História Safe and Sound - Capítulo 54


Escrita por: ~

Exibições 242
Palavras 1.676
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


HEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEYYYYYYYYYYYYYYYYYYY BAES
GOSTARIA DE ANUNCIAR QUE ESTAMOS DE VOLTAAAAAAAAAAAAAAAAAAA DEPOIS DE QUASE UM SÉCULO AUSENTE VAMOS VOLTAR A ATIVA COM VÁRIOOOOS CAPS NOVOS E JÁ DIGO AGORA: PREPAREM OS CORES S2
TAVA COM TANTA SAUDADE CJNADVOEDNKVDAPNVAEBIEFIBSLKA ♥
BEM VINDAS NOVAMENTE :D

Capítulo 54 - Anjinhas da Alegria


Fanfic / Fanfiction Safe and Sound - Capítulo 54 - Anjinhas da Alegria

 

Uma tremenda de uma angustia inigualável me dominava. Eu não sabia o que fazer. Horas se passaram depois que deixei uma mensagem na caixa postal do Craw. E ele, com toda a certeza, ouviu, mas não quis me responder... Filmes de nós dois juntos, rodavam em minha mente. E percebi como ele era o melhor namorado que alguém poderia ter no mundo. E eu não valorizei.

Mesmo com as nossas brigas, que ocorriam a toda hora, nós éramos muitos felizes juntos. Acredito que nossas brigas nos faziam nos amarmos mais ainda, pois elas eram a prova que nenhum relacionamento é perfeito, todos tem os seus conflitos. Não tem como não se magoar em um relacionamento, isso é definitivamente impossível! Por mais que o amor do casal seja o mais recíproco possível, ira ter uma hora ou outra que o casal ira se desentender e irão sofrer, por mais que sintam uma leve dor, mas ira sentir. Então só nos resta escolher alguém que vale a pena sofrer. Alguém que não seja “um a mais” em nossa vida. Pois de pessoas que dizem “eu te amo” no mundo ta cheio, mas são poucos aqueles que não só demonstram o amor, mas também o provam!

Eu estava em meio a uma dor profunda, que ninguém entenderia e eu muito menos saberia explicar. Não sabia como aliviar a minha dor. Minhas lagrimas não acabavam. Estava chorando a horas, sem parar. E a cada vez mais eu me sentia pior... De repente eu ouço duas batidas na porta:

"Toc, toc" 

- Não tem ninguém, vai embora! - gritei, para que ninguém entrasse. Não fazia questão de ver ninguém. E não queria que me vissem nesse estado.

"Toc, toc, toc" - insistiu.

- Vai embora! - gritei após tacar uma almofada na porta.

 "Toc, toc, toc, toc, toc" - insistiu bruscamente.

- AH! - gritei tacando mais dois travesseiros na porta, com toda a força possível. E na mesma hora que eu taquei os travesseiros na porta, ela se abriu. E acidentalmente, os travesseiros acertaram a cara de Sky, a derrubando no chão. Era a coitadinha quem estava querendo me ver...

- AH! Você ta maluca? - Sky gritou.

- Ah, me desculpa, eu não sabia que era você! - disse assustada e com dó da pequena que estava caída no chão.

- E mesmo que não fosse eu. Ninguém merece ser recebido com travesseiradas na cara! - ela disse com carinha de brava, mas não se conteve e logo riu.

- Você é uma figura mesmo! - disse me entregando ao riso também. Ela fez carinha de anjo e logo pulou na minha cama.

- Me diz: porque ultimamente você vive trancada nesse quarto? O que tem de tão legal aqui? - ela perguntou enquanto brincava de pula-pula na cama.

- Bom, eu estou estudando muito ultimamente... - disse com cara de decepção me lembrando de Craw.

- Estudando é? - ela foi irônica ao observar a bagunça no meu quarto, livros, lápis, canetas, folhas rasgadas, espalhadas, jogas e estraçalhadas por todo o quarto - Nossa, não sei como você consegue ficar nessa zona aqui! - ela riu - Bom, você não acha que já ta na hora de você tirar um tempinho pra me levar pra passear? Já faz um tempão que nós não ficamos juntas, você só fica trancada aqui nessa coisa... - ela reclamou e logo se sentou cruzando os bracinhos.

- Olha me-me desculpa, mas... - ia dizendo, mas não contive minhas lagrimas e logo as deixei rolar.

- O que aconteceu Ray? Porque esta chorando? - Sky se preocupou - Eu só pedi pra passear com você, nada de mais. Se você não tiver dinheiro, não tem problema, minha mamãe me deu 2 reais hoje. Já dá pra gente gastar bastante! Agente pode comprar um monte de doces, e ficar a tarde inteira comendo eles e vendo os desenhos que as nuvens formam! O que acha da ideia? - ela disse, tentando tornar as coisas mais simples.

- Sky... - eu ri e ao mesmo tempo chorei, uma mistura de emoções que somente uma criança pura poderia me fazer sentir - Olha, não é isso... Eu... Eu não to bem - disse contendo as minhas lagrimas.

- Isso... não é por causa do Crawford não é? - ela perguntou confusa. O meu celular apitou e eu o peguei correndo, na esperança de ver uma nova mensagem de Craw. Mas não, não era ele, e sim Cecília. Apenas ignorei a mensagem e continuei falando com Sky.

- Sim, é... - lamentei.

