História Runaways (Taegi) - Capítulo 27


Escrita por: ~

Postado
Categorias 2NE1, Bangtan Boys (BTS), Black Pink, EXO, Super Junior
Personagens Baekhyun, Chen, Heechul, Jennie, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Kai, Lay, Lisa, Rap Monster, Rosé, Sandara Park, Sehun, Suga, Suho, V, Xiumin
Tags 2ne1, Blackpink, Bts, Exo, Jikook, Menção Taejin, Namjin, Super Junior, Taegi
Exibições 139
Palavras 3.549
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Comédia, Ecchi, Famí­lia, Festa, Lemon, Romance e Novela, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 27 - Chuva


Fanfic / Fanfiction Runaways (Taegi) - Capítulo 27 - Chuva

Quanto tempo é possível ficar sem se comunicar com uma pessoa que inevitavelmente se tornou importante em sua vida? Já faz um mês da notícia que deixou o mundo de J-hope de ponta cabeças e ele ainda não foi se retratar com Jennie. Mas ele precisava de tempo para poder entender que tudo isso é mesmo real. A baixista também não o procurou, mas quem pode culpá-la, certo? 

J-hope esta com saudades e se sente culpado por não ter dado o devido suporte antes. Com esse um mês para esfriar a cabeça, Jung Hoseok amadureceu a ideia de ter engravidado alguém. E tudo aconteceu tão de repente que ele mal pôde acreditar.

Mas agora, J-hope esta pronto para assumir a responsabilidade. Esta pronto para ser tudo aquilo que Jennie precise que ele seja. Pronto para ser melhor amigo, namorado, pai… Está até psicologicamente pronto para apanhar de Suho. Mas ele não fugirá. Não de novo.

As gotas geladas não impedem os passos rápidos e desesperados de J-hope. Ele anda quase correndo e só não corre porque o cansaço não lhe permiti. Seu coração palpita fortemente enquanto tenta controlar a própria respiração. 

Ao entrar na rua de Jennie, J-hope fecha os olhos por alguns segundos e aperta mais o passo. Sobe as escadas correndo e fica encarando o número 23 entalhado na porta verde por cerca de cinco minutos antes de tocar a campainha. Ele para de respirar pelos trinta segundos que a baixista demora para abrir a porta. Assim que Jennie pousa seus olhos nele, ela leva um susto. Nunca imaginou que ele pudesse parecer em seu apartamento tão de repente.

É inevitável J-hope não sorrir. O rosto sutil e o cabelo castanho penteado em uma trança que vai até sua cintura. Os olhos puxados que agora passeiam perdidos pelo rosto do rapaz. Como ele sentiu falta dela. Mesmo agora, quando ela lhe lança o olhar de maior desprezo possível, ele, ainda assim, sente falta dela. Mesmo ela estando parada em sua frente, sente falta dela.

— O que você quer? - A voz da garota sai trêmula e ela se sente ainda mais estúpida por isso. Não tem que estar com o coração acelerado e muito menos ansiosa pela resposta dele. E por que raios ele esta todo molhado? 

— Me desculpar. - J-hope responde. - Eu fui um idiota por ter dito tudo aquilo pra você por telefone. Me desculpa por demorar tanto pra voltar. Só quero que você me perdoe e saiba que eu não vou te deixar sozinha nessa.  

Jennie já sente um nó se formar em sua garganta. Como ela pode perdoá-lo sendo que ele desapareceu por um mês inteiro? A baixista já decidiu tudo agora. Ela esta sozinha sim, e sabe que não conseguirá criar uma criança nesse momento. Esta tudo dando certo, inclusive o seu sonho esta se realizando e um filho não pode atrapalhar tudo. 

— Eu não preciso mais da sua ajuda. Eu não estarei grávida por muito mais tempo, J-hope. Pode respirar aliviado. 

A garota tenta fechar a porta, mas J-hope coloca seu pé entre o batente e a porta, a impedindo de fechá-la. Jung Hoseok se esgueira para dentro do apartamento e encara Jennie com os olhos cheio de lágrimas. 

— O quê? Do que você tá falando? 

— Eu vou abortar. - A morena sussurra e J-hope sente como se uma faca o tivesse acertado bem do lado esquerdo do peito.

— Mas você não pode. Esse filho também é meu. Essa decisão não é só sua!

— Você sumiu por um mês! - Jennie tenta gritar, mas sua voz esta danificada pelo choro. - Você deixou muito tempo pra eu pensar sozinha!

