História Sádico - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Hobinea, Jikook, Sadomasoquismo, Top!jungkook, Tortura
Visualizações 35
Palavras 3.005
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ecchi, Lemon, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Cross-dresser, Drogas, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Hellow, aqui estou eu de novo com mais um cap.

Enfim, nem deu tempo de eu revisar, eu só terminei e já joguei aqui pra vocês, então, Sorry qualquer errinho de português aí, falta de vírgulas ou coisas do tipo, eu ainda tô meio grogue.
Bem, eu não tenho muito o que falar aqui pra vocês, até as notinhas finais.
Amodoro vocês, do fundo do meu coração

Kissus da Hobinea 😘

Capítulo 2 - I- Tudo estava apenas começando


         Jeon JungKook Point Of Vision

Senti minha cabeça latejar mais uma vez, já era a milionésima vez que isso acontecia dentro desses 5 minutos que eu estava longe de Park JiMin, o maldito tinha me causado uma das piores dores de cabeça que já tive em tempos, qual era o problema dele? Todas as minhas “vítimas” aceitavam que tinham sido sequestradas e ficavam quietas ou então só lutavam nos primeiros segundos. Então por que ele era diferente de todas elas? Sempre dizem “esperança é a última que morre” mas quem acredita nessa babaquice? Só Park JiMin, ao meu ver.

 

Rodei o copo de whisky ouvindo os barulhinhos dos cubos de gelo se chocando uns aos outros e no vidro do copo. Muitas vezes eu adorava ficar sozinho, nessa sala apenas tomando meu tão adorado whisky. Mas hoje estava tedioso. Como eu odeio ficar com tédio! É simplesmente sufocante ter uma pessoa invadindo a sua mente a cada 5 segundos, estes que você tenta apenas relaxar e não pensar mais em absolutamente nada.

 

Joguei o copo no chão com bastante força, colocando as mãos nas têmporas, massageando-as, na tentativa de me acalmar. Dei um soco na mesa assim que o som de alguém batendo na porta se fez presente, atrapalhando todos os pensamentos sobre o maldito de alguns minutos atrás. Revirei os olhos assim que a secretária -bastante atirada, vale ressaltar-  adentrou a sala e sentou na ponta da mesa, deixando grande parte da sua perna para fora do vestido apertado

 

“Fale logo o que quer, ou saia de uma vez e não me incomode, sabe que odeio ser interrompido, ainda mais por você” Revirei os olhos e apoiei meu rosto nas minhas mãos, esperando que a mulher ali na minha frente proferisse alguma coisa

 

“Os senhores Jung HoSeok, Kim NamJoon e Min YoonGi estão ali fora senhor, desculpe entrar assim do nada, mas eles falaram que era bastante importante, e que não poderiam adiar para falar com o senhor, então eu entrei para te avisar, já que eles não pararam quietos desde que chegaram”

 

“Ok, Ok, agora pode ir, e diga para os meninos entrarem. Pegue algo para bebermos também, vai ser bom algum vinho que eu tenho, escolha um das melhores safras que tenho guardado”  

 

Enfim os três adentraram a sala, com os seus típicos sorrisos estampados no rosto, enquanto se sentavam nas cadeiras e me encaravam de modo que chegava a ser assustador

 

“Falem logo, e parem de me encarar desse jeito, estão parecendo psicopatas loucos que vieram aqui para me matar” Todos riram juntos, bebericando um pouco do vinho que minha secretária havia acabado de trazer

 

“Você sabe que somos seus amigos, não sabe?” HoSeok começou um pouco receoso, assenti franzindo o cenho e então o outro suspirou, continuando a falar “Os negócios estão indo de mal a pior, JungKook. E você pode tentar culpar a nós três, mas não é bem assim”

 

“É como que é, HoSeok? Aliás, e como que é NamJoon, YoonGi e HoSeok? Vocês me dizem que as drogas não estão vendendo, ou estão indo de mal a pior, e querem que eu ache que não foi vocês? Os três que eu coloquei para gerenciar o meu negócio, que eu construí com tanta determinação, está simplesmente ruindo? E que vocês também não estão sabendo gerenciar? Eu não acredito nisso”

 

“Calma, JungKook, não é como se você fosse perder tudo do seu negócio, ele só… ficou mais fraco, com menos fluxo, nós vamos tentar fazer algo, mas não temos certeza se iremos conseguir voltar com o fluxo de vendas antigo, sentimos muito”

