jimin revira os olhos. - Eu pago!

— Beleza. - Jimin pega o tapete da mão do amigo e coloca nos ombros. - E só pra você saber, eu teria feito de graça.

  Suga da risada e os dois vão em direção ao carro. Min Yoongi comprou tudo que tinha em mente: Um tapete; um puff pequeno; sua estante, que será entregue daqui uma semana; mais tinta pra pintar as paredes e mais algumas bugigangas.

— Quando será que você vai aprender a ligar o carro sem ele morrer? - Suga pergunta debochado.

— Cala a boca, idiota.

— Não sei como te deixam dirigir. Devia ser proibido. — Min Yoongi diz — E como você ousa falar com seu hyung assim?

— Você quer voltar a pé?

  Os dois estão no centro de Busan e será uma longa caminhada até o condomínio.

— Vou ficar quieto. Posso ligar o rádio?

  Jimin assente e finalmente da partida no carro. Suga começa a cantarolar a música que esta tocando e encara Park Jimin, que, agora, esta super concentrado no trânsito. Min Yoongi sorri e volta a olhar para a praia. Ele esta um pouco orgulhoso de si mesmo por ter conseguido tirar Jimin de casa. O ruivo tinha se trancado no próprio apartamento e só saía para ir trabalhar.

— Demos sorte. O tráfego ta bem de boa hoje.

— Uh. O tráfego. - Suga debocha. - Dormiu com um dicionário?

— Idiota. Ainda posso te deixar a pé, tá?

— Não, o único modo de você ter contato com um dicionário seria para jogá-lo em alguém… Provavelmente no Jungkookie. - Suga ri da própria piada e Jimin tenta não rir, mas acaba dando uma de suas gargalhadas inconfundíveis.

Os dois continuam conversando até, finalmente, chegarem ao condomínio. Jimin demora uns dez minutos para estacionar o carro na garagem, e Suga usa disso para debochar de Park Jimin mais uma vez. O ruivo ignora o que seu hyung diz e eles pegam o elevador até o quarto andar. Chegando lá, eles encontram uma prancha de surf jogada na frente de seus apartamentos.

— Isso é estranho. - Suga diz e Jimin concorda.

  Os dois se aproximam mais da prancha e veem que nela esta desenhada uma seta que aponta para o apartamento de Jimin e Jin.

— Se for um ladrão, ele é criativo. — Min Yoongi comenta enquanto o ruivo já esta com algum objeto qualquer na mão, pronto para atacar quem quer que seja. Assim que Jimin abre a porta, ele encontra um Jungkook, com o violão de Suga na mão, sorrindo. 

— O que você ta fazendo com o Jimmy? - Min Yoongi pergunta e Jeon Jungkook lhe lança um olhar que diz: “não estrague as coisas”. - Aish tá, volto depois… Toma cuidado com ele!

 Suga sai de lá e Jimin continua encarando o garoto com uma expressão confusa.

— O que você ta fazendo?

— Eu não sei cantar, nem tocar violão, nem fazer poema e muito menos ser romântico.

— E por que o violão? - Jimin pergunta, agora de braços cruzados.

— Ah, isso é pra realmente provar que eu não sei tocar. Observe. - Jungkook faz um barulho horrível e o ruivo faz uma careta.

— Não precisava ter trazido. Eu sei que você não sabe. Te conheço a cinco anos. - Jimin diz e Jeon Jungkook larga o violão e se aproxima de Park Jimin, o fazendo recuar.

— Exatamente. - Jeon Jungkook tenta pegar a mão do ruivo, mas Park Jimin desvia de seu toque. - Eu sei que a gente ta meio brigado e que a culpa de tudo é minha porque, afinal de contas, sou eu… E a culpa sempre é minha. E eu sei que você quer rir porque você ta mordendo sua bochecha por dentro, tentando se controlar. - o ruivo deixa um sorriso escapar e Jungkook também sorri. - Você é tão bonito. - Jeon Jungkook toca o lado esquerdo do rosto de Jimin por uns cinco segundos antes dele se afastar novamente. - To cansado de não poder fazer as coisas que eu quero. To cansado de ter que te ver de longe sem poder fazer absolutamente nada. To cansado de você fugindo de mim. To cansado de tentar mentir pra mim mesmo quando, na verdade, é tudo muito simples… Jimin, eu to apaixonado por você.

— Quê? - o ruivo grita e Jungkook da risada. - Você ta bêbado?

— Não. - Ele responde e da dois passos em direção ao mais velho, que agora esta encostado na porta. - Eu to apaixonado.

— Para de falar isso, seu maluco. — Jimin deixa sua voz tremer. Ele esta desesperado e não consegue saber se esta sonhando ou não. As mãos dele suam e tremem e seu coração esta tão acelerado que Park Jimin pensa que seu coração será capaz de sair pela sua boca e acertar Jungkook no rosto.

