História Runaways (Taegi) - Capítulo 28


Escrita por: ~

Postado
Categorias 2NE1, Bangtan Boys (BTS), Black Pink, EXO, Super Junior
Personagens Baekhyun, Chen, Heechul, Jennie, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Kai, Lay, Lisa, Rap Monster, Rosé, Sandara Park, Sehun, Suga, Suho, V, Xiumin
Tags 2ne1, Blackpink, Bts, Exo, Jikook, Menção Taejin, Namjin, Super Junior, Taegi
Exibições 155
Palavras 3.271
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Comédia, Ecchi, Famí­lia, Festa, Lemon, Romance e Novela, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 28 - O começo do fim


Fanfic / Fanfiction Runaways (Taegi) - Capítulo 28 - O começo do fim

Esta sol. O tempo esta perfeito para surfar ou ficar na praia vendo várias garotas de biquíni, mas Hobie, incrivelmente, não quer estar em outro lugar a não ser ao lado de Jennie, deitado na cama, brincando com os dedos dela enquanto sua outra mão faz um tímido cafuné em seus cabelos castanhos. 

O ventilador do teto faz um barulho horrível, mas isso não os incomoda. O calor que só parece aumentar, também não os da vontade de ficarem menos próximos um do outro. Se alguém dissesse há uns três meses atrás que Hobie estaria assim com uma garota, ele provavelmente riria. Mas cá esta ele, num lugar que ele fora sim obrigado a estar, mas que de forma nenhuma parece uma obrigação. 

— Micha. - A voz de Jennie tira Hobie de seus devaneios, o fazendo franzir o cenho. 

Desde a semana passada eles estão colocando alguns nomes em pauta. Ambos podem sugerir qualquer coisa, assim como também podem vetar. 

— Que nome horrível. Absolutamente, não. - Jung Hoseok responde de imediato. 

— É o nome da minha mãe. - A baixista responde. 

— Continua sendo feio. - Hobie rebate e a morena fecha a cara. - Qual é, nosso filho não pode ter um nome zoado, gordinha. 

Antes da gravidez, quando eles só faziam sexo, Hobie costumava chamar Jennie de baixinha, mas, agora que eles oficialmente são um casal, o rapaz a chama de gordinha. A baixista não acha ruim, acha engraçado e até mesmo fofo.

— Micha não é feio. - Ela diz e se vira para Hobie, ficando em cima dele e o fazendo fingir um sufocamento. - Para de ser idiota, eu nem to gorda ainda. - A morena diz rindo e o rapaz sorri, invertendo as posições rapidamente e dando um beijo em seu nariz. 

— Eu sei que não. - Ele responde e sai de cima dela, pousando uma de suas mãos na barriga da garota. - Nem parece que você tá grávida.

— Mas eu tô! — Jennie quase grita e se afasta de Hobie, saindo da cama e se encolhendo num canto do quarto. Odeia se sentir assim, sem controle das emoções ou com vontade de chorar por qualquer motivo idiota, como por exemplo, ter colocado os chinelos errado.

— Jennie, você sabe que não foi isso que eu quis dizer. - Jung Hoseok rebate e pragueja algo baixinho.

— Mas você disse! 

Jennie já chora de soluçar enquanto continua encolhida no canto do quarto. Hobie respira fundo e caminha vagarosamente até a garota. Durante a uma semana em que conviveu com ela (Ele meio que se mudou para o apartamento da morena), as mudanças de humor repentinas já são familiares para ele.

A primeira vez que aconteceu foi quando Jennie esqueceu de levar a toalha para o chuveiro quando fora tomar banho, e quando Hobie foi lhe entregar, ela estava chorando. Ele não entendeu nada, só entrou debaixo do chuveiro com ela e a abraçou… Tudo bem que aquilo acabou em sexo, mas ainda assim, Hobie já esta aprendendo a lidar melhor com essas crises. 

— Não disse com a intenção que você pensa que eu disse. - Ele explica e para de frente para ela. - Eu to cem por cento nessa história. Você não lembra que eu disse isso? - Jennie continua chorando, então Hoseok se agacha para ficar na altura da garota e se aproxima mais um pouco, colocando uma de suas mãos no pescoço dela. - Eu te amo. 