- E, é ele quem te mandou mensagem agora? - ela perguntou curiosa.

- Não, não foi... - lamentei outra vez.

O celular começou a tocar, tocou duas vezes. Era Cecília. Não atendi, não queria falar com ninguém, exceto Sky, que parecia tornar as coisas mais fáceis...

- RAYLEE! A Cecília que falar com você! - Tia Liza gritou vindo ate meu quarto e me entregando o telefone.

- Eu não quero falar com nin... - eu ia dizendo ate ela tacar o telefone na minha orelha e eu ser obrigada a atender...

Ligação On

- Ray!!! Eu te liguei, mandei mensagem e nada de você me responder! o que ta acontecendo? Você ta me evitando é? - Cecília gritou brava.

- OI Ceci! Me desculpa, eu... Ah, eu não tava ocupada - disse tentando não falar a verdade.

- Aff, você ainda ta nessa de estudar 24 horas por dia? Só não estuda mais porque não da, não é mesmo? - ela deu uma pausa e mudou o tom de brava - Já faz tempo que não nós vemos... Você ta bem? Porque você se afastou de nós? Estamos sentindo muito sua falta! O Crawford principalmente. Há tempos ele ta reclamando do modo que você anda o tratando ultimamente... - ela disse.

Nessa hora eu me entreguei ao choro. E ela percebeu.

- Ray? Ta tudo bem? Você ta chorando ou é impressão minha? - ela se preocupou.

- Chorando? Não! - disfarcei.

- Raylee Lawley! Eu te conheço garota. Não mente pra mim! - ela gritou brava do outro lado da linha.

- Ah... - me entreguei - Eu não estou bem com o Craw! Eu o tratei muito mal ultimamente. Estava focada demais nos estudos, que não conseguia arrumar tempo para ele. E agora é ele quem esta me ignorando... Mas eu mereço isso! - me desabei a chorar.

- Concordo com você. Merece mesmo! - ela foi insensível.

- Cecília! - fiquei brava.

- Ué, você quer o que? Que eu minta e te cubra de razão, dizendo “amiga, você esta super certíssima, é ele quem esta errado, ele tem que saber te respeitar e entender que você não tem tempo. Só você quem pode o tratar mal, ele não! Jamais poderá. Pelo menos não enquanto eu estiver viva! Termine com ele e arrume alguém que possa ser seu burro de carga. Sabe aquela baladinha la? Então, vamos la que eu arrumo uns bofe pra você gata!” NAAAAO! Eu nunca irei te falar isso. Nunca irei te cobrir de razão quando você estiver errada. E não adianta ficar brava com isso, por que é isso que amigas de verdade fazem. Se você não quer enxergar que esta errada, eu te faço enxergar, nem que eu perca o dia inteiro aqui no telefone, te dando um monte de sermão. Beleza? - ela disse.

- AI - disse sem saber o que falar. Mas de uma coisa eu sabia: ela tinha toda a razão do mundo.

- Olha, quer saber. Você fez errado sim! O que custava arrumar um diazinho se quer pra gente? Você ta muito obcecada nessa coisa de “estudar” ai. Tipo eu acho super legal que você esteja se esforçando e tal, mas as coisas não são assim. Você não precisa estudar o dia inteiro. Você pode muito bem estudar umas 4 horas por dia, mais ou menos, e depois passar um tempinho com seus amigos divos que você deixou de lado. Ou você poderia se matar de estudar a semana inteira e deixar um dia do final de semana pra ficar com a gente! - ela disse com mais cuidado para não me magoar.

- Tudo bem. Me desculpa. Só hoje eu percebi o quanto estava obcecada pelos estudos... Prometo arrumar mais tempo para vocês... - disse.

- Certo! Então o que acha de irmos para o cinema agora? Tipo já! Eu você e a turma toda... - ela disse animada.

- Mas... Eu to acabada, chorei durante horas, estou com a cara detonada e o cabelo todo pro alto - reclamei.

- E mesmo assim continua a diva que todos querem copiar! - ela riu do outro lado da linha.

- Ai ai em Ceci! - ri.

- Então se arruma ai. Toma um belo de um banho, que eu sei que você não tomou, porque da pra sentir seu odor daqui! E olha, acredite em mim, ta péssimo! - ela riu zoando com a minha cara.

- Só você mesmo! - eu ri.

- Então tchau. Daqui meia hora eu e os garotos passamos ai para te buscar. Vamos pro cinema ok? - ela me animou.

- Mas eu nem disse que vou - dei risada.

- E nem precisa dizer. Eu sei que você vai. E olha, se você não estiver arrumada quando chegarmos ai, nos te puxamos a força e te levamos do jeito que você veio ao mundo, ta entendendo? Beijão até daqui meia hora amoré! - ela riu.

- Mas... - ia dizer, mas ela me cortou.

- “Mas com que roupa eu vou?” Isso que você ia dizer? Olha, Poe a primeira que aparecer na sua frente. Tchaau! - ela disse fingindo que não sabia que eu ia reclamar.

- Eu nem ia falar isso! - eu ri.

- Ah, então você não sabe o sapato que coloca? Ah vai de chinelo mesmo! Bye Bae! - ela disse e desligou o telefone, antes que eu dissesse que não iria sair.

Ligação Off


Notas Finais


ps: espero que vcs estejam com tempo, muitoooo tempo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...