J-hope respira fundo e sente a culpa atingi-lo mais uma vez. Ele sabe que o que fez foi errado, mas ele também se sentiu extremamente perdido e sozinho. Não pôde contar pra ninguém o que houve, nem mesmo para o seu irmão. Isso o sufocou. Não teve conselhos, nada. J-hope sabia que se contasse para Namjoon ou para Jongin, ele já teria feito a coisa certa muito antes. Mas se ele se sentiu dessa forma, imagine Jennie. O peso maior esta em cima dela, e ele não passou de um adolescente irresponsável e sem escrúpulos quando ela mais precisou. 

— Você tá certa. Mas eu to aqui agora, ok? E eu não vou te deixar abortar o nosso filho, Jennie. Não vou! Ele também é meu! Mesmo eu sendo um babaca no começo, eu to arrependido. Fiquei me culpando esse mês inteiro! Não fiquei com ninguém porque na minha cabeça só tinha você e a vida que a gente ia começar junto! - Ele para para tomar fôlego enquanto a baixista tenta não deixar mais nenhuma lágrima cair. - Só me desculpa. 

J-hope tenta se aproximar dela, mas Jennie se afasta bruscamente.

— Não dá. Eu não consigo fazer isso. - Ela limpa o rosto e engole o choro. - Não consigo. É muito difícil. - Jennie coloca a mão sobre sua barriga e a acaricia.

— Eu sei que é difícil, mas é pra isso que eu vou estar aqui! Eu não vou embora. Não vou te deixar sozinha. Quanto mais cedo você entender melhor! 

— Como eu posso confiar nisso, J-hope? Com a gente aconteceu tudo errado! Nem namorado a gente era. Era pra ser só sexo! 

— Mas não foi só sexo! Aconteceu e pronto! Agora a gente enfrenta isso junto, entendeu? - Jung Hoseok diminui a distância entre eles. - Entendeu? 

Ele a abraça antes que Jennie fuja novamente. J-hope afaga o cabelo da morena enquanto a sente molhar sua camiseta com lágrimas. Ela soluça tanto. J-hope só tenta reprimir cada vez mais seu sentimento de culpa. Como ele tinha sido infantil e idiota. Jennie parece tão frágil agora. É quase impossível imaginar que uma pessoa que vive sorrindo e fazendo os outros sorrirem esteja em uma situação que a deixe tão vulnerável e triste. O pior de tudo, é que J-hope se sente responsável. 

— Eu to aqui agora. - J-hope afasta o rosto da garota de seu ombro e o segura entre suas mãos. - To aqui.

Mesmo as palavras sendo sinceras e o abraço a consolando, Jennie ainda se sente desconfortável. Foi tudo tão errado. Começou errado e terminou pior. E apesar de querer acreditar em cada sílaba que J-hope havia dito, a baixista ainda se sente sozinha e perdida. 

J-hope se sente mais inútil do que chuva em dias de casamento. Sabe que será impossível reparar todo o dano que ele mesmo causou a morena, mas ele esta mais do que determinado a tentar. O moreno respira fundo e afaga os cabelos castanhos carinhosamente.

— A chuva parou. — J-hope sussurra e se sente idiota por ter dito algo tão estúpido e irrelevante num momento como estes. Mas, a verdade, é que mesmo sem ele ter ideia, Jennie deixa escapar um breve sorriso contra seu abraço. Ela quer acreditar que agora sim, a chuva em sua vida parou.

 

 

Taehyung não pretende passar o último dia de férias sozinho. Mas ficar por mais de duas horas com Namjoon e Jin é o mesmo que pedir para ser assassinado. Não que eles sejam chatos, mas em algum momento eles começariam a se engalfinhar.

Kim Taehyung encara o céu cinza de Busan e depois o mar. Não da pra surfar com esse tempo pós chuva. O vento esta tão forte e as ondas tão agitadas que ele provavelmente se afogará. 

Taehyung respira fundo e da meia volta com a intenção de voltar ao seu apartamento. Assim que atravessa a rua, ele vê Suga e Sehun em frente ao prédio de Min Yoongi. Que ótimo. Namjoon esta certo, já esta na hora de parar de esperar por alguém que obviamente não sente a mesma coisa em relação a sua pessoa.

Apesar de assumir mentalmente que seu melhor amigo esta certo, Taehyung se esconde atrás de um poste e continua observando os dois. Sehun não olha para Min Yoongi como Kim Taehyung olha. Disso, Kim Taehyung tem certeza. Perceber este fato faz com que Taehyung se sinta na obrigação de se declarar para Suga mais uma vez. Qual é o problema dele? Por que não consegue simplesmente esquecer e seguir em frente como Min Yoongi esta fazendo? 

