História RWBY: Resonance - Capítulo 27


Escrita por: ~

Postado
Categorias RWBY
Tags Ação, Arkos, Aventura, Bumblebee, Crosshares, Hentai, Lemon, Orange, Renora, Resonance, Romance, Sea Monkeys, White Rose, Yaoi, Yuri
Visualizações 155
Palavras 3.969
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Fantasia, Ficção, Hentai, Lemon, Luta, Orange, Romance e Novela, Saga, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá gente, com ou sem problemas técnicos, Resonance sai mesmo assim!
Eu atualmente estou sem internet na minha residência e com isso estou sendo forçado a postar este capítulo via mobile. A previsão de normalização é daqui a um pouco mais de uma semana, então perdoem-me por eventuais erros devido a gambiarra.
Enfim, neste capítulo veremos enfim o grupo de Beacon entrando em ação. Apesar de novamente ser um capítulo baseado no canon, as mudanças que adicionei aqui valem a pena serem lidas. Que descobertas o nossos aliados fizeram?

Sem mais delongas, boa leitura!

Capítulo 27 - Artimanhas Vindas do Submundo


De volta a Teistan Tower, Weiss se focava em sua missão. Ela ainda não conseguia entender como Ruby podia ser dispersa daquele jeito. Claro, ela também podia considerar Penny como uma amiga, mas ela tinha sérias dúvidas se aquele momento era de fato propício para reencontros inesperados. No entanto, aquilo era a menor de suas preocupações: a jovem Schnee tinha uma tarefa a ser cumprida, e para isto ela teria que lidar com algo no qual ela não queria ter que se meter.

Com as devidas credencias apresentadas, Weiss garantiu o seu acesso como estudante para a sala de comunicações do CCT de Vale. A recepcionista a recebe cordialmente, perguntando o que a herdeira desejava. Ela por sua vez solicita que a colocassem em contato com a sede da SDC, a fim de tratar de assuntos particulares. Com a seu pedido concedido, a recepcionista orienta Weiss a utilizar um dos terminais de acesso, aonde teria sua videoconferência redirecionada.

Não demorou muito para que uma atendente da SDC atendesse a ligação de Weiss. Um tanto surpresa ao ver a herdeira dos Schnee na linha, ela questiona se ela desejava falar com seu pai ou com sua irmã. Weiss por sua vez nega o pedido prontamente solicitando uma série de relatórios da empresa, conectando seu scroll afim de fazer o upload da lista detalhada. Percebendo que havia alguns arquivos confidenciais naquela relação de arquivos, a atendente questiona com que intuito a jovem Schnee sobre qual finalidade aquilo seria utilizado, e como resposta ela ouve que aquilo seria apenas para fins de pesquisas escolares e que ela teria cuidado com eles.

Com os arquivos prontamente baixados, a atendente pergunta novamente se Weiss realmente não queria falar com seu pai antes de desligar, tendo a oferta devidamente negada pela herdeira que sorria forçadamente. Após trocarem despedidas e encerrarem contato, Weiss suspira angustiada. A figura de seu pai representava um entrave muito grande em sua vida, e as memórias de sua severidade durante sua infância ainda estavam muito vivas em sua memória. Um dos motivos da herdeira se tornar uma caçadora era de justamente buscar uma forma de sair da tutela de seu pai e sair daquele maldito legado, assim como sua irmã mais velha fez...

Era hora de voltar para seu dormitório, afim de encontrar com suas parceiras de time e amigos e assim pôr em prática a segunda fase daquele plano, no qual consistia patrulhar Vale em busca de pistas sobre Roman e a White Fang. Weiss se questionava se Sun e Neptune estavam se comportando durante sua ausência e se Yang e Blake estavam os mantendo na linha. Além disso, a jovem Schnee se questionava se Ruby já havia voltado, curiosa ela havia conseguido falar com Penny, apesar daquela saída inesperada ter lhe desagradado. O que ela não esperava era que, ao abrir a porta de deu dormitório, ela se deparasse com a jovem Polendina em pessoa sentada em sua cama, conversando com Ruby e os outros.

— Olá Weiss! — Penny cumprimenta a herdeira com um sorriso.

— P-Penny? O que faz aqui?

— Oh, Weiss! Fui eu que a trouxe pra cá. — A jovem Rose se explica como se aquilo fosse algo trivial.