Hoseok só percebe que aquelas palavras saíram de sua boca quando Jennie solta um último soluço e o encara com os olhos arregalados e vermelhos. Jung Hoseok fica de pé e começa a andar de um lado para o outro, com uma falsa tosse. 

— Você o que? - A morena diz, também ficando de pé. - Você me ama? 

— Não! - Hoseok responde instintivamente. - Quer dizer, sim! Não! Não sei! Eu acho que sim! - Jennie limpa o rosto e começa a gargalhar, fazendo o rapaz ficar mais desconfortável do que já esta. - Qual a graça? Não é engraçado! 

— É sim. É muito engraçado! - A baixista responde entre as risadas. 

— Apaga isso, tá? Vamos voltar aos nomes! - Hoseok responde e se aproxima de Jennie, a puxando pela mão de volta para a cama. - Mas antes, você tá bem?

A morena para de rir por um momento e sente a vontade de chorar lhe atingir mais uma vez. Mas agora, é um choro de felicidade. Hoseok a ama, ele disse. Disse de verdade. 

— Eu to ótima. - Jennie sorri abertamente e o beija, o empurrando para a cama e o fazendo se deitar. O sorriso malicioso surge nos lábios do rapaz e a garota o beija.

 

 

Jin arrumou um veterano. Isso já era de se esperar, mas ele não arrumou qualquer veterano, ele arrumou o mais popular, o mais bonito, o capitão do time, e todas essas coisas que deixam o currículo de um garanhão cada vez mais atraente. 

Em uma semana de faculdade, Kim Seokjin já começa a traçar seu legado pelos corredores da BNUE. O garoto já é o assunto número um e seu nome ainda esta na língua de todos os estudantes. O que ele fez de mais? Nada. Só ficou bêbado, beijou metade dos alunos (e algumas alunas) e teve uma briga no pátio externo com Namjoon.

Kim Namjoon.

Ao mesmo tempo que é simples é complicado. Eles se beijam, transam, brigam, depois acabam rindo juntos e se aproximando novamente, e ai se beijam, transam e brigam mais uma vez… É um ciclo vicioso, e para a ruína do loiro, Jin esta começando a se acostumar com isso. 

Mas voltando a faculdade e deixando o drama quase romântico de lado, Jin não fez novos amigos e nem mesmo colegas. Ele sempre fora julgado e estereotipado e dessa vez não esta sendo diferente. E não, ele não se importa nem um pouco com isso, ele até gosta. Jin prefere surpreender a quem está disposto a conhecê-lo de verdade do que ser aquela coisa batida que todos esperam. 

— Sozinho de novo, Seokjin? 

Kim Jongdae. Este é o veterano de Jin. O rapaz de vinte e quatro anos esta no último ano de Engenharia mecânica e adotou Kim Seokjin no primeiro dia de trote. 

— É uma escolha. - Seokjin responde sorrindo. - Não vai pra aula? 

— Prefiro ficar aqui. 

Jin esta na arquibancada da faculdade. Seu segundo período de segunda-feira é livre, mas ele precisa esperar Jimin para ir embora. Afinal, o ruivo é o único que tem um carro e andar três quarteirões sozinho a noite não esta em seus planos. 

— Você é a pessoa mais desocupada que eu conheço. - Jin responde e volta sua atenção para o livro de Dan Brown que esta lendo. 

— Eu estou tentando me ocupar com você. - Chen responde e Kim  Seokjin da risada. - E você ainda é meu, deve fazer o que eu mando. 

— Eu não faço o que ninguém manda, Chen. - Jin responde e escuta o sinal do último período tocar. - Até amanhã, Kim Jongdae. 

Seokjin sai de lá, deixando o rapaz dando risada sozinho. Jin sabe que essa coisa de se fazer de difícil chama a atenção dos homens. Ele, normalmente, não gosta de fazer esse tipo de jogo, mas às vezes é necessário. 