 

“E você, YoonGi? Alguma desculpa? Porque o HoSeok e o NamJoon já deram as deles, se você quiser dizer alguma coisa ainda, a hora é agora” Falei já alterado, amassando meus cabelos entre as mãos, tentando não dar um soco em cada uma daquelas caras na minha frente, com a feição de quem não entendeu nada, mas eles sabiam do meu nervosismo, sabiam que eu podia muito bem torturar cada um deles se eles pisassem na bola novamente

 

“Olha aqui, JungKook, eu acho melhor que você sente essa sua bunda bem sentada nessa sua cadeira aí, porque eu não vou mais aguentar o seu blá blá blá só porque você está estressado. Isso foi culpa nossa em partes, me desculpe, na verdade, nos desculpe, mas não foi culpa nossa se os fornecedores foderam com tudo também, deram a desculpa que metade da nossa carga foi saqueada. Então não vem encher a porra do nosso saco se você não sabe nada do que aconteceu enquanto torturava alguém por puro prazer. Vê se acorda, Jeon JungKook, você também tem um pouco de culpa nisso, depois que colocou nós lá, nunca mais deu uma visita para nos ver, ou ver como os negócios estavam. Poxa, custa tentar observar a situação como um todo?”

 

Abri a boca várias vezes para responder, mas nada saía. Aquilo foi certamente um tapa bem dado na minha cara. Eu sabia que não deveria culpar tanto eles assim, mas quando eu estava nervoso minha mente parecia pifar. Jogar toda a culpa nos outros fazia eu me sentir muito mais leve, mas sempre havia um YoonGi para me lembrar que não era bem desse jeito, é esse YoonGi estava aqui agora, me dando outro choque de realidade, como sempre gostava de fazer

 

“Então arranjem fornecedores novos e de confiança, por favor. Minha cabeça está um caos por causa do menino novo que chegou. Eu vou tentar visitar vocês um pouco mais, mas não vou prometer nada. Me desculpem, mesmo, eu só queria relaxar um pouco”

 

Me sentei na cadeira que estava atrás de mim, e fiquei observando os três por longos segundos. Suas expressões amenizaram-se aos poucos, até que por fim um sorriso -mesmo que bastante disfarçado por parte do YoonGi- adornou os lábios de cada um dos pestes que vieram me incomodar na pior hora, mas acabaram me fazendo esquecer do meu problema anterior

 

“Vamos beber, para esquecer dos problemas, sua cara está péssima, JungKook” Olhei indignado com a ousadia do mais velho, colocando as mãos na cintura, enquanto o encarava sem parar

 

“Obrigado pela parte que me toca, Seokkie. Poxa, eu gostava tanto de ti” Coloquei as mãos no rosto, fingindo um choro baixo, sentindo as mãos de dedos esgios do anteriormente citado tocarem as minhas costas, fazendo um leve carinho que foi direcionado até meu pescoço, porém minha orelha foi puxada, me fazendo dar um solavanco na cadeira

 

“Da próxima vez faça uma aula de teatro, antes de vir tentar me enganar. Acha que não te conheço? Seu bobinho” O menor deu um tapinha nas minhas costas e logo apertou meu pescoço, fazendo meu corpo todo estremecer. Não que eu estivesse sem sexo a ponto de ficar excitado apenas com um aperto singelo no meu pescoço, aquela era apenas uma das partes mais sensíveis do meu corpo, sem contar que eu adorava quando apertavam naquele local. HoSeok parecia saber bem disso.

 

Não era de hoje que nós dois tínhamos uma amizade bastante privilegiada. Aconteceu bastante por acaso, quando fui pego no flagra pelo mais velho enquanto tentava me livrar de uma ereção. O mais velho foi bastante solidário, me ajudando, e olha, eu não poderia reclamar. Aquela boquinha deliciosa fazia coisas que qualquer um poderia duvidar assim que visse, mas era só provando que comprovavam que era verdade o que eu sempre dizia. Porém todos diziam que tínhamos mais do que amizade, na verdade eu nunca tinha visto HoSeok de uma forma diferente, não sei se ele me via de outra forma, na verdade, eu nunca tinha parado para pensar nisso, pois é uma coisa tão irrelevante para mim, que realmente não importava.