— Eu estou vendo que você a trouxe pra cá! A minha questão é: por que? — A jovem de cabelos alvos cruza os braços esperando uma explicação.

— Uh Weiss... Acho que você devia sentar e ouvir. — Yang entra na conversa. — E eu já te adianto: você não vai acreditar quando você ouvir toda história.

— Eu já não estou acreditando, a começar pelo fato dela estar aqui. Eu espero uma boa desculpa para isso.

O grupo se entreolha, principalmente para Penny, como se estivessem pedindo para ela tomar a iniciativa. Por sua vez, a jovem de cabelos ondulados concorda com aquele pedido e vai de encontro a Weiss, mostrando suas mãos para ela como a primeira evidência.

— Weiss, eu acabei de terminar de dizer o que se passa a seus amigos. Não seria justo te deixar de fora dessa...

— Uhh... Okay, você tem um ponto. — Weiss dizia aquilo estupefata.

E o que se seguiu foi o que Penny havia dito primeiramente para Ruby e logo em seguida para Yang, Blake, Sun e Neptune. O que se sucedeu após elas deixarem a Teistan Tower, a perseguição e a revelação de quem era Penny de verdade. A jovem Schnee por sua vez mal acreditava no que escutava, não só pelo fato de quem Penny era, mas também o possível envolvimento de sua família como Exercito de Atlas em projetos tão sigilosos. Ela faria questão de analisar os documentos que obteve mais afundo após aquilo, pois estava mais do que claro que algo grande estava acontecendo.

— Uau... Eu... Eu nem sei por onde começar. Penny, eu entendo que você não sabe de muitos detalhes além disso, mas ficou claro que precisamos saber mais a respeito disso. Se sua missão for de fato aquilo que disse, existe algo por trás destes últimos acontecimentos que a gente está deixando passar.

— Bem, você conseguiu os documentos, não conseguiu? Talvez eles nos deem alguma pista sobre tudo isso. — Blake questiona a herdeira.

— Como eu disse, eu os consegui. Certamente vou analisa-los com cuidado depois dessa.

— Ótimo, isto é meio caminho andado. No entanto eu devo lembra-los que a gente tem uma missão a cumprir. A gente não devia estar lá fora caçando aquele rato asqueroso do Roman? — Sun por sua vez lembra o grupo do objetivo principal daquela operação de hoje.

— Oh! O Sun tem razão! A gente está atrasada no cronograma! — Ruby assente com a afirmação do fauno.

— Espera. E quanto a mocinha aí? — Neptune aponta para a Penny. — Se ela realmente deseja passar desapercebida, temos que dar um jeito em suas mãos.

— Oh, é verdade! Espera um pouco Penny, talvez eu tenha algumas luvas guardadas no meu guarda roupa. — Weiss estava prestes a se levantar, mas é interrompida por Penny.

— Não será necessário pessoal. Eu estava pra resolver isso.

Então a jovem Polendina fecha seus olhos e se concentra, canalizando sua aura. Neste momento, a pele rasgada de suas mãos começa a se reorganizar e se reconstruir, da mesma forma que um caçador utiliza sua aura para sarar suas feridas.

— Woooow! Penny, isso é incrível! Quantas coisas mais você consegue fazer? — A jovem Rose dizia fascinada.

— Hehe, não é nada demais! Como eu disse, eu fui feita para se assemelhar a uma humana. Apesar de sintética, minha pele possui propriedades parecidas a de uma organica.

— Oh yeah! Definitivamente a gente está em ação! — Yang motiva ainda mais o grupo. — Então vamos fazer conforme combinado: Blake e Sun, vocês vão ao encontro da White Fang afim de descobrir seus planos, Ruby, Weiss e Penny, vocês patrulharão a cidade em busca de quaisquer ações suspeitas relacionadas ao bando do Roman. Foco em quaisquer lojas de dust vulneráveis. E enquanto a mim e o Neptune, iremos fazer aquela visitinha a aquele amigo! Estou afim de saber o que anda rolando nas sombras de Vale. Então prontos pessoal!

— Yeah! — Todos se motivam numa só voz, pondo início ao plano.


.

.