Jin caminha por toda a faculdade até finalmente chegar no bloco D, onde Jimin esta saindo de sua sala rindo com Kai. Sim, eles tem aula de biologia juntos. Seokjin revira os olhos ao ver o Kim Jongin e fica ao lado do bebedouro esperando Park Jimin parar de conversar com Kai e vir até ele. Infelizmente, ou felizmente, Jungkook chega e arranca o namorado de perto de Kai, fazendo Jimin começar uma grande discussão com ele. 

— Mas que porra você tá fazendo? - o ruivo grita, atraindo a atenção de alguns estudantes em volta. 

— Eu não quero brigar, mas você sabe que eu odeio esse cara! - Jungkook rebate e aponta para Kai, que da risada. 

— Até mais, Jiminnie. Boa sorte. - Kim Jongin se retira antes que possa levar um soco na cara de Jeon Jungkook.

— Ele é meu amigo, Jungkook. - Jimin diz, dessa vez abaixando a voz. — Um dos meus melhores amigos.

Ainda é improvável dizer porque o ruivo escolheu exatamente aquelas palavras pensando que tudo ia ficar bem. 

— Não, eu sou seu melhor amigo! - O moreno grita e Jimin respira fundo, tentando conter sua raiva. - Não acredito que você vai querer brigar por causa desse idiota!

— Eu não quero brigar! - o ruivo aumenta o tom de voz, mas tenta se policiar, sem sucesso. - É só você entender que independente de ser seu namorado, o Kai continua sendo meu amigo!

— Eu não confio nele.

— Ele namora! 

— Foda-se! Vocês já ficaram! 

— E você já ficou com o resto do mundo! Até com os meus dois melhores amigos. - Jimin grita e as pessoas que prestam atenção neles fazem um coro de “oh”. - E eu não tenho a porra desse ciúmes ridículo! E olha que você dá bem mais motivo! 

Jin não quer se meter, mas por motivos de força maior (vergonha alheia), ele corre até o casal de amigos. Kook já esta espumando de raiva enquanto Jimin tenta não jogar alguma coisa nele.

— Gente, vocês não vão fazer uma cena agora, né? - Jin diz e puxa Park Jimin pelo braço. - Vamos embora, vocês discutem mais tarde. - o moreno sai andando com Jimin, e só depois de dar uns cinco passos, percebe que Kook não os está seguindo. Kim Seokjin olha pra trás e o vê parado no mesmo lugar, só encarando o namorado. - Kook, vem logo! - O moreno não mexe um músculo e então Jimin explode.

— Deixa ele ai! Eu não ligo! Foda-se! 

O ruivo marcha corredor a fora, deixando Jin no meio do caminho e olhando para os dois lados. Primeiro para Kook, que ri sem humor, morde os lábios fortemente, e sai andando para o outro lado. Depois para Jimin, que praticamente corre pelos corredores da faculdade. 

Obviamente, Jin segue o ruivo. Ele precisa de carona e Kook de cabeça quente é muito chato. 

— Me espera! - Seokjin grita, mas Jimin continua andando sem olhar pra trás. 

Jin bufa e aperta o passo. Enquanto tenta acompanhar o amigo, ele pode ver Tae e Namjoon no corredor. Eles são uma das pessoas que pararam para ver a cena de Jimin e Kook. Kim Seokjin sorri para os dois e Kim Taehyung acena para ele, mas Namjoon não esboça sequer uma reação. Sem tempo de prestar atenção na mensagem subliminar de Kim Namjoon, Jin continua perseguindo Park Jimin e logo eles já estão fora de alcance de todo o público.

— Hyung, por que ele tá sempre envolvido? - Tae pergunta para o melhor amigo, que da de ombros. 

Kim Namjoon não tem tempo para zombar do empenho de Namjoon em fingir não se importar porque o Kim Jongin e Jung Hoseok aparecem. 

— Vocês viram a briga? - J-hope é o primeiro a falar. 

— Como não ver? - Tae responde. 

— É, e tudo por sua culpa. - J-hope da um tapa de leve nas costas do irmão, que faz uma careta e se afasta. - Cara, você sabe que o Kook vai te arrebentar em algum momento da vida, não sabe? 