 

“Bem, agora que já resolvemos todas as coisas que tínhamos para resolver, podem ir” Chamei HoSeok para perto da minha boca e mordi meus lábios antes de proferir qualquer coisa no ouvido do mais velho

 

“Me encontre nos fundos, meu anjo. Vamos aproveitar já que você está aqui hoje.” Me aproximei perigosamente, mordendo o lóbulo da orelha de HoSeok, vendo o mesmo estremecer diante a esse ato repentino “Por favor, Seokkie.”

 

“Você sabe que o que você está fazendo é jogo sujo, né? Sabe que eu adoro quando me chama de Seokkie.” Senti seus lábios serem pressionados nos meus, em um selar rápido, já que o mesmo estava sendo apressado pelos outros dois, que diziam estar atrasados para outros compromissos.

 

“Vão vocês dois de uma vez, eu vou assim que eu terminar as coisas por aqui. Posso?” Os meninos assentiram enquanto reviravam os olhos, já abrindo a porta para sair da sala

 

“Então, Seokkie, ir lá para os fundos vai ser muito demorado, não acha? Por que a gente não brinca aqui? O que me diz, meu anjo?” Agarrei a cintura do mais velho, já tratando de me levantar da cadeira o mais rápido possível, começando a beijar cada parte do rosto do menor a minha frente com bastante pressa. O corpo de HoSeok estremecia a cada aperto que eu proferia nas bochechas de suas nádegas, palavrões eram proferidos a cada beijo em seu pescoço.

 

Segurei seus ombros e o pressionei contra a parede, pronto para arrancar todas as suas peças de roupa, até ser interrompido por alguém batendo na porta. Pressionei meus lábios um contra o outro, puxando todo o ar que cabia em meus pulmões, na tentativa de manter a calma e não socar de quem ousou me atrapalhar nesse momento que eu finalmente poderia ter HoSeok submisso somente para mim.

 

Fui rapidamente até a porta, abrindo bruscamente, fazendo com que a mesma batesse fortemente na parede, assustando quem passava ali pelo corredor.

 

“O que aconteceu, Minah?” Falei com desdém, enquanto me encostava no batente da porta, dei um breve selar nos lábios de HoSeok, este que alegava já estar saindo por estar atrasado para os compromissos que teria nessa parte do dia, sendo um bobão como sempre era.

 

“Park JiMin, senhor, ele acordou, gostaria de ver como ele está? Digo, como a cicatriz ficou” Um sorriso gigantesco tomou conta de meus lábios, um tanto amedrontador, mas isso era com o que eu menos me importava, todos os empregados, inclusive Minah, já estavam acostumados com esse meu jeito bastante, digamos, bipolar. Mas não é como se eu fosse amedrontador todo o momento, somente quando eu precisava mesmo ser assim.

 

Ri baixinho e tomei o rumo do quarto do garoto, que a muito tempo atrás tomava conta de meus pensamentos, já pensando no que faria quando eu adentrasse o quarto, e se eu não fosse interrompido. Porque hoje parece que todos tiraram o dia para me interromper no meio de alguma coisa importante.

 

Assim que adentrei o quarto, vi a cena mais deplorável que já presenciei em anos. Park JiMin sentado de lado na cama, parecia estar viajando nos seus pensamentos, seu rosto estava pálido, podia arriscar dizer que estava mais branco do que o YoonGi, e a cicatriz nas suas costas estava coberta por um fino paninho da sua nova camiseta, que provavelmente deixaram aqui para que ele pudesse vestir.

 

Raspei a garganta tentando chamar atenção do Park, porém não aconteceu nada, o garoto não mexeu nem um músculo. Bem, eu não esperava esse tipo de reação, Park nem ao menos direcionou seu olhar até mim, devia estar tão imerso no seu mundinho imaginário que ao menos percebeu a minha presença naquele local pequenino.

 

I saw something sitting on your bed.  

(Eu vi algo sentado em sua cama.)

I saw something touching your head.

(Eu vi algo tocando sua cabeça.)

In the room where you sleep.

(No quarto onde você dorme.)

You better run.

(É melhor você correr)

You better hide!

(É melhor você se esconder!)