A noite já estava em seu auge em Vale, quando uma motocicleta cruzava as estradas de Vale em alta velocidade e com uma direção um tanto descuidada. Yang pilotava sua moto que ela apelidava carinhosamente de “Bumblebee” como se quisesse quebra algum recorde pessoal de velocidade, fazendo Neptune se segurar fortemente em sua cintura como se agarrasse pela sua própria vida.

Não demoraria muito para que ambos chegassem a seu destino: um grande galpão localizado abaixo de um viaduto, cujo o clima escuro e a música ensurdecedora acusavam que aquele estabelecimento se tratava de uma boate. Yang retira seu capacete, balançando sua cabeça a fim de ajeitar seus longos cabelos dourados.

— Venha, meus amigos estão aqui. — Yang dizia enquanto desmontava de sua moto.

— Uuuhhh... E onde exatamente é “aqui”? — Neptune também balançava sua cabeça, mas era para se recobrar daquela viagem intensa que ele teve.

Yang se aproximava dos portões aonde dois seguranças com roupas idênticas as que os capangas do Roman utilizavam estavam de guarda. Ao verem a jovem Xiao Long se aproximando, eles sentiram um certo temor, visto que aquela não era a primeira vez que eles a viram. Eles tentam persuadir a loira a esperar, mas Yang não estava muito disposta para tal.

Lá dentro, a boate estava lotada de gente que estava lá para se aventurar pela noite, dançando ao som ensurdecedor da música eletrônica, muitos se entregando ao sabor embriagante do álcool, alguns mais discretos se entorpeciam com drogas ilícitas, e até mesmo haviam aqueles que só estavam lá para se aventurar na boca de parceiros que provavelmente dividiram uma noite de luxuria e nada mais que isso.

Yang e Neptune adentram o recinto deixando os dois seguranças nocauteados lá atrás na entrada. Enquanto ambos pediam licença aos frequentadores da boate que dançavam freneticamente, Neptune não deixava de notar o tipo de vida que a jovem Xiao Long levava.

— Olha, não posso deixar de notar que você costuma levar uma vida extrema, dado esses “amigos” que você tem.

— Heh, se está pensando que sou do tipo que joga a vida no lixo, não se preocupe. — Yang dizia ao jovem Vasilias enquanto apontava para um casal que aparentemente se entorpecia com alguma droga em pó sentados em uma mesa. — Eu apenas costumo adentrar a noite em busca de uma batida dançante e um bom drink. Ah, também costumava caçar algum homem ou mulher bonita que pudesse me saciar por uma noite, mas isso era antes de eu conhecer a Blake.

— Então você não liga para esses detalhes sobre homens e mulheres, huh? Engraçado, somos dois. — Neptune se indagava.

— Sério? Você age como se fosse o maior galanteador de mulheres, mas não parece que homens também são a sua praia.

— É como sempre digo: o que importa é o que a pessoa é por dentro. O que vem depois é uma boa história para contar.

— Hehe, você ganhou pontos comigo garoto. — Yang sorri.

Ambos se aproximam do bar da boate, aonde um homem de cabelos e barba curtas, ambos negros, e olhos castanhos estava por servir drinks para os frequentadores da danceteria. Ao perceberem a presença dela, vários daqueles que também compartilhavam roupas similares ao do grupo de Roman formam um bloqueio, apontando seus revólveres e metralhadoras para a dupla, temendo por mais confusão por parte dela.

— Adivinha quem voltou? Será que posso falar com sua chefia, ou será que terei que causar mais um pouquinho de alvoroço por aqui? — A face alegre de Yang aos poucos se torna ameaçadora.

— Err... Certo, você se importaria de definir “amigo” para mim? Pois tô vendo que isso não está nada amigável... — O jovem de cabelos ciano diz preocupado.

Um clima tenso se instaura no recinto. A música para de tocar e os frequentadores da boate observam tudo aquilo receosos e assustados. De repente, o homem que está no balcão dá a ordem para seus subordinados.

— Parem, parem! Ninguém atira!... Blondie, você por aqui... Por quê? Pensei que tivéssemos nos acertado.

— Você ainda me deve um drink! Além disso, eu tô afim de trocar uma palavrinha com você. Tá disponível?

Yang dizia aquilo com um tom aparentemente amigável, mas que escondia uma intenção destrutiva por trás. Vendo o espirito desafiador da loira, Neptune não deixa de se impressionar.

— Wow, isso realmente é o que chamo de mulher.