Kai bufa e ri sem humor. Chega a ser ridículo como o namorado de Park Jimin age. Ele é tão infantil e imaturo. Kim Jongin sabe que esse é o primeiro relacionamento sério de Kook, mas ainda assim, existe um limite em até que ponto uma pessoa pode ser babaca, e o moreno com certeza já ultrapassou esse limite por, no mínimo, umas quinhentas vezes. 

— Não sei como o Jimin aguenta. - Kai murmura. 

— Ele ama o idiota… Fazer o que? - Tae responde. - Mas pra falar a verdade, eu não o acho idiota. 

— Como não? - Kai pergunta. - Ele fez o Jimin ficar deprimido por muito tempo. E olha que eu só tava aqui pra vivenciar a história por dois meses… Imagina pelo resto dos anos! 

— Ok, ele é um idiota. - Kim Taehyung diz e J-hope ri do jeito como o amigo fala. - Mas eu tava dizendo que não o acho um idiota comigo… Não sou eu quem ele odeia. Ele só implica com você, porque você ficou com o namorado dele. É até que compreensível. 

— Ya, cala a boca, por favor. - Kim Jongin responde de imediato. - Isso é tudo, menos compreensível. - Kai bufa e pega sua mochila que ele havia colocado no chão. - Vou buscar a Lalisa. Tchau pra vocês. 

Kim Jongin segue até o bloco F, deixando seus amigos rindo dele. Namjoon é o único que não ri ou diz algo. O loiro esta trancafiado em seus próprios pensamentos, que infelizmente, só tem um assunto em pauta. 

— Vocês escutaram o que o Jimin disse? - Namjoon fala e Tae e J-hope param de rir. - Sobre o Jungkook já ter ficado com o Jin? 

— Eu já sabia. - J-hope da de ombros. - Ele me contou. 

— Será que existe alguém em quem o Jin não tenha se esfregado? - Namjoon deixa a pergunta retórica escapar e da uma risada. 

— Ele não se esfregou em mim, hyung. - Hope responde. - E olha que eu queria… Queria muito… E ainda iria querer se você não estivesse tão na dele. 

— Acho melhor você calar a boca, Hope. - Tae diz rindo. - E o Jin hyung também não se esfregou em mim. 

— E nem no meu irmão. - Hope completa. - Eles se odeiam, lembra? - Jung Hoseok tenta reparar a gafe sobre dizer que Namjoon esta “apaixonado”, mas não funciona. O rapaz continua lhe fuzilando com o olhar. - Ta, eu vou indo nessa. Tenho coisas mais importantes pra fazer do que ficar aqui com vocês. 

Hope sai de lá antes que um dos dois falem alguma coisa. Tae suspira e coloca uma das alças de sua mochila no ombro. 

Kim Taehyung sorri para seu melhor amigo e começa a andar para a saída da faculdade.

— Pretende madrugar aqui hoje? - Kim Taehyung fala e Namjoon finalmente presta atenção no melhor amigo. - Namjoon hyung, se for pra você ficar se remoendo pelo Jin, melhor que seja no sofá da nossa casa, com uma cerveja na mão. 

Kim Namjoon não responde. Só segue o melhor amigo e sai dali. 

 

 

Quando Hobi chega ao apartamento de Jennie, as luzes estão apagadas e o silêncio reinaria se não fosse pela televisão do quarto da garota ligada. Ele entra devagar e sem fazer barulho porque sabe que ela já está dormindo. E de fato, ela está. 

Hobi sorri ao ver a garota esparramada na cama. Ela não está dormindo de uma forma fofa, mas com certeza parece estar extremamente confortável. 

Jung Hoseok deixa sua mochila no chão, tira os tênis, a camiseta e a calça jeans e vai ao banheiro tomar um banho rápido. Ele se olha no espelho por uns segundos e pensa em como tudo esta diferente. Por Deus, ele havia dito “eu te amo” pela primeira vez em sua vida.

Hobi nunca disse essas palavras nem mesmo para seus familiares. Não que ele não os ame, mas não vê necessidade de dizer as três palavras. E hoje, a declaração saiu tão naturalmente que ele nem consegue se sentir culpado por ter dito aquilo.