— Eu to apaixonado por você, ChimChim. - O moreno repete e Jimin tenta se esquivar dele, mas Jeon Jungkook coloca os dois braços na porta, ao lado de sua cabeça, o impedindo de sair. - E eu sempre tive medo de assumir isso, sempre fugia. E eu sabia que se não falasse isso pra você hoje eu não falaria nunca mais e depois, passaria a minha vida inteira arrependido. — Jeon Jungkook suspira — Eu sei que eu não te mereço, mas eu quero merecer. Quero dar certo com você! 

— Você tá me assustando. - o ruivo solta uma risada forçada. - Tá com febre? É o calor? O sol ta te deixando louco? - Ele coloca a mão na testa do mais novo, que rapidamente segura seu pulso.

— Eu te amo, ChimChim. Quero ficar com você. Tudo sem você é igual, cansativo, sempre comum, rotineiro. E…rotina é uma bosta. Só preciso de você, ChimChim, preciso do sorriso encantador que só você tem, dos seus abraços fortes, do seu olhar, da sua voz, do seu corpo. Estou morrendo de saudades disso tudo... - Jungkook leva a mão de Park Jimin ao seu pescoço e se aproxima mais ainda, deixando seus corpos a menos de um palmo de distância. - Eu quero ficar com você. Só com você. 

 Jimin esta sério e engole em seco. Os olhos de Park Jimin passeiam rapidamente pelo rosto de Jeon Jungkook em busca de algum sinal de que ele possa estar mentindo, mas Jeon Jungkook o esta olhando nos olhos com tanta intensidade, que é quase impossível, para Park Jimin, respirar normalmente.

— Acho que quem ta louco sou eu, então. - o ruivo da uma risada nervosa, mas Jungkook continua sério.

— O que me resta saber é se você ainda gosta de mim. - Jeon Jungkook diz e afunda seu rosto no pescoço de Jimin. - E eu vou te beijar agora. - Ele sussurra e o ruivo se arrepia quando Jungkook coloca uma de suas mãos na cintura dele e a outra fica em seu pescoço, fazendo carinho em seu cabelo. - Eu ainda tenho chances com você? — Jeon Jungkook pergunta e finalmente acaba com o espaço entre eles. O moreno abraça Park Jimin de forma firme enquanto suas línguas se enroscam em perfeita sincronia. Jungkook não esta sendo agressivo ou apressado como das outras vezes, agora ele é extremamente cuidadoso e esta fazendo tudo sem a menor pressa do mundo. O rapaz quer aproveitar cada momento disso antes que seja tarde demais, afinal, ele ainda não escutou a resposta do mais velho.
  Apesar da insegurança, Jungkook não esta com medo. O beijo esta tão perfeito que ele quase se esquece de que seu objetivo não é transar com Jimin. Pelo menos não agora. O rapaz se afasta devagar e olha para o ruivo com um sorriso nos lábios.

  Jimin esta sem ar. Mesmo Jeon Jungkook tendo dito que o beijaria, ele se surpreendeu. O ruivo esta feliz e se culpa por isso. Sabe como as coisas são entre ele e o moreno, e sabe como tudo isso terminará. Terminará com uma briga idiota, onde Jeon Jungkook superará tudo e Park Jimin ficará devastado de novo.

— Pode me responder agora. - Jungkook diz, ainda o abraçando.

— Eu não sei.

— Eu sei que você tem milhões de motivos pra desconfiar de mim, mas eu nunca falei tão sério em toda a minha vida. Eu quero você. Não quero te dividir e não quero ser dividido. Eu te amo, hyung. E eu sei que você também me ama. - Jungkook diz e começa a rir. É verdade, ele sabe que Park Jimin o ama. E de repente, perceber isso o faz transbordar de felicidade. - Eu simplesmente não consigo, não posso, não quero ficar longe de você. — Jeon Jungkook respira fundo — E você será meu namorado.

— Isso é um pedido? - Jimin, finalmente cede. Ele pode estar cometendo o maior erro de sua vida, mas foda-se, porque nada disso importa agora.

— Não. É um afirmação. - O moreno responde e o ruivo sorri mais ainda. 

  Jeon Jungkook da um selinho em Park Jimin que se afasta, cruzando os braços e encarando o moreno. Tudo parece tão surreal. A declaração, o beijo, o “eu te amo”. O ruivo esta com um turbilhão de pensamentos controversos em sua cabeça, mas tudo isso parece extremamente irrelevante diante da última afirmação de Jungkook. Então, Park Jimin só sorri.

— Quem vê, pensa que é você que vai mandar nesse relacionamento. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...