Aquele homem que comandava aquela boate se chamava Hei Xiong, mais conhecido no submundo pela alcunha de “Junior”. Seu estabelecimento era bastante conhecido por ser seu centro de operações de um grande contingente de mercenários sob seu controle que se estendia por toda Remnant. Não importava o trabalho, lícito ou ilícito, ele não tinha problemas para atender quaisquer solicitações, desde que o pagamento fosse gordo. Além disso, ao possuir tamanho exército clandestino em suas mãos, ele também possuía uma imensa rede de informações sobre tudo que acontecia por debaixo dos panos nos quatro reinos, fazendo dele um valioso informante. E era atrás disso que Yang veio a sua procura, mesmo que ela precisasse fazê-lo cooperar a força se fosse necessário. Os frequentadores logo ignoraram o pequeno princípio de confusão que estava se instaurando, deixando o grupo em paz.

— Bem, Neptune, vai querer algo? — A loira pergunta a seu parceiro se ele estava afim de um drink.

— Hum... Um Dark n’ Stormy cairia bem. — O jovem Vasilias faz seu pedido.

— E o meu é o de sempre Junior. Strawberry Sunrise, capricha na laranja e no morango. E vê se usa minha tequila favorita dessa vez!

— Tá, tá, eu já escutei.

Junior pegava as coqueteleiras já munidas de gelo, colocando diante de Sun e Neptune. Laranjas, morangos e limões faziam companhia ás garrafas de rum, tequila e outras bebidas, todas vindas aquela adega de respeito que a boate trazia. Enquanto ele sacudia as coqueteleiras, Junior questionava Yang com uma cara nada satisfeita.

— Yang, será que posso saber o que raios você veio fazer confusão em minha boate novamente? — O chefe serve uma taça contendo a bebida de tons amarelos e vermelhos a Yang.

— Nada demais, eu apenas queria saber se o Roman andou passando por aqui.

— O Roman? E o que uma garota como você quer com um cara daquela laia? — Junior por sua vez serve aquela bebida escura a Neptune.

— Digamos que ele tem uns certos assuntos inacabados com a gente. — O jovem de cabelo ciano prontamente responde enquanto provava da bebida.

— Como se eu quisesse me envolver nas suas tretas. Me desculpe, mas eu não faço a menor ideia de onde ele está.

— Tá me achando com cara de idiota é? — A jovem Xiao Long rosna após tomar seu drink.

— Eu já disse, eu não sei!

— Como você pode não saber? Aquele maldito Torchwick só vive utilizando de SEUS mercenários. — A garota encarava Junior de forma cada vez mais enfática.

— Eu não falo com ele, tá legal? Eu sequer o vejo! E isso desde a primeira noite que você veio aqui causar destruição. Ele me paga adiantado, eu empresto meus homens, simples! Pelo pagamento gordo que ele me fez, parecia um ótimo acordo, mas o problema é que nenhum de meus homens voltaram!

— Poxa, me indago para onde eles foram? — Neptune decide bancar uma de durão, tal como Yang.

Junior olha para Neptune incrédulo com a pergunta.

— ... Que pergunta imbecil é essa? E eu vou lá saber? Eles nunca voltaram, não ouviu? Quem é esse cara?

— Não ligue para ele, se preocupe comigo caso eu não descobrir o que quero. — Yang ameaçava, puxando Junior pela sua gravata.

— Eu já te disse tudo! Torchwick contratou meus homens, ponto! Se você quer algum detalhe irrelevante, tudo que eu tenho a dizer é que ele quase levou todo meu contingente, e meus homens parecem não terem ficado felizes com isso. O que é algo que consigo entender! — Junior aponta para seus poucos homens, no qual fazia uma expressão de desagrado, confirmando o que ele havia dito.

— Levou quase todos seus homens, huh?... Certo. Vamos Neptune...

Yang e Neptune terminam suas bebidas e dão meia volta, sem dar maiores satisfações a Junior.

— Pegamos tudo que precisávamos? — O rapaz de Haven questiona.

— Bem, pegamos tudo que conseguimos. Espero que o resto da equipe tenha se saído melhor. Mas pra não dizer que isso aqui foi uma total perda de tempo, o fato que o cara ali disse está me incomodando. — Yang fazia uma expressão pensativa.