Taehyung respira fundo e passa as mãos pesadamente pelos seus cabelos. Como uma pessoa pode se tornar tão babaca por outra pessoa? Chega a ser ridículo. E mesmo se sentindo particularmente humilhado, a única coisa que ele tem vontade de fazer é gritar pra quem quiser ouvir que ele gosta do garoto esquisito que toca músicas esquisitas que tem um sorriso lindo e canta lindamente quando ninguém esta olhando.

— Taehyung? - A voz de Suga tira Kim Taehyung de seus devaneios e tropeçar em seus próprios pés, fazendo sua prancha bater contra o poste e quase acertar Min Yoongi. - Quem está perdido nos próprios pensamentos agora, hein? 

Min Yoongi da risada e Kim Taehyung sorri. Taehyung procura por Sehun, mas a única pessoa que consegue ver é Min Yoongi. Onde o baterista se enfiou? Ele estava aqui agora mesmo. Não que Kim Taehyung esteja sentindo falta da pessoa em questão, mas enfim…

— Ta sozinho? 

— Não. To com você. - Suga responde e solta uma risada frouxa. - Tomei algumas cervejas. - Ele explica a piada sem graça e Taehyung ri. - Vim trazer o Sehun aqui em baixo, mas ele já foi embora.

— Embora, tipo, pra sempre? Pra outro Continente? - Taehyung pergunta com um sorrisinho de canto e Suga revira os olhos. 

— Não, pra casa dele… - Min Yoongi responde, mas Kim Taehyung não deixa seu sorriso morrer, o que consequentemente também faz Min Yoongi sorrir. - Quer subir?

Ah, sim. Ele quer subir. O que ele mais quer é subir.

— Pode ser. Não vou conseguir surfar mesmo.

Taehyung da de ombros e tenta parecer o mais indiferente possível àquela proposta indecente. Bom, ele sabe que não teve nenhuma segunda intenção nas palavras de Yoongi, mas ainda assim gosta de fingir que um dia, talvez, Min Yoongi possa chamá-lo pra subir pra fazer coisas mais legais do que fingirem ser amigos de infância e conversar sobre o passado como duas velhas que não têm nenhum assunto melhor. 

— O Jin tá no seu apartamento? - Yoongi pergunta enquanto entra em seu condomínio, sendo seguido por Kim Taehyung.

— Está. 

— Eles estavam brigando? 

— Saí antes que começassem. 

Yoongi da uma breve risada enquanto sobe rapidamente os dois lances de escadas e entra em seu apartamento. Tae desconfiava que Min Yoongi não o convidaria para subir estando sozinho, mas se surpreende com o tanto de pessoas que estão lá dentro. Quer dizer, não são muitas, são somente três: Kookie, Jimin e um outro cara que ele não conhece. Mas Park Jimin fala tão alto e ri tão descaradamente que parece ter no mínimo, vinte pessoas no local. 

— Eu já disse que ele precisa de isolamento acústico. - Yoongi sussurra para Tae, que ri por um momento e depois franze as sobrancelhas, como se Min Yoongi tivesse acabado de roubar seus pensamentos. - Eu sei o que você pensa quase o tempo todo. - Min Yoongi sorri e o puxa pela mão para dentro do apartamento, fechando a porta atrás de si. - Jiminnie, que tal você começar a agir como um ser humano agora que o Tae chegou?

Kookie quase cospe toda sua bebida com o comentário de Min Yoongi, o que faz o ruivo o fuzilar com os olhos e depois arquear as sobrancelhas em direção a Yoongi.

— Ta revezando? De dia o Sehun e de noite o Tae? — Jimin diz sem pensar, mas sabe que falou merda no momento em que Kookie para de rir. O ruivo pode ver o irmão massageando as têmporas como sinal de desaprovação e Yoongi lhe lançando um de seus famosos olhares mortais.

A única pessoa que parece extremamente confortável com o comentário é Tae. Ele sorri sem mostrar os dentes, até que finalmente solta um suspiro e diz:

— Na escala original eu ficava com os dias, mas como ele trabalha durante o dia, eu prefiro as noites. 

Jihyun é o primeiro a dar risada, seguido por Kookie e depois Jimin, que com certeza fecha o ciclo da tensão com chave de ouro. A única coisa que ecoa pelo cômodo é o som inconfundível da gargalhada de Park Jimin, mas Suga consegue escutar seu coração batendo tão forte que pensa que ele vai sair pela boca e acertar alguém. 