 

“Minah, eu quero o chicote, aquelas roupas que eu separei e a coleira, por favor” Falei do modo mais sereno possível, tentando não ser ouvido pelo “menino zumbi” ali na frente, que mesmo com todo o movimento do quarto parecia não querer fazer nada.

 

Ouvi o Park murmurar alguma coisa, levei um tempo para conseguir processar, eram só barulhos desconexos antes, até eu consegui entender um: “Me mate de uma vez”

 

“Por que eu te mataria, meu doce? Tenho muito o que aproveitar com você. Agora, por exemplo. Vamos, fique de quatro para mim” Estendi a mão para pegar o chicote que Minah já se aprontou a me entregar e assim que o fez tratou de sair rapidamente do quarto “não entendeu o que eu te disse? Quer fazer do jeito mais fácil ou mais difícil? Você quem decide, meu doce” Me aproximei de Park, passando os dedos entre as tiras de couro do chicote, o largando em cima da cama assim que me aproximei o suficiente da mesma “Já vi que vai ter que ser do jeito mais difícil mesmo. Sabe, Park, me dói, esse seu jeito teimoso complica tudo para nós dois, seria muito mais fácil mudar esse comportamento”

 

Segurei sua cintura e o deitei de bruços na cama, vendo finalmente Park ficar de quatro. Passeei com a minha mão por toda a extensão da sua cintura e costas, até chegar no fino tecido da sua cueca box, a qual abaixei até deixar suas nádegas expostas o suficiente para que eu pudesse chicotear sem que nada, absolutamente nada, atrapalhasse.

 

“Vamos contar juntos, meu doce. Que tal até 10? Se você desobedecer ou não contar juntamente a mim, a contagem aumentará, junto com a força. Não vai querer isso, vai?” O menor negou com a cabeça, mas o silêncio continuou prevalecendo naquele cômodo, mas isso não iria durar muito tempo.

 

Afastei o chicote da bunda e peguei o impulso necessário para que a marca fina das tiras ficassem marcadas na pele leitosa do menino. O grito ecoou por todo o quarto seguido de sua contagem, com sua voz rouca e baixa.

 

Todas as outras 9 chicotadas seguiram assim, minha força aumentava pouco a cada batida, os estalos do chicote na bunda do Park junto com seus gritos ecoavam a todo o segundo, sua contagem tinha ficado cada vez mais baixa. Uma onda de calor e tesão tomava conta de todo o meu corpo quando eu olhava para as nádegas avermelhadas do Park. Era incrível a “paisagem” que eu estava desfrutando

 

“D-dez” Ditou assim que a última chicotada foi proferida. Me virei de costas e fui até o batente da porta, me encostando ali, enquanto ouvia os sons da movimentação da cama. “Eu tenho que colocar isso?” Apontou para as coisas que estavam dispostas sobre a cômoda ao lado da sua cama.

 

Assenti e fui até a cômoda, pegando as algemas, analisando cada detalhe dela, esperando até que ele se aprontasse, coisa que não demorou muito, logo ele já estava na minha frente.

 

Arregalei os olhos ao ver realmente como ele estava na roupa, levei minhas mãos até seus ombros e o girei brevemente, dando um tempo para que eu olhasse como a sua bunda estava, não estava mais tão vermelha, mas ainda era aparente.

 

Voltei a deixá-lo de frente para mim e coloquei as algemas no seu pulso, alcançando a sua coleira. Ele realmente estava maravilhoso com a roupa que separei, mas seu rosto não estava dos melhores, como eu iria querer levar ele para algum lugar para exibi-lo se ele estava totalmente horrível naquele momento.

 

Passei os dedos no seu queixo e levantei seu rosto, tendo uma melhor posição para que eu pudesse colocar a coleira em Park.

 

“Se você não conseguir melhorar o seu rosto até a gente sair desse quarto, eu vou ser obrigado a te dar mais chicotadas, meu doce. Vamos, pode sorrir, mas não fique com essa expressão, é deplorável” Tracei um pequeno caminho da sua bochecha até o pescoço e sorri enquanto olhava nos seus olhos.

 

“E-eu juro que vou tentar, senhor Jeon” Sua voz se esvaia da sua garganta de uma forma rouca, a cada palavra ficava um tom mais baixo, chegava a ser quase inaudível. Revirei os olhos e puxei a coleira, trazendo o menino para mais perto de mim, começando a caminhar para fora do quarto. Park andava arrastado, sem ânimo algum, coisa que já estava começando a me irritar.

 

“Olha, Jimin, trate de andar mais rápido, o caminho não vai ser longo, é logo ali na frente. Hmm, aliás, já que o meu escritório é logo ali vá até lá engatinhando, com essa bundinha perfeita bem empinada ok?” Park assentiu e se ajoelhou, começando a engatinhar com um pouco de dificuldade, certamente com um pouco de dor na região do joelho. Eu normalmente mandava os novatos colocarem alguma coisa para não machucar, mas como eu havia lembrado isso de última hora ele teria que sofrer as consequências, tanto por estar tão desanimado que chegava a me deprimir junto, quanto por ter berrado tanto no dia anterior que minha dor de cabeça tinha se estendido até hoje cedo.

 

Enfim chegamos até meu escritório, que pela movimentação dos empregados, estes que entravam e saíam apressados do local com bandejas de petiscos e bebidas, o pessoal já tinha chegado para poder ver o Park.

 

Sempre que os novos meninos chegavam eu planejava com todo o cuidado do mundo uma pequena exposição para poder obviamente exibir a beleza deles para os meus amigos de confiança. Acho que desde que eu me entendo por gente eu faço isso, ou seja, desde que eu comecei nesse ramo dos negócios mais “obscuros” de Seul.

 

“Bem, meninos, como eu disse a um tempo atrás, eu estava de olho em uma pessoa por aí, e essa pessoa está aqui do meu ladinho. Eu posso arriscar dizer de que foi um dos garotos mais lindos que eu já trouxe para cá. Mas eu não posso garantir nada de que mais para frente eu traga um melhor. Vamos, meu doce, entre aqui”

 

A cada passo que Jimin se aproximava da pequena porta amadeirada, mais ele sentia que sua vida estava acabando, e que cada segundo que passasse ali, ele seria visto somente como um objeto. Se sentia horrível, mas aquilo estava apenas começando.

 


Notas Finais


Oi xuxus da minha laife, voltei com mais um capítulo bem lindjo pra vocês, eu estava escrevendo ele e quando fui ver quantas palavras tinha dado, era um pouco mais de 1.500 palavras, e não tava nem perto do que eu queria escrever, acho que às vezes eu tenho tanta inspiração que eu me impressiono.

Bom, hoje eu fiz um P.O.V do Jeon, bem lindjo e maravilhoso para vocês, mais contando sobre o próprio Jeon do que teve Jikook. E eu não resisti em colocar o OTP (lê-se HopeKook) aí no meio, mas eu juro que é uma fanfic Jikook, não vai fugir desse contexto de novo, eu prometo (mentira, não prometo nada).

Nos próximos caps vai aparecer os outros meninos (Jin e Tae) vou pensar como, mas vai ser de um jeito bem fodástico, vai causar muitas tretas também, porque treta é o que me move.

Outra coisa é que, vai ter um cap ou outro de outros shipps (nem conto de quem, se não estraga toda a magia) mas vai ser um pouco mais para frente. E também uns caps contando sobre o passado do menino Jeon. Espero que vocês gostem desses também, vou trabalhar bem neles para saírem bem gostosos e xerozos pra vocês lerem.

Outro aviso bem rapedinho é que talvez daqui pra frente os capítulos comecem a ser em 3ª pessoa, só quando eu resolver fazer o P.O.V de alguém que obviamente não né.

Vocês não tem noção do quanto eu pesquisei para colocar uma música que eu realmente achasse que se encaixava no cap, eu fiquei horas e horas procurando, até achar essa, até achei umas que se encaixavam em outros capítulo. Fetish, guardem esse nome, só uma dica. A música é “In the room where you sleep.” se vocês quiserem ir ouvir a música podem ir, but, eu não recomendo ouvir sapoha de madrugada, eu ouvi e não tive uma boa experiência não.

Até o próximo capítulo, que vai sair talvez semana que vem, vou definir certinho os dias de postagem.

Espero que tenham gostado

Kissus da Hobinea 😘 (de novo)

(A roupinea que o Jeon escolheu para o Jimin é essa aski: https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/originals/c7/93/a9/c793a9d0ac84568073faf7007f54c0e3.jpg ~não consegui uma fotinha da coleira, desculpem a minha pessoa)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...