— Sobre terem levado quase todos os homens dele?

— Exato... Junior não é um mero dono de botequim. Ele tem um verdadeiro exército de mercenários. Isso quer dizer que o que Roman está tramando é grande. Muito grande...


.

.

.


Enquanto isso, em um outro ponto de Vale, Blake e Sun se aproximavam do ponto de encontro da White Fang, no qual sua reunião aconteceria dentro de um antigo armazém. Três linhas desenhadas se assimilando a um arranhão de garras mostrava o caminho, e a dupla não demorou muito para confirmar que aquele era o lugar correto. A jovem Belladonna observava um grupo de faunos adentrando o recinto, dando os devidos cumprimentos para um homem que estava de guarda.

— É aqui.

— Tem certeza? — Quando Sun disse aquilo, a morena olha para ele com um olhar de reprovação. — Deixa pra lá. Eu só vou confiar na sua palavra.

Blake se aproxima da entrada se desfazendo de seu laço. Tal missão exigiria que ela mostrasse suas caracterizas de fauno, como se ela fosse uma mera novata interessada em se ingressar nas topas do grupo radical. A integrante do Time RWBY entrega uma máscara com um visual característico a White Fang, e antes que eles pudessem abordar o guarda, Sun faz um questionamento a Blake sobre aquilo.

— Eu não entendo... Se a White Fang acredita que o que faz é o correto, porque se escondem com isso?

— As máscaras são um símbolo. A humanidade queria nos fazer de monstros, então optamos por usar faces de monstros. — Blake diz aquilo com pesar.

— Máscaras de grimm... Isso soa bem sombrio...

— Assim como o cara que começou com tudo isto. — Uma memória cruel, a memória daquele que um dia foi seu mentor toma conta da mente de Blake ao dizer aquilo.

— Tudo é sempre raios de sol e arco-íris vindos de você, né? — O jovem Wukong diz sarcasticamente.

— Eu não tenho culpa se minha vida não foi um exemplo de algo bonitinho...

Já se utilizando das máscaras, a dupla é orientada pelos soldados da White Fang a se agrupar junto com os outros novatos. Ao utilizar aquele apetrecho, Blake se sentia um pouco mais confortável em não ser reconhecida ali, mas ela também tinha em mente que não deveria abaixar sua guarda. Assim que todos encontram seus devidos lugares, um dos soldados da facção toma a palavra.

— Obrigado a todos por virem. Para todos aqueles que estão se unindo a nós pela primeira vez esta noite, permitam-me que lhes apresentar um companheiro nosso muito especial. Eu posso assegurar para vocês que ele possui a chave para obtermos aquilo que tanto lutamos todo este tempo para ter!

O som de passos mansos toma conta do recinto. Das sombras, a luz de um charuto familiar entrega a presença aquele convidado. Para a surpresa de todos e para o pesar de Blake, aquele homem era nada menos que Roman, se apresentando para os novatos.

— Obrigado! Obrigado! Por favor, contenham os aplausos! — O larápio se vangloriava em sua entrada.

— É ele... — Os punhos de Blake cerram em ira.

Enquanto que os atuais membros da White Fang o ovacionava, os novatos reagiam com um misto de choque e repulsa ao ver um humano envolvido na causa da facção, ainda mais um humano que muitos consideravam como desprezível.

— O que um humano está fazendo aqui? — Uma das faunas novatas diz em desgosto.

— Eu fico feliz que tenha perguntado, querida! Bem, primeiramente, eu serei o primeiro aqui a afirmar que de fato, os humanos são gente da pior espécie! E eu sou a prova. Então eu entendo que muitos de vocês aqui gostariam de nos ver trancafiados numa jaula, melhor ainda, mortos da forma mais impiedosa possível! — Roman motivava os novatos com palavras cruéis, alimentando ainda mais o ódio e a intolerância que eles nutriam dentro de si.

— Então... Ele pretende chegar a algum lugar com isso? — Sun cochicha para Blake.

— Apoio moral. É isso que ele quer. É do jeito que ele está se aproveitando da revolta que estes faunos carregam, ele está conseguindo... — A jovem Belladonna leva a mão a sua face, indignada. Por trás daquela face, um olhar raivoso se formava no rosto da jovem.