O fato de Jennie não ter dito de volta, também não o incomoda porque ele sabe o que ela sente. Sabe também que ela esta insegura em relação aos dois, o que é totalmente compreensível, já que ele ficou fora por um mês. Hobi entende que a morena esta apenas tentando se cercar de todas as formas por medo de ser abandonada de novo. 

O rapaz entra de baixo do chuveiro e toma o famoso banho de gato. Ele escova os dentes rapidamente e pega uma camiseta que Jennie havia roubado em uma das primeiras vezes em que eles transaram. Hobi volta para o quarto, desliga a televisão e se deita ao lado da baixista. 

Ele coloca uma de suas mãos em cima da barriga de Jennie e fica a acariciando. Ele será pai. Na verdade, ele já é pai. Hobi mal pode acreditar que esta aceitando isso tão bem sem precisar dos outros. Ele não precisa de Namjoon ou do irmão… Ele consegue isso tudo sozinho. 

Hobi se aconchega melhor na cama e abraça Jennie levemente para que ela não acorde. Ele a trás para mais perto e fecha os olhos, mal se percebendo cair no sono. 

Três e meia da manhã. 

Jennie sente uma dor. No começo, ela acha que esta sonhando, mas então ela sente uma pontada muito forte em sua barriga e grita. A morena não percebeu que ela realmente gritou até Hobi acordar num salto e a encarar com os olhos arregalados. 

— O que foi? Você tá bem? - O rapaz envolve o rosto da baixista com as mãos e a vê fazer uma careta de agonia e lágrimas brotando em seus olhos. - O que foi, Jennie? - O coração de Hobi esta tão acelerado que ele mal consegue controlar a própria respiração. 

— Minha barriga. - A morena sussurra. - Pontadas. — Ela diz e solta mais um grito, fazendo Hobi praticamente sentir a dor dela em seus ossos. O rapaz levanta da cama imediatamente e acende a luz do quarto. Quando ele volta a encarar a namorada, vê uma macha vermelha nos lençóis e sente suas pernas fraquejarem.

Jennie percebe o olhar aterrorizado de Jung Hoseok e finalmente vê o que o está deixando desesperado. Ela está sentindo tanta dor, que não percebe que esta sangrando. Nesse momento, a baixista começa a soluçar. Sente como se alguém estivesse espremendo seu coração com as mãos até ele se despedaçar.

— Hobi… - A morena sussurra entre o choro. - O que ta acontecendo? 

Jung Hoseok não consegue falar. Sua garganta esta seca e ele mal consegue se mexer. O rapaz respira fundo e caminha até a namorada, a pegando no colo e a levando para o banheiro.

— Você vai trocar de roupa e nós vamos pro hospital, tá bom? - Hobi diz e Jennie chora mais ainda. - Ei, ta tudo bem. Isso não é nada. - Ele segura o rosto da garota em suas mãos e limpa algumas de suas lágrimas. - Tudo vai ficar bem. Só precisamos ir ao hospital. 

Hobi não lembra de ter sentido tanto medo como esta sentindo agora. Ele não sabe se tudo vai ficar bem. Não sabe de nada nesse momento. E ele sente seus ossos doerem toda vez que Jennie tenta reprimir um grito. 

— Eu não quero ir ao hospital, Hobi. - A morena chora. - Eles vão tirá-lo de mim! Vão tirá-lo da gente!

Jung Hoseok luta contra o nó na própria garganta e engole o choro. Alguém terá que ser forte, e por mais que toda a situação lhe indique que tudo esta prestes a dar errado, ele não pode perder a esperança. 

— Eu amo você. - Hobi diz. - E eu amo o nosso filho. - Ele tenta não deixar sua voz falhar. - E eu não vou deixar nada de ruim acontecer com nenhum de vocês, entendeu? Nós só precisamos ir ao hospital, Jennie. Por favor. 

Jennie funga uma última vez e tenta acreditar nas palavras de Hobi. Tenta de verdade, mas ela já sente que nada do que ele possa fazer ou dizer, será capaz de consertar o buraco que cresce dentro de si. Ela já se sente sozinha de novo. 


Notas Finais


Desculpe o capítulo triste, não me matem


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...