Em menos de oito minutos Min Yoongi ficou sem uma boa resposta para com duas pessoas. Isso nunca acontece. Ele sempre tem uma resposta na ponta da língua, mas agora, ele não consegue pensar em algo inteligente para dizer. Suga esta tão nervoso, que já sente suas bochechas esquentarem. Ele quer estapear Jimin e depois bater a cabeça de Tae contra a parede. O quão ofensivo fora esse comentário? E depois Kim Taehyung ainda diz que conhece Min Yoongi como a palma de sua mão. Se o conhecesse de verdade, não diria coisas como essa. 

— Foi só uma piada, Suga. - Tae sussurra no ouvido de Min Yoongi. 

— Clássico. - Min Yoongi responde com um sorriso cínico. - Vou para o meu quarto. 

— Sério? - Kim Taehyung arqueia as sobrancelhas e pergunta debochadamente. Ele não achou seu comentário tão extremo assim a ponto de deixar Min Yoongi irritado, mas, pelo visto, ele esta enganado.  

— É. To cansado. O Sehun conseguiu me deixar exausto durante o dia e to sem disposição para o seu turno da noite. — Suga responde, da mais um sorriso e deixa um Tae sem saber o que dizer no meio da sala e sendo o centro das atenções para as três pessoas que ali estão.

— Podia ter dormido sem essa, cara. - Jungkookie diz. - Mas senta aí, pega uma cerveja. - Tae arqueia as sobrancelhas e encara o rapaz com um ar de desconfiança. - Ele não te mandou embora. - Jeon Jungkook da de ombros. - E essa casa também é minha. 

Nesse instante, Kim Taehyung toma uma decisão. Então, ele pega uma cerveja, se senta ao lado de Jungkookie e do namorado escandaloso. Ele não vai se deixar ficar com raiva da resposta de Suga, que obviamente, o atingiu em cheio. Chega de ficar desperdiçando qualquer tipo de sentimento com alguém que não se importa.

É sempre assim, Kim Taehyung se preocupa tanto em não partir o coração dos outros, que quem acaba com o coração partido é ele.

Está decidido. Kim Taehyung irá seguir em frente.

 

 

Jin esta entediado. Ele odeia ficar entediado. Talvez essa seja a sensação que ele mais abomina em sua vida. O último dia de férias e ele esta vendo televisão com Namjoon. Por que raios Kim Namjoon não esta beijando Kim Seokjin? Jin revira os olhos e amaldiçoa Kim Namjoon mentalmente por ele ser tão lerdo. 

— O que foi? - O loiro pergunta sem desviar seu olhar do filme sem graça que passa. 

— Nada. - Seokjin responde, dando de ombros e o olhando de soslaio para constatar que ele esta rindo silenciosamente. 

— Eu posso ouvir você pensando. 

Mesmo com os trovões que insistem em fazer um barulho horrível, Namjoon é capaz de ouvir a cabecinha de Jin maquinando sem parar. Ele exala hormônios e isso esta começando a incomodar Kim Namjoon. E não é um daqueles incômodos fáceis de se livrar, é um incômodo, que mesmo depois de quase superado, ainda deixará  uma dor de cabeça eminente. 

— Ótimo. - Jin fala e muda de sofá, se aproximando do loiro. - Então já sabe o que fazer, certo?

Namjoon não quer recusar. Cada célula de seu corpo esta pronta para saciar seja lá o que Jin precise que seja saciado. Mas infelizmente, Kim Namjoon é uma pessoa racional. 

— Não vai rolar. - O loiro se esquiva do mais velho, e fica de pé, se dirigindo até a geladeira e pegando água. - Quer água? 

Jin se sente um lixo. Tudo bem que ele já foi rejeitado antes, mas nunca fora rejeitado por Kim Namjoon. E isso dói. Não exatamente dói, mas Kim Seokjin detesta essa sensação. Talvez essa seja a sensação que ele mais abomina em sua vida. 

— Não. Vou embora. - Seokjin pega seu celular e marcha em direção a porta, como  uma criança emburrada, mas para com mão na maçaneta ao escutar a risada debochada de Kim Namjoon. - O que é?

— Nada. - Namjoon da de ombros.

— Eu te odeio. - Jin diz e o loiro ri mais ainda, quase cuspindo toda sua água. 

Kim Namjoon adora deixar Seokjin nervoso. Gosta do jeito como as bochechas dele se ruborizam e em como seus olhos parecem adquirir um brilho ainda mais intenso e cheio de teimosia. Acha engraçado o fato de que mesmo com raiva, ele ainda deixa um pequeno sorriso escondido no canto dos lábios.

— Você não me odeia. Só odeia que eu te irrite. 

— Dá na mesma! - Jin se vira para ele, se escorando bruscamente contra a porta. 

— Desistiu de ir embora? - Namjoon arqueia uma sobrancelha. - Pensou que eu fosse impedi-lo ou algo assim?

Sim. É exatamente isso que Jin tinha pensado. Mas a essa altura do campeonato ele já devia saber que Namjoon não é como a maioria dos caras que morriam aos seus pés, ou o imploravam para ficar. 

Ainda assim, ele não consegue entender como alguém que parece estar tão apaixonado por ele, pode agir de uma forma tão indiferente agora. Só faz um mês do ocorrido com Heechul. Não que Kim Seokjin goste de se lembrar, mas ele se lembra de como Namjoon agiu diante de toda àquela situação. E de como mesmo todo destruído, ele era lindo. Enfim, a questão é que não entra em sua cabeça como ele pode ter seguido em frente tão rápido, sendo que nem Kim Seokjin começou a seguir em frente. 

— Você gosta de me irritar, não é? - Jin pergunta e ri ironicamente. - Quer me punir de alguma forma por tudo o que aconteceu com a gente. 

— Punir? - Namjoon caminha vagarosamente até ele, mas não se aproxima demais. - Não estou te punindo, Jin. É que você ainda tem a terrível mania de achar que todo mundo é obrigado a sucumbir aos seus caprichos. E quando isso não acontece, age como o garoto mimado que realmente é. 

Ele devia sentir raiva. Devia estar cada vez mais próximo de cometer um homicídio, mas as palavras de Namjoon perdem todo o sentido em sua cabeça. É tudo verdade, isso é um fato, mas Seokjin não se sente ofendido. Se sente ainda mais atraído por Kim Namjoon, se é que isso é possível.

Jin sorri e Kim Namjoon recua. Namjoon conhece esse sorriso, mas não sabe porque ele esta estampado no rosto do moreno. Ele acabou de dizer tudo aquilo que Kim Seokjin odeia ouvir, ou seja, não faz sentido. 

— Você me acha tão previsível, não é? - Kim Seokjin da um passo na direção dele e enrosca seus braços em volta do pescoço do loiro. - Eu não sou. 

Namjoon sabe que ele perdeu. Qualquer esforço para tentar afastá-lo agora será inútil. Ele até pode tentar se enganar em relação à Seokjin e se convencer todos os dias de que Jin é só mais um garoto qualquer. Mas não. Namjoon ainda é extremamente apaixonado por ele e sente ciúmes e todos os outros sentimentos possíveis de quando se gosta de alguém. Agora, Kim Seokjin saber disso é algo totalmente fora de cogitação. 

— Um a zero pra você. - Namjoon diz com um sorriso de canto e o puxa pela cintura, o fazendo soltar um gemido abafado de surpresa. - Sorte a sua que eu sou um ótimo perdedor.

E então, finalmente, o beija. 

Jin não sabe se sua ideia irá funcionar, mas ele está mais do que satisfeito com a resposta que obteve. Kim Namjoon o segura tão firmemente, que ele tem certeza que as mãos de Kim Namjoon ficarão marcadas em sua cintura. Mas Seokjin entede a pressa dele. Entende porque Seokjin também esta com pressa, com saudade. Jin mal consegue se lembrar qual fora a última vez que ele e Namjoon ficaram assim. Na verdade, faz menos de duas semanas, mas ainda assim já é uma abstinência extrema. 

Kim Seokjin sorri com o próprio pensamento, e o loiro morde seu lábio inferior, o fazendo se arrepiar e beijar seu pescoço em resposta. Namjoon se sente bêbado. Bêbado naquele estágio em que você faz o que quer, e sabe que não pode, mas não consegue impedir que aconteça. Simples assim. 

De repente, tudo se torna lúcido em sua mente. Kim Namjoon sempre ouve mais seu superego do que seu id, e nem mesmo Kim Seokjin muda isso. Um breve momento de lucidez em meio à essa bagunça de braços e pernas em que eles estão. 

Namjoon interrompe o beijo e abre os olhos de forma atordoada. Assim que ele vê o sorriso malicioso na boca do moreno, ele mal tem tempo de pensar. Só sabe que em um momento ele esta determinado a não dar continuidade ao beijo, e no momento seguinte, esta carregando Jin para seu quarto e o jogando na cama. 

Talvez Kim Seokjin seja capaz de mudar algumas coisas e Namjoon, com certeza, não se preocupa com isso… Não agora. 


Notas Finais


TO ANIMADA! ESSE CAPÍTULO <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...