— Mas, antes que vocês possam me aplaudir por essa declaração sincera, eu gostaria de mencionar que que nós todos aqui temos um inimigo em comum. — Torchwick continuava com seu monólogo. — Aqueles que estão no controle. Aqueles que puxam as cordinhas, nos fazendo de idiotas. Os humanos sujos e podres que comandam nossos reinos! Governos. Militares. Até mesmo as escolas e os caçadores, ditos como aqueles que deveriam ser os nossos bastiões da liberdade. Todos hipócritas! Eles que são os culpados por esta situação no qual vocês faunos se encontram!

Os novatos começam a aplaudir e a dizer palavras de apoio para Roman, que se sentia cada vez mais empenhado em continuar com aquilo.

— Eles são uma peste que assola Remnant, no qual precisamos dar um fim! Felizmente... Eu sou o melhor exterminador da região. Oh, sem ofensa a quais quer faunos roedores aqui no recinto. Enfim, que tal mostrar a vocês nossa atração principal?

Roman estala os dedos, solicitando que aqueles panos detrás dele sejam removidos. Para o temor de Blake e Sun, a White Fang estava de posse de algo que eles sequer imaginariam ser verdade. Diante deles estava uma unidade do Elysium Pardon, apresentado mais cedo pelo Exército de Atlas. De alguma forma, Roman havia colocado suas mãos naquele armamento militar de alto poder destrutivo, sem que seus criadores tivessem dado conta.

— Oh oh... Taí um robô grandinho... — Sun estava boquiaberto com aquilo.

— Essa não... Como eles conseguiram aquilo? — A raiva de Blake cessa, dando lugar a um sentimento de medo. Aquilo em mão erradas certamente poderia facilmente instaurar o caos em Vale.

— Como alguns aqui devem ter ouvido mais cedo, esta belezinha aqui é a mais nova linha de defesa de Atlas contra as coisas assustadoras que assolam esse mundo. — Roman dá algumas batidinhas na carcaça da perna do batalhoide, demonstrando seu poder massivo. — E graças ao meu contratante, conseguimos uns desses antes de, digamos assim, chegarem às prateleiras. Certo, vários de seus irmãos de luta já se dirigiram à nossa operação no Sudeste. Caso queriam ficar na cidade, tudo bem, não repreendo... Mas se estiverem verdadeiramente prontos para lutar pelo o que acreditam... Este é o arsenal que eu posso oferecer. Alguma pergunta?

O público ovacionava ainda mais Roman, confiantes que sua causa definitivamente ganharia mais poder com aquilo. Por sua vez, Blake via aquela situação com muito temor. Providencias deveriam ser feitas, e rápido.

— A gente tem que cair fora daqui. Precisamos informar isso pro restante do pessoal o quanto antes!

— Todos os novos recrutas, aproximem-se por favor.

No entanto, algo inesperado para dupla acontece. Um dos supervisores da White Fang inicia a chamada para o recrutamento dos novatos, trazendo o grupo para mais perto. Se saíssem agora, ambos seriam detectados, entregando aquela operação de espionagem.

— Oh droga... O que a gente vai fazer agora? — Sun dizia preocupado.

— Estou pensando... — A jovem Belladonna responde aflita.

Porém, Roman, que estava conversando com Neo que surgira no palco percebe algo de errado. Ele avista que um daqueles novatos possuía traços físicos bastante familiares a ele. Seu semblante aparentava ser um misto de empolgação e raiva. Raiva por ela representar um empecilho enorme em sua vida, mas empolgado por ele finalmente poder “entregar” um recado vindo de alguém no qual Blake conhecia muito bem.

— Ora ora... O que temos aqui? A gata veio atrás do rato e se perdeu? Ou será que está afim de frustrar meus planos de novo, hein?


Notas Finais


Roman is on fire!
No próximo capítulo, veremos finalmente mais ação no estilo do Capítulo 16. E falando nisso, algo que estreou neste exato capítulo retorna pra alegria da galera.
E mais uma coisa: não é certeza, mas da próxima vez que voltar aqui, poderei trazer não só um, mas DOIS capítulos. No entanto este segundo capítulo seria de leitura opcional. Estou afim de fazer um experimento, e por isso há possibilidade disso acabar sendo um capítulo não-canon (tanto de RWBY, quanto de Resonance). Do que estou falando? Veremos isso na próxima!
See